Datas e Nomes


Nasci na véspera do Natal. Perdi meu pai às vésperas de um longínquo dia dos pais. Idas e vindas, dois lados da mesma moeda. Dois fatos que embaralham, no meu imaginário, datas gerais e particulares; pessoais e coletivas.

No dia dos pais de 1978 (um dia de merda para mim), os jornais estamparam uma propaganda de página inteira, graficamente muito bela: o retrato de um homem fantasiado de palhaço com a legenda PAIAÇO.

Reverberou fortemente em mim, obviamente, pelo momento que eu vivia (duvido que algum contemporâneo lembre-se do anúncio tanto tempo depois). Mas, não só por isso: na real, trata-se de uma síntese poderosa em imagem e trocadilho, né? 

Aço e palhaço: a fortaleza rígida do metal e a poesia lúdica do provocador de risos. Dualidade que me parece central na figura paterna. Tão próxima e tão distante (ah, as moedas e seus dois lados!) da figura materna, que carrega - literalmente dentro de si - por nove meses, ciente da sua fragilidade, esperando amadurecer, o futuro.

Relações idealmente complementares. Um atuando nos extremos, a outra, no centro; um buscando, a outra mantendo.

Hagar
guerreiro e palhaço
Lance bonito aconteceu no mais recente dia dos pais. Não estou me referindo à cuca de morango que ganhei da minha filha nem à vitória histórica do time que meu pai me ensinou a amar (entre inúmeras coisas que me ensinou, como, por exemplo, respeitar uma bela fatia de cuca com café na tarde de domingo). 

Estes foram, sem dúvida, dois lances deliciosos. Mas o que achei especial no domingo foi outra coisa: o comovente fluxo, nas redes sociais, de manifestações de pessoas falando sobre suas relações de pais e filhos. Cada um com seu jeito, efusivos ou discretos, eufóricos ou saudosos; todos com o que temos de melhor: nossa humanidade, força e delicadeza. 

Que bacana! Ali na www que, cada vez mais, vemos como um terreno baldio, deserto de sensibilidade e inteligência, campo de batalha de baixarias e covardias; foi bonito de ver e ler. Parabéns a quem participou com imagens e/ou palavras dessa criação emocional coletiva. Chega a dar esperança. 

amanhã 
vamos rir de tudo isso
amanhã 
vamos trocar datas e nomes
amanhã 
o vinho vai brindar a uva
hey menina
sei que o tempo cicatriza
hey menina
vamos rir do que nos fez chorar
amanhã

(*)

bah: entrementes, segue a saga inSULarNo sábado, a tour voltou à Goiânia. Pela terceira vez na mesma casa de espetáculos. 

Na primeira, o pessoal relacionado ao evento estava em dúvida sobre como seria, pois, além da novidade na formatação do meu trabalho (um trio solo?!? músicas novas e clássicos?!?), a agenda da casa era tradicionalmente sertaneja. 

Pois, foi super. Voltamos duas vezes e já ouvi gente falando sobre 2016! Bora!


A semana que inicia nos levará a Santa Maria-RS na sexta e Dois Vizinhos-PR no sábado. Abaixo algumas passagens por Santa Maria da Boca do Monte.

Bora!
11ago2015

42 comentários:

  1. Vindo de outros tempos,mas sempre no horário!!! Valeu H.G.!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aposentado por invalidez mental do INSS - Filha menor - Caridade é opcional ao efetuar depósito na Agência do Bradesco: 465 Conta C/ 0403018-4

      Excluir
  2. Post pra revirar sentimentos e arrancar lágrimas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei esse post triste, talvez por ter me identificado com a perda prematura paterna, e por isso me sinto desconfortável em te elogiar conforme eu pretendia fazer ao ver algum comentário teu. Acho que não cabe aqui, hoje. De qualquer forma fiquei emocionado com o post de hoje, mas menos triste por te "ver" aqui.
      Boa semana. :)

      Excluir
    2. Sou posentado por invalidez mental - Filha menor - pensão alimentícia da minha filha já em dia - A caridade é opcional e possivel, ao efetuar depósito na Agência do BRADESCO de R$30,00 por necessidade básica de sobrevivência: Bradesco Agência: 0465-0 Conta C/ 0403018-4 Me avise e grato pela leitura também!!! Vinicius Bueno

      Excluir
  3. 2013, 2014, 2015, dois mil e todos, lá estaremos! Obrigada pelo fds perfeito!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Nem sempre presente, nem sempre distante. A sintonia com o passado nos faz viver o agora. Sem rede, sem radar, a expressão contida é alimento para o homem só. Viva a diferença.

    ResponderExcluir
  7. Tom
    Eu ainda penso também que :
    Todo dia a gente inventa uma alegria
    A gente esquenta a água fria
    E ignora a bola fora
    Toda hora a gente dá um desconto
    A gente faz de conta
    Mas chega a um ponto em que ninguém mais quer saber
    Crimes passionais
    Profissionais liberais demais
    Segredos de Estado
    Centroavante recuado
    Isso me sugere muita sujeira
    Isso não me cheira nada bem
    Tem muita gente se queimando na fogueira
    E muito pouca gente se dando muito bem
    Agente secreto
    Agente imobiliário
    Gente como a gente
    Presidente e operário
    Empresas estatais
    Estátuas de generais
    Heróis de guerra
    Guerra pela paz
    Hindus, industriais
    Tribos e tribunais
    Pessoas que nunca aparecem
    Ou aparecem demais
    Isso me sugere muita sujeira
    Isso não me cheira nada bem
    Tem muita gente se queimando na fogueira
    E muito pouca gente se dando muito bem
    Isso me sugere muita sujeira
    Isso não me cheira nada bem
    Tem muita gente se queimando na fogueira
    E muito pouca gente se dando muito bem
    Críticos da arte
    Arte pela arte
    Pink Floyd sem Roger Waters
    (Welcome To The Machine)
    Formas sem função
    Fascistas de direita
    Fascistas de esquerda
    Empresas sem fins lucrativos
    Empresas que lucram demais
    E todo dia a gente inventa e fantasia
    A gente tenta todo dia
    Feitos cegos
    Egos em agonia
    Isso me sugere muita sujeira
    Isso não me cheira nada bem!
    Todo dia! Todo dia!

    ResponderExcluir
  8. Sou de BH e atualmente moro em Brasília, estive no show em Goiânia, dos mais de 20 que eu já fui dos engenheiros/GT3/PoucaVogal/Humberto digo que está cada vez melhor! Também tenho esse lance com datas, nomes e meu time de coração. Fiz um poema utilizando as três primeiras canções do Simples de Coração em homenagem a minha mãe, que faleceu no mesmo dia, dois anos antes do Galo ganhar a Libertadores. Esse ano nos 30 anos de carreira fiz uma tatoo do Filmes de Guerra Canções de Amor.
    Eis o poema, se couber: Dia 25 de Julio de 2013! Foi esta a data que o Clube Atlético Mineiro sagrou-se campeão das Américas. Há exatos dois anos chegava ao céu minha mãe, essa aí à esquerda, que juntamente ao meu pai, o da direita, eram sócios do Labareda, o clube social do Atlético Mineiro, na Era do então presidente Elias Kalil, pai do Alexandre, o Grande.
    Mais do que ensinar os filhos a serem Atleticanos, no fundo ensinavam mais do que isso, ensinavam a nunca desistir no que se acredita, mesmo que longos anos se passem sem grandes glórias.
    Com a sorte de ser fruto de uma família alvinegra por ambos lados, desde meu avô paterno, criador de galos em Itabira, até minha avó materna, autora do hino do Clube Atlético Pompeano , o galo de Pompéu, não foi preciso escolher um time de futebol. Aprendi desde cedo a torcer junto a Massa contra o vento, contra a CBF e a grande mídia. Como dizia o escritor Roberto Drummond: "Não torcemos para um time de futebol, somos Atleticanos, há uma notável diferença." Os títulos são importantes, mas viveremos sempre da nossa paixão.
    No entanto, desde quando mamãe desencarnou daqui da Terra o Galo começou a receber mais atenção do povo lá de cima. Ora, uma pessoa que tanto combateu as injustiças terrenas não iria se omitir justamente lá em cima, onde se tem mais poder. Se os tais Deuses do futebol realmente existem devem ter levado uma bela duma bronca da pessoa que me fez virar Atleticano. Afinal, eram muitas injustiças que se passava com o séquito futebolístico de maior mística do futebol brasileiro, a torcida do Galo. Após dois anos de sua partida, e para esta data jamais representar algo triste, foi justamente no dia 25 de Julho, que fui presenteado junto da imensa torcida atleticana com nosso maior título, a Libertadores da América!
    No mesmo palco onde presenciei ao vivo a queda em 2005, pude ver também ao vivo a nossa "Redempetion Song" - The Song of Freedon, Libertados. O ingresso será guardado pro resto da vida pois um dia também ensinarei aos meus o peso desta instituição. Clube Atlético Mineiro, obrigado por existir!"
    — in Belo Horizonte, Brazil.

    ResponderExcluir
  9. Ops! Desculpe, havia enviado o poema errado em relação a citação do Humberto Gessinger, está era que era pra ir...

    "Nesta data celebro o dia do nascimento de uma mulher, de uma guerreira
    Nesta data celebro o meu dia das mães, pois amor de filho é eterno
    Eterno como essa mulher, guerreira de uma família, guerreira de umas escolas
    Eterna guerreira cujas armas eram giz e também flores em suas mãos
    Flores que por onde passou lançou perfume de alegria e fraternidade
    Flores com espinhos, porém, para injustos e cerceadores da liberdade
    Giz que levou centenas de mineiros a escreveram suas histórias
    Giz conduzido com maestria pela maior professora de História
    Pelo menos das que eu tive a honra de ter sido um de seus alunos
    Pelo menos da que eu tenho a honra de ser um de seus filhos
    Hoje queria ir pra casa, vê-la abrir a porta e dar um longo e apertado abraço
    Hoje queria ao menos escutar sua voz, imaginado teu sorriso do outro lado
    Ao invés disso eu apenas fecho a porta e esqueço o barulho
    Ao invés disso eu fecho os olhos, tomo ar... é hora do mergulho
    Casa vazia, luzes acesas, só pra dar a impressão
    Cores e vozes, conversa animada... é só a televisão
    Planos de vôo, tava tudo em cima, céu de brigadeiro sobre nós
    Pane, pânico, perdemos a altura, puxaram o tapete voador
    Volta pra casa, me traz na bagagem, tua viagem sou eu
    Volta voando, vinda do alto, derrete o chumbo do céu
    Novas paisagens, destino passagem, tua entrada de véu
    Novas miragens, fim da viagem, bem vindo à vida real
    Com a certeza da missão cumprida, de quem deixou a mensagem
    Com a leveza da ternura amiga, mas também a força da sua coragem
    Ei mãe, você merece nossos parabéns, mesmo aí, onde você está
    Ei mãe, você merece nossos parabéns, dos corações, onde jamais sairá
    Hey mãe...
    Hey mãe...!"

    03 de maio, aniversário de nascimento de Helyelza M T Campos

    ResponderExcluir
  10. Preciso reler. É muito. Tão íntimo e tão enorme.

    ResponderExcluir
  11. Bruce Dickinson, vocalista do Iron Maiden, descobriu às vésperas do último natal que tinha um câncer atrás da língua.

    Todos os shows da "Donzela de ferro" pra esse ano foram cancelado, às vésperas do The book of souls (novo álbum).

    E o mais interessante foi que numa de suas últimas entrevistas o metaleiro disse que está voltando a cantar, mas no chuveiro. Uma velha canção do Iron: "Heaven can wait"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raphael, acompanho o Humberto da mesma forma que acompanho o Bruce Dickinson e datas e nomes com acontecimentos marcantes, sempre me deixam marcada de alguma forma, tanto emocionada por vibrar sabendo da boa saúde e entusiasmo pela vida do Bruce, quanto o sentimento nostálgico e fotte que Humberto passou escrevendo o que eu passei de lembranças e saudades de meu falecido pai.

      Excluir
    2. Raphael, acompanho o Humberto da mesma forma que acompanho o Bruce Dickinson e datas e nomes com acontecimentos marcantes, sempre me deixam marcada de alguma forma, tanto emocionada por vibrar sabendo da boa saúde e entusiasmo pela vida do Bruce, quanto o sentimento nostálgico e fotte que Humberto passou escrevendo o que eu passei de lembranças e saudades de meu falecido pai.

      Excluir
    3. Raphael, acompanho o Humberto da mesma forma que acompanho o Bruce Dickinson e datas e nomes com acontecimentos marcantes, sempre me deixam marcada de alguma forma, tanto emocionada por vibrar sabendo da boa saúde e entusiasmo pela vida do Bruce, quanto o sentimento nostálgico e fotte que Humberto passou escrevendo o que eu passei de lembranças e saudades de meu falecido pai.

      Excluir
  12. Véspera de vésperas, numa curva noturna, sempre atrás do vão. Eu e minha mania de digitar nos objetos mortos "touch" nos jingles sonhe precisão.

    ResponderExcluir
  13. Eu infelizmente nunca saberei o que é possuir uma relação paterna, dias como esses para mim, são cheios de um grande vazio, ainda assim músicas como parabólica tem um poder de me aproximar um pouco dessa sensação que Desconheço, também sou gremista, obra de minha mãe, e essa foi uma das únicas alegrias desse dia cinza.. obrigada por esses anos de músicas e leituras inspiradoras.. estarei em algum lugar da pista no teu show em santa maria, pela primeira vez.. chorando de alegria possivelmente. . Beijos, e quero muito um Abraço seu.. Gabriela Schmitt- Santa Maria/ RS.

    ResponderExcluir
  14. Quanta reflexão pode despertar um texto...? Acabo de ver na prática um ensinamento de Stanislavski. Muito bom!
    Boa semana.

    ResponderExcluir
  15. Sempre um showzaço em Goiânia!

    ResponderExcluir
  16. A vida é assim dias ou lembranças boas, + ou -, ruins... Mas tenho a certeza que todos aqueles que infelizmente nos deixaram nesta viagem da vida, poderemos no final desta jornada encontrá-los novamente, onde as nossas lágrimas não serão de tristeza mas sim de alegria, pois virão dias melhores, onde viveremos em uma terra de paz e teremos uma vida perfeita aqui na Terra, isso é o que acredito, e tenho fé que será uma realidade.

    Quando disse á cuca de morango, me lembrei de uns amigos que são aí do Sul que moravam aqui no RJ, sempre eles traziam uma cuca para depois do churrasco, bons momentos.

    Termino usando suas palavras: “Vamos rir do que nos fez chorar”. Mas na verdade acredito que amanhã será tão bom, que não vamos conseguir lembrar do que nos fez chorar, aguardo este dia.

    Até um dia próximo e vida longa!

    ResponderExcluir
  17. Salve mestre HG...entrei pra ler seu blog imaginando uma chuva de histórias sobre o Grenal, com vc tripudiando sobre a histórica goleada do Grêmio sobre o Inter. Vc mencionou o jogo sem citar nomes, mostrando o respeito pelo time colorado. Por isso sou seu fã desde mlk...vc é um exemplo,como pessoa, pai de família ,músico... Sua família deve estar orgulhosa de vc HG...Parabéns pelo belo texto, mas vou ter que falar o que a torcida colorada imaginou depois do jogo :
    " Se eu soubesse antes o que sei agora, iria embora antes do Grenal "
    Abraço !!
    P.S. Meu time empatou com o Corinthians, depois de mandar 3 bolas na trave e o zagueiro tirar uma bola com a mão...sou tricolor tb, inclusive aí no Sul...

    ResponderExcluir
  18. INESQUECÍVEL SHOW EM GOIÂNIA! VOU TENTAR IR A BRASÍLIA!
    CARALHO COMO VOU CONSEGUIR VIVER ATÉ O PRÓXIMO SHOW??
    ESSE É O MELHOR HUMBERTO DE TODOS OS TEMPOS!!

    ResponderExcluir
  19. Humberto.... preciso que um presente chegue a você... é da minha filha.... 9 aninhos... por favor, me dê uma luz..... um alô....

    ResponderExcluir
  20. Realmente, sei como se sente no dia 05/05/94. Perdi meu pai em um acidente de carro, dias dos pais não é mais o mesmo, mas um dia comum como se não houvesse fim, de lá pra cá vivo entre concreto e asfalto...

    ResponderExcluir
  21. Os pais deveriam ser para sempre, na verdade são...
    Pensamentos e lembranças,sorrisos e sorrisos.

    ResponderExcluir
  22. Seria interessante ler até mesmo a lista de compras escrita por Gessinger. Gênial em tudo.

    ResponderExcluir
  23. Talvez seja por tantas coincidências q me identifico tanto contigo . Tristes coincidências, apesar das pedras no caminho o fim pd ser mais feliz .
    Ps : atrasada dnv :(
    Forte abraço HG
    #VenhaAIpatingaMG

    ResponderExcluir
  24. nao tenho pai ,mas sou pai e comemoro com minha filha e sou feliz ao renovar essa cultura de amor paterno rj

    ResponderExcluir
  25. Caríssimo Humberto...

    Sou teu fã e, com muita alegria, tenho todos os teus cds e já assisti a vários dos teus shows aqui em São Paulo, onde vivo, inclusive o "Insular", no último janeiro. Como sou um paulista apaixonado pela cultura gaúcha, e modestamente compositor nas horas vagas, escrevi há algum tempo a canção abaixo como uma espécie de homenagem a vcs aí do sul. Como neste post vc fala da tua próxima ida a Santa Maria, cidade que eu cito na letra, tive a idéia de postá-la aqui. Ficarei muito honrado se vc a ler... Obrigadíssimo!

    GURIA GREMISTA

    Quando o vento sopra gelado nos pampas do meu coração
    É teu, minha prenda, o abraço apertado, és cuia e calor, chimarrão
    Quando a névoa aponta ao largo e aporta no peito a dor
    É doce em teus lábios o mate amargo que amorna o minuano de amor

    Guria, minha estrela guia
    Meu sol de um dia azul
    Gaúcha de Santa Maria
    Gaudéria cria do sul

    Se eu da invernada vou na cavalgada que desce o Cassino ao Chuí
    À noite sem pilcha, bombacha, o meu corpo acha o achego em ti
    Teus gestos, jeitos, teus peitos perfeitos, conceitos de Serra Geral
    Guaíba vermelho na tarde que arde num porto-alegrense postal

    Gauchinha linda, tão para mim bem-vinda
    És o meu amor meridional
    Justos de mãos dadas vamos pela estrada
    Da querência amada sem igual

    Gauchinha amiga, prenda tri-querida
    Dá-me a pista para eu te cabrestear
    Deixa eu conquistar teu coração gremista
    Matear sulista e te amar

    Gugu Keller (www.gugukeller.blogspot.com.br)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gugu, eu sou aqui do Sul e moro pertinho de Santa Maria.

      Muito linda a tua singela homenagem ao Rio Grande, eu, particularmente, fico maravilhada ao encontrar pessoas iguais a ti que apreciam a nossa cultura. Muito obrigada!!

      Humberto como sempre arrasando, é uma honra poder te ver e escutar mais uma vez, sempre será! Abraços!

      Excluir
  26. Boa Humberto. ..realmente pai e aço. ..força e delicadeza

    ResponderExcluir
  27. Comemorando o 5x0 magrão enquanto eu ainda estou mordendo os cotovelos de raiva.

    ResponderExcluir
  28. Ufa! Parabéns HG por mais um texto digno de sua história como músico e escritor.

    Bem, fico me perguntando como poderia eu falar da forma mais apropriada possível, usando os termos certos, a pontuação certa para melhor me fazer entender sobre esse tema (pai).

    Embora todos os pais sejam essa síntese da qual falou o Humberto, cada um é único. Até mesmo pelo fato de terem filhos diversos (o que lhes impõe missões diversas) e que, por sua vez, também são ou serão pais. Portanto, são ou serão a síntese citada (pai + aço = paiaço).

    Isso, realmente, nos faz confundir o peculiar (o meu pai) e o geral (a instituição pai ou o pai dos outros). Mas isso é perdoável em se tratando de uma figura tão simples e complexa ao mesmo tempo.
    Cada um, vê e escreve também de forma peculiar, mas sem deixar de atingir o geral. Que louco isso! O assunto, não eu! (rsrsrsrs). Pois a história de cada um nos toca como se fosse a nossa. Acredito que seja porque todos, se ainda não passamos, passaremos pela perda dessa figura essencial em nossas vidas.
    Tenho 39 anos, tecnicamente 40 (24/09). Sou paraense e perdi meu pai um mês depois de ter mudado para Santa Catarina, há menos de um ano. Isso doeu, hein! Acompanho a obra do HG desde meus 16 anos e com certeza meus pais também acabaram por conviver com esse cara durante todo esse tempo. Na verdade nem acho que seja tanto tempo assim! “Queremos sempre mais!”.
    Nada mais apropriado do que o Humberto Gessinger, que está por aí há 30 anos, tempo suficiente para gerar um pai/mãe, escrever sobre um tema tão bem acolhido por todos que é o “Dia dos Pais”.

    Eu também sou um “PAIAÇO” e “trago comigo” a síntese paterna. Sou singular, mas me confundo com o geral como qualquer outro pai.

    Valeu Humberto! Valeu a todos! Parabéns para todos nós!

    ResponderExcluir
  29. Compreendo a dor de perder o pai tão cedo; perdi meu pai também no ano de 1978 na véspera de seu aniversario. Foi um sentimento confuso. Pois meu pai sofreu três AVC ´s por erro medico que não deu o remédio da pressão enquanto estava internado. Apo s os avc´s ele ficou de cama por três anos. Falecendo em 1978. Tinha 10 anos na época. Foi uma alegria ao o ver partir, tirando assim a tristeza que ele carregava nos olhos por não poder ser ativo como era, e não mais poder sustentar a família. deixado esta carga para minha mãe. E o outro lado da moeda uma grande tristeza, pois de aquele momento em diante não o teria mais ao meu lado só dentro de mim. Mal sabia eu que passaria por esta dor novamente após 35 anos com minha mãe. Mesmo com o coração e o couro calejado pelo tempo (ao invés de um menino eu já era um homem de 45 anos) a força da perde e a mesma.
    Assim como Humberto recorda a capa do jornal, a minha recordação e do clipe do Guilherme Arantes no fantástico cantando a música `` amanhã ´´ que seria tema do personagem da Sonia Braga da novela dancin´days. Na época odiava esta musica apesar de sempre gostar do Guilherme Arantes e das suas musicas. Hoje esta musica soa como um conselho já não há mais ódio por ela.
    Um grande abraços a todos : Pais , mães e filhos...

    ResponderExcluir