igual... mas ao contrário


Reza a lenda que, numa festa, Peter Grant se aproximou de Bob Dylan e apresentou-se: "Olá, eu sou o empresário do Led Zeppelin", e Dylan teria respondido: "Veja bem, eu não lhe trago os meus problemas".

se non è vero è ben trovato

Li essa história na autobiografia do Ron Wood. Não sei se é verdade, pois já vi citarem o mesmo diálogo com outros personagens. Mas não deixa de ser interessante a reversão de expectativa na conversa. A ostentação virando embaraço.

(*)

Numa dessas madrugadas estradeiras, o ônibus parou num posto de gasolina (em algumas cidades pequenas, postos de gasolina são os pontos de encontro das noites de sexta e sábado). Como sempre acontece nessas ocasiões, explodia do porta-malas de um carro uma música muito xarope, com um grave sujo e desproporcional. Uma tortura para quem vive cuidando dessas frequências com carinho na sua própria música. Acho que era o que chamam funk ostentação.

Já na estrada novamente, longe do barulho, mas ainda contaminado por aquela vibe'stranha,  me lembrei da música Segurança, que escrevi em 1985: ela é um funk ostentação ao contrário! Um reggae ostentação só que não!

(*)

Logo que cheguei ao hotel, peguei o acordeon e fiz um arranjo para Segurança que incluiu trechos da música Números. Ambas têm em comum o alerta sobre a projeção de carências no status vazio, na quantificação sem sentido. 

Por pouco outras canções que também tangenciam estes temas não entraram no meddley, o que provaria a tese de que todo poeta escreve sempre o mesmo poema. 10.000 variações sobre o mesmo tema.

(*)

É uma canção esquisita. Nos anos 80, era só baixar um pouco a guarda e ela virava sucesso. De uma maneira estranha e que me assustava, pois a ironia da letra muitas vezes (inacreditavelmente) passava despercebida. Aconteceu com a primeira demo, na coletânea Rock Grande do Sul, no Longe Demais das Capitais e até num remixe techno feito à minha revelia.

Quando foi lançada, fui a um programa de rádio AM (bem popularzão, daqueles em que o locutor distribuía dentaduras e cadeiras de roda) e o cara falou maravilhas sobre a música emendando: "de fato, a segurança pública esta um caos". Caramba! Bota fora de contexto nisso!

Na época, um curso pré-vestibular espalhou outdoors por POA usando o refrão da música. Além de não creditar a autoria, me deixaram muito constrangido pois ali cometo meu erro de português favorito: ligar "você" e "te". Caramba, justo uma instituição de ensino!

(*)

Tenho adorado tocar a nova versão. Talvez pela inocência agridoce da gaita (que já estava presente na primeira demo mas ficou pelo caminho: a gravação do LDDC contou com o sax do Manito, d'Os Incríveis. Ratatatá!).

Quem sabe entra no setlist hora dessas? Quem sabe, no próximo capítulo da tour (inSULar 2.0) ou comemorando os 30 anos Longe Demais das Capitais, quem sabe?

Enquanto isso, estão todos convidados a se juntarem ao trio n'alguma das curvas da highway:


abs
16jun2015

42 comentários:

  1. Cada encontro de palavras tuas acabam, inevitavelmente, como poemas, Humberto...

    ResponderExcluir
  2. Valeu pela passagem em Chapecó, alemão! Sempre maravilhoso poder te ouvir! Te esperamos de volta em SC assim que possível ;)

    ResponderExcluir
  3. Tão sensível... <333
    cadê o RJ nessa lista? por aqui a divulgação do show
    seguido dos caras do BC está intensa :))
    Você prometendo uma turnê LDDC... nosso coração deFé pode não aguentar...

    ResponderExcluir
  4. Ostentar é pecar!!! Sim, nos vemos em Curita!!! Elaine Cailleuax

    ResponderExcluir
  5. Queria tanto poder ir ao show em Curitiba, mas nao poderei :'( nao sera dessa vez que realizarei meu sonho. Boa noite e otima semana mestre!

    ResponderExcluir
  6. Um grande abraço ao meu artista preferido, que me parece um velho amigo que ainda não conheci.

    ResponderExcluir
  7. Maravilha! Esteve em Fortaleza há tão pouco tempo... Mas por mim estaria todo mês! Já no aguardo do próximo show! Tales Lopes

    ResponderExcluir
  8. Texto incrível e que diz exatamente o que eu sinto. Como sempre andei na contramão na maioria dos modismos musicais, Segurança pra mim faz todo o sentido em tempos nos quais carrões,dinheiro e farra são temas recorrentes nas letras das canções pop! De qualquer modo, texto preciso e perfeito, como sempre! PS:MEGA ANSIOSA PRO SHOW DE VITÓRIA DA CONQUISTA-BA! Boa semana Humberto!!!

    ResponderExcluir
  9. Bah! Sei bem como é esse "entedimento" das coisas que se escreve. Numa leitura da minha primeira peça aprendi o quanto dizemos sem querer dizer. Um ator do grupo, inteligentíssimo por sinal, também escritor, aprofundava sobre minha "genialidade" naquele texto, com várias interpretações que eu nem sequer tinha considerado quando o escrevi. Foi engraçado, mas foi triste. Ali entendi que meu texto não era mais meu, mas a interpretação que cada leitor daria para ele. Ok. Deixando de ser criança, né Humberto? Rs
    Boa semana. Bons shows!

    ResponderExcluir
  10. 10.000 variações do mesmo poema.
    Na obviedade esconde-se a genialidade.
    A melhor maneira de enganar alguém é contando-lhe a verdade. Variações de um mesmo poema podem ser mentiras repetidas.
    Repetir o mesmo erro por predileção.
    Ter sempre a mesma voz (com sotaque gaúcho) a me dar razão no rádio do meu carro... por 10.000 destinos.

    ResponderExcluir
  11. A simplicidade com que descreve os fatos faz com que o leitor sinta com se estivesse vivendo o que você viveu. Sempre és o diferencial!

    ResponderExcluir
  12. Uruguaya que ayer buscándote en la madrugada se encontró con este blog y desde entonces soy más feliz! Gracias por tantas versiones de tu poesía...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Humberto unindo pontos, erguendo pontes *-*

      Excluir
    2. Sin duda...un genio que nos une, nos habita.. :)

      Excluir
  13. Bom, depois "daquele show" aqui em Fortaleza, achei que só iria ver outro show ano que vem...sei lá....mas os ventos do destino me levam a SP nesse fim de semana. Espero ver a nova versão de segurança no setlist dia 19. Vlw :)

    ResponderExcluir
  14. Bancana demais! Boa Semana e bons shows nessa infinta estrada, abraços...

    ResponderExcluir
  15. ah sim, Muros e Grades tem mais a ver com segurança pública que Segurança =P, mesmo assim dá pra pensar Muros e Grades de outra forma. Ok, Segurança tem a ver na construção de si no reconhecimento pelo outro.

    ResponderExcluir
  16. ah sim, Muros e Grades tem mais a ver com segurança pública que Segurança =P, mesmo assim dá pra pensar Muros e Grades de outra forma. Ok, Segurança tem a ver na construção de si no reconhecimento pelo outro.

    ResponderExcluir
  17. "Você precisa de alguém que te dê segurança" me vem à cabeça o indivíduo que precisa estar seguro em suas relações com o o outro. Sim, podemos contextualizar pra segurança pública também embora tivesses achado fora de contexto na época porque quando escreveste pensaste em outra coisa, mas dá pra contextualizar, mas entendo, quando escuto, o indivíduo que precisa estar seguro em sua relação com o outro.

    ResponderExcluir
  18. Anos 80 e a segurança estava um caos hahaha.. Incrível, mas programa am eh um show né.. Abço!!

    ResponderExcluir
  19. Sim, Segurança no meu ponto de vista tem a ver com a sua segurança que vai sendo construída na relação com o outro. Pode ser um pai ou uma mãe que te proteja, alguém que te apadrinhe, ou mesmo na tua forma de construir as relações onde o outro vai te dando confiança. Tu vai construindo confiança conforme vais te relacionando com o outro. O outro sempre te passa segurança. Muitas vezes os enganos acontecem na pessoa que se acha o tal porque ela vai construindo uma relação com alguns onde ela se sente segura e de repente ela projeta esta forma de se relacionar em outro e pode ser que a recíproca não seja a mesma. Acho que mais ou menos isso, não? Foste tu a escrever, é uma interpretação meramente pessoal =P , Mas eu comentei antes e quero melhorar minha análise em comentário adicional =P, sobre contextualizar pra segurança pública. Bom, de fato pra viver tranquilo em uma cidade deves construir uma relação segura com as pessoas que vivem nela. Tá, ok, forçar um pouquinho a barra pra chegar nesta conclusão, haahah, vou ficar com a primeira análise de segurança na construção da relação com o outro, Muros e Grades, se me permitires outro comentário, seria mais esta ideia de segurança pública.

    ResponderExcluir
  20. Sobre Muros e Grades parece claro: "opaaaa ... cidade violenta, casas trancafiadas por muros e grades... nosso país inseguro pela violência, disse tudo!! " Também. Mas acho que também tem algo a ver com a relação com o outro. I medo do outro, a insegurança, uma confiança no outro abalada. Uma vida vivida dentro de muros e grades superficialmente porque preciso me proteger do outro, da violência. Não há uma relação segura com o outro. Preciso me proteger dele.

    ResponderExcluir
  21. Muito bom Marechal esse texto. Tô ansiosíssimo que chegue logo 2016, 30 anos de Longe Demais das Capitais. Mas antes que chegue dá uma passadinha + 1 vez aqui em Fortaleza com essa tour inSULar.

    ResponderExcluir
  22. Obrigada HG por iluminar meu dia nesta manhã cinzenta... Bjs.

    ResponderExcluir
  23. Humberto ,qualquer canção sua que você adicionar no setlist iremos adorar. Abraços Marcelo Serrano

    ResponderExcluir
  24. Cara, não sabia que era o Manito que tocava sax na canção. O LP que comprei em 88/89 veio sem encarte. Acho que era mania das gravadoras relançarem os álbuns sem os encartes. Tenho vários assim.

    ResponderExcluir
  25. Armaria, esses funks perseguem todo mundo, pode ter certeza.
    Lembro dessa história dos outdoors com Segurança.. Achei bem engraçado quando li sobre pela primeira vez, tu poderia contar como era o anúncio, não? Estou ansiosa por qualquer coisa que esteja relacionada ao aniversário do LDDC *-* nos mantenha informados, haha.. Quando Sampa voltará à agenda? Espero que logo. Ótima semana, mestre.

    ResponderExcluir
  26. “Há um tempo em que é preciso
    abandonar as roupas usadas
    Que já tem a forma do nosso corpo
    E esquecer os nossos caminhos que
    nos levam sempre aos mesmos lugares
    É o tempo da travessia
    E se não ousarmos fazê-la
    Teremos ficado para sempre
    À margem de nós mesmos”
    Fernando Pessoa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro este poema... Ser buceadores de nosotros mismos...

      Excluir
  27. Veeeem pra São Bernardo do Campo, serei o 1º de muitos que vão comprar os ingressos!

    ResponderExcluir
  28. Algo me diz que esse posto de gasolina deve estar aqui no meio oeste de SC... ainda bem que também temos fins de semana longe dos postos com assassinato musical, e perto de você nos shows! viva a boa música, e volte sempre, mestre!

    ResponderExcluir
  29. NÓS POETAS CONHECEMOS SÓ 20 PALAVRAS QUE COMO SATÉLITES...
    NOS TORNAM UM PEQUENO SOL.

    DE UMA MESMA E DIVERSA FORMA DE DIZER: "eu te amo".

    ResponderExcluir
  30. ZYPREXA II


    Parte I

    Será mesmo que desse jeito
    Posso soltar para o sonho
    O amor? O meu amor por você...

    Quem sabe posso fazer o meu mundo mudar
    Para não sair de cena

    Para não chorar
    Para não se despedir
    O que posso fazer?
    Se alimento pode ser veneno
    E o meu corpo é um templo
    Quase demolido

    O que posso roubar?
    Se tudo que quero são duas entradas
    Para aquele show

    O que posso querer
    Além de viver e morrer com você?


    Parte II

    Frente a frente com você mais uma vez
    Mas agora é diferente
    É matar ou morrer
    E nesse jogo você está do meu lado
    E eu...
    Longevo e distante
    Aceito o desafio de ser o desafiante
    Mais maduro mais humilde

    E o que quero
    É vida
    e vida é a minha compreensão



    Leonardo Daniel
    16/06/15
    A CRUZ E A ESPADA

    ResponderExcluir
  31. Boa noite. O meu nome é Cláudio Corrêa Monteiro, moro em São Domingos do Prata, Minas Gerais, tenho 31 anos de idade (comemorados no dia 28 de julho de 2014) e sou seu fã. Virei poeta e romancista por sua causa (vou explicar: comecei a escrever poemas tentando te imitar na escrita e desde então não parei de escrever) e desejo ganhar algum livro ou CD seu, mas na minha cidade não se encontra nenhum CD ou livro. Eu sou radialista e toda semana dou dicas literárias. Ganhar do senhor algum item acima é praticamente impossível, pois costumo não dar sorte em ganhar livros ou CDs de artistas famosos. Tentei virar seu amigo no facebook, mas não consegui. Tenho alguns poemas escritos (e comecei a escrever alguns romances também), mas não tenho condições de publicá-los. Gosto de ler. Já fui a um show dos Engenheiros do Hawaii em dezembro de 2000 em João Monlevade, quando a banda estava em turnê do álbum 10.000 destinos. Um detalhe: foi o primeiro show musical da minha vida. Foi sensacional. Sou fã da música Piano Bar, lançada no álbum Varias Variáveis em 1991. Espero que Deus te abençoe e te ilumine muito e o mesmo desejo para toda a sua família.

    Grato
    Cláudio Corrêa Monteiro
    (031) 3856 1305
    (031) 9932 7237
    cacau2807@hotmail.com
    claudio_correa83@yahoo.com.br
    Rua Edelberto Lellis, 381, Centro,
    São Domingos Do Prata,
    Minas Gerais, CEP 35.995-000.

    ResponderExcluir
  32. Estarei te aguardando novamente aqui em Vitória da Conquista-BA, tive a oportunidade de estar em seu show em 2013 no Festival de Inverno Bahia, e esse ano meu coração vibrou novamente ao ver a grade e saber que estará aqui novamente, gostaria de poder te conhecer pessoalmente, e realizar um grande sonho, ainda que haja 1% de chance, eu terei 99% de Fé, um grande abraço, sou e serei sempre, Sua Fã. Te aguardo em agosto na terra do frio!

    Att. Niquele Janara
    E-mail: Niquelejanara@outlook.com

    ResponderExcluir
  33. Encontro-me com elas na highway de seus CDs, por enquanto... ♥

    ResponderExcluir
  34. Humberto, procede a informação de que irá em Ubá-MG no dia 4 de julho? Véspera do meu aniversário, adoraria! ♥

    ResponderExcluir