E, afinal, o que é blues? O sorriso triste do Rei ou o choro alegre da Lucille?


Vi BB King pela primeira vez, na TV, quando eu era bem piá. A única chance de "ouver" este tipo de som era num programa que ia ao ar nas tardes de sábado e que tinha, como abertura, a música Dreamer do Supertramp. 

Clipes eram raros - a palavra nem existia. Talvez por isso, o do Blues Boy King era presença constante no programa, ao lado de um do Deep Purple. Usando uma raquete como guitarra e a antena da TV como microfone, eu me divertia imitando Ritchie Blackmore e o mestre. 

As raquetes já não são de madeira, as TVs já não têm antenas, basta um clique e temos acesso abundante à música em formato audiovisual... muito mudou, mas segue igual a admiração que tenho pelos caras. E a intro de Dreamer ainda arrepia este velho piá sonhador.

(*)

Gosto dos artistas que surpreendem quando falam, aqueles que não dão literalmente o que se espera, na hora que se espera. Suspeito, por exemplo, dos que dizem que suas canções prediletas são seus maiores sucessos. Acho muita coincidência. 

Perguntado qual de suas músicas era a preferida, BB King disse que não tinha uma, mas que, se conseguisse cantar Always On My Mind como Willie Nelson, passaria os dias fazendo isso. 

Surpreendente. Buscar um exemplo do outro lado do muro que divide o blues da música country! Bela e humilde sacada de um instrumentista exuberante escolher o fraseado de um cantor. Mestres... sempre ensinando! 

(*)

Lembro de uma discussão que presenciei entre dois amigos guitarristas sobre quem era mais "blues", Luis Melodia ou Celso Blues Boy (como em todas as discussões superficiais, só um poderia prevalecer). 

Enquanto um dos amigos argumentava de forma literalista ("Pô, mas o Celso até tem blues boy no nome!"). Outro pensava de forma mais dialética, citando as raízes negras do grande Melodia. Para os dois debatedores, era só um papo de bar - nem devem mais se lembrar do que falaram - mas eu seguidamente me divirto transpondo este embate entre ortodoxia e heterodoxia para questões políticas, religiosas, estéticas... 

Seja A Bíblia, O Capital ou as celebobagens da semana, sempre há quem leve ao pé da letra e quem contextualize. Ambos erram e acertam. Como ondas que vêem e vão.

(*)

BB King tinha uma visão muito generosa sobre uma querela clássica: enquanto muitos blueseiros americanos reclamavam dos jovens ingleses dos anos 60 que faziam mais sucesso do que eles tocando blues, BB dizia-se grato pela popularização do estilo que aquela geração havia proporcionado. 

Na capa de um disco em pareceria com BB King, Eric Clapton (um daqueles jovens ingleses) aparece, humildemente, como motorista do velho blues man. Riding with the King. Boas energias emitidas cedo ou tarde retornam.

(*)

Lucille é o nome que BB King deu a sua guitarra, agora uma viúva silenciosa. Eu tive uma Gibson Lucille. Vermelha, o que é pouco comum; geralmente são pretas. Era do Lulu Santos, trocamos. Eu dei uma Gibson 350, ele me deu a Lucille e um Violão de 12 cordas. 

Nenhum dos dois instrumentos se sentiu muito à vontade aqui em casa. Dei o violão para o senhor que cuidava do nosso jardim. Ele precisava de um instrumento pra tocar na igreja. Ambos (ele e o violão) ficaram felizes. Eu também.

A Lucille, que tinha uma discreta assinatura do Lulu no corpo e, por isso, eu chamava Lulucille, passei para um colega. Não sei por onde anda. Espero que esteja feliz. 


bah : Apesar da minha inteligência mediana, o fato de, há 30 anos, viajar pelo Brasil fazendo música me dá uma percepção bastante abrangente do nosso país. 

E vejo um país diferente do que aparece nos pitacos superficiais dos FaceBootekos da vida. Nem tão ruim como uns vêem, nem tão bom como outros garantem. Muito mais complexo do que os dois lados imaginam na sua pressa de prevalecer nos bate-bocas digitais.

Não é uma complexidade paralisante, daquelas que nos fazem andar em círculos. Mas optei por não colocar ideias que tanto custei a costurar no liquidificador histérico das redes sociais. Só digo que, apesar das dificuldades, acredito num futuro melhor para todos nós. "Vamo que dá". 

Tô sendo muito otimista? Como não ser se, por exemplo, nesse fim de semana vou tocar em Recife e Fortaleza, duas cidades de uma região culturalmente riquíssima?! Quanta música maravilhosa, poesia, pensamento, etc... nasceram ali! (No sul também, meus conterrâneos, não fiquem com ciúmes hehehe).

Sim, há muito o que fazer. Mas ter o que fazer (ser possível) já é um início.

Algumas das muitas passagens por Recife.
( Também toquei na cidade em
1988, 1989, 1990, 1991, 1992, 1993,
2000, 2005, 2006, 2011, 2012 e 2013. )
Algumas passagens por Fortaleza - 01
Algumas passagens por Fortaleza - 02
( Faltam fotos de 1987, 1988, 1989,
1990, 1991, 1992, 1993, 1994,
2000, 2004, 2005 e 2010. )
26mai2015

45 comentários:

  1. Demais! Foi muito bom em Jundiaí

    ResponderExcluir
  2. a beleza em não ser literal e fazer arte!
    Valeu HG, pelo texto, por Jundiaí, pelo seu blues e milongas..

    ResponderExcluir
  3. Muito legal e interessante!! Que continue assim...
    Show!!!!!👏👏👏

    ResponderExcluir
  4. Ótimo texto Humberto, como sempre.. Rsrs
    Quando vem a Natal/RN. Sentimos sua falta por aqui..
    Tem muitos fãs na espera.. Valeuuuu..

    ResponderExcluir
  5. Obrigado pelo show incrível em Jundiaí, pelos textos maravilhosos que nos fazem esperar ansiosamente pelo momento em que a segunda vira terça... Rsrs
    (Segunda feira blues)

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Belo texto.Pra todo fã saber das suas recordações é enriquecedor!!
    Tentando levar esse seu otimismo comigo Alemão. Precisamos de dias melhores.
    Até BH. Bjo grande!!! <3

    ResponderExcluir
  8. A vitória da contramão é sempre mais doce do que o barulho da correnteza à favor, quanto a viúva Lucille eu não seria um bom pretendente, se eu já me enrolo com uma pandeiro fica claro que a Lucille é areia demais pro meu caminhão. Ela iria acabar como o violão de um camarada aí, ouvindo sermão em uma igreja. Abraço que Deus esteja contigo.

    ResponderExcluir
  9. "Vamo que dá"!!! Seria muito pior se não houvesse o que fazer. Também tenho fé que podemos ter um futuro melhor.
    Lindo texto!

    Gaúchos não se sentiram enciumados, mas eu como paraense, sim. Quando vieres tocar aqui (espero que em um futuro próximo) vou querer ver um comentário semelhante...rs

    Boa semana HG!
    Abraço da outra ponta do mapa!

    ResponderExcluir
  10. Maravilha de texto. Eu também faço parte do time dos otimistas. Valeu HG. Abçs

    ResponderExcluir
  11. Maravilha de texto. Eu também faço parte do time dos otimistas. Valeu HG. Abçs

    ResponderExcluir
  12. Texto inteligente, humilde e sincero. Lê - lo logo pela manhã, fará do dia melhor...com certeza. Valeu!

    ResponderExcluir
  13. Ô! Inspirado hoje. Do blues à política com sutileza... Transformando frustrações (?) em esperança (?). Boa parte dessas coisas está em como recebemos os acontecimentos, né não?
    Boa semana!

    ResponderExcluir
  14. Boa semana Mestre HG... afinal minha semana começa terça-feira...

    ResponderExcluir
  15. Mais botecos e menos Facebootekos. SRN.

    ResponderExcluir
  16. Bom texto Marechal !

    Boas recordações desses registros de Fortaleza, na maioria estive presentes e lembro perfeitamente esse de 2008, creio que foi o penúltimo show com os engenheiros em Fortaleza e o último no Crato. Onde o mestre (HG) canta O último pau de arara.

    Quero também ratificar com orgulho esse de 2002 ganhei sua palheta.
    esse de 2014 ganhei as duas munhequeiras, com todo orgulho guardo todos, Preço? essas coisas não tem preço.

    E digo mais, esse de junho de 2012 com o projeto Pouca Vogal, infelizmente, com o mês anterior perdi o meu pai, sem força para ouvir um bom som não pude ir para esse show.

    Abração Marechal... O circulo chegou e esse mês você estará de volta.

    ResponderExcluir
  17. Hawww!!! Também aprendemos muito contigo.

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Não sei como tu consegue lembrar das datas nas quais fez shows nas cidades. Que memória! BB King e Clapton são uma dupla e tanto que pôs fim a muitas idéias bobas quando apareceram juntos. Agora King reina nos céus.
    Aprendemos muito contigo também, não pense que não: tu nos surpreende cada vez mais.
    Ótima semana, mestre ♡

    ResponderExcluir
  20. Aprendendo,criando e fazendo acontecer!
    Sempre por dias melhores!
    Boa semana

    Mestre

    Curitiba aguarda sua presenca inefavel!!!

    ResponderExcluir
  21. Como são proveitosas as reflexões não divagantes!

    ResponderExcluir
  22. Vamo que dá, mestre. Também acredito muito!!!!! Só que quero você pra trilha sonora nessa estrada!!!
    muita saudade e estou esperando na sua promessa de fazer um show aqui em Santo André

    ResponderExcluir
  23. Ei HG.... To precisando de uma guita aqui pra tocar na igreja tbm. .. . To de zoação kkkk.... Belo texto.. VIDA LONGA AO BLUES.... E Q O BB NOS ABENCOE DA ONDE ELE ESTIVER...

    ResponderExcluir
  24. Dessa vez não vou presenciar sua passagem por estas paragens. Estarei na estrada, também vendo um país passar e a vida resistir...Calhou de ter que dar aula de sociologia no coração do Ceará justo no dia em que você por aqui aporta! E ainda mais em um grande espaço, o Dragão do Mar (aquele jangadeiro que, à lá Ulisses, saiu velejando da esquina do Nordeste para aportar na capital do país, só para reclamar, direitos), nossa Fortaleza. Mas, você estará comigo, nos fones ou no LCD, assim como a velha Lucille conversou contigo há alguns anos, pois essa é a sina da música e das letras... não importa se em uma palavra de Herman Hesse ou em uma frase de BB King!

    Bah, seja bem-vindo ao Ceará...

    Mesmo distante, estaremos juntos na estrada...

    ResponderExcluir
  25. Mestres sao smp mestres ! Nasci em época extremamente globalizada e a facilidade de acesso tira a oportunidade de conhecer a essência simples de diversas coisas,o blues por exemplo. Recentemente escutei um grande músico falar q o blues veio do caipira e da música estadunidense . Parece q a raiz ta nesse meio ... Aaah na música segunda feira blues ha umas reflexões bacanas e essa música nunca ouvi n rádio ,mas por sorte baixei rsrs (bendita globalizaçao) é umas das minhas preferidas . Agágê venha a Ipatinga MG esse ano pfv pfv pfv !!!! Forte abraço eterno piá

    ResponderExcluir
  26. somos todos nordestino de um futuro melhor em uma naçao que dorme ,com uma politica suja , mas nos vibramos em outras frequencias . hg é cultura da liberdade e mudanças dessa sina mediocre . seremos uma nova historia cultural......rj

    ResponderExcluir
  27. Gessinger,

    Desapego de lados e de instrumentos, né?! O segundo só demonstra que o primeiro não se resume ao "ficar em cima do muro", mas que parece ser mais uma coragem de se desfazer daquilo que não faz sentido, do que não é seu.

    Parabéns pela postura e pelo texto.

    ResponderExcluir
  28. Bem se vê HG, gente que é organizada,que guarda recordações valiosas e desfaz de outras sem sentido, que segue em frente sem soltar o fio do novelo da lógica dos erros, que espera dias melhores sempre, que revela as imagens de uma vida singela, familiar a quem se identifica e une do sul ao norte gente pensante, que por um instante parecem iguais...

    ResponderExcluir
  29. meu bah 1: Comece a descer mais esse mapa, cara! rsrs. Mais precisamente, na serra gaúcha!

    meu bah 2: Em Volta Redonda, tenho uma boa sugestão de música a ser tocada. O local do show é "PORÃO" Hall.... haha

    Abração!

    ResponderExcluir
  30. Vamo que dá!! Não vejo a hora de Natal ser inserida nesse roteiro.
    Vem Gessinger!

    ResponderExcluir
  31. uma vida que une energia e movimento, sofre sim um drama - o de ter que estar sempre no momento.

    mas uma vida dispersa em dá recibo, vive com o espírito oprimido e ainda além, vive presa em dilemas, não antitéticos, o pior dilema é sempre solitário.

    e uma vida que se faz pensar, que se faz sentir - corre para o abraço largo e quente do horizonte... estou relendo Mapas do Acaso e descobrindo velhos e fantásticos fantasmas, como por exemplo a trilha sonora (nacional e inter) da novela TOP MODEL que fizeram minha cabeça, e me fizeram ter fé que minha mina, minha rainha e meu anjo estava tão perto (tempo e espaço).

    ResponderExcluir
  32. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  33. Você deve estar passando por um momento de grande reflexão, pelo visto ninguém consegue fugir disso. Sorte a sua meu amigo a vida ter te dado a chance de se expressar de uma forma tão linda e com isso nos tocar com seus pensamentos e poesias. Bjs força e muita saúde!!

    21 de maio de 2015 01:05

    ResponderExcluir
  34. Te espero aqui em Fortaleza , contando as horas!!!

    ResponderExcluir
  35. Grande Humberto! E essa Lucille vermelha, será que você ainda tem uma foto dela? Abraço!

    ResponderExcluir
  36. Cara queria entender o que aconteceu com Belém! 3 Shows em Brasília, 2 em Goiânia, 3 em Pernambuco, só com o Insular...e aki nem com o Pouca Vogal vc veio...Tá foda pra gente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. será que depende dele?

      Excluir
  37. Caro Humberto, aqui escreve um cearense que faz muitos anos acompanha seu trabalho e que na verdade possui uma pequena legião na família que sempre está em suas apresentações no Ceará. O seu texto desta semana comenta o fato da coincidência de algumas pessoas declararem ser suas musicas preferidas justamente as que mais fazem sucesso. Aproveita essa questão para perguntar por que em seus espetáculos você não inserir mais músicas que não estão entre as que fazem mais "ibope"? Músicas tipo, Descendo a Serra, perfeita Simetria, A conquista do espelho dentro outras. um abraço, muita saúde, sucesso e mais anos de músca pra você. Elibernon. elibernon@yahoo.com

    ResponderExcluir
  38. Fiquei pensativa sobre comentar aqui por achar que a chance de você ler ou mesmo de ficar sabendo do comentário é mínima (mentira, acho que é nula). Mas energias positivas têm o seu efeito independentemente de serem conhecidas dos beneficiários. Então.. Estive no seu show esse fim de semana em Fortaleza e tive a impressão de ter visto um Humberto Gessinger diferente dos outros shows que tive a oportunidade de curtir. Muito feliz, sorridente, caras e bocas.. Saboreando meeesmo o que estava fazendo. Não sei se a timidez era a responsável por reações mais contidas ou se o momento que você vive hoje, de total liberdade e certeza de dever cumprido na história da música brasileira, proporciona uma realização que realmente faz você aproveitar cada música com muita satisfação. Nunca me importei com o "semblante mais fechado" do Humberto Gessinger, porque sabia que tal semblante podia significar mil coisas (ou mesmo não signifcar nada), mas foi muito bacana ver a empolgação que eu vi esse sábado. Ao final do show fiz uma prece por você e pelos seus companheiros de estrada: que Deus permita que vocês tenham em dobro as alegrias que distribuem a todos nós. O show foi sensacional (e "De Fé" me fez "chorar de pingar no pé").
    Camila

    ResponderExcluir
  39. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  40. Engraçado Sr. Gessinger admirando esse pessoal todo que não conheço muito o trabalho, e eu aqui admirando ele. Me pergunto se daqui a alguns anos vai ter algum músico falando dele como ele fala desses caras. Porque um estudante de Engenharia, eu, já fala dele como ele faz com esses caras (rs).

    ResponderExcluir
  41. Humberto.... minha filha de 9 anos tentou te dar uma camiseta no show aqui em Curitiba. Foi feita especialmente para você, foi ela quem pensou em tudo. Ela está inconsolável... saiu chorando do show... como faço para te entregar? É importante ela saber que você a recebeu e gostou. :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você acessar meu Google+, poderá ver a foto dela com a "sua" camiseta nas mãos, indo para o show... toda feliz...

      Excluir