doses homeopáticas, escala industrial


Passei a tarde de sábado conversando com o camarada Nando Peters. Objetivamente, o motivo da conversa era traçar planos para projetos futuros. Mas, minha arte/ofício é muito subjetiva. Nela, a objetividade vale bem menos do que no mundo real. Por isso, a conversa correu solta pelos mais diversos assuntos. A maioria dos quais, aparentemente, sem nada a ver com os tais planos. Aparentemente.

(*)

Lembrei da anedota sobre a diferença entre bandas americanas e inglesas: ambas marcam 4 horas de ensaio; mas os americanos conversam meia hora e tocam 3 horas e meia enquanto os ingleses ensaiam meia hora e conversam o resto do tempo.

Qualquer relação com a objetividade dos gringos e a subjetividade dos britânicos será mera coincidência?

(*)

Nando já participou da tour inSULar. Em Rio Branco-AC e Palmas-TO, num festival em que dividimos a noite com Sepultura. Ele também toca com Luciano Granja, que, por sua vez, já participou da tour inSULar em Vitória da Conquista, Bahia, num festival em que dividimos a noite com Saulo da banda Eva e Paula Fernandes.

Às vezes estamos no-centro-por-dentro-de-tudo-no-olho-do-furacão... mas precisamos de um papo aparentemente sem sentido para tropeçar no óbvio. Essa corrente de participações de guitarristas gaúchos tocando longe de casa e dividindo palco com artistas de estilos tão variados fez cair a ficha de quão ampla - geográfica e ambientalmente - esta sendo a estrada inSULar.

Há que ficar atento a esses fatos que nos servem de espelho, que nos fazem enxergar algo que está diante dos nossos olhos mas que, até então, não víamos.

(*)

Na gravação do disco A Revolta dos Dândis, eu tocava baixo fazia pouquíssimo tempo. Havia ficado com o Rickenbacker do Pitz (na troca, ele ficou com minha guitarra Ibanez Allan Holdsworth). Amplificador? Ainda não tinha.

A produção ligou de São Paulo perguntando o que eu achava de alugarem um Ampeg para as sessões. Pra não dar bandeira da minha inexperiência e da escassez de equipamentos de POA, fiz de conta que conhecia muito bem o equipamento que eu só tinha visto em fotos de bandas que curtia e respondi: "ótima ideia".

Meu coração disparou quando entrei no maravilhoso estúdio da RCA em Sampa. Tchê, que beleza: teto alto para gravar orquestra, tratamento acústico das paredes com madeira, pedras, espelhos, cortinas... pianos, órgãos, tímpanos e outros instrumentos espalhados pela sala... a onipresente logomarca do cachorrinho ouvindo gramofone... dava vontade de morar ali!

Disparado, meu coração quase parou de vez quando enxerguei, num canto da sala, um cabeçote Ampeg já ligado, com as válvulas irradiando a cor quente da eletricidade. Ele estava sobre uma enorme caixa, também Ampeg, com oito falantes de 10".

Foi um detalhe desta caixa que me fez entender várias coisas em uma fração de segundo: ela tinha, na sua base, duas rodas robustas. Atrás, na parte superior, havia uma barra cilíndrica de metal. Design para facilitar o transporte. Segurando na barra, inclinava-se a caixa, e ela virava o carrinho de carga de si mesma.

Eu, acostumado a tocar com pequenos amps, no meu quarto, sob o poster de alguma banda favorita, me dei conta de que minha música estava passando para a escala industrial. Ampla. Espalhada geográfica e ambientalmente. Um detalhe no desenho da caixa me serviu de espelho para ver o que estava na cara.

Achei o máximo, lógico: "vamos para o mundo"! Mas imediatamente tratei de fazer um pacto comigo mesmo: de manter sempre vivo, trazer sempre comigo, o menino que tocava no quarto olhando para posters de bandas geniais. Fosse qual fosse o caminho da minha estrada musical, em doses homeopáticas ou escala industrial.


bah: Um dos riscos do papo-auto-ajuda, tipo "lute pelos seus sonhos", é que, de tanto lutar, o cara pode esquecer de sonhá-los.
28abr2015

38 comentários:

  1. YASMIMMM ESSA SEMANA TEM E NAO TEM pausa POKO

    ResponderExcluir
  2. Eita ... Smp falo q to lutando pelo meu sonho de ser jornalista e nunca parei pra pensar q essa luta pd me fazer menos sonhadora. HG ta me saindo como um bom conselheiro .li em um dos seus livros algumas passagens q falavam do cachorrinho com fones e confesso q achei mt legal. O insular é o primeiro projeto q acompanho desde o início e q bom q ta indo longe , de norte a sul e tao rico de musicalidade .... Boa noite HG

    ResponderExcluir
  3. Sonhar e seguir sempre Alemão, algumas lutas são mais arduas, mas o sonho faz a gente seguir.
    Tenha uma boa semana.
    Bjo grande!!

    ResponderExcluir
  4. 1berto, suas musicas sao demais mas me deixa com vontade de beber conhaque...

    ResponderExcluir
  5. Sou um guitarrista Paulista lutando e esquecendo. ...

    ResponderExcluir
  6. No início dos anos 90 quando engenheiros lançou O Papa é Pop meu sonho de consumo era ter um som com "duplo deck" rsrsrs eu queria gravar as fitas de uns amigos que tinham os programas invasão da cidade dos engenheiros. Aqui em Fortaleza só se ouvia engenheiros nas rádios e no programa livre do sbt....doses homeopáticas... rs vlw hg boa noite.

    ResponderExcluir
  7. Papos com Nando Peters?!

    Ha llegado el final de la era "Tavares"?

    ResponderExcluir
  8. Gostei. Como sempre muito nada objetivo, quase, literal. Viva!
    Vem pra Cruzeiro do Sul-AC. Estou
    esperando a 19 anos, 6 meses e 5 dias.

    ResponderExcluir
  9. Parte do texto me conectou com essa onda do programa de disputa de bandas/conjuntos/duplas etc que vem sendo exibido no canal de tv dominante. Putz ver o Paulo Ricardo ali me da desesperanças com a música no Brasil. O cara foi um dos meus ídolos na minha adolescência. Mas...tudo bem, se a onda pede esses surfistas, quem sou eu pra da palpites. fazer uma pergunta ao Humberto mesmo sabendo que talvez não irei obter resposta...Humberto: agora depois de todos esses anos e tantas experiências, quando está catando e tocando nesses shows pelo Brasil, ainda sente a mesma forte emoção de outros tempos, ou você se sente mais tecnicamente concentrado? Abraços. ..

    ResponderExcluir
  10. Vem pra Salvador! :(

    ResponderExcluir
  11. Ótimo texto!!!! me vejo nele em matéria de nervosismo em alguns detalhes de estúdio,tipo isso e a naturalidade e espontâneadade de ainda sentir emoções com o que mais amamos,tocar e cada dia se emocionar

    ResponderExcluir
  12. Ain gente... Sempre me faz chorar de terça indo pro trabalho rs
    Vc, mesmo indo a luta, nunca deixou de sonhar. Isso que te faz um cara foda.
    Hey, que tal Fusão a Frio no set list, já que tocou no assunto? Hihihi
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. E sonhar pode ser a melhor parte... bah! Vou ficar aqui pensando...
    Boa semana. Bons sonhos.
    E já que falamos em sonhos... Posso aproveitar e oferecer uma leitura para a estrada? https://mtondello.wordpress.com/2015/04/05/interferencias-do-sonar/
    ;-)

    ResponderExcluir
  14. HG,

    Conectividade com texto da semana passada, não? Começo a entender novamente este espaço de forma íntima, observando e sentindo seus movimentos, como quando vc "embrionava" o momento InSULar da sua carreira.

    Aguardo os próximos compartilhamentos então.

    Obrigada por isso.

    ResponderExcluir
  15. Nunca esqueça de seu pacto, não se esqueça de quando era menino, pois isso tem feito com que seja o que é hoje.

    Falando em papo-auto-ajuda, vai umas frases importantes:

    “A felicidade pode crescer em qualquer solo, sob qualquer circunstância.
    Ela não depende de quanto nós temos, mas quem somos”.

    Anita Garibaldi disse: “Não tenha medo de viver, de correr atrás dos sonhos. Tenha medo de ficar parado”.

    Tenho certeza que está na estrada certa, nunca se esqueça de quem era e como tudo começou, pois poderá dizer: Sou feliz, faço o que amo!

    Até um dia próximo e vida longa.

    ResponderExcluir
  16. Texto perfeito!! Devemos sempre ir a luta com as objetividades da vida e nunca deixar de sonhar... Confesso que preciso recarregar e reabastecer essas ideias na minha mente.

    ResponderExcluir
  17. Essas pessoas que "lutam" pra ser o primeiro a postar aqui é tão controverso para fãs de Humberto. Não faz sentido. Enfim, concordo plenamente com o "bah" de hj.

    ResponderExcluir
  18. É lindo ver a tour inSuLar invadindo o Brasil...dá uma sensação de alívio por saber que muita gente ainda sabe distinguir música de verdade e essas "coisas" que a indústria fonográfica tenta nos enfiar goela abaixo ...
    Mas enfim, pra essa turnê ficar ainda mais completa ela precisa (com certa urgência) vir para o Norte...Belém!
    Boa semana HG!
    Vou continuar aqui sonhando com sua visita à outra ponta do mapa!

    ResponderExcluir
  19. Papo sem compromisso é relaxamento para a criatividade quando pelo menos uma das partes mantém-se alerta aos insights.

    ResponderExcluir
  20. SONHE ,MAS NAO DEIXE QUE SEUS SONHOS SEJAM SEUS SENHORES .......RJ . ATE A PÉ NOS IREMOS. VOANDO SEM E COM INSTRUMENTOS , NAO IMPORTA VAMOS ADIANTE EM BUSCA DA LIBERDADE . HG É ATIVISTA HUMANITARIO . RJ.

    ResponderExcluir
  21. CUIDADO PRA NAO TIRAR SUAS NUVENS DE ALGODAO , O LADO DO GAROTO QUE AMA A VIDA E A LIBERDADE , VIGIAI PRA NAO SER UM ERA UM GAROTO . RJ DEUS TE PROTEJA.....RJ...

    ResponderExcluir
  22. Estava em Campinas no dia 11/04/2015, sair de Sergipe para enfim, pela primeira vez, ouvir de perto o som e as letras que me causam arrepios há mais de uma década já. O tempo passa depressa.

    Lendo o texto da semana mais arrepios, e os sonhos ainda estão lá...

    Ansioso pelo próximo show, ansioso pelo próximo texto.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  23. Muito bom Humberto, a conclusão! !! Sonhar é importante, ir lutar pelos seus sonhos Também. Abraço Marcelo Serrano.

    ResponderExcluir
  24. "...manter sempre vivo, trazer sempre comigo, o menino que tocava no quarto olhando para posters de bandas geniais." - Amo ler teus escritos, reflexões e (des)construções que fazes com as palavras. Um poeta que canta a vida nas suas mais delicadas versões, um pensador que intitula aquilo que a gente sente, mas nem sempre consegue nomear.
    Com admiração, Dirce Becker Delwing - de Lajeado, RS.

    ResponderExcluir
  25. Que delícia ler essas coisas de início de carreira :3 boa semana *-*

    ResponderExcluir
  26. Parabéns HG, excelente texto...
    Realmente a realidade de luta de nosso dia a dia acaba por nos deixar cegos para nossos sonhos, devemos constantemente revisitar nossa infância/juventude para carregar nossa bateria de sonhos....

    ResponderExcluir
  27. Acho isso péssimo; esse negócio de misturar estilos tão diferentes. Por exemplo, vou pro seu show e tenho que ouvir Paula Fernandes?! Mas não tem outro jeito pq a indústria faz isso agora. É comum ir a um show de rock em um evento sertanejo. Isso é mt ruim, na minha opinião!

    ResponderExcluir
  28. Eu tentaria falar nm tom pra ser ouvido por quem realmente quer ouvir.
    Não dá pra agradar os dois lados.
    Não dá.

    Augustinho

    ResponderExcluir
  29. Eu estive nesse show em Palmas citado pelo Humberto - PWM Rock Festival de 2014! Um fato curioso: Humberto Gessinger era a grande atração da noite, esta que estava rodeada e recheada de bandas e fãs de trash metal! Foi meio estranho rsrs. SEPULTURA já tocava há uns 30 minutos e eu nem tinha me dado conta que era a lendária banda brasileira de metal kkkk! (By the way: as bandas locais estão no mesmo nível ou mais em termos de técnica). Mas a banda que abriu para HG (esqueci seu nome, era uma de estilo meio folk) conseguiu preparar bem o terreno para HG, fazendo a transição da vibe trash para a poesia! Foi uma noite memorável... Saudade. Abraços!

    ResponderExcluir
  30. Doses let(r)ais e Ampeg e-letrificado! Salve o som! Um por todos e todos por Hum!

    ResponderExcluir
  31. Uma palavra com vogal IN...sul...Lar ... Ilex.. Rede e Piano Radar

    ResponderExcluir
  32. Deixo um convite para os seguidores desse blog incrível passearem por meu blog www.portaldamarambaia.blogspot.com.br e conhecerem meus textos e "bichos". Beijão Në Sant'Anna

    ResponderExcluir
  33. Touching.
    Já não sei mais o que é melhor do HG, as músicas ou os posts! rs

    ResponderExcluir