os tempos são outros / os erros, os mesmos

Está pacientemente explicado em todos os manuais de equipamentos de audio: tenha quantos elos tiver a corrente do som, o último equipamento a ser ligado e o primeiro a ser desligado deve ser as caixas de som. O motivo: alguns equipamentos, ao serem (des)ligados, produzem um ruído que pode danificar os alto-falantes. Nunca soube de um caso desses na vida real, mas seguro morreu de velho.

Ok, como diz o poeta mineiro, a lição sabemos de cor, só nos resta aprender. Nesses anos todos em que equipamentos de som fazem parte da minha rotina, raramente (des)liguei-os na ordem certa. Sempre ouço o tal ruído desnecessário e irritante que, por sorte, nunca danificou nada.

Dá-se no meu cérebro o mesmo tilt que rola quando leio PUSH/PULL em alguma porta. Sempre faço o movimento errado! Ou na fração de segundos em que a mão tem que decidir, afinal, qual é a gaveta das meias e qual só tem cuecas. Aberta a gaveta, triste constatação: era a outra.

Na hora de abrir a porta do armário da cozinha para pegar a erva-mate, a mesma coisa: geralmente coloco a mão e descubro (sempre surpreso, mais uma vez decepcionado) que aquele é o lado das dobradiças, a porta abre do outro lado. 

Se qualquer um desses casos fosse uma roleta russa, eu não estaria aqui para contar. 

Acredito serem desnecessários mais exemplos. Suponho que o caro leitor seja inteligente (apesar de estar lendo minhas bobagens). Só mais um, pelo prazer da conversa: 

De uns tempos para cá, quando pinta alguma ideia musical, eu a gravo em video no computador. Por incrível que pareça, dos programas que uso, o de video é mais simples do que o que só grava audio. E traz a vantagem de mostrar depois que diabo de acorde estranho eu estava tocando.

Quando está tudo pronto para apertar o REC, são oferecidas as opções DONE e CAPTURE. Eu sempre escolho DONE, e fico com cara de tacho ao ver a tela se fechar. Anta! A opção certa para começar a gravar é CAPTURE! 

Eu poderia erguer a sobrancelha, empostar a voz e dar uma desculpa respeitável: bah, tenho coisas mais importantes em que pensar do que esses detalhes. Mas, nah... devo reconhecer que já tive tempo mais do que suficiente para aprender. Mesmo estando, por vezes, com a cabeça na lua.

Outra possível desculpa que não vou usar: no caso das placas sinalizando como se abre a porta, a palavra PUSH remete sonoramente (aos falantes do português) ao verbo PUXAR e induz ao equívoco. Com o tempo a gente cola um imaginário post-it de cor berrante no cérebro para nos lembrar que a palavra gringa significa o contrário do que parece. E da próxima vez que temos que abrir uma porta só uma coisa reverbera no cérebro: é o contrário! o contrário! o contrário!

Sim, mas... contrário do quê mesmo? Infelizmente, um número par de contrários nos leva à estaca zero. O "contrário do contrário" deixa tudo como está. Como uma volta de 360 graus que parece mudar tudo e nada muda. E aí a gente se perde na conta dos contrários e repete (mais uma vez surpreso e decepcionado) o gesto errado ao tentar abrir a porta.

Mais uma desculpa: no lance de (des)ligar equipamentos na ordem certa, a pegadinha está no fato de que a ordem muda: as caixas de som devem ser as últimas ao ligar e as primeiras ao desligar. No cérebro pouco privilegiado deste que vos escreve a ciranda do contrário-do-contrário-do-contrário se repete no último-primeiro-último-primeiro.

Quanto ao DONE das gravações em video, poderia me desculpar dizendo que sempre imagino que a palavra se refira aos preparativos a serem feitos antes gravar (escolha de nome e localização do arquivo) que, quando são oferecidas as opções DONE e CAPTURE estão... DONE. 

No caso das gavetas do roupeiro e da porta do armário da cozinha, não tenho argumentos em minha defesa, meretíssimo. Culpado, peço a misericórdia de uma pena branda.

(*)

Ok, pequenos erros insignificantes dos quais a gente se dá conta mas não consegue corrigir. Mas... e os grandes erros? Aqueles que fazem a diferença e que, traçoeiros, nem sequer sabemos que cometemos? Como corrigí-los ou sobreviver a eles? Será que, sem dar bandeira, eles também são sementes de canções e poemas?


abraços!
nos vemos na estrada
onde quem me abre as portas
é minha música 
e o carinho de vocês
18nov2014



54 comentários:

  1. A estrada.... logo em Sampa.... Insular... quem vem lá.....Há mais de 20 anos acompanhando o trabalho de Gessinger.... Elvis e Gessinger... Os caras que dominam meu walkman... Ops.... IPhone.... saudades da luz vermelha do walkman.... Boa noite

    ResponderExcluir
  2. novo jogo: chama-se 1,2,3.
    trata-se de um jogo de "adivinhação".
    você pode colocar os números 1,2,3,4 ou 5.
    joga-se de duas pessoas
    tem que gritar 1,2,3 e no três os dois colocam os números.
    não pode repetir o último número jogado.
    tem o desafiante e o que vai ser desafiado.
    o desafiante tem que "adivinhar" e o desafiado não pode deixar "adivinhar"
    são cinco chances pra tentar acertar.
    tem um truque pra ganhar e pra perder, quem souber...pode contar ou não contar ^^
    vou mandar um video explicando.
    bom jogo!

    ResponderExcluir
  3. Trabalho há uns 40 dias nesse novo prédio, e toda vez que saio do elevador, vou para o lado da portaria. Para não bancar o idiota na frente da recepcionista do andar, sempre "invento que fui ao banheiro" no lado contrário.
    Melhor ela achar que tenho incontinência urinária do que confessar que sempre saio pro lado errado ! kkkkkkkkkkkkkk...

    SRN.

    ResponderExcluir
  4. https://www.facebook.com/photo.php?v=313823042138286

    ResponderExcluir
  5. Sofro das mesmas insignificâncias... Sou mais um, pelo prazer da conversa.
    ...no táxi que me trouxe até aqui Beto Guedes me dava razão.

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    me senti compreendida agora...

    Nos vemos dia 07/12, Sampa!

    Abraços!!!
    e ah... dia 10/01 tbm! <3

    ResponderExcluir
  7. Conclusao também contraria a real....na estrada...Rbk

    ResponderExcluir
  8. Não fala de cérebro pouco privilegiado pq já virei piada em casa e entre os amigos por motivos como estes.

    "Carol? Em três anos você ainda não sabe que a gaveta dos talheres é a de baixo?"(sim eu sei... mas só depois de abrir a dos pratos antes)
    "Carol, o que que você tá procurando na geladeira?" (pó de café, geralmente, ... tá, tá... ele fica no armário, lembrei)...

    Com as gavetas de meias o ritual diário são abrir três; elas ficam na última, abro as duas anteriores. E assim a vida segue.
    Rola uma lenda de que um dia hão de etiquetar tudo pra mim (sério, compraram uma etiquetadora). Ainda não fizeram, acho que se tocaram que só vão me obrigar as mesmas legendas (Ah... pratos! Talheres) infinitamente.
    Outro dia expliquei minha teoria do pq isto acontece. Foi uma boa teoria, convenci alguém... mas esqueci qual era!
    Se lembrar, te digo. De repente tu pode usar um dia!

    ResponderExcluir
  9. Valeu Gessinger Humberto!
    Ao contrário...rsrs
    Abcs...

    ResponderExcluir
  10. Sinto como se eu que estivesse digitando. Humberto, incrível como os teus textos e tuas musicas são tão capazes de me expressar. "O contrário do contrário deixa tudo como está" estranho que também sempre uso a lógica do contrário e me perco nos contrários.
    Boa semana Mestre!!

    ResponderExcluir
  11. já perdemos muito tempo brincando de perfeição esquecemos o que somos: simples de coração !! Vem p fortaleza!!

    ResponderExcluir
  12. Não sinta se só...Abraços....rsss

    ResponderExcluir
  13. Contra a tradição....a contradição...o contrário do contrário.... Boa noite a todos....Belém do pará...te esperando....paradoxo....nada nos separa

    ResponderExcluir
  14. Não me canso de falar que o show em São Luís foi PERFEITOO né??? Mal acabou e já ficamos com saudade...Volta!!! Abraços ;)

    ResponderExcluir
  15. kkkkkkkkkkkk... ri muito com os exemplos!!!
    Valeu a prosa.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  16. O contrário do contrário é o que é. Grandes erros começam pelos pequenos, mas os verdadeiros problemas estão em suas consequências, pois estas são únicas!

    ResponderExcluir
  17. Humberto,

    Esse texto confessional serve bem para nos lembrarmos de que todos temos nossas limitações, e que aprendemos a conviver com elas e achá-las naturais, pois não somos diferentes dos outros em alguns campos neurais. Leitura agradável e cativante.

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  18. Humberto RI ao me ver registrada em seu texto e também emocionada. O meu dia começa bem quando venho aqui. Parabéns. Na ansiedade de assistir o DVD insular. O pedido foi feito a alguns dias. Bjs

    ResponderExcluir
  19. Ah 1berto, suas "bobagens" são muito mais significativas do que várias "reportagens sérias" ditas por ai! Que não gostaria de ter um "Cérebro pouco privilegiado" feito o teu?
    Inúmeras vezes me deparo com essa volta de 360º em minha vida... Na tentativa de corrigir um grande erro (no caso daqueles que eu consigo saber que cometi), costumo dizer: --Daqui pra frente farei tudo diferente! -Aí faço diferente-do-diferente-do-diferente-do-diferente, em um número par de diferenças que retomam a estaca zero.

    OS TEMPOS SÃO OUTROS... OS ERROS, OS MESMOS.
    Como corrigI-los ou sobreviver a eles? Será que, sem dar bandeira, eles também são sementes de canções e poemas?

    ResponderExcluir
  20. Texto inspirador, acho que vou escrever uma crônica/novela/romance sobre minha mania de desligar as tomadas puxando pelo fio e não pelo plug (sempre me disseram que esse gesto danificava os equipamentos). Sempre me senti um Bart Simpson naquele episódio em que a Lisa Simpson, sua irmã, prova que o rato é mais inteligente que ele.

    ResponderExcluir
  21. DVD INSULAR em mãos. Ficou excelente. Parabéns Humberto!!

    ResponderExcluir
  22. “Há um tempo em que é preciso
    abandonar as roupas usadas
    Que já tem a forma do nosso corpo
    E esquecer os nossos caminhos que
    nos levam sempre aos mesmos lugares
    É o tempo da travessia
    E se não ousarmos fazê-la
    Teremos ficado para sempre
    À margem de nós mesmos”
    Fernando Pessoa

    ResponderExcluir
  23. O contrário do contrário do contrário do contrário... :-)

    http://www.yourepeat.com/watch/?v=QfOIavjxt6c&start_at=128&end_at=129

    ResponderExcluir
  24. Eu gosto da desculpa de que tenho outras coisas mais importantes para pensar... mas talvez isto seja normal pra quem vive com a cabeça no mundo da lua... (e os pés no chão)

    ResponderExcluir
  25. Hahaha não tem como não se identificar, aparentemente também sofro da síndrome do contrário do contrário.

    ResponderExcluir
  26. Com é bom ter essa conversa contigo toda semana. Amo!
    Beijos e boas viagens.

    ResponderExcluir
  27. o carinho é enorme
    de lá p cá
    e daqui praí! <3

    ResponderExcluir
  28. Tenho uma leve impressão que o Humberto sofre de TOC.

    ResponderExcluir
  29. Eu sou canhota, logo, de contrário eu entendo rsrs! sofro pra colocar o cartão no caixa eletronico, abrir uma torneira, colocar o bilhete na catraca do metrô, abrir latas; no corrimão das escadas rolantes todo mundo segura de um lado e eu (as vezes + um ou outro) do outro, e por aí vai...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado rsrsr nós canhotos somos automaticamentes o contrário.

      Excluir
  30. Nunca decorei em qual lado da mochila minhas chaves ficam.Toda vez coloco... (acho q o lado direito), mas sempre reparo no bolso contrário. Isso irrita.

    ResponderExcluir
  31. O cérebro nos prega peças o tempo todo, é inevitável. No entanto, é estranho saber de algo e ainda assim, desenvolver a ação de outra forma (errada, na maioria das vezes). Ótimo texto, como sempre <3

    ResponderExcluir
  32. Quanto aos grandes erros, esperamos que sempre alguém os minimize!

    ResponderExcluir
  33. O que dizer né? ?? Contrário, contradição, contra maré, o que parece ser não é, e o que não é pode ser! Simples somos humanos, humanos demais, uepa....simples? ? Desde quando errar é humano, desde quando humano é normal, desde quando errando é que se aprende. . Ser humano é um tanto difícil. Abraços

    ResponderExcluir
  34. Já descobri que as cuecas e meias mudam de lugar pra sacanear a gente...simples assim...quanto aos armários da cozinha...tirei as portas

    ResponderExcluir
  35. Abraços mestre ! Nos vemos sábado aqui em Itajuba !

    ResponderExcluir
  36. Eu ri quando ele disse: o contrario, o contrario, o contrario. Imaginei isso com uma voz ofegante e desesperadora kk Valeu H.G.

    ResponderExcluir
  37. E a Lei Rouanet, Humberto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostaria de saber. Não há informação clara em nenhum lado.

      Excluir
    2. Também gostaria de saber. Não há informação clara em nenhum lado.

      Excluir
  38. Humba, vc é doidão, rs! Sobre os seus textos, sou leitora assídua, embora nem sempre deixo um comentário. Gosto daqueles mais profundos mas confesso que estes mais corriqueiros me cativam mais devido a forma como vc se coloca neles. Adoro ler quando vc está consertando o roupeiro ou alguma outra coisa sua que se quebrou...enfim...realizando coisas simples... interessante pra mim...coisas de fã, vc entende. super abraço, mestre!!!

    ResponderExcluir
  39. Humberto Gessinger, como você pode ficar em silêncio diante de tantos crimes cometidos pelo partido que nos governa? Você é um homem público e deveria ter coragem de dar sua opinião sobre a ditadura socialista que está sendo construída em nosso país.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TAMBÉM SOU GRANDE FÃ, MAS CONFESSO QUE GOSTARIA DE SABER SUA OPINIÃO SOBRE O ASSUNTO! POIS, EU AINDA PRESTO ATENÇÃO NO QUE ELES DIZEM, E O QUE OUÇO, ME DEIXA DE CABELO EM PE... E NÃO É GEL!!!
      ABRAÇOS HG TE ESPERO NO NORTE DO PR...

      Excluir
  40. Hahahah este do push ao contrário é clássico! Somos todos iguais, com "tiques, manias, vícios"... mas um dos que mais me incomoda (com i, mas sempre preciso consultar o dicionário, pois é uma das palavras que meu cérebro não quis gravar) é perguntar o nome da pessoa pela 5ª vez pensando: "desta vez eu vou gravar, não esqueço mais"...e na próxima vez que você vê a pessoa constata que não deu certo...que sua tática não foi suficiente, ou que não funciona pra esse caso!

    Um abraço e obrigada por compartilhar pensamentos...

    ResponderExcluir
  41. Floripa não tem data pra vir?

    ResponderExcluir
  42. 1berto a cada texto me apaixono mais por você;)

    ResponderExcluir
  43. Salvador pelamordeDeus!!!!

    ResponderExcluir
  44. Humberto...os erros que nem sequer sabemos que cometemos e que fazem a diferença, podem se manifestar na nossa vida de várias maneiras.Vai ter casos que poderemos corrigi-los e sobreviveremos a eles, em outros casos não tem jeito, o estrago está feito e só resta aprender a lição através desses "vacilos". Beijoooooooooooo, até breve.

    ResponderExcluir
  45. Ahhh já desisti do push/pull há muito tempo.. Que texto maravilhoso e leve, até o último parágrafo, alí bateu aquela angústia. Muito obrigada, Humberto!

    ResponderExcluir
  46. Como sempre palavras simples muito bem organizadas e colocadas. Assunto conhecido e vivido por todos! Grande HG, incomparável.

    ResponderExcluir