de novo (164)

Não sei se é fato ou lenda que os índios, nativos americanos, não tenham percebido a chegada das caravelas europeias à costa por serem coisas estranhas ao seu universo. Que tenham visto mas não tenham enxergado - não sei. De qualquer forma, é uma metáfora tão gasta quanto boa para a capacidade de sacar o novo. Há quem afirme que só se percebe quando já não é mais novo. Será? Não sei...

Talvez o novo, falado assim, sem meios tons, só exista em inexistentes condições ideais de temperatura e pressão. Aqui, nessa bolinha azul aparentemente à deriva no cosmos, talvez a gente deva se acostumar à mistura permanente do velho com o novo com o mais novo ainda, como uma bolota de massinha de modelar de cores diferentes mas inseparáveis.

Enquanto isso, dá pra se divertir um pouco com a pomposidade das análises equivocadas. Quando pintou a onda da música eletrônica, eram deliciosamente burras as resenhas que aplicavam as mesmas ferramentas usadas para pensar o roquenrrou num outro som, feito de outra forma, para outras pessoas ouvirem de outra maneira. Fosse falando bem ou mal, era hilária a aplicação literal de conceitos que pertenciam a outro ambiente. Como se um juiz de futebol apitasse um jogo de basquete, marcando "mão na bola" a cada lance.

Acontece a cada nova onda no ambiente novidadeiro e chiliquento da música pop. É interessante observá-lo ao longo de uma fatia mais generosa de tempo, sacar como as percepções mudam sem que o objeto central - a música - tenha mudado. 

Quando pintaram as bandas punk e new wave, tudo parecia tão diferente do rock clássico! Encurtaram os cabelos e os solos de guitarra, pintou ironia nos nomes (uma banda chamada Polícia, imagine! Impossível em Woodstock). Passado o tempo, tudo que se considerava inédito esmaece e as semelhanças com a tradição se ressaltam. Police deixa de ser o oposto de Cream (se irmanam na fraternidade dos trios), Clash se aproxima a Rolling Stones, Sex Pistols a, digamos, Black Sabbath...

Bah: antes que pintem comentários tentando aprofundar estas comparações, já aviso que me vieram à mente sem muita reflexão, no momento em que escrevo, exemplos rápidos. Afinal, se eu fosse um crítico, racional, não seria músico. 

(*)

Acho que a palavra "novo" se meteu na minha mente numa caminhada, ontem, vendo tanta propaganda de candidatos se dizendo "o novo" na política. Afinal, queremos o novo? Qual novo? É possível conhecê-lo? E reconhecê-lo, é possível?

Bah: deixa eu cair fora antes que comece o bate-boca político. Mas deixo vocês com meu melhor emoticon:

=)


02set2014

63 comentários:

  1. Boa noite Alemão! To indo ler! Forte Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Saudações mestre! Aqui estou eu, “mais um coração batendo do outro lado do cabo da fibra ótica” aguardando a “0ª hora” para ler seu post e após, dormir. Grande abraço da sua eterna fã!!!

    ResponderExcluir
  3. "É tudo novo de novo
    Vamos nos jogar de onde já caímos" (Paulinho Moska)

    ResponderExcluir
  4. como sempre,(ou quase sempre) confortavelmente inquietante =)

    ResponderExcluir
  5. Não vemos graça nas gracinhas da tv, morremos de rir no horario eleitoral. ..

    ResponderExcluir
  6. Como simples verdadeiro e no ponto.....amoooo...boa noite!!!....

    ResponderExcluir
  7. Boa noite HG.. Ótimo visão do novo.. Que novo? Rsrs

    ResponderExcluir
  8. Pô, esse seu lance de levantar a bola pra todos aqui refletirem é que é o "novo"....he he he...massa!!! :)

    ResponderExcluir
  9. é de se aplaudir em pé depois de ler tal texto.. de um tal gênio.. gênio esse da música, mestre das palavras...instrumentista, preciso nem falar né... fico aqui lendo os textos, e relembrando os dois shows q fui nos ulltimos meses.. e ja me preparando para o terceiro daqui a alguns dias... E minha admiração por este gênio aumenta, cresce e toma proporções de admiração perpétua .... Grande abraço , meu Grande ìdolo...

    ResponderExcluir
  10. Impressionante como nos faz refletir sobre várias coisas, até mesmo aquelas mais óbvias mas que nunca tínhamos parado para pensar.
    Grande abraço :)

    ResponderExcluir
  11. Acabei de ler essa semana a biografia do Iron Maiden.
    No inicio da banda, Steve Harris (baixista e líder) bateu de frente com a gravadora que exigia que a banda cortasse o cabelo.

    Não entendo muito de gravadoras e o business musical.
    Mas uma coisa sempre me grilou: Pq diabos esses caras pensam ter a medida exata de como "FAZER MÚSICA?"
    E a biografia nem precisa concluir que 40 anos depois o Iron quase todo continua cabeludo.

    O produtor, que apostou que o sucesso seria um Sansão às avessas se ferrou.

    Como toda vez que vejo aquele produtor "Rick não sei de que" no caldeirão da globo, fazendo bandas... Tenho vontade de vomitar.

    ------

    O inédito pra mim, ainda, é esperar que as bandas (algumas) dos anos 80 tragam coisas novas.
    Não espero que bandas novas tragam coisas novas.

    ResponderExcluir
  12. Calma ae HG...
    Num país que tem Maluf, Garotinho, Tiririca, e outras figuras como candidatos... Não vale nem falar em política.
    Sem contar que sou mesário e se não for trabalhar eu posso até ser preso.

    Olha que animador nossa política?

    ResponderExcluir
  13. Boa noite,Humberto Gessinger! Eu presto atenção no que eles dizem (POLÍTICOS) mas eles não dizem nada!

    ResponderExcluir
  14. Ops... meu comentário foi parar na dimensão dos textos que digitamos sem olhar e... pluft... onde foram parar?
    Tá, de novo (de novo???) então...

    E "os caras ligados, se atrasarão"? (é isso mesmo...rs). Sei de pelo menos um que vê o que ainda não existe beeeem antes. E olha que é um cara assim, meio desligado, que coloca café na cuia vez por outra ;-) Sei lá...

    Boa semana e bom trabalho. Com meu emoticon assinatura (ou quase isso) ;-)

    ResponderExcluir
  15. Faltou a velha banda, porém de renome o RUSH do lendário Neil Peart... Rock and Roll Man! Sou seu fã desde sempre... uhuu.

    ResponderExcluir
  16. "Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usada, que já tem a forma do nosso corpo. E esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia. E se ousarmos fazê-la, estaremos pra sempre à margem de nós mesmos" Fernando Pessoa

    ResponderExcluir
  17. O novo está sujeito ao tempo, cronos. Como também está sujeito ao espaço, seja geográfico ou cósmico. Ou seja, o que foi novo há dias, anos, décadas pode não ser mais. Como também, o que não aconteceu ainda de fato, mas já está em algum ideal, pode, também, ja não ser novo. Acho que nesse último caso se enquadra o novo político. Muitos têm o ideal da nova saúde, nova educação, novo transporte, nova política, mas esses ideais novos já estão velhos, e nem vieram à realidade.
    Sei la, acho que o novo ta aí, mas só aparece de vez em quando.

    ResponderExcluir
  18. Ah Humberto, te saquei lá na primeira entrelinha. Só nos códigos. Que novo? Quando chegam lá todos ficam iguais.

    ResponderExcluir
  19. Não posso esperar nada muito otimista do "novo" no nosso país e do velho menos ainda, imfelizmente =/

    ResponderExcluir
  20. Uma reflexão simples e criativa. Gostei =)

    ResponderExcluir
  21. Eu suspeito que o mesmo prazer que você tem de nomear músicas, tem também em dar títulos aos textos, não é não? "De novo" hahaha...muito bom

    ResponderExcluir
  22. Adoro seus textos. Algumas vezes, os considero diário de bordo do planeta umbigo, mas a fã pré adolescente que, graças à Deusa, ainda habita em mim adora.
    Talvez essa sensação venha do meu tradicional mau humor matinal, quase sempre leio cedo, mas ficam resquícios em minha mente, indo e vindo num looping sem fim, e percebo a genialidade durante o resto do dia. E, me sinto feliz por continuar adorando.
    Hoje, fiquei muito mais feliz por ver uma crítica política séria, profunda e coesa expressa de forma tão suave quase poesia/filosofia, coisa incomum nas críticas políticas.
    Daí, percebo que sua obra me parece uma tradição sempre recheada de novos e surpreendentes elementos, daí percebo porque sou fã há trinta anos... a novidade esmaece e fica a tradição. Gratidão Humberto!!!

    ResponderExcluir
  23. Ótimo! Simples, leve e envolvente. Muito bom de se ler e de se desdobrar em infinitas reflexões.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  24. Infelizmente não temos nada de novo, vivemos numa Democradura, o voto é obrigatório, não precisa falar mais nada. Abraços Marcelo Serrano.

    ResponderExcluir
  25. "Afinal, queremos o novo? Qual novo? É possível conhecê-lo? E reconhecê-lo, é possível?"

    =)

    ResponderExcluir
  26. Esse emoticon me lembra o bigodinho de Hitler. Cruzcredo!

    ResponderExcluir
  27. Uma otima o novo. Seus textos sempre nos fazem viajar, relembrar ou refletir sobre coisas acerca das nossas vidas

    ResponderExcluir
  28. mudar pode ser pra pior
    o novo pode ser um ovo

    a traição pode ser um cobertor
    assim como existem beijos de perdão

    ResponderExcluir
  29. "Nada de novo no front, treze vezes anteontem..."

    ResponderExcluir
  30. Sidnei Rodrigues - SP2 de setembro de 2014 13:54

    Acompanho seu som, textos,livros,projetos,twit cam e etc a 24 anos.
    Dias atrás sai de São Paulo e fui a Alfenas ( voce demora muito para voltar aqui rs) e assistir mais um show.
    Afinal queremos o novo? Qual novo?
    Um dos melhores textos !!!

    ResponderExcluir
  31. Ótimo texto. Obrigado.

    ResponderExcluir
  32. A busca pelo novo, nada mais é do que o reconhecimento da derrota, de que o antigo não deu certo. Esse sentimento sempre acompanhou a humanidade, e de forma alguma pode ser considerado um sentimento errado. É com as derrotas que buscamos o novo, porém o novo, não é um novo, são apenas alterações no que já existia.

    Afinal, nada se cria, tudo se transforma, a física nos ensina.

    ResponderExcluir
  33. ''Afinal, se eu fosse um crítico, racional, não seria músico. ''
    ai humberto <3

    ResponderExcluir
  34. Como pode alguém pensar e escrever dessa forma tão disforme e encantadoramente inquietante. HG, vc é um mestre das palavras, msm sem rima, parece que tudo que sai de vc eh música, mesmo um assunto banal se torna poético...AMO MUITO tudo que é relacionado as suas idéias e ideais..SUCESSO SEMPRE...

    ResponderExcluir
  35. Minha admiração por ele só cresce! Valeu 1berto!

    ResponderExcluir
  36. HUMBERTO EM PORTO VELHO-RO, SE VAI FAZER SHOW EM RIO BRANCO-AC, FAZ UM SHOW AQUI !!!!!!!!!!!
    HUMBERTO EM PORTO VELHO-RO #EUAPOIO

    ResponderExcluir
  37. Bons textos de volta!
    Eu percebo o "novo", mas tenho dificuldade em aceitá-lo... Mas enfim meu velhote voltou.

    Bah! Disse bem nas entrelinhas, como poucos captam! Aí eu o reconheci novamente :D

    ResponderExcluir
  38. Putz! Acho impressionante a sintonia e o sincronismo que as vezes tenho com teus textos. Enquanto lia e refletia sobre o texto, paralelamente outro pensamento me dizia que no final iria ter alguma coisa relacionado a política.

    E sem querer entrar em debate político também, mas só para pautar... Penso que em toda eleição sempre criam-se um chavões marqueteiro ideológico. Esse é mais novo do momento: " A nova política"

    A proposito super texto como sempre! Parabéns! HG ...abs

    ResponderExcluir
  39. Creio que esse papo de "Politica" é totalmente contrario aos olhos de Jeová Deus, afinal ele estabelecerá o seu governo aqui na terra (Daniel 2:44) que porá fim a todos esses... E enfim viveremos eternos e perfeitos para sempre aqui na terra (Salmos 37: 9 - 11,29)
    Mas gostei do texto. Você escreve tão bem não é atoa que é bom naquilo que faz: Arte Literário ou Musical!
    Abraços Beto espero você aqui em Ilhéus - Bahia

    ResponderExcluir
  40. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  41. O que é ser novo, velho.. Depende!?
    O bonito e o feio, o que é bonito? O que é feio?
    Só sei que música boa não fica velha(música velha, sempre nova)

    ResponderExcluir
  42. quando tem show em sampa

    ResponderExcluir
  43. de novo politicos todos iguais , nao vai melhorar . nois que temos que ser diferentes , estude e trabalhe . de novo racismo no futebol , somos todos iguais , tao desiguais , ha tempo que nao somos iguais na cultura , economia, na cor , no time fla , gremio ......... de novo ...rj.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. esporte é lazer , apenas brincadeira ,mas racismo é crime , de novo , mas se ha perdao vamos perdoar , atire a 1 pedra quem nunca atirou , perdoaremos politicos , torcedores racistas , jogadores milhonarios ......um mundo doente.......

      Excluir
  44. preciso ver na sua agenda a data do show aqui no ABC. Olho primeiro a agenda e depois leio o texto...continuo esperando, rabi!

    ResponderExcluir
  45. Num vai falar nada sonbre o gremio?

    ResponderExcluir
  46. http://riscoerascunho.blogspot.com.br/2014/09/reencontrado-crianca.html?m=1

    ResponderExcluir
  47. O que me encanta é que tanta gente
    Sinta (se é que sente) ou
    Minta (desesperadamente)
    Da mesma forma...

    O velho novo jeito de ser... o/ o/ o/ ... Cada hora é a vez de um... Política virou profissão e profissão virou política.

    o/ Agora é minha vez...

    FERNANDO MARTINELLI

    ResponderExcluir
  48. Linda foto!!! Composição de plano e fundo perfeitas... parabéns para o fotógrafo...

    ResponderExcluir
  49. pôxa !!! nem deu tempo pra dizer que a Marina se for eleita vai criar o pré-SALMOS. fica adispoisssss

    ResponderExcluir
  50. Nada mais é como antes ...É difícil argumentar com alguém no qual a genialidade permeia seu universo,mais ao mesmo tempo sinto-me a vontade por falarmos a mesma "língua". O novo da musicalidade perdeu as forças ,e consequentemente a cultura .Não quero o novo,quero você de novo! Gênios como você estão extintos ...

    ResponderExcluir
  51. Vi um taxi na farmácia esperando o punk lá , a alquimia agora é trazer bloqueador solar.

    ResponderExcluir
  52. Boa Noite! Provavelmente esse comentário não será lido por você, mas gostaria de dizer que assisti a sua palestra na feira do livro aqui em Foz. Gostei muito do que foi dito e parei pra refletir a respeito de muitas coisas da qual comentou. Não consegui enxergar quase que a palestra inteira e quando conseguia uma brecha oque via era desfocado, por que além de baixinha sou miope. Não consegui comprar nenhum livro nem tirar uma foto, muito menos um autógrafo. Seria bom se oque planejei, pelo menos metade tivesse dado certo. Quem sou eu? Me chamo Cristina. Mas se preferir sou só um coração batendo do outro lado do cabo de fibra óptica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. gostaria tanto de estar aí em Foz... mas aqui estou eu tb, esperando o post de hoje...será que terá??

      Excluir
  53. Adorei o texto...A Bahia sente falta de vc Humberto...não demore.

    ResponderExcluir
  54. Opa! Um novo comentário? Em texto "não novo"?
    Sim!
    Passando apenas pra deixar um abraço de quem não acompanha religiosamente todas as terças, mas tá sempre aqui pra absorver esse choque de reflexões que me tira da rotina (que tão me consome ultimamente).
    Aliás, brilhantemente tira da rotina! Pra mim essas reflexões são essenciais, quando se está em um ambiente acadêmico - profissional jurídico, no qual apesar de também haver muitas reflexões, por vezes se resume a poucas palavras nos textos de leis.
    Portanto, necessito semore passar por aqui, e recarregar.
    Textos sempre ótimos!

    Abraço de fã!

    Teresina/PI

    ResponderExcluir