... (155)

"Alienado" era um palavrão nos tempos da minha adolescência. Não sei se já era antes e se continuou sendo depois. Sei que, por uma estranha coincidência, alienados eram sempre os outros, não nós! 

Alienados eram os que gostavam de disco music, não nós que gostávamos de rock! Os que gostavam de rock, não nós que gostávamos de outro tipo de rock. Os que gostavam de outro tipo de rock, não nós que gostávamos de MPB. Os que gostavam de MPB, não nós que gostávamos de MPG...

Sim, muito relativo. Como tudo que existe mais da boca pra fora do que no fundo do peito, muito relativo.

Éramos uma juventude que não havia presenciado o golpe em 64, mas vivíamos sob suas consequências. Quem vive um momento de ruptura ou é contra ou é a favor - salvo exceções que confirmam a regra. Com o tempo, surge um pessoal que se acomoda com o status quo e nem pensa a respeito (como o sapo que - dizem - se jogado numa panela de água fervente, pula; mas, se colocado numa panela de água fria posta a ferver, fica ali e morre sem se dar conta do aquecimento gradual). Era contra esse pessoal que se erguia o insulto: alienado!

Na minha turma, ninguém queria ser alienado. Com, o tempo, alguns de nós descobriu que jamais seria alienado: cabeções, não se ligar estava além das possibilidades de alguns de nós! E a capacidade de desligar a mente por um instante que seja, passou até a ser desejada. 

Jogar tênis e assistir intermináveis partidas tem funcionado, desde então, pra me deconectar um pouco. Dia desses, acompanhando a cobertura de um campeonato, vi um lance intrigante (fora das quadras): o âncora da mesa redonda fez graça avisando que iria esconder a perna atrás da mesa pois o diretor lhe avisara, através do ponto eletrônico, que não era legal mostrar a canela sem meia.

"Intrigante por que?", deve estar perguntando o prezado leitor. Ora, porque se os caras queriam mesmo fazer uma cobertura formal e estavam preocupados com a canela peluda, deveriam tirá-la de cena de forma discreta, sem piadas, né? Mas se queriam fazer uma cobertura informal, até engraçada, que deixassem a tal canela aparecendo.

Vislumbrei nessa cena irrelevante uma demonstração da característica brasileira de misturar o formal e o casual, o público e o privado, o profissional e o pessoal. Informalidade, brodagem, compadrio, conchavo... 

Talvez nosso tão falado jogo de cintura tenha nos ajudado a chegar até aqui, como molas que suavizam pancadas numa máquina mal projetada. Talvez esteja na hora de superar esta fase e crescer, né?

O quê? Só falei bobagem? Deveria ter curtido a cobertura do jogo sem pensar nisso? Sim, eu sei. Mas eu avisei, né? Às vezes desligar é um dom... que nem todos têm.



bah: hoje não tuitei nem feicibuquei esta postagem. Então, a você que chegou até aqui, vai o meu sincero: Caraca, valeu!
24jun2014

102 comentários:

  1. Caraca! Não consigo parar de pensar no show! Caraca não consigo parar de ler o livro! Caraca! Porque você é tão foda assim?? Caraca! Eu preciso voltar a estudar!!

    Vlww @1bertogessinguer!!

    <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Era assim no meu tempo de colégio. H G é um vício bom.

      Excluir
  2. Venho sempre aqui... com ou sem tuite. Vlw Agage

    ResponderExcluir
  3. Sem fronteiras, sem bandeiras, caro 1berto não chego em nada, o mesmo dom de desligar é o mesmo de ligar nossa explicação... #pernascabeludas

    ResponderExcluir
  4. Valeu vc "Meu Brother"!
    E quer saber de uma coisa...? Deixa de formalidade... hahah

    ResponderExcluir
  5. De fé estar aqui no fim da segunda/inicio da terça!!!
    Vlw HG

    ResponderExcluir
  6. 1Bertão como sempre, pontual. Belo texto e belo show em Vitória na ultima sexta-feira que virou sábado, valeu por ter batido na minha mão e autografar o baixo que joguei no palco, abraço forte!

    ResponderExcluir
  7. Achei estranho não aparecer no face, então entrei no blog. Engraçado que geralmente só leio na terça pela manhã!, putz tava em Poá este fim de semana.aguardando o próximo mês em Curitiba no teatro positivo

    ResponderExcluir
  8. Humberto,

    Nos meus tempos de universidade (nem faz tanto tempo assim... rs), a expressão "alienado" ainda estava muito em voga. "Caminhando" por postagens variadas percebo que alguns dos antigos colegas ainda queimam muita glicose para andar em voltas e voltas, e, por fim, apontar a alienação como algo externo a eles. Daí, o que tinha ares de revolução pra mim aparece como clichê... e alguns aparentes clichês tornam-se geniais - principalmente, quando não se objetiva nada a priori em seus pensamentos.


    Obrigada pela reflexão da noite... obrigada por toda sua arte neste fds...

    Eu é que digo, Humberto: Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kelly,

      É verdade, o conceito de alienação é muito volátil e tendencioso. E, com um texto provocativo, a reflexão sobre o tema surge naturalmente.

      Grande Humberto!

      Excluir
  9. Humberto, quando que você vai em Caratinga, a cidade em que o "invisível nos salta aos olhos"?("Toda vez que falta luz"...)

    ResponderExcluir
  10. Ao invés dos (até) 140 caracteres que avisam sobre o post, muitas outras sensações incontáveis martelam minha imaginação - em marteladas igualmente incontáveis - a espera do que tens a dizer.

    Higor M.

    ResponderExcluir
  11. Ei Humberto a galera que foi no show de VIX disse que foi massa. Eu nao pude. Valeu!

    ResponderExcluir
  12. alienado é a principal expressão pra quem estuda no ensino médio,prefere as humanas e é "meio engajado" politicamente hehehe que pérola essa foto hein!!! quantos anos?!

    ResponderExcluir
  13. Toda terça as 12:20 quando chego do trampo, venho acompanhar os seus textos, como dizem por ai, é nóis, rs.

    ResponderExcluir
  14. PÔ... EU VENHO ATÉ AQUI, POR QUE ESSA É A ÚNICA RELAÇÃO QUE EU TENHO COM POESIA.

    ResponderExcluir
  15. Alienação.....tem tantas vertentes, ainda mais hoje em dia, nem sei mais quem se enquadra nela ou não, muitos se acham que estão longe desse conceito, e mal sabem que a maioria esmagadora voz da razão acaba esbarrando um pouco na tal alienação. Num Planeta globalizado fica dificil passar totalmente ao largo, porém se as pessoas evitarem repetir frases feitas,e pensar além do senso comum, já é uma luz no fim do túnel. Texto maravilhoso, e você divulgando ou não aqui sempre estarei trocando algumas ideias.
    Abraços Humberto.

    ResponderExcluir
  16. Êita! Estava, um momento antes de ler seu texto, falando exatamente disso com minha filha, após ler isso: http://uipi.com.br/destaques/destaque-1/2014/06/23/estrangeiros-listam-dez-exemplos-que-o-brasil-poderia-exportar/
    Quando li a número 4. ;-) Eis uma confusão ali.
    E, sim, tá passada a hora de crescer. Mas não vamos...

    E, sim, eu chego com ou sem indicativos. Já é vício.

    Inté.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. depois que leio o texto, sempre saio procurando teu comentário.

      Excluir
  17. Nossa... papo sempre bom aqui.
    Assunto complexo... crescer!
    Estou na fase de achar que só a leveza e o senso de humor são ainda capazes de fazer valer a pena sair da cama todos os dias.
    Os que se decidiram crescidos esbravejam suas críticas e ofensas cada vez mais e mais alto... diálogo é palavra (verbo,atitude) em extinção.
    Creio que a estes crescidos falta maturidade.
    Os que ainda são amantes do diálogo ficaram cada vez mais solitários com seus pensamentos, com a vontade de argumentar. Questionar? Em silêncio, em um quarto escuro!
    Ok... deixar de questionar é impossível (pelo menos pra mim), logo, faço o que posso para mudar... o que posso: a mim! Pretendo ser o meu melhor roteiro e acredito (por amor as causa perdidas) que esta atitude ainda há de salvar o mundo =)
    "How i choose to feel is how i am."

    ResponderExcluir
  18. Sei lá, bicho. Alienação é uma palavra pra lá de badalada nas discussões acadêmicas tb, né. E pode significar uma pá de coisas diferentes. Lembro de Hegel que dizia que a consciência humana sempre têm de estar alienada em alguma coisa. E isso vale tanto para a formação cultural do espírito universal - a conciência coletiva, digamos assim (que a bem da verdade tá mais pra inconsciência coletiva) - quanto a dona de casa lá no interior que passa todas as tardes fazendo compota e geléia pra passar o tempo. Desligar mesmo não desliga nunca. Talvez nem dormindo. Talvez nem naquelas meditações indianas.
    Mas acho que saquei uma das coisas que quisestes dizer. Todos queremos saber da última novidade, estar sempre online, visionar as tendências, não perder a fofoca do momento. Não sei... Já morei um mês em Paris e não fui nem ver a torre Eiffel pq não deu vontade. Esses tempos eu li uma matéria dizendo que a humanidade produz em um dia mais memória armazenada digitalmente do que toda os registros da nossa história por outros meios até um ano aí bem próximo (2000 e algo). Sempre me deixa um pouco blasé essa gente tirando uma centena de fotos todos os dias. É preciso tantas poses em tantos monumentos e coisas curiosas pra recordar um passeio?

    Como tava continuando hoje um dos meus famosos resumos. Vou colocar aqui um material que fala de alienação. Vai no jargão hegeliano que às vezes é claro e às vezes faz parecer que ou o cara tem uma forma sobre-humana de raciocinar ou tá mistificando todo mundo. Não deixa de ser poético, ao menos. E acho que o Humberto não vai me condenar por consumir bits na página dele.






    ResponderExcluir
  19. 19- [Das Leben Gottes] Assim, a vida de Deus e o conhecimento divino bem que podem exprimir-se como um jogo de amor consigo mesmo; mas é uma idéia que baixa ao nível da edificação e até da insipidez quando lhe falta o sério, a dor, a paciência e o trabalho do negativo. De certo, a vida de Deus é, em si, tranquila igualdade e unidade consigo mesma; não lida seriamente com o ser-Outro e a alienação, nem tampouco com o superar dessa alienação. Mas esse em-si [divino] é a universalidade abstrata, que não leva em conta sua natureza de ser-para-si e, portanto, o movimento da forma em geral. Uma vez que foi enunciada a igualdade da forma com a essência, por isso mesmo é um engano acreditar que o conhecimento pode se contentar com o Em-si ou a essência, e dispensar a forma - como se o princípio absoluto da intuição absoluta pudesse tomar supérfluos a atualização progressiva da essência e o desenvolvimento da forma. Justamente por ser a forma tão essencial à essência quanto esta é essencial a si mesma, não se pode apreender e exprimir a essência como essência apenas, isto é, como substância imediata ou pura auto-intuição do divino. Deve exprimir-se igualmente como forma e em toda a riqueza da forma desenvolvida, pois só assim a essência é captada e expressa como algo efetivo.

    20 - fDas Wahre ist] O verdadeiro é o todo. Mas o todo é somente a essência que se implementa através de seu desenvolvimento. Sobre o absoluto, deve-se dizer que é essencialmente resultado; que só no fim é o que é na verdade. Sua natureza consiste justo nisso: em ser algo efetivo, em ser sujeito ou vir-a-ser-de-simesmo. Embora pareça contraditório conceber o absoluto essencialmente como resultado, um pouco de reflexão basta para dissipar esse semblante de contradição. O começo, o princípio ou o absoluto - como de início se enuncia imediatamente - são apenas o universal. Se digo: utodos os animais", essas palavras não podem valer por uma zoologia. Do mesmo modo, as palavras "divino", "absoluto", "eterno" etc. não exprimem o que nelas se contém; - de fato, tais palavras só exprimem a intuição como algo imediato. A passagem - que é mais que uma palavra dessas - contém um tomar-se Outro que deve ser retomado, e é uma mediação; mesmo que seja apenas passagem a outra proposição. Mas o que horroriza é essa mediação: como se fazer uso dela fosse abandonar o conhecimento absoluto - a não ser para dizer que a mediação não é nada de absoluto e que não tem lugar no absoluto.

    36 - [Das unmittelbare] O ser-aí imediato do espírito – a consciência - tem os dois momentos: o do saber e o da objetividade, negativo em relação ao saber. Quando nesse elemento o espírito se desenvolve e expõe seus momentos, essa oposição recai neles, e então surgem todos como figuras da consciência. A ciência desse itinerário é a ciência da experiência que faz a consciência; a substância é tratada tal como ela e seu movimento são objetos da consciência. A consciência nada sabe, nada concebe, que não esteja em sua experiência, pois o que está na experiência é só a substância espiritual, e em verdade, como objeto de seu próprio Si. O espírito, porém, se torna objeto, pois é esse movimento de tornar-se um Outro - isto é, objeto de seu Si - e de suprassumir esse ser-outro. Experiência é justamente o nome desse movimento em que o imediato, o não-experimentado, ou seja, o abstrato - quer do ser sensível, quer do Simples apenas pensado - se aliena e depois retorna a si dessa alienação; e por isso - como é também propriedade da consciência - somente então é exposto em sua efetividade e verdade. " Fenomenologia do Espírito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando a alma está em voga - há uma quebra com os outros? Ego e seu labirinto... já que o ego se perde num simulacro, de si mesmo... Silvino, gostei muito do seu texto... pois pensar não é o mesmo que ter pensamentos...

      Excluir
  20. Cara e precisa tuitar ou facebucar?
    Precisa não!
    Terça não começa sem suas palavras.

    ResponderExcluir
  21. Desligar é um dom...só não entendo pq as pessoas não respeitam isso...beijo
    Ps: mesmo quando você avisa q não tem texto eu ainda veio aqui p confirmar...=)

    ResponderExcluir
  22. Aqui no Rio de janeiro que é a terra do funk... Prefiro ser uma alienada nadando contra a corrente. Nem sempre o que é popular é a legal. E a política brasileira se aproveita disso para massa. de manobra. De que valem os protestos nas ruas se as mudanças não chegam?
    No fim das contas vivemos em um país de alienado!

    ResponderExcluir
  23. Tá lá na minha agenda do Google, toda terça-feira: BLOGESSINGER.
    Sinceramente, nem sempre lembro, mas fico muito feliz por ser lembrado toda semana.

    ResponderExcluir
  24. DESCONECTAR É PRECISO...... DIA 10/08 VOU ME DESCONECTAR....OU CONECTAR...VAI SABER..... SHOW DO HG EM UBERLANDIA :)

    ResponderExcluir
  25. Valeu, Humberto. É um prazer vim até aqui, até porque não tenho facebook, haha. Abraço e vem pro RN!

    ResponderExcluir
  26. Até fiquei pensando se não teve postagem hoje, daí resolvi dar uma conferida! ehhe

    ResponderExcluir
  27. eu sempre chego aqui é quase um ritual de toda terça.

    ResponderExcluir
  28. Há um tempo em que é preciso
    abandonar as roupas usadas
    Que já tem a forma do nosso corpo
    E esquecer os nossos caminhos que
    nos levam sempre aos mesmos lugares
    É o tempo da travessia
    E se não ousarmos fazê-la
    Teremos ficado para sempre
    À margem de nós mesmos
    Fernando Pessoa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. JGR
      "Grande Sertão: Veredas"

      tempo e espaço - - MÍTICOS
      A travessia... a espera... o esperar...
      lançar-se porque o éon vem.

      Excluir
  29. Eu entendo vc, asvezes mais do que deveria entender e as vezes bem menos... Valeu Alemão... Quando leio seus textos, me sinto um verdadeiro puro sangue, puxando a carroça e que carroça...

    ResponderExcluir
  30. não por isso, mestre! visitar o blog é minha recarga semanal.

    ResponderExcluir
  31. De fato, nos períodos inglórios de nossa História, ou seja, quase sua totalidade, os meros mortais que se ocupavam em prover a si e aos seus matando um leão por dia, "por aí, a fim de sobreviver", eram tachados de alienados por não terem seus cérebros lavados por uma liderança que queria o poder para agir exatamente da mesma forma que quem tinha o poder. Eu venho de uma longa tradição de alienados por passar à margem do clientelismo, dos conchavos, da camaradagem, do toma lá dá cá que na verdade só serve para mascarar estratégias de mandonismo e rabo preso que remontam a épocas sebastianas. E enchemos a boca para falar em democracia!!!!!!!!! No Brasil, o alienado é soldado condecorado no glorioso Exército De Um Homem Só.

    ResponderExcluir
  32. Caraca, 1Bertão, nós que agradecemos por você nos encontrar por aqui, mesmo em tempo de copa.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  33. Muito bom! Excelente e brilhante esses teus pensamentos...

    Quem me dera ter essas sacadas e inteligência....

    Super abraço!

    ResponderExcluir
  34. "Eu preciso, é necessário. É necessário, eu preciso." Seguir viagem sempre!!!!
    Valeu Humbertoooo!!!!

    ResponderExcluir
  35. Estaremos sempre aqui humberto! Abraço

    ResponderExcluir
  36. É, Humberto, valeu a escrita e valeu o tempo de leitura. A alienação pode ser apenas um meio de sobrevivência, uma fuga da realidade que querem nos impor.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  37. Também não consigo parar de pensar no show! Cada dia que passa, cada música, cada palavra me faz te admirar mais!!!

    ResponderExcluir
  38. Sempre estamos aqui Caro Gessinger
    Nossa música precisa de mais cabeças pensantes como você!!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  39. Humberto suas palavras alimenta, nos preenche. Ainda quando vivemosa a era de palavras superficiais e vazias. Vc é o tipo q nos tira as palavras por ter a capacidade de da-las e emprega-las com maestria.

    ResponderExcluir
  40. Minha Primeira Vez no Blog..... Agora já sei o caminho!!! Valeu!!!

    ResponderExcluir
  41. Perspectiva é uma questão cotidiana, que passa camuflada. É muito difícil para o alienado de lá perceber-se como tal, é mais fácil projetar no primeiro que passa, todos merecemos nosso momento de pausa interna. Não sei, passam-se os anos, mudam-se as gerações, os questionamentos são os mesmos, as lutas as mesmas, as acusações as mesmas... Elis tinha razão em dizer que ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais.

    ResponderExcluir
  42. Humberto, se possível gostaria que visse o link abaixo:
    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=669753156444412&set=a.618352421584486.1073741827.614262791993449&type=1&theater
    Tem um mini abaixo assinado de uma galera de todas as partes do País pedindo a turnê de 30 anos dos Engenheiros em 2015. Não precisa responder, mas sinalize que leu. Valeu!!

    ResponderExcluir
  43. Segunda/Terça às 24:00hrs não precisa mais de calendário......mesmo lendo atrasado, esse meu "compromisso semanal" é sempre uma boa reflexão!!!!Portanto, te agradeço..................valeu!!!!!!!

    ResponderExcluir
  44. Não preciso do face ou do twiter, esse compromisso já está agendadíssimo na minha mente... fico agoniada enquanto não consigo ler o texto da semana. Espera ansiosa pelo abraço semanal... admiro d+ seu trabalho!!!

    ResponderExcluir
  45. Nao se preocupe. Mesmo morando longe (Calgary-Canada), eu sempre passo por aqui.

    ResponderExcluir
  46. Ih rapaz!!! Só agora me dei conta de que seus textos são também disponibilizados em redes sociais. Sempre leio aqui no blog mesmo. Incrivelmente, pasmem os conectados 24 horas por dia, não tenho perfil em redes sociais. Nada contra, mas telefonemas, apertos de mão e uma conta de e-mail já me bastam. Acompanho sua arte desde 1989, quando tinha 15 anos, morando no interior do Ceará e indo aos shows em Fortaleza. Depois de tantos anos, depois de ouvir e viver muita coisa, ainda é nas suas músicas (e letras!) que encontro muito do que penso e sinto, e ao tocá-las, sozinho ou com os amigos, percebo mais uma vez que são as minhas preferidas. Continue sempre por aqui camarada, para que eu continue a lhe acompanhar semanalmente. Muita saúde e inspiração para você. AMCLima.

    ResponderExcluir
  47. Somos sempre tolos querendo ser especiais no meio da multidão de tão iguais.
    E já fazem 500 anos, precisamos crescer. Como sempre, ótimo texto! ;)

    ResponderExcluir
  48. Foi demais em Castelo-ES!

    Pra você pode ter sido só mais um fds na estrada.
    Pra mim, não foi a primeira vez que vi tua equipe me olhar de "canto-de-olho", quase me amedrontando pra que eu não chegasse muito perto.

    Mas pra minha guria não foi. Ela está atônita até hoje! Não está acreditando que conheceu o autor de grandes letras, grandes músicas, e grandes ideias.

    Agradeço por não "chutar" quem muito te aguarda na porta de um hotel, pq pra MUITOS ali...

    Aquilo é tudo!

    ResponderExcluir

  49. Pode ser impressão, mas percebo que vc tem evitado falar de temas que em meados de 80/90 eram chaves, cresci ouvindo vc, assim como muitos outros representantes do rock nacional , naquela época, éramos os frutos da ditadura, éramos seres sem qualquer opção, socialmente falando era um buraco sem fundo, ou vc nascia rico, ou permanecia pobre "ad aeternum", me lembro de todas as dificuldades que passei, me lembro de ter meus pensamentos soltos a pensar que mundo era esse loteado e divido em castas... Por fim, tenho visto, hoje com 36 anos, alienados de todos os tipos, alienação é difícil de definir, porque é um conceito e conceitos são permissivos quanto à interpretações. Pra mim a alienação é não se dar conta da realidade, é fundamentar "opiniões" na ignorância e na falta de conhecimento, ou preguiça de buscá-los, é continuar perpetuando preconceitos e pensamentos absolutos retrógrados e de exclusão, é o senso comum, desses bem comum mesmo. Eu sou otimista, e acredito que caminhamos muito, mas é preciso crescer para encarar as consequencias das conquistas e perceber o que ainda falta fazer, é pra frente que se anda... infelizmente muitos querem retroceder, e olha que tenho visto alguns reacionários utilizando qualquer frase solta para embasar a vontade de voltar atrás... nem sei se se trata de alienação, mas creio que seja apenas conveniência mesmo

    ResponderExcluir
  50. Claro que não podia deixar de vir até aki e ler o seu post!!!!
    D+

    ResponderExcluir
  51. ''Caraca, valeu!''
    Caraca, eu que agradeço, acompanho teu blog, toda terça, as vezes quarta, e quando esqueço, tem umas duas postagens novas (nada está parado, certo?) mas o que importa, é que ao longo desses últimos seis meses, o blog tem mudado minha vida, e hoje, exatamente hoje, faz um ano que entrei no teu blog pela primeira vez, e desde então, não deixo nunca de ver, e pretendo nunca deixar.
    Parabéns 1berto.

    ResponderExcluir
  52. Uma vez soube por um colega q encontrei na rua (e q por acaso estava bêbado) q o irmão dele havia dito q eu era um alienado, pois só pensava em estudar. Cara, eu tinha acabado de assistir "Crime e castigo" no teatro Centro Cultural SP e tive q ouvir isso ! Não digo isso por arrogância, mas por pensar em quem era alienado na verdade ? Eu , por sempre me interessar pelos estudos e pelas artes ou alguém como ele q nunca se interessou por nada nem terminou o Ensino Médio, pelo q sei e nem sonha quem é Dostoiévski?
    É engraçado tb pensar q tendemos a ver "os outros" como alienados e não nos darmos conta de q sempre ignoramos algo e quanto mais descobrimos coisas , mais nos restarão coisas a descobrir...
    Mas nesse turbilhão de tantas informações, redes sociais e conceitos, tem horas q é necessário apenas desligar um pouco, ficar feito peixe parado na água, só observando. Tem horas q é melhor desligar e bancar o "alienado mesmo" .
    "Às vezes desligar é um dom... que nem todos têm." - Adorei essa frase. Grande abraço Humberto!

    ResponderExcluir
  53. Texto magnífico (como já era de se esperar)! ❤

    ResponderExcluir
  54. a chave que abre essa prisao .liberta-se dessa alienaçao , midiatica ; da internet e desse mundo capitalista , busque a paz em si mesmo ,no silencio dentro do seu coraçao.....rj

    ResponderExcluir
  55. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  56. Cara eu cresci ouvindo você. Com você descobri Sartre aos 12 anos de idade. "...Não seu eu o mentiroso, foi Sartre que escreveu o livro"...Valeu!

    ResponderExcluir
  57. Em Grego Clássico
    "aliem" é o outro

    o que lembra da acepção em:
    "aliem o oitavo passageiro"

    o ato de se tornar o outro
    é estranho, faz estranhos...
    que se tiver desperto
    é um estranho sempre num ninho
    que ninguém estranha

    enfim o principal fica fora do resumo principal
    até a chegada do nome dela numa sopa de letrinhas

    sim é hora de crescer... vida/poesia/poesia/vida

    ResponderExcluir
  58. Desde o início da Copa, tenho chegado sempre bem atrasado aqui. Confesso, até o dia 13 de julho, estarei muito alienado! =) Saudações, Emerson Gimenes.

    ResponderExcluir
  59. A cada texto, só aumenta minha admiração pela leitura de mundo que o HG tem.

    ResponderExcluir
  60. Valeu... Não é a toa que te acompanho desde o começo de 90

    ResponderExcluir
  61. Meu artista favorito em todas as categorias! Valeu Gessinger

    ResponderExcluir
  62. Meu artista favorito em todas as categorias! Valeu Gessinger

    ResponderExcluir
  63. Não tuitou nem facebokou, mas foi o primeiro post o qual eu senti vontade de compartilhar.

    ResponderExcluir
  64. Grande Gessinger.. palavras que sempre fazem a gente pensar e reviver situações...

    ResponderExcluir
  65. "Alienado" é o que a nossa preconceituosa alienação nos faz dizer de quem pensa diferente.
    GK

    ResponderExcluir
  66. Você as vezes é muito maluco...maluquice essa que adoro! ♥

    ResponderExcluir
  67. Você as vezes é muito maluco...maluquice essa que adoro e me faz voltar aqui toda semana! Beijos ♥

    ResponderExcluir
  68. Percebi e vim aqui pra ver se vc tinha se esquecido.... vai que vc está em rítmo de Copa!!!

    ResponderExcluir
  69. Eu até consigo desligar, mas por pouco tempo no fim de semana. No próprio domingo já começo a pensar nas coisas do trabalho que virão na segunda e a me "culpar" por ter me desligado...rsrsrs... Sempre rola uma insônia no domingo à noite por causa dessa ansiedade pelo que virá na segunda.

    ResponderExcluir
  70. Sidnei Rodrigues - SP25 de junho de 2014 13:21

    Valeu HG !

    ResponderExcluir
  71. Desde criança adoro suas músicas! descobri esse blog, nem acredito!!
    Exemplo sempre
    Bjao *-*

    ResponderExcluir
  72. Só estou lendo na quinta kkkk
    Procurei no Face e no Twitter, e, antes de achar que não teve postagem, resolvi fazer uma visita por aqui e o que encontro.. O texto da semana =)

    Abraços Gessinger!

    ResponderExcluir
  73. Eu rezo todos os dias para me alienar! Entrar na bolha da vida e desconectar! Não sei jogar tênis e não gosto de olhar…por que ninguém grita nada no tênis e nem pode!! Pelo menos um grito, de desabafo, o esporte precisa me proporcionar! Moral da história não sei desconectar e não encontro nada que me ajuda. Destino:perdida na própria mente!!

    ResponderExcluir
  74. "Alienado"...fiquei me questionando que espécies de "alienação" temos hoje; as mais variadas com certeza, das mais sutis e benéficas até as mais brutais. Observando a sua foto Humberto...pensei: "Tão jovem,vestindo ADIDAS e tão "alienado" do futuro musical que teria e tem até hoje entre nós os de FÉ. Um grande beijo, até breve.

    ResponderExcluir
  75. Achei que havia me surpreendido o suficiente com vc... Me enganei novamente, em um erro grave... Cada dia me apaixono mais por essa inteligência incomum!

    ResponderExcluir
  76. No ensino médio, há pouco tempo atrás (tenho 19 anos). Eu e uma amiga, brincávamos de chamar uma a outra de "alienada", em tom provocativo de uma brincadeira. Os tempos mudam, mas ninguém gosta de ser taxado alienado, ou não sabe o que significa o termo. Mas sem julgamentos a massa de hoje na sociedade...
    Humberto como sempre trata o que seria polêmico se não fosse tratado por ele com tanta delicadeza. Delicadeza essa que faz de você GRANDE.

    Venho sempre aqui e sempre comento, as vezes comento em textos antigos que venho para ler novamente, a palavra é viva ne... E fico me perguntando se vc lê nossos ccomentários. Rs. Coisa dr fã mesmo.

    Abraço amigo de fé.



    Halana Souza - Goiânia GO

    ResponderExcluir