Além do sorriso default (145)

Bah inicial: terminei o post da semana passada com a promessa de escrever sobre ideias que me passaram pela cabeça enquanto eu montava - mal e porcamente - dois gaveteiros. "Passar pela cabeça" é uma expressão precisa pois nenhuma das ideias ficou lá dentro tempo suficiente para sair articulada, com início, meio e fim; pelo que, desde já, peço desculpas. Aí vai:


Sigo perseguindo o AMOR com todas as letras maiúsculas alardeado em poemas épicos, nas maiores sinfonias e pinturas, na boa política e na verdadeira religião. Amor altruísta, absoluto, irrestrito e impessoal. À vida, ao ser humano, a ideias e ideais, a tudo e todos.

Coleciono fracassos nessa busca. Como o burrinho da anedota que tenta alcançar uma cenoura que paira a um palmo do seu nariz, sem saber que ela está presa numa vara, por sua vez, presa nele mesmo. A cada passo que avança, um passo ela se afasta. Dizem que é da natureza das utopias serem inalcançáveis. Talvez por isso eu não traga (e não leve muita fé em quem traz) sempre no rosto um sorriso default. 

Consola-me o fato de ter conhecido alguns amores mais humildes, parciais. Amores imperfeitos, de carne, osso e devaneios. Conheço - acho que conheço - o amor de filho, o paternal, o de parceiro, sensual... todos, segundo os materialistas, com uma razão prática para existir (passar o maior número de genes para a geração seguinte, defender a prole, etc...).

Será? Desconfio que não, mas não tenho argumentos para contrapor. Nem vontade de argumentar eu tenho. Entrar em contato com coisas que se ama (música, por exemplo) faz com que o ato de falar a respeito fique insignificante.

E entre um parafuso e outro mal colocado no gaveteiro, me dei conta de que não é tão pouco assim o amor que conheço. Há muitos que nem isso sentem. Talvez o todo esteja nas partes e estes pequenos amores espelhem (espalhem!) o grande amor. Na pior das hipóteses, saber o que está faltando pode ser o primeiro passo.

Mas afinal, o que esse papo tem a ver com o móvel que sofrivelmente montei? Ué, quem disse que a chave tem que ter algo a ver com a sala? Certas atividades (para mim: caminhar, jogar tênis, ouvir música, tomar um mate solito...) abrem a porta. Favorecem insights, a intuição. Na real, trata-se de olhar para dentro, para um desconhecido que já conhecemos.
15abr2014

72 comentários:

  1. A medida de amar é amar sem medidas.

    Amar e mudar as coisas me interessa mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jardel paira sobre todas as redes que falem de Humberto hahaha

      Excluir
  2. As noites de segunda pra terça sao melhores com suas postagens e reflexões!

    ResponderExcluir
  3. As noites de segunda pra terça sao melhores com suas postagens e reflexões!

    ResponderExcluir
  4. Todos pro berço! Já tá frio no sul pra ficar esperando o eclipse na sacada e afinal a segunda já virou terça. ;)

    Até a próxima, HG!

    ResponderExcluir
  5. Que bom que passei aqui antes de sonhar...
    Amanhã, devo visitar novamente essa gostosura de texto.

    Boa noite!

    ResponderExcluir
  6. Humberto Gessinger... Como sempre inspirado e expressando seus pensamentos quando a segunda vira terça... continue assim por muito tempo... amamos saber o que esta ai dentro desse bau de pensamentos... Parabens

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Realizando pequenas tarefas despretenciosas, muitas vezes viajamos em grandes pensamentos e questionamentos que talvez necessitasse de um corpo em descanso e mente em movimento para existirem... Boa noite noite Humberto! (:

    ResponderExcluir
  9. Por falar em amor, a imagem remete a 3 x 4.

    ResponderExcluir
  10. Realizando pequenas tarefas despretenciosas, muitas vezes viajamos em grandes pensamentos e questionamentos que talvez necessitasse de um corpo em descanso e mente em movimento para existirem... Boa noite noite Humberto! (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o lobo sonha e descansa quendo um mundo melhor e mais humano.rj

      Excluir
  11. Tudo começa pelas ideias. Umas descansam e adormecem na cabeça, algumas simplesmente passam e são esquecidas e outras são executadas por olhares de admiração, maliciosos ou mesmo de atenção. Entre um parafuso e outro, um conjunto de pensamentos se formam neste gaveteiro de ideias.

    Como saques perfeitos de atletas.
    Como letras perfeitas de poetas.

    Tudo é "montável"
    Tudo é pensado.
    Tudo é real!

    ResponderExcluir
  12. Por isso que amo♥ como se não houvesse o amanhã♥ rsrs

    ResponderExcluir
  13. "E entre um parafuso e outro mal colocado no gaveteiro, me dei conta de que não é tão pouco assim o amor que conheço."
    Lindo demais, Humberto inspira a gente <3
    Boa Noite!

    ResponderExcluir
  14. Muito bom! Acho que entendo. Às vezes pensamentos passam em momentos deveras inusitados, na maioria em que estou fazendo algo que exija muito do racional, ou do manual. Tá aí. São como borboletas, passam, mas dificilmente pousam tempo o suficiente para um registro.

    Boa semana. Menos uma na contagem regressiva para 1º de maio ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! Como deixar de comentar. Tá perfeito seu gaveteiro ;-)

      Excluir
    2. Perde-se muito tempo "brincando de perfeição". Também acho que o gaveteiro ficou adequado à função e, ainda, com toque de pessoalidade.

      Também estou com o ingresso comprado para o feriado. :-)

      Excluir
    3. É feriado?? Nossa como ando perdida nas datas...rs

      E a pefeição... só pode ser força de expressão, se ela é um mito perseguido a exaustão... mero reconhecimento pelo esforço e, vamos lá, contra a subestimada que o Humberto dá em sua competência com tarefas manuais. ;-) O gaveteiro me parece bem montado.

      Excluir
  15. Muito obrigada pela chance de ler alguns parágrafos que me farão refletir sobre algo que nunca refleti de verdade, enquanto espero o eclipse lunar! Boa noite e boa semana a todos.

    ResponderExcluir
  16. Caríssimo, é interessante isso que você disse, e hoje na minha vida, também não tento fazer essa separação entre o " Amor Absoluto" e os pequenos amores, prosaicos e cotidianos. Acho que um conduz ao outro, e como você mesmo disse, " o todo está nas partes".

    "Certas atividades (para mim: caminhar, jogar tênis, ouvir música, tomar um mate solito...) parecem favorecer insights, a intuição."

    This is Zen Gessinger!!! hehehe!

    Abração!

    ResponderExcluir
  17. ... coisa linda de se ler... um viva aos "amores"... todos...

    ResponderExcluir
  18. Belo texto Gessinger, obrigado meu velho.

    E no fim os pequenos detalhes fazem toda a diferença!

    Insights...

    ResponderExcluir
  19. 1Berto Gessinger: Um desconhecido que já conhecemos....!

    Eu queria muito que existisse uma "boa política", nesse país.

    Boa noite cara(s)! Obrigado!

    ResponderExcluir
  20. E no final vc até conseguiu juntar todas as partes! Olha só, o gaveteiro até que ficou bem montadinho... =)

    ResponderExcluir
  21. Quando escrevo (nada comparado aos seus textos), mas é nas horas mais estranhas que as palavras surgem na nossa mente, e muitas vezes não temos nem papel, nem caneta, nem um local que possamos rabiscar... isso me chateia!
    E concordo que caminhando, ouvindo música, ou apenas deitada na cama olhando para o teto, nos encontramos por alguns segundos e assim surgindo músicas, textos que nem sabíamos onde tava guardado tudo aquilo.

    ResponderExcluir
  22. "Mas... ah, o amor! Melhor não sobrecarregá-lo, né? Melhor deixá-lo florescer ao seu modo. Onde e quando menos se espera. Frágil e imortal."

    ResponderExcluir
  23. Muito bom texto ¨Simples de Coração¨

    ResponderExcluir
  24. .. amor está nas coisas simples.. e a riqueza da simplicidade é o que mais me encanta, belas palavras.. lindo - simples de coração!!!

    ResponderExcluir
  25. Gaveteiros,assim como armários, servem também para guardar esqueletos...te liga Humberto.

    ResponderExcluir
  26. Amores de outras vidas vem a tona independente do passado e segue mais forte e resistente....nos sonhos se fortalece....ressurge....renasce....ate breve....Rebeka

    ResponderExcluir
  27. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  28. Muito bom, meu amigo!

    (Posso te chamar de amigo?)

    ResponderExcluir
  29. Belo texto Gessinger! Você com o seu blog me inspirou a criar um parecido com o seu falando um pouco da minha historia e da minha banda (que se chama Distrito92) .

    ResponderExcluir
  30. A palavra amor significa: a é ausência, falta
    mor vem do sufixo mortis
    Logo amor é ausência da morte. Onde não há pulsão de morte há pulsão de vida, presença da energia de vida. Um parafuso vai sendo colocado e dando vida a um móvel. Atividades do cotidiano vão sendo realizadas e carregadas de vida, de amor. Legal.
    Wendel.

    ResponderExcluir
  31. O gaveteiro ficou ótimo! Pelo texto passado imaginei situação pior! haha
    O texto... incrível...como de costume!

    beijos

    ResponderExcluir
  32. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  33. Falando em amor, passagem de Floripa para BH em 30/05 diz algo?? A minha ja esta comprada!!! Uhaaa!!

    ResponderExcluir
  34. Engraçado. Sempre te achei um cara um pouco aborrecido com o convencional. Desde os anos 90 suas músicas falam de amor de uma maneira diferente. Sei lá, como se o amor tivesse um significado muito particular e totalmente adverso à maneira dos outros. De repente, leio esse texto e mudo completamente de ideia. É, as palavras têm mesmo um poder inestimável.

    ResponderExcluir
  35. na verdade só se deve falar quem está devendo
    muitas opiniões
    informação
    controvérsias

    e pouco amor
    Feliz Páscoa

    pro HG
    para todos

    ResponderExcluir
  36. E eu tenho amor! Tenho amor por belas músicas e amor de fã, por alguns excelentes músicos e entre eles, você! É um amor, de certa forma. Pois admira e sente inspiração no pensar. Boa semana!
    Leonilda.

    ResponderExcluir
  37. Falar de amor vc HG sabe como poucos...Onde estão os poetas que falam e cantam o amor? Aqui está um HG...ainda espero um CD seu todo de baladas de amor. Valeu HG

    ResponderExcluir
  38. é isso!! sem mais..
    Caio

    ResponderExcluir
  39. Curti 1berto
    Animadissimaaaaa para a gravação do DVD.
    Ingressos na mão
    Faço 4 anos de casada com o Franco em maio e todo ano saimos pra comemorar e quando vi a data do Show nem acreditei. Não teria outro presente melhor pra nós dois pq ele é super fã tbm.
    Bjs

    ResponderExcluir
  40. Humberto,

    É incrível como um texto pode prococar em nós tantas e saudáveis sensações. Parabéns, mais uma vez!

    Temos um encontro marcado para 1o. de maio. Até lá.

    ResponderExcluir
  41. Acredito que algumas coisas a gente realmente não precisa falar.. só precisa mesmo é sentir.

    []´s

    ResponderExcluir
  42. Humberto, primeira vez minha por aqui e devo-lhe dar os parabéns, não só no que se refere à carreira, mas à forma de se expressar como um todo. Vejo que é a favor do amor, e é justamente do que queria falar!
    Há uma mulher em minha vida, do tipo que parece sempre ter estado. Oito anos atrás namoramos, suas músicas nos marcaram e marcam até hoje, sobretudo 3x4 e Infinita Highway, que sempre terão lugar especial em nossa história, parecem feitas para a gente, se permite colocar assim.
    Pois bem, 8 anos atrás fomos separados por motivos alheios à nossa vontade, mas parece que nunca saímos da vida um do outro, e certamente não do coração e nem da cabeça.
    Nos reencontramos (ah, a vida!) recentemente, tudo tem vindo à tona, novos velhos sentimentos, a felicidade juntos que sempre afirmei merecermos. Decidimos namorar de novo, sem nada a nos impedir agora.
    Optamos por oficializar isso durante seu show no Rio de Janeiro (grata surpresa!), ela tinha deixado claro que gostaria que fosse assim (sim, suas músicas são importantes assim).
    Eu penso, Humberto, que eu poderia fazer ainda melhor por ela (que merece!), eu disse que conseguia pensar em algo ainda melhor, por conhecê-la bem, e para isso peço sua ajuda. Sabes, a esta altura, o quanto sua obra pode tocar as pessoas. Então gostaria de pedir, de coração, 5 minutos de seu tempo (dois, tudo bem) após o show para ela conhecer o maior ídolo e para eu poder pedi-la em namoro em sua presença. Conhecê-lo, sei bem, é o maior presente que ela poderia receber.
    Desculpe escrever muito aqui, é seu blog afinal, não o meu rs.
    Mas por favor, pensa nisso com carinho. Meu e-mail, carvalhoambrosio@hotmail.com
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  43. Compartilho dessa mesma busca incessante, a falta de amor que observo me dói, coisa de morrer por dentro mesmo, acho interessante aquele brilho triste no olhar, porque me refere ao mesmo mundo que o meu, onde o desamor devia ser crime. Grande abraço...Angélica

    ResponderExcluir
  44. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  45. Montagem do gaveteiro e do texto,
    ("passar o maior número de genes para a geração seguinte"),
    me veio a idéia de mais um amor, um neto?!

    ResponderExcluir
  46. O HG me inspirou a criar um blog falando da minha banda e um pouco de mim tambem. Leiam, comentem e espero que gostem!
    http://textosdemaisumdistrito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  47. E vc, faz ideia do quanto é amado???

    ResponderExcluir
  48. HG aguardamos aqui na Cervejaria do Gordo a expectativa é grande e ver/ouvir as músicas do Insular ao vivo, apesar que no show do ano passado tenha rolado Td está parado e Tchau Radar ... uma música que tenho carinho especial e ainda não ouvi ao vivo é Por acaso, seria show ouvir !

    ResponderExcluir
  49. HG, já experimentaste a meditação e yoga para aprofundar este "olhar" para dentro....

    ResponderExcluir
  50. Realmente, cada qual com suas interpretações, intuições, texto muito bom, paradoxalmente bom !! Valeu até o próximo.

    ResponderExcluir
  51. Humberto...não tenha dúvidas você é um cara muito AMADO.Beijo, até breve, desta vez em Lorena SP.

    ResponderExcluir
  52. E não é q ele mostrou o gaveteiro.....rsrsrs......ficou massa Humba!!!!!!

    ResponderExcluir
  53. HG é um prazer recebe-lo de novo aqui no Vale do Praiba mais precisamente na Cervejaria do Gordo, a galera de Aparecida/Guaratinguetá/Lorena/Potim aguarda ansioso por + este show ... pela 3ª x vou tentar entrar no camarim para te dar um presente uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, se possível se vc tiver como me ajudar ... ojcust@hotmail.com Abç´s !

    ResponderExcluir
  54. Sr. Humberto, estou fazendo um comentário, mas não referente ao post. Acontece o seguinte: eu estou ouvindo a rádio Continental e ás vezes eles tocam a música que você gravaram a tal Um Garoto que como eu Amavam os Beatles e os Rolling Stones, bem, é uma das poucas músicas que eu não consigo ouvir, sabe? É só para desabafar, uma música feita por um italiano, que teve seu país liberto, na segunda guerra mundial pelos americanos, cantada por um conjunto brasileiro, o qual país é uma m..., com o tal hino querendo dizer que aqui sim é tudo uma maravilha, pois tudo, ou todos esses, DEMONIZANDO OS EE UU. O Sr. sabe, o meu problema maior é mesmo com o tal hino no final, um adendo da sua banda. O único desconto que eu faço é que vocês eram jovens e talvez pendem diferente, mas mesmo, só para seu conhecimento, NÃO CONSIGO ESCUTÁ-LA.

    ResponderExcluir
  55. Cara, eu quero esses adesivos! ^^

    ResponderExcluir
  56. Sentimentos desconhecidos sempre valem a pena de se conhecer.

    ResponderExcluir