tche loco, que momento! que viagem! (136)


Anos Setenta

A cada três ou quatro canções, a rádio anunciava que músicas e artistas eram aqueles. E só. Nem hora certa davam. Uma dessas canções cativou o guri que eu era. Passei a sintonizar a estação sempre que podia na esperança de ouvir novamente aquela música. Ainda não havia sido gravada em disco e eram tempos pré-www.  Sem opção, o jeito era esperar e contar com a sorte.

Já não lembro se a música era Nada Mais ou Marcou Bobeira pois uma levou a outra e ambas tornaram-se minhas favoritas. Ao lado de Flor, Xote de Jaguarão, Tango da Mãe... todas favoritas. Quem as tocava era o Musical Saracura. 

Suponho que a imensa maioria dos leitores deste blog não seja de POA nem do RS. E, certamente, não viveu aqueles tempos. Vou poupá-los de ler sobre os meandros e dificuldades de acesso da música local ao playlist das rádios naquela época. Assunto interessante, mas não para hoje.

Apenas pensem numa banda favorita. Esta é uma noção que, imagino, qualquer leitor em qualquer tempo e lugar pode entender. Imaginem uma banda favorita com talento de sobra, inquieta e com vontade de fazer as coisas a seu modo. Com uma formação pouco usual (sem guitarra e com uma guria na bateria) e misturando sons regionais e universais na medida certa.

Nico Nicolaiewsky era um dos vocalistas e tocava piano e acordeon no Musical Saracura. Eu, desde então, sou um fã.


2013 - janeiro

Quando compus Segura a Onda Dorian Gray, de cara pensei em convidar o Nico para participar da gravação. Ser fã nunca me pareceu, por si só, um motivo razoável para convidar alguém para uma parceria. O que realmente me levou a pensar nele foi sua voz frágil e forte (perdão pelo paradoxo), a sensibilidade fina para o humor melancólico e seu jeito de tocar acordeon. Mesmo num estado onde este é um instrumento central, com milhares de gaiteiros, a gaita do Nico soa muito particular.

O convite foi feito e aceito por email. Numa das mensagens, anexei a letra e uma gravação caseira da canção .

No dia marcado, Nico chegou ao estúdio e, depois de um papo leve e engraçado, tirou o instrumento do estojo e uma cópia da letra do bolso. Antes de começarmos a tocar, ele falou sobre algo que devia estar incomodando-o desde que ouvira Segura a Onda Dorian Gray pela primeira vez. Apontando a palavra caralho num dos versos da letra, disse: "Isso eu não posso cantar".  

Que do caralho! Esse lirismo radical, aparentemente fora de época, era exatamente o que eu queria para o disco, para essa música! Alguém que ainda achasse que caralho é palavrão! Alguém que ainda acreditasse não haver lugar para palavrões em canções de amor!

"Afudê!", exclamei. Era isso mesmo que pedia aquela canção sobre amor eterno e incondicional em tempos que não poupam nem os quinze minutos do Andy Warhol.



Como iríamos cantar estes versos juntos, numa harmonia abolerada, sugeri que eu mantivesse "Caralho, como estou ficando velho" e que ele mudasse para "Cara, como estou ficando velho".

Não seria, na métrica, a solução mais limpa, mas tinha tudo a ver com o conceito do disco Insular (a crença de que todo artista constrói um mundo próprio com sua arte e a vontade de conectar estas ilhas com pontes que respeitem suas particulariedades).

Nico, pra quem não sabe, é o seguinte: trata-se de um artista de verdade. Numa das passadas que demos na música, ele sacudiu levemente a cabeça com um sorriso igualmente leve (Nico sempre soa leve sem ser leviano) e, sem dizer nada, passou a cantar "caralho".

Afudê 2! Artistas de verdade não se prendem a esquemas pré-estabelecidos. 


Eu já havia gravado violões, baixo e bandolim; a base da canção estava pronta. Nico foi pra sala de gravação e colocou os fones. Dei um play pra ele sacar se o equilíbrio entre os instrumentos estava legal, se a mixagem estava confortável para gravar a gaita.

Dei um stop e perguntei se ele queria ouvir mais clic (o toc-toc-toc que marca o tempo da música). Nico se inclinou em direção aos microfones posicionados para captar as duas mãos do acordeon e disse enfaticamente: "Não! Sou alérgico a metrônomo!".

Afudê 3! Era isso que a música pedia! Um "não" ao tecnicismo engessado de notas teoricamente perfeitas no tempo mecanicamente exato.


2013 - outubro

Já com o disco pronto, convidei Nico para participar do show de lançamento em Porto Alegre. Nos reunimos para ensaiar um dia antes. No fim do ensaio, pedi que ele autografasse meu acordeon.

Ele ficou compreensivelmente embaraçado. Reconheço que é um pedido xarope. Mas os encontros proporcionados pelo Insular foram tão bacanas! Eu queria mesmo guardar mais esta lembrança. Minha gaita já tinha a assinatura do Borges e Bebeto havia assinado meu violão.

Nico concordou, mas ficou em dúvida sobre o que escrever. Falei com voz solene que teríamos que levar a gaita a um cartório pra reconhecer firma. Abaixo do nome, sorrindo, ele escreveu: "CNPJ: ....."

Afudê 4! Um grande artista que não se leva muito a sério.

(*)

O show aconteceu no auditório Araújo Vianna, onde inúmeras vezes eu havia assistido ao Saracura. A foto abaixo é, literalmente, a última imagem que tenho do Nico (não nos encontramos na balbúrdia pós-show). Ele está sorrindo, no palco, depois de uma canção. Eu, agradecendo. Valeu, Nico!


11fev2014

89 comentários:

  1. foi um prazer imenso ne 1berto gravar com ele

    ResponderExcluir
  2. Não sei se consigo comentar. Tenho problemas com partidas. Bela homenagem.
    Boa semana de trabalho.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Acho q é a primeira vez q comento aqui, apesar de acompanhar desde o Abiloblog. PARABÉNS PELO TEXTO, HUMBERTO!

    ResponderExcluir
  4. Belíssima homenagem..

    Hoje estive lembrando de um grande amigo que perdi a alguns anos. E, nem tive tempo de poder falar pra ele, o quanto ele alegrava os meus dias.

    Outra pessoa tem feito muito bem esse papel. Mas, a saudade será eterna!

    A simplicidade do Nico, deixou "Segura a Onda, DG", com uma leveza enorme. Tchê loco, que momento! Que viagem...

    ResponderExcluir
  5. Lindo Humberto! Mais uma linda lembrança do NN.

    ResponderExcluir
  6. Sou do RS...Emocionou me este texto.D em P NICO !

    ResponderExcluir
  7. "Não foi assim que eu sonhei a nossa vida
    a despedida seria até logo mais"

    ResponderExcluir
  8. Um dos posts mais bonitos que já vi no blog

    ResponderExcluir
  9. Poxa, cara como eh interessante um gaúcho falando de suas raízes! Eu, paulista, paulistana sou gaúcha de coração! Fui aí uma vez e, bah, quase que não volto! A querência amada me pegou de jeito! Legal tb ver que seu ídolo já foi fã e sabe precisar o que sentimos. A emoção de estar perto, só para estar. Nem conseguir dizer nada, nem querer respirar para não perder nenhum movimento... Ainda hei de conseguir me aproximar de ti novamente e te mostrar minha arte, tb sou capricorniana teimosa e obstinada. Se Deus realmente eh gaúcho, de espora e manto vou tomar um chimarrão para comemorar esse grande dia quando ele chegar!

    ResponderExcluir
  10. Que massa! Impressionante suas estradas. Sua arte e ofício e o que acontece e aconteceu me fascina. Abraços e meus sinceros sentimentos ao amigo Nico.

    ResponderExcluir
  11. Podia ter ido dormir antes de chorar né?
    Lindo....

    ResponderExcluir
  12. Que massa! Impressionante suas estradas. Sua arte e ofício e o que acontece e aconteceu me fascina. Abraços e meus sinceros sentimentos ao amigo Nico.

    ResponderExcluir
  13. "Os deuses devem estar de sacanagem." Descanse em paz, Nico.

    ResponderExcluir
  14. Emocionado ao ler e saber da simplicidade desse artista!

    ResponderExcluir
  15. Sr HG,
    A música que mais me chamou a atenção no Insular, foi "segura a onda DG". E a pronúncia do "grey" do Nico me incomodava no inicio. Mas depois de me acostumar, e conhecer um pouco mais do trabalho dele, compreendi que a sensibilidade e espontaneidade que ele trazia fechavam com a música no todo.
    Espero que em sua próxima encarnação ele continue enobrecendo essa coisa que nós chamamos de música.
    Paz pra ele!

    ResponderExcluir
  16. Putz...que texto lindo Humberto...a dor passa mas a saudade é eterna...

    ResponderExcluir
  17. Disse isso no face, no dia do falecimento do Nico, mas vou repetir aqui:

    "Sabe o que é foda? O HG (sim! É vc) no apresentas as pessoas, nos apegamos a elas, mesmo sem tê-las visto, pelo menos uma vez."

    Que Deus conforte a família e os amigos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo Querida Sara!
      e vc HG, já sabe né! sem você e´foda!!!

      abraço Sarabólica! =)

      Excluir
  18. Queria tanto que ele tivesse ido a BH, em novembro! :/

    ResponderExcluir
  19. Belo texto!

    Sobre a música, quando ouvi pela primeira vez, na twitcam, já foi um baque! É que quando li a letra no Pra Ser Sincero não sei por qual motivo vizualizei (sonoricamente) essa música com guitarras! No insular foi ainda mais leve, regionalista e com a voz do Nico! E... é! Tinha que ser no formato que ficou! Pra mim, a melhor música do Insular!

    Sobre o show em Theresina! Do Caralho!!! Showzaço!!!! Sentimento: volta logo!

    Valeu mesmo! Abç!

    ResponderExcluir
  20. Nossa... Q isso... Essa música (Segura a Onda DG) pra mim, ela tem um soar tão "plural" q se tornou pra mim a "Preferida das preferidas" do Insular! O som da gaita do Nico, o Contra-Baixo do Humberto, a percussão respeitadora das vozes...Nossa! Ver uma foto do Nico me vem na cabeça "OS DEUSES DEVEM TÁ DE SACANAGEEEMMMMM" ...Parece q ouço a voz dele! Sinceramente nunca tinha ouvido falar dele antes de ouvir Segura a Onda, DG... Mas de cara eu gostei dele, sem sequer saber de sua história, quem ele era, o q fazia, etc... Tive q fazer uma pesquisa no Wikipédia pra confirmar q meus sentidos estavam certos!
    Um abraço, Nico \o

    ResponderExcluir
  21. Afudê, mesmo!
    Quando soube da morte dele, a primeira imagem que me veio na cabeça foi justamente a da última foto. Aquele show foi memorável e eu tive ainda mais certeza de que meus dois ídolos estavam ali juntos e, por outro lado, nunca imaginei que fosse ver o Nico pela última vez. Nem eu, nem você imaginávamos...

    Parabéns pelo blog, HG! Boa semana pra ti.

    ResponderExcluir
  22. Que texto heim!
    Uma demonstração perfeita do sentimento que as musicas podem criar muito além de um beijo ou de um amor, e sim do sentimento de uma época que marca as vidas das pessoas..
    Abraços.

    ResponderExcluir
  23. Boa 1berto! Me emocionei...

    ResponderExcluir
  24. Primeira vez que comento,apesar de sempre ler. Gosto de dar uma paradinha nos estudos da gigante medicina para uma viagem pelo mundo HG que acompanho desde pequeno com a família. Noite a dentro, vida a fora.... ÓTIMO TEXTO...FUI...

    ResponderExcluir
  25. "Segura a onda, D.G" É minha canção favorita do "Insular" e coincidentemente esbarrei com o livro algumas semanas depois de ouvir o disco. Encarei como um sinal; além de tudo o livro estava em promoção...um dos melhores livros que li! Uma coisa boa leva a outra tão boa quanto...

    ResponderExcluir
  26. Muito legal conhecer a história por trás de uma música que eu adoro. E foi justamente o palavrão que me chamou a atenção na primeira vez que eu escutei (aquela dissertação sobre cariocas acharem natural xingar). Conhecer a história por trás da música só me faz gostar ainda mais. Linda homenagem.
    Obrigada por isso.

    ResponderExcluir
  27. Lindo texto, bela homenagem! Artistas raros como o Nico a merecem. Segura a onda, DG!

    ResponderExcluir
  28. Despedidas são sempre tristes... Imagino como Humberto deve estar se sentindo com a perda de um ídolo/amigo/parceiro, etc etc etc e tantos outros etc que nem podemos imaginar.
    "Sem pressa e pra sempre..."
    Sinto muito, que Deus conforte os amigos e familiares.

    ResponderExcluir
  29. Belo texto Humberto! A música é uma linda canção, perfeita!

    ResponderExcluir
  30. Afudê, Humberto! Não conhecia o Nico e somente essa semana fui ver quão simpático e expressivo ele é no RS. Segura a Onda DG tem tido tanto a ver com minha vida e minha "crise" (rito) de passagem...
    Afudê, Humberto (de novo): o post me deixou embargado e envergonhado por não o haver "conhecido" antes.
    Afudê...
    "Depois silêncio", seu moço...

    ResponderExcluir
  31. Muito legal a parceria.do.mestre o.nico.depois fiquei sabendo q. O cara faz parte do tangos e tragedias.muito massa mesmo.....

    ResponderExcluir
  32. Humberto, só te observo, pouco comento.
    Mas o parágrafo final, fez com que lágrimas caíssem sobre meu rosto!
    Que o Nico, descanse com a paz merecida!

    ResponderExcluir
  33. Texto perfeito! Lindo e leve como tu descreveu o Nico. Foi uma linda parceria, uma música tão gostosa de ouvir, tão doce... Um show maravilhoso! Os Deuses devem estar de sacanagem... Nico agora alegra os céus!

    ResponderExcluir
  34. Do outro Rio Grande. acompanhando esse novo trabalho vimos colado In Sul Lar.

    ResponderExcluir
  35. Humberto nos meus Ultimos Comentários sempre cobrei de você um DVD/BLURAY da Tour do Insular em Fortaleza, Recife etc e outro DVD do CD INSULAR com PARTICIPAÇÃO de todos os CONVIDADOS que participaram do CD..
    Gostei muito do insular e gostaria que você me respondesse se deu para salvar a PARTICIPAÇÃO DO NICO no auditório Araújo Vianna COM UMA BOA QUALIDADE DE AUDIO E VIDEO E SE VOCÊ VAI GRAVAR ESTE DVD DO INSULAR COM AS PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS? NÃO É POSSIVEL QUE VOCE NÃO GRAVE TUDO POR ONDE PASSA E COM MUITA QUALIDADE DE AUDIO E VIDEO.
    ACHO O LADO VISUAL DA COISA IMPORTANTISSIMO SE PUDER ME RESPONDER AGRADEÇO DESDE JÁ..
    ADOREI CONHECER O TRABALHO DO NICO JÁ TENHO ATÉ O GRANDE BEBETO ALVES NO MEU FACEBOOK JÁ CONVERSAMOS ALGUMAS VEZES "BENDITA INTERNET QUE UNE O RIO GDE DO NORTE AO RIO GDE DO SUL" E JÁ PUDE CONHECER O BELO TRABALHO DO BEBETO E UM POUCO DA GENIALIDADE E DO GDE SER HUMANO QUE ELE É..
    ABRAÇO HUMBERTO E NATAL TE ESPERA DE BRAÇOS ABERTOS..

    ResponderExcluir
  36. Quando vi a matéria da morte do Nico, fui me ligar.. "parece que conheço", depois de posts do Rogério Skylab, me lembrei do Tangos e Tragédias, que me levou ao lance regional e me remeteu ao Insular.... pimba, tava o cara! De prima procurei algo seu falando sobre ele, que veio hoje.

    ResponderExcluir
  37. Emocionante. "A vida não é um jogo de palavras cruzadas onde tudo se encaixa" Valeu Nico!

    ResponderExcluir
  38. Bah, desde que ouvi essa música pela primeira vez, pensei: ela foi feita pro Nico tocar junto mesmo! Suavidade, contrapontos poéticos, reflexão em uma sutil brincadeira musical. Que grande artista nos deixou aqui sua arte, inspiração e lembrança. Baita texto, Humberto!

    ResponderExcluir
  39. Simplesmente emocionante. Homenagem maravilhosa a um artista maravilhoso.

    ResponderExcluir
  40. Tem como não se emocionar? eu vi aquele aperto de mãos de dois amigos em cima de um palco. Humberto, a cada dia que passa tu escreve cada vez mais. Forte abraço Alemão, fique em paz Nico.

    ResponderExcluir
  41. Uma das músicas que mais gosto Segura a Onda DG, valeu 1berto, valeu Nico...

    ResponderExcluir
  42. Foda demais. Valeu, Nico! Valeu HG!

    ResponderExcluir
  43. Show! belas palavras.. para uma bela história...
    Caio

    ResponderExcluir
  44. afudê arrepio tudo =\ " os deuses deve estar de sacanagem.."

    ResponderExcluir
  45. Oi 1berto, esta é a primeira vez que posto um comentário aqui,. Que belíssimo texto, sem ser piegas e falar sobre morte, mas sim falar de vida, de beleza, de postura, do legado que este belo artista nos deixou e finalizando nesta música excepcional que vocês gravaram.

    Obrigado aos dois grandes artistas!

    Silas Ária

    ResponderExcluir
  46. Foi maravilhossos assistir ao lançamento do CD em Porto Alegre com a participação do Nico. Momentos que ficam entre lembranças queridas..

    ResponderExcluir
  47. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  48. Não passo por aqui muitas vezes, algumas delas começo a ler e não termino ou pq o texto não prende muito minha atenção, ou porque eu acho que está tão pessoal que se tornou incompreensível para mim. Mas hoje eu particularmente adorei. Foi um dos melhores textos que eu li aqui. É a primeira vez que ouço falar do Nico, não tinha idéia de quem era, mas parece agora que eu sei exatamente como ele foi. Simplesmente incrível. Queria ter tomado um café com ele, acho que teria sido algo inesquecível porque eu sinto falta de conhecer pessoas diferentes ( geralmente me parecem todas iguais ). Acredito que o Nico tenha sido alguém para não se esquecer nunca mais. Talvez eu crie um personagem nas minhas histórias chamado Nico...
    Obrigado pelo texto senhor Gessinger.

    ResponderExcluir
  49. Bela homenagem! Das mais sinceras e puras que se pode ter!

    ResponderExcluir
  50. "Segura a onda DG" porque o Nico foi "atravessar a travessia".
    Como alguém citou num dos comentários acima, muito legal falar da vida, e mais ainda, de uma vida musical e alegre, do que falar da morte.
    Muito bacana a homenagem HG !
    Abraços, de alguém perto demais das capitais.

    ResponderExcluir
  51. Agradeço por ter apresentado a arte do Nico a mim.

    ResponderExcluir
  52. Cara, quando ouvi o disco, que é do caralho todinho, a que mais curti foi Segura a Onda, DG. Comecei a cantarolar para cima e para baixo, tirei no violão, curti demais. Minha filha Sophia, de 2 anos e meio começou a cantar também, curtiu pra caramba.
    Hoje fui procurar mais sobre o artista que participa da Música, o Nico Nicolaiewsky, e para minha surpresa (triste surpresa) a primeira notícia era sobre o falecimento do mesmo. Fiquei chocado e a primeira coisa que fiz foi vir aqui, ver se era real e ví seu post. Conheci um artista talentoso e num piscar de olhos ele se foi... Obrigado Nico!

    ResponderExcluir
  53. Humberto o insular só tem feras é um disco recheado de arte e muito autêntico. Infelizmente o Brasil perdeu um super artista. Valeu pelo privilégio de ouvirmos Nico com vc no insular .

    ResponderExcluir
  54. Não conhecia o Nico Nicolaiewsky antes do Insular. Após escutar algumas vezes ao álbum eu parava em "Segura a onda DG" pensando "De quem é essa voz?" Foi a única canção que me trouxe ao google pra inverstigar.

    Deu pra ver que no post de uma linha de Humberto, "Descansa em paz, Nico! Clap clap clap clap...!" havia mais emoção do que aqueles longos textos de despedida.

    Bateu aquele sentimento forte como se tivesse conhecido o Nico por um
    loongo tempo..

    ResponderExcluir
  55. Eu fui nesse show e vi o nico depois do show, na rua. Mal eu sabia q eram os ultimos dias da vida dele. Que deus o tenha.

    ResponderExcluir
  56. po, essa é minha música preferida do disco. triste, mas a vida é isso aí não? It's better to burn out than to fade away. o cara fez muita coisa boa pelo jeito.

    ResponderExcluir
  57. Grande homenagem Humberto.
    Essa é uma das canções preferidas do Insular.
    Muito bom.
    Que viagem!!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  58. uma das coisas mais lindas do 1berto é o valor que ele sempre deu a suas raizes! Tenho amor por POA sem nem sequer conhece-la.

    ResponderExcluir
  59. Humberto, Insular ficou demais! Parabéns mais uma vez!

    ResponderExcluir
  60. HG, vivi a emoção de ver o Nico tocar pela primeira (e última) vez no Araujo Viana, em Outubro. Uma coisa me chamou muito a atenção, antes do inicio do Show.....faltavam uns 30 minutos ou até menos que isso para o inicio do Show, esperávamos ansiosos na primeira fila, no canto próximo a entrada para o camarim, quando passou por mim aquele Senhor, leve, livre, tranquilo, sem chamar a atenção, mas me chamando a atenção......demais!!

    ResponderExcluir
  61. Aproveitando a sessão "homenagem", segue um link onde se pode comprovar o bom humor, a leveza, delicadeza e sensibilidade do grande Maestro Nico.

    http://www.youtube.com/watch?v=f9idYERWa4k

    ResponderExcluir
  62. Linda homenagem, Humberto!
    Sou tua fã e simplesmente A D O R O O NICO, com sua voz firme e gentil, presença marcante, integridade e generosidade.
    Segura a Onda DG é tuudooo!!!
    Obrigada!
    Bj.

    ResponderExcluir
  63. Não sabe o quanto eu fiquei triste com essa notícia. E mais ainda por não ter a grana pra ir no Tangos & Tragédias em POA em 2012 quando eu morei em Guaiba. Agora, aqui na Polônia, fico me penalizando, queria ter essa memória. Paciência, o mundo perde mais um :(

    ResponderExcluir
  64. Poha... chorei lendo esse texto... :')

    ResponderExcluir
  65. Bah ta aí um cara que vai fazer falta :/

    ResponderExcluir
  66. Vi o Nico no Saracura...saudade, gostava dele, gosto da obra imortal que nos restou.

    ResponderExcluir
  67. hj me apareçe uma postagem do chico saratt , de um video do nico com o mario barbara no palco https://www.facebook.com/rosane.furtado.96/videos/1625210284680/ e cara me lembrou na hora do disco do SARACURA , ...XOTE DA AMIZADE ....fui ao wikipédia e cai aqui nesses texto INCRIVEL...muito massa ........

    só resolvi postar aqui pelo meu respeito e admiração pelo Emgemheiros....assisti em passo fundo acho que uma das primeiras apresentações fora de faculdade ....no BAR UM ..no centro de passo fundo ....depois foram uma infinidade de shows nessa estrada toda e me orgulho que na faculdade quer faço um dos colegas de belem do para de 20 anos conheçe a EH quase tanto como eu.........valeu cara por esta banda que faz parte da conbstrução musical de muitos........

    ResponderExcluir