Nylon e aço (125)

John McLaughlin fez seu nome tocando guitarra elétrica. Na fase mais madura da carreira, dedicou-se cada vez mais ao violão com cordas de nylon. Perguntado a respeito, ele declarou que o violão de nylon "ouvia" melhor.

(*)

É mesmo um instrumento delicado. Mais sensível, se comparado, por exemplo, ao quase similar violão com cordas de aço (ah, este é um imenso "quase").

Central na bossa nova e em toda MPB que veio depois, o violão de nylon faz um contraponto ao violão folk americano. Na música gaúcha também é protagonista, via colonização espanhola (vem de lá o maravilhosamente percussivo violão flamenco). 

O equilíbrio entre as cordas graves e agudas faz com que acordes dissonantes soem mais domáveis do que em cordas de aço. Mesmo a afinação mais instável - por conta da maior sensibilidade a mudanças de temperatura - parece humanizá-lo.

(*)

Falo com carinho pois tenho um amor não correspondido pelo instrumento. Para tirar um bom som de um violão com cordas de nylon, é necessário tocá-lo com as unhas. As minhas nunca seguraram a onda. Ao atingirem o tamanho certo, ficam frágeis. Por mais cuidado que eu tenha, quebram-se... ao abrir uma lata de refrigerante, ao tentar ajeitar o encordoamento da raquete, ao tocar piano, ao tocar baixo, ao digitar textos, ao colocar a meia após o banho (sim, úmidas, as unhas ficam ainda mais frágeis).

Tentei tudo que me aconselharam: esmalte de casco de camelo, passar Hipoglós, unhas postiças (duraram um dia)... e desisti. Entendi o recado da natureza.

(*)

Ops, acabei viajando no papo sobre violões e suas cordas. Deve ser o calor deste fim de novembro. Dificulta a concentração, embaça o foco. O que eu queria mesmo comentar é a afirmação de que um instrumento "ouve". Fantástica a frase do McLaughlin! Sei bem como é. Instrumentos ouvem mesmo. E músicos ouvem, também, com os dedos.

(*)

Parafraseando: acho que o lápis lê melhor do que a caneta. E ambos - para quem é da minha geração -  leem melhor do que um processador de texto.

Talvez por isso eu esteja ouvindo, cada vez mais, reclamações de pessoas que encheram o saco e estão abandonando as redes sociais da www. Sim, às vezes a interação ali parece (como li num artigo) "papo de surdos que desconhecem a linguagem dos sinais".

Mas, calma... se tivermos paciência, somos recompensados com a descoberta de algumas pérolas de razão e ilhas de sensibilidade em meio à gritaria insana. Ânimo! É preciso resistir à barbárie e ao obscurantismo. Casca grossa (casco de camelo?) para proteger o doce da fruta.


bah: não posso ficar sem falar do show que rolou em BH na semana que passou. Mais uma noite mineira pra ficar na memória.

BH - 22mar2013
 Será que 22 é o novo 11?
Há exatos oito meses começamos ali a Tour Insular. Ainda sem o disco, sem cenário definitivo mas já antevendo o clima bom que pintaria. Na ocasião, tocamos só duas músicas novas. Agora voltamos com oito. Incrível a recepção da galera ao material novo, divulgado quase só no boca a boca.

Já não se pode dizer que só os De Fé estavam no show. Claro, eles estavam lá - senão não seriam os De Fé, nossa vanguarda. Mas no meio de tanta gente, normal que estivessem também apreciadores eventuais, apenas querendo curtir um bom show, agora que as informações sobre a tour e o disco estão ficando mais claras. Que bom! São bem vindos.

BH 22nov2013 - O Salto por Gláucio Ayala
BH 22nov2013 - O Salto por Jocelito "Bola" Camargo
Dois cliques do mesmo instante. Tomo o par de fotos acima como metáfora da exposição (sadia) do artista pela sua arte. De lá pra cá, de cá pra lá - ambos os lados.

Não há opção. É obrigatório ser o que sou. Com meus discos e livros, vivo dando a cara a tapa. E oferecendo a outra face. Não posso me dar ao luxo da teoria. Não posso ser profissional do pitaco nem um avatar anônimo. 

Há que fazer. Não se pode mudar o mundo de pijamas. A não ser que você seja John Lennon e esteja num bed in com Yoko Ono. 

(*)

Mais uma metáfora nascida do par de fotos: observe com atenção: um fotógrafo aparece na foto do outro. 

juntos para sempre
objeto e observador
física moderna
velhas canções de amor
abraços
26nov2013

59 comentários:

  1. É uma foto que não era para capa
    Era a mera contracara, a face obscura
    O retrato da paúra quando o cara
    Se prepara para dar a cara a tapa
    (Chico Buarque)

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Folhas e lápis, os melhores ouvintes. Ou seriam leitores?... As vezes ambos, nunca nenhum.
    A foto, a metáfora... Olhar treinado para os detalhes. Bravo!
    Boa semana, bom trabalho. Vem logo com insular prá cááá!! (o terceiro "á" vencendo a preguiça, só para distanciar a possibilidade da interpretação equivocada de um erro de digitação).
    ;-)
    Hoje não vou logar. E ficarei com a curiosidade. Será que o olhar atento e o olhar treinado reconhecem a escrita? Rs

    ResponderExcluir
  4. Pra começar mto bem a semana..
    Sensacional..e que bom seria se todos aprendessemos a ouvir os recados da natureza Humberto..
    Sobre o show de BH deu mta vontade de estar lá, enfim..no aguardo aqui em São Paulo. Tive o prazer de ver a Revolta no Teatro da Mix, foi ótimo poder revisitar esse álbum tão significativo, experiência incrível mesmo..mas confesso que a ansiedade pelo show da InSULar tá grande! Forte abraço mestre!

    ResponderExcluir
  5. Essa semana foi especial com sua visita a Ribeirão...
    Esperamos desde as 10h da manhã sentadas no café da livraria,
    imaginando como seria a tarde... resultado?
    Expectativas superadas...
    Tudo foi incrível... o papo, a atenção aos De Fé...
    Gessinger me surpreendeu com o carinho e a dedicação
    com que atendeu a todos!!!
    Muito obrigada!!!!!

    Só uma coisa deixou minha amiga e eu incomodada...
    A tarde toda tocavam algo que não sei definir, então
    ficamos até o fim pedindo pela troca do som... Queríamos Insular!
    Fiquei pensando que talvez para o artista não
    fosse agradável ter sua música na condição de "ambiente",
    mas para nós... Não era só isso, queríamos apreciar tudo
    ao mesmo tempo... o som, a presença, a alegria de todos
    que estavam lá...
    Por fim, conseguimos, com muito suor na cara de pau...

    Acho que poderia escrever um texto um tanto maior que esse
    só sobre as experiências que vivi no dia 20...
    Mas algo me chamou muito a atenção, enquanto esperava
    a galera que estava nas cadeiras explodirem de felicidade,
    um garotinho de chapéu da cabeça, com seus três anos, por ai...
    te disse "Meu pai adora a sua música", é uma cena que nunca
    vou esquecer.

    Obrigada, Humberto!!!! Muito obrigada!!!
    Aqui também faz muito calor... então, desculpa a perda de foco =P
    Um grande abraço!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. P#ta show em bh! Ouvir tchau radar, a canção ao vivo foi sensacional! Eu sempre viajo na letra e melodia que me faz pensar num ' tchaul ' pro EngdoHava... Viagem minha? Pode ser... já estou há muito acordado.

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pela atenção na livraria leitura em BH...Show foi d +...minha princesinha vai nascer agora no nosso mês de dezembro,ela dia 16,vc dia 24 e eu dia 27..parabéns pra nós...DE FÉ!

    ResponderExcluir
  8. Nobre HG, ótimo texto, grande salto, BRILHANTE artista...
    Parabéns pela pessoa iluminada que vc é.Boa semana

    ResponderExcluir
  9. E o figura que apareceu la na frente no show de BH igual o `Humberto Gessinger`? kkk você deu uma olhada, viu e ficou sem alguma reação foi isso?

    ResponderExcluir
  10. Perfeito, o show de BH!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Salve Poeta Humberto Gessinger NATAL-RN te espera com o Insular a PARAIBA também..

    Abraço De Fé

    Valeu Humbertoooooooooooooooooooooooooooooooooo

    ResponderExcluir
  12. Ótimo texto como de costume! Eu também tenho uma paixão não correspondida pelo violão de nylon, minhas unhas até que seguram a onda, mas minha mão direita é péssima... serei um eterno escravo das pick's...

    ResponderExcluir
  13. Um show maravilhoso, em uma cidade maravilhosa, e com pessoas maravilhosas!!!!!
    Mais uma vez, (re)encontrei pessoa(s) lindas, no que era pra ser uma viagem pra show...

    Faz ideia de quantas amizades o seu trabalho já criou e perpetuou?

    Bêagá foi demais!!!!!

    Abraços, querido ídolo!

    ResponderExcluir
  14. Tu escreve com uma leveza, que parece que tá aqui do lado, contando uma história. Obrigada por escrever nesse blog, faz a minha semana (e de mts pessoas) muito mais feliz!!

    ResponderExcluir
  15. Oi 1berto.

    Li o texto da semana passada e amei ver que tem um carinho por BH.

    Estive na livraria leitura do BH Shopping, e ver o sua paciência e boa vontade em autografar tudo de todos, só me fez te admirar ainda +.

    O Show no Chevrolet Hall foi maravilhoooooooooso, inesquecíiiiiiiiivel ! ! !

    Mas já estou com o "gosto amargo da distância".

    Sim 1berto... "22 será o novo 11". As 8 músicas novas que tocou foi sensacional. A minha preferida é “Bora” e a do meu marido é “Tchau radar, a canção”.

    Preciso fazer uma pergunta, talvez um tanto absurda!!!!

    Será que lembrou de mim no show????? Guardou a minha fisionomia?????

    Porque durante o show por várias vezes olhava pra mim, e sorria pra mim!!!! Eu estava bem na grade. Bem de frente do microfone. E teve uma vez que até apontou pra mim e 2 colegas que estavam juntas de mim.

    No show quando o meu marido me levantou no pescoço e você olhou pra mim e sorriu, não resisti, tive que gritar bem alto Lindoooooo!!! Nesse momento tive a sensação de que lembrou de mim da livraria.

    Sou a garota estérica que na livraria do BH Shopping soltei um grito "Lindoooo" quando você chegou!!!! E logo após que tirei a foto com você e o meu marido, antes de ir embora, falei que estaria no show e que estaria lá gritando "Lindoooo" Te dei um livro de presente e consegui entrar + uma vez pra tirar foto com você!!!!!

    E não posso esquecer de dizer: Parabéns Gessinger pelo texto de hoje! Está ótimo! Ainda mais por citar BH de novo.

    Eu sou uns do "De Fé" viu

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Até já aqui em Campinas :)

    ResponderExcluir
  17. Não sabia da existência desse blog. Agora toda segunda antes dormir já sei onde passar. =)

    ResponderExcluir
  18. Achei demais! Esse show - estava até com receio por conta da acústica que vejo sempre pessoas reclamar do local, mas pra mim não teve nenhuma falha. Este show foi perfeito! Foi um desses shows pra sentir emoção do inicio ao fim e ficar na saudade... Só tenho agradecer e ficar com o sentimento de honra por ter tido a oportunidade de estar presente. Quero aqui, dar os parabéns! Ao trio...Sobretudo ao Humberto. Foi demais! Ops! Quanto ao texto...está excelente! como sempre está! Grande abraço Humberto!

    ResponderExcluir
  19. O violão que ouve; a unha frágil; o lápis, a caneta e o processador; a foto metafórica: Parecem dissonantes, mas não são. Valeu a criatividade!

    ResponderExcluir
  20. O show de BH foi demais, valeu cada centavo, sai do ES pra ir lá ver, minha mãe foi junto, e mesmo sem ser De fé ela amou o show, até pediu pra eu gravar musicas pra ela... Quanto ao texto, muito bom também.

    ResponderExcluir
  21. Sidnei Rodrigues - SP26 de novembro de 2013 13:35

    Belo Texto HG.
    São Paulo na espera pelo Insular!!!!

    ResponderExcluir
  22. Belo texto! Belas fotos!
    'Belorizonte' sempre especial! <3

    ResponderExcluir
  23. Humberto; por favor vem fazer um show em Petrolina-PE

    ResponderExcluir
  24. Infelizmente não pude ir no show em BH :-( . Oh 1berto de uma passadinha na pequena e notável Santa Bárbara em minas, tenho certeza que não vai se arrepender.
    Adoro violão de nylon, apesar de não tocar muito bem rsrsrs, acho o som mais vivo que o de aço, adoro tocar alivio imediato nele :-), principalmente quando preciso de "alivio" se é que me entende. Ví uma vez uma entrevista sua que vc disse que muitas pessoas vão ao show para ver seus pulos... rsrsr confesso que quando eu fui essa tbm era minha intenção. Bjim

    ResponderExcluir
  25. Humberto, tive a honra de estar na Leitura e tirar minha primeira foto com você e tive o um prazer maior ainda de ir no show e te ver cantar de novo. Quando você canta, o mundo para e é como se cantasse apenas pra mim. Antes mesmo do show acabar eu já estava com saudades. Espero ansiosamente pelo seu próximo show em BH ou em MG para que eu possa te ver novamente. Agora enquanto escrevo estou ouvindo você cantando Piano Bar e me emociono de novo. Sou De Fé com muito orgulho!!
    Seu texto está lindo e sutil, como sempre!

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde!!!
    Gostaria que postasse alguma coisa em dezembro Sobre Aniversario no dia 24.Meu filho faz 18 e vai ter a segunda festa de aniversario.Nos outros anos foi natal.
    Se puder manda um video!!!

    ResponderExcluir
  27. Texto incrível, hein!

    ResponderExcluir
  28. nem avatar anônimo, nem pitaco’s job…
    os de fé… always:
    "juntos para sempre
    objeto e observador
    física moderna
    velhas canções de amor” !
    Boa semana começando com um belo e significativo texto!!

    ResponderExcluir
  29. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  30. Cada semana que se passa, aprendemos mais e mais com o “senhor” Humberto, cada vez mais velho, cada vez mais esperto, cada vez mais.
    Humberto, nunca me adaptei com violões de Nylon , aprendi a tocar com um de aço, calando as pontas dos dedos pra tocar Muros e grades em 1991.
    Sei que soa muito melhor a sonoridade, mais cavalo dado não se olha os dentes... E ai... está recebendo meus abraços pelo Brasil a fora? Não estou pessoalmente lá nos lugares onde você está em carne e osso, mais estou sempre de coração.
    Forte abraço, belo texto.
    Nando Gessinger (O Fake com seu nome)

    ResponderExcluir
  31. Às vezes, aos textos, queria apenas uma mãozinha - daquelas com o polegar indicando o divino. Curti.

    Fotografia. Ah, as fotografias... Ficaram lindas... Gosto de fotografia!
    Outro dia um apresentador sensacionalista desses telejornais sensacionalistas de temática policial, criticou muito um militar fotógrafo que ia acompanhando o pelotão somente a fotografar. Era uma dessas manifestações tão comuns nos dias de hoje, a qual o registro é fundamental à "society". Em resumo, o apresentador achou um absurdo o soldado não contribuir no "front", de certo porque não infrentava os manifestantes também. (Ah, se todo policial tivesse um pouco da poesia que há de ter um homem atrás da lente...)
    O registro é fundamental. Desde os tempos mais remotos sempre houve quem o fizesse. E ainda quando não era por alguma tecnologia (FOTO) fazia-se a pincel, carvão, grafite, etc, as "fotografias" das guerras, dos campos, das ruas e sociedade em geral. Daqui à pouco vão juntar numa categoria inútil o fotógrafo, o escritor, o músico... Claro, imagina a inutilidade dos músicos que rufavam as emoções no front das antigas batalhas.
    Não esquenta Humberto, a gente filtra. E torce que continuem minoria.

    Abraço,
    Neto Silveira (NPoA).

    ResponderExcluir
  32. Humba VC não e anônimo
    VC não e aquele que não esta
    Mais no calendário do ano passado
    E que agora guarda UMA PALAVRA
    E eu abro meu coraçao

    ResponderExcluir
  33. "Onde estão teus olhos.. queimo o filme rasgo a foto!"
    A minha preferida do engenheiros.. quase nunca consigo citar uma, mas quando consigo é essa..

    Quanto ao texto.. Não podemos nos dar ao luxo de muita coisa, ou melhor, de quase nada. Somos o que somos, meros mortais!

    ResponderExcluir
  34. mas imortais quando a cria vai pro fogo...

    quando a paz não pede mais por socorro...

    e acima de tudo, Raquel... quando a música entra na alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro.. concordo com vc! Somos mortais, o que não nos tira o direito de sermos eternos. Não sei se vc me entende.. rs. (pelo menos é nisso que eu acredito)

      Excluir
  35. Alguém sabe do programa do Paulo Miklos do qual o Humberto falou que participaria?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está disponível aqui: http://youtu.be/E2typftxyD8

      Excluir
    2. Brigadão, parceiro!

      Excluir
    3. Brigadão, velho! Tinha procurado algumas vezes, mas não tinha achado.

      Abraço!

      Excluir
  36. meu professor quando eu entrei na aula, ele me disse pra usar nylon, não quis. Queria aprender com aço mesmo, só pra dizer: "APREDI A TOCAR COM AÇO"
    esse show em BH foi excepcional
    http://3.bp.blogspot.com/-hw-2T8nOfl8/UpO8FRqPXdI/AAAAAAAAB-Y/VACrW46-71w/s1600/HG-44a.jpg

    ResponderExcluir
  37. http://ventosvariaveis.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  38. Seu novo álbum é sucesso! Parabéns Humberto.

    ResponderExcluir
  39. Saí de Brasília pra ir a BH pro show de estréia da nova turnê (22/03). É fascinante (e lindo) sentir tantos corações na mesma vibe, na mesma felicidade (o show fica ainda melhor!). Não há explicação. Só quem estava lá mesmo pra entender (havia "de fés" de, salvo engano, 16 estados naquela pré-estréia).

    O Humberto soube, num texto anterior deste blog, definir com palavras o que construímos, criamos. Escreveu ele: "Nós sabemos a força da teia que tecemos, silenciosamente!". Sabemos mesmo! E SÓ nós sabemos! Muito bom fazer parte desse time. Conforta a alma. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só nós sabemos. De certo que sim. Mas ao contrário do que eu mesmo achava há pouco tempo atrás, nosso time não é tão pequeno - e não me refiro somente à fãs ("de fés"). Todos tem naturalmente a força da teia. Uns sabem, outros sabem e desenvolvem, muitos não sabem...)
      Quanto aos shows, demais mesmo. E mancomuno de uma coisa contigo, só estando pra saber - ao final dos shows sempre penso que o mundo precisava ter visto.
      Abraço,
      NPoA.

      Excluir
  40. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  41. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  42. Não canso de dizer: 1berto, obrigada por existir!!!!
    Denise Castro

    ResponderExcluir
  43. Por favor, venha para Jaraguá do Sul. Sou sua fã e tenho 11 anos, tu é demais, quero um autógrafo seu e te conhecer!! É meu sonho!

    ResponderExcluir