Beijos Pra Torcida (121)

A expressão "jogar para a torcida" sempre teve um tom pejorativo, né? Talvez já não seja assim. Agora, parece que jogar para a torcida é o que todos fazem. Dentro e fora do futebol. No esporte, cada vez fala-se menos em torcida e mais em público consumidor. Sabe como é, hoje todos preferem jogar para consumidores.

Mas, afinal, para quem se jogava quando "jogar para a torcida" não era de bom tom? Para o time, suponho. Para si mesmo... pelo puro prazer... por amor à arte - ouso imaginar. 

À luz do INSULAR, tenho visto alguns comentários a respeito de minha trajetória ressaltando o fato de eu ter construído (e ainda estar seguindo) meu próprio caminho. Chamar isso de bravura ou teimosia, vai depender das cores que querem dar ao quadro.

Ok, em tese, concordo. Com a ressalva de que nunca quis bancar o herói nem o personagem da canção My Way fazendo tudo a seu jeito. 

A coisa é bem mais simples: acredito que um sinal de respeito do artista em relação ao seu público é não pensar nele. Claro que agradar é ótimo, mas não deve ser o motor da arte, o objetivo primeiro e principal. Que seja um bem-vindo efeito colateral.

Eu, como fã, quero que os artistas que admiro sigam suas intuições sem pensar nas consequências. Que sejam singulares e corram o risco de encontrar teatros vazios.

Sem pessoalidade e risco, a arte fica mais chata do que… digamos... publicidade. Sim, propagandas me parecem mais interessantes do que blockbusters da industria cultural. Acho mais legal o Michael Jordan da Nike do que os seres azuis de Avatar ou Madonna.

Não é à toa que jargões de economês invadem as notícias sobre arte, já sem o menor pudor da parte de quem os usa. Já é comum referirem-se a filmes do tipo Batman, Homem-Aranha, etc... como "franquias".

Notícias sobre artes plásticas frequentemente parecem mais relatórios da bolsa de valores: a cifra que obras atingem em vendas e leilões em primeiríssimo plano. Dia desses uma manchete de jornal dizia que o novo disco de uma cantora "reposicionava a marca".

(Tudo bem, é o capitalismo globalizado. Discussão para outro post.)

O que não faz sentido é que artistas de abrangência menor, que poderiam reverter esta lógica graças à escala em que circulam, reproduzam os mesmo vicios do esquemão. Em vez de alternativa, se resumem a miniaturas do mainstream

Este peixe pequeno que vos escreve aprendeu muito nadando entre tubarões e desenvolveu sua intuiçao nas profundidades oceânicas onde nada se enxerga ou vê. Viu que verdadeiros artistas, além de suas obras, deixam o legado da trajetória, as escolhas feitas, nunca subservientes à pequenez momentânea do ambiente. Abdicam de atalhos, do caminho mais fácil. É assim que se tornam nosso melhor espelho, o melhor relógio a marcar épocas.

Quem tem medo do fracasso tem medo da vida. Quem foge das dificuldades foge de si mesmo. Algo infelizmente comum quando a regra é comer frango e arrotar peru.

Hoje, enquanto escrevia essas reflexões,
 o sol me pegou em algum ponto do céu entre Maceió e POA. 
Ah, se eu fosse vampiro, teria ficado ali para sempre.
Mas, não! Não viro vampiro.
Eu prefiro sangrar.
abraços
29out2013

112 comentários:

  1. Voltando ler o texto fresquinho.
    Ow coisa boa é não ter horario de Verão em Fortaleza.
    E Por falar em Fortaleza, que show foi aquele em?
    Estou em êxtase até agora.
    Já to morrendo de saudades....
    Cheiros

    ResponderExcluir
  2. Palmas pra quem ainda acredita que o processo é mais importante que o resultado!!!

    Obrigada por ser espelho e relógio! O melhor!
    Abraços!!

    ResponderExcluir
  3. adorei Não viro vampiro.
    Eu prefiro sangrar.

    ResponderExcluir
  4. Que linda imagem, que ótimo texto...

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. (Hahahha oi zellini) Humberto, esse texto foi muito reflexivo, adoro os seus textos por que realmente me faz pensar. Que bom que você postou texto novo, já estava ficando maluca.
      Ps: ainda espero o show aqui em Petrolina-Pe

      Excluir
  6. Tri o texto de hj, reflexivo..

    ResponderExcluir
  7. Quem tem medo do fracasso tem medo da vida. Quem foge das dificuldades foge de si mesmo .... Perfeito!

    ResponderExcluir
  8. Minha dúvida sobre como o Gessinger vê sua relação com os fãs é a seguinte: No final dos anos 80 o público era uníssono, hoje em dia é comum seu público ser mais diversificado. Como o Humberto conseguiu cativar um público fiel por tanto tempo, preservando seu modo de pensar como artista, por tanto tempo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Renato, ouça a música "A perigo". Acho que pode te elucidar alguma coisa...

      Excluir
    2. ..ou como bem lembrado pela Ana Beatriz Melo abaixo, "Outras Frequências" .

      Excluir
  9. "Quem tem medo do fracasso tem medo da vida. Quem foge das dificuldades foge de si mesmo. Algo infelizmente comum quando a regra é comer frango e arrotar peru."

    Parafraseando um ditado que ouvi muito, enquanto morei em GO: a carapuça me serviu.

    Ps: antes de olhar diretamente pra foto, achei que fosse um quadro...precisei olhar fixamente, pra acabar com a ilusão de ótica!

    Abraços, querido ídolo!

    ResponderExcluir
  10. Feliz em vê aqui que o Bate-Papo em Maceió te inspirou pra esse Post! Foi incrível Humberto! Você perto de nós, falando da sua arte é realmente se doar, exibir sua alma para o público.
    E sobre o texto: "nós vibramos em outra frequência,
    sabemos que não é bem assim.
    Se fosse fácil achar o caminho das pedras,
    tantas pedras no caminho não seria ruim"
    Essa canção está fazendo todo o sentido na minha vida ultimamente!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Como Humberto Já dizia em ''Humano Demais''
    Se o Mar não tá Pra Peixe desse tamanho:

    ''Este peixe pequeno que vos escreve aprendeu muito nadando entre tubarões e desenvolveu sua intuição nas profundidades oceânicas onde nada se enxerga ou vê.''

    ResponderExcluir
  12. Obrigado por não ser mais um escravo da indústria cultural capitalista. HG é foda !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, tu acha que o HG também não é Escravo do Capitalismo ??? ...rs

      Se não fosse, nós fãs não precisaríamos gastar nenhum centavo de real para comprar os livros dele! Ele simplesmente poderia escrever livros e deixar on-line para podermos baixar !!!

      Excluir
    2. Anônimo, entendo o que você quer dizer. Porém, as coisas não são tão simples assim. Não é os atos que nos dizem sobre as verdades, mas, coisas que estão por detrás dos atos, escondidas. Posso praticar homicídio como um criminoso qualquer e posso (lembrei de cara!) ir pra guerra como fez Krishna e Arjuna, numa história contada em um grande livro indiano. Amigo, "o essencial é invisível aos olhos!" (O Pequeno Príncipe).

      Abraço

      Excluir
  13. Parabéns pela ousadia do novo disco. Estou curtindo demais os detalhes e referências que vou encontrando a cada audição. Legal como tudo vai ganhando corpo e mostrando a densidade aos poucos. O show em Fortaleza foi mágico! Excelente musicalmente, de repertório, das escolhas para tocar novas e velhas canções. Tudo me surpreendeu! Sobre novas e velhas, senti falta de milonga xeque-mate e Freud Flinstone. A última foi sublime no show anterior aqui em Fortaleza no Centro Dragão do Mar. Sobre a parte mais pancada do repertório, já pensou em incluir Sala VIP nesse show? Acho que casa bem!
    Sucesso na estrada com seu novo trabalho!

    ResponderExcluir
  14. Humberto, adorei sua participação na VI Bienal Internacional do Livro de Alagoas, obrigado pelo autógrafo. Espero que Maceió tenha te recebido tão bem quanto você recebeu seus fãs maceioenses. Valeu HG!

    ResponderExcluir
  15. Antes de tudo: Que foto linda!
    E agora: Numa mistura sobre seu texto deste post e sua arte. Muito agradecida! Valeu por "não pensar em nós" quando trabalha. Grata por não nadar com tubarões, se digladiando (palavra feia, né?) pelo pedaço de...perna? bunda? ouvidos? cérebro? Não, acho que a parte aqui não é tão anatômica. Bolsos. Agradeço por poder ler uma reflexão dessas justo quando me pergunto quanta força ainda terei por não querer nadar com tubarões... (aquele negócio de causas perdidas...pois é).
    Ainda curtindo os ecos da gravação do Palco MPB (Show de bola!! Diga ao Bisogno que ele ganhou mais uma admiradora...que bateria!!! Que equalização, que entrosamento, que tudo! De olho sério naquele teatro agora, também).

    Sigamos. Bandiloco...ou não ;-)

    Boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando digo que é inabalável, o cara vem e me diz que não pensa nos fãs ao produzir. Pois eu digo: não pense mesmo, sob pena de deixar de ser quem a gente admira para ser mainstream. Aí agrada a todos e não agrada a ninguém. É pra sangrar? Sangremos juntos! A propósito: lindo texto, linda foto mesmo!

      Excluir
    2. Com certeza! Poucos artistas atualmente tem meu respeito profundo. Texto que vem pra sacudir as estruturas, ainda que sem querer e só por isso, talvez ;-).

      Excluir
  16. "Quem tem medo do fracasso, tem medo da vida. Quem foge das dificuldades, foge de si mesmo." Gênio!!

    Gessinger, quero agradecer pelo showzaço na Unifor na sexta-feira. Sair do interior pra ver esse show maravilhoso, foi inesquecível.
    Pela segunda vez no ano me desloco até Fortaleza pra ver um show seu. Farei isso quantas vezes for preciso, já que as produtoras aqui do interior, teimam em não trazer você até nós.

    Abraços e até breve!

    ResponderExcluir
  17. Há pouco tempo resolvi adotar uma medida diferente de ser teu fã.
    Percebi que já não fazia muito sentido algumas "brincadeiras" no twitter.
    Decidi que não comentaria no blogessinger se eu realmente não tivesse uma opinião (Por muitas vezes queria escrever, por escrever).

    Enfim... Se existe uma relação (respeitosa e ornamentada) do artista para com o público, deve existir uma relação (harmoniosa e observadora [apenas]) do público para com o artista.

    Muito bom, Gessinger!
    Mesmo que em silêncio, vou sempre estar lendo, ouvindo, escutando e observando você!

    ResponderExcluir
  18. "Quem tem medo do fracasso tem medo da vida. Quem foge das dificuldades foge de si mesmo. Algo infelizmente comum quando a regra é comer frango e arrotar peru."

    Você e sua genialidade. Apesar do elogio mainstream, é isso que você é, um gênio.

    ResponderExcluir
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  20. nossa,estava com saudades de ler os textos quando segunda vira terça,emocionante palavras como sempre,aproveitei para ver uns videos,
    amei que show foi aquele,no araujo viana,lindo,parabéns HG,te amooooooo.

    ResponderExcluir
  21. Humberto,
    Mais uma vez sábio com suas palavras... Hoje venho te agradecer por ter aparecido em maceió compareci a bienal e gostei muito, peço encarecidamente que venha para cá dessa vez para fazer show com o insular.
    Desde já agradeço a você por que mesmo não estando perto sua musica sempre chegou até a mim e me guiou para onde estou agora e onde estou é o melhor lugar que posso está. Agradeço por toda ajudar que você me deu, estando perto e longe ao mesmo tempo.
    Abraços e até a próxima e que não demore tanto kkk.

    ResponderExcluir
  22. Humberto eu já não tenho palavras para agradecer tudo que você faz pelos seus fãs CDS, DVDS, LIVROS, BLOGESSINGER, TWITCAMS, FACE, INSTA, AUTOGRAFOS, SHOWS..
    acho que estou ficando velho "caralho como estou ficando velho" e ando me emocionando demais quando escuto tuas musicas vou aos teus shows ou consigo um simples autografo da ultima vez aqui em Natal-RN tive que me segurar para não chorar no teu show do pouca vogal para não chorar com as inúmeras lembranças da minha vida todas ligadas aos teus cds as tuas musicas..
    muito Obrigado Poeta

    ResponderExcluir
  23. Na arte, seja ela qual for o que vale é ser honesto a si mesmo. Se for vendável perde a autenticidade em si e vira "o que tá na mídia"...deve ser por isto que gosto tanto de tudo o que você escreve e da sua maneira peculiar de ser. Não existe nada mais chato que ser igual a todo mundo!

    ResponderExcluir
  24. Mestre Humberto! Apenas queria te dizer que vivo um momento dificil da minha vida... Escolhas! Essas trazem mais sofrimento que a falta delas (ou não?), nos faz sentir o peso da culpa... do medo do fracasso! Você lançou o Insular no momento mais crucial desse meu difícil ano... o mais duro de minha vida até então! E ele pareceu a vir dialogar comigo como que me dando reapostas tão direcionadas que fiquei pasmo com tamanha coincidência! Mas na real não foi coincidência... é que você com seu grande dom poético e filosófico é ainda o maior líder desse pequeno exército, nosso exército de um homem só, no difícil exercício de viver em paz... perdão pelo clichê da citação mas os simbolismos de sua música e filosofia são tão fortes que é difícil não se fazer entender através deles... um grande abraço e obrigado de um discípulo anônimo e completamente não intencional...

    ResponderExcluir
  25. Alguém próximos dos 50, que roda o Brasil inteiro levando e trazendo algo muito maior do que apenas versos, não faz isso por si sozinho, leva uma bagagem em tanto mesmo achando que não. Mas faz por naturalidade, sempre criando sem saber o resultado. O resultado? desagrada e agrada ao mesmo tempo, pois a remessa é grande. E isso que faz de ti o que simplesmente és: autêntico.
    Quem nunca fracassou ainda não nasceu, quem não superou as dificuldades não conhece a si mesmo. Queria agora tomar um chimarrão e sentir a leveza...

    ResponderExcluir
  26. Um texto muito bom pra refletir parabéns por tudo e volte logo pro Ceará vem fazer uma tarde de autógrafos aqui um abraço pra ti e muito sucesso sempre.

    ResponderExcluir
  27. Excelente este texto!
    Por isso sigo tua obra artística.
    Se dependesse de uma maioria esmagadora vc teria gravado um novo "papa é pop" com "aquela formação".
    O bom de esperar é ter um Insular maravilhoso, um pouca vogal jamais pensado ou imaginado, e independente disso, para mim tarabalhos emocionais, emocionáveis.
    Na arte, pra mim, como público é o que conta: que seja sincero e que me emocione. No barzinho da esquina ou no grande show.
    Tens feito isso bem! Obrigado!

    abrazzos!

    ResponderExcluir
  28. Você tem que sempre seguir suas intuições, mesmo. Essa é sua essência, é o que te faz ter tantos fãs. Você não segue tendências e seu objetivo como artista não é apenas vender o seu produto e chegar ao topo das paradas. Por isso, você é o Mestre!

    ResponderExcluir
  29. Sempre andei (mais ou menos) por esta estrada... escolhara uma trilha própria e ver qualé. Aliás, estes detalhes não se resumem as coisas que aparecem na TV ou na www. Na própria área administrativa, grandes gurus empresariais (palestrantes que não tem empresa) criam teorias que todos as utilizam como se fossem receitas de bolo... Mas há tantas variáveis e ninguém percebe que o maior conhecimento está alí dentro deles mesmo. Na experiência que vira intuição através do dia-a-dia.

    ResponderExcluir
  30. Grande texto Humberto!
    Reflexões de um peixe gaúcho.
    hehehehe

    ResponderExcluir
  31. - Nem sempre faço o que é melhor pra mim! Mas nunca faço o que eu não "tô" afim de fazer!

    ResponderExcluir
  32. Esta semana só me cabe comentar que acho que bravura e teimosia deveriam estar inclusas no dicionário de cada vida.

    ResponderExcluir
  33. Quando penso que não há mais saída para essa mediocridade musical tupiniquim, lembro que Gessinger existe.
    Na contramão da massa!

    Belo texto! "como sempre"

    ResponderExcluir
  34. "Não existem atalhos" --Michael Jordan

    ResponderExcluir
  35. Parabéns pelo texto. Valeu a espera.
    Gostei tanto que queria ter escrito ele antes de ti.


    Sempre bom ouvir teus papos.

    ResponderExcluir
  36. Hbt, vamos fazer essa jam antes que você se mande...

    []´s
    Leonardo Lima/RS
    www.ufrgs.br

    ResponderExcluir
  37. sidnei rodrigues - SP29 de outubro de 2013 13:48

    Vamos remar contra corrente.
    São Paulo na espera Humberto!!!!!

    ResponderExcluir
  38. De Recife a Maceió só pra ver HG na Bienal do livro. E se valeu a pena? Putz, como valeu! HG imortal. Obrigado por existir Gessinger! Segue meu abraço, da minha esposa (Dartiana) e minha filha (Pietra). Estivemos com vossa senhoria lá no hotel em Maceió. Se não lembrar de nós, não tem problema! Num raio de 400 a 500 Km de Recife estaremos lá, onde você estiver. Até a próxima, se Deus quiser!

    ResponderExcluir
  39. Escreve-se para vender, canta-se para vender, filma-se para vender...E arte pela arte? (Foi pro escambau!) A vida de acordo com os interesses de mercado...
    Seria mais fácil fazer como todo mundo faz ♫ ♪ ♫ ...Mas não seria Humberto Gessinger!
    Lindo texto, linda foto e uma linda semana pra você...Beijos!

    ResponderExcluir
  40. Excelente! A maneira como vc escreve é contagiante e o assunto que vc levanta hoje é o que se encontra por traz de uma música, filme etc...
    Agradar para vender mais e mais
    Boa semana mestre e um forte abraço

    ResponderExcluir
  41. " ... a onda agora é outra onda! "
    Meu ídolo não se leva, e nem se vende pela nova onda!
    É por isso Humberto, que tú tá cheio de fãs de graça, fãs que não quero nada, só ouvir a sua música do jeito mais puro e autêntico que vc conseguir fazer.
    Claro que se vc resolver tocar sertanejo, nao te escuto mais.. kkkkkkkkkkkkkk' brincadeira cara!
    Lindo texto, linda a foto, e a sua história acima de tudo é original.
    Bora lá, tamo junto!
    Grande beijo, goiânia sente saudades!

    ResponderExcluir
  42. Halana... se ele resolver tocar sertanejo... ainda teremos as letras e os textos... dá para nos contantarmos, neh...kkkk!!!
    Até mais,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade, ainda assim ouviria por ser o Humberto! fosse qualquer ritmo não teria como ser ruim né?
      kkkkkkkkkkkkkkkk
      o cara é "o cara"!
      Até..
      (:

      Excluir
  43. É verdade, Humberto.

    Artista tem que seguir sua intuição.
    Mas às vezes é bom ouvir o publico e corrigir pequenos excessos.

    Por exemplo, eu sou fã de enghaw, mas odiava a mania que vocês tinham de fazer músicas com a mesma melodia chamando de nº2 (exercito de um homem só II, revolta dos dandis II). Parecia preguiça. Acho que foi uma das razões da crítica ter pegado tanto no pé de vocês. Eu continuei fã, e considerei isso apenas um "excesso", pequeno desvio. Mas mta gente pegou antipatia dessas repetiçoes dos enghaw.

    Talvez se alguém tivesse orientado vocês a respeito disso, a relação amor-odio com a critica poderia ter sido minimizada.

    Não alteraria a espontaneidade do trabalho dos enghaw. Não seria uma imposição do mercado. Apenas corrigiria uma repetição desnecessária. Afinal, uma piada repetida várias vezes perde a graça (considero um ironia essas canções 2, uma ironia que cansou).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me desculpe Renan,

      Mas as partes 2,3,4,5... são uma das caracteristicas do Rock Progressivo (Ouça Pink Floyd), identidade caracteristica do som do Eng° e consequentemente do HG. No princípio, até tive essa opinião (até os 15), mas com o tempo percebi que limitar uma melodia a apenas uma letra, é um disperdício. Limitar um tema a apenas um aspecto do mesmo, é pobre. Encher uma música com todas as variações que o tema oferece, vira um "balaio de gato". Expressar tudo oque o artista sentiu, num determinado espaço de tempo ( o tempo da cançã), fica sem sentido.

      Sr HG, se é que você existe (neste blog), e esta lendo este inauspicioso comentário (minha parte). Nunca perca suas raízes progressivas!

      Excluir
    2. Nunca perca suas raízes progressivas! [2]

      Excluir
    3. ...HG, nunca deixe de acrescentar, pelo menos, algumas pinceladas do tal prog... Quando possível =)
      (NPoA)

      Excluir
  44. Humberto,

    Texto maravilhoso e altamente reflexivo... para mim é agoniante ver as pessoas indo ao sabor do vento, gostando de algo, não por se identificar, mas por estar na moda ou pior ainda por que "dá status"...
    É o fato de você não ser assim, não ser esse tipo de artista, que me faz te acompanhar a tantos anos... te admiro de mais!!!
    Aproveitando... parabéns a você e a Adriane, por não terem desistido na primeira dificuldade e valorizarem o plural ao invés do singular... vinte e cinco anos, não são vinte e cindo dias!!! Que Deus abençoe muito sua família e que venham mais vinte e cinco anos!!!

    Um abraço,

    ResponderExcluir
  45. Hum... esse texto me lembrou, de cara, o "Música de camelô" do Nico, teu parceiro no Insular.
    "Não é à toa que jargões de economês invadem as notícias sobre arte, já sem o menor pudor da parte de quem os usa."
    "Dia desses uma manchete de jornal dizia que o novo disco de uma cantora "reposicionava a marca".
    "O que não faz sentido é que artistas de abrangência menor, que poderiam reverter esta lógica graças à escala em que circulam, reproduzam os mesmo vicios do esquemão. Em vez de alternativa, se resumem a miniaturas do mainstream."
    Camelô = miniatura do mainstream.
    O músico de menor abrangência virou um camelô, vendendo um "produto" (às vezes de péssima qualidade) chamado "música popular".
    Alemão, tu estás a entregar teu parceiro, hein?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E talvez essa tenha sido a forma de Nico expressar uma crítica e ainda tirar proveito do mecanismo...talvez. Eu não faria, mas admito que é "inteligente" ;-)

      Excluir
    2. Não, não. O Nico falou no Programa do Jô (procure no youtube) que esse trabalho "Música de camelô" não é, de forma alguma, uma crítica ou abordagem depreciativa. Muito pelo contrário. Diz ele que é uma "homenagem"!!!
      Homenagem aos músicos e artistas que fizeram sucesso com suas tais músicas populares.
      Homenagem ao "tchu-tchá-tchu-tchá"... "ai se eu te pego"...
      É mole?
      É, de fato, um camelô vendendo quinquilharias ao piano...
      "Em vez de alternativa, se resume a miniatura do mainstream".

      Excluir
    3. Desculpe, Márcia. Você não vai encontrar a fala do Nico no youtube e sim no site da Globo. Aqui:
      http://globotv.globo.com/rede-globo/programa-do-jo/v/jo-recebe-o-musico-nico-nicolaiewsky/2541363/
      Precisamente aos 26:15:
      "No show (Música de camelô) não tem crítica, nem deboche, nem paródia. Na verdade, o show é uma reverência à capacidade dos compositores de lavar a alma humana. Todas as músicas que eu toco são músicas que eu acho superlegais".

      Eu, particularmente, não conhecia o Nico antes do Gessinger me apresentá-lo através do Insular. Aí fui tentar conhecê-lo melhor, me aprofundar no trabalho do cara, ansioso por encontrar coisas novas, MAS...
      O que encontrei, infelizmente, foi precisamente o que o Gessinger falou nesse texto: "em vez de alternativa, uma miniatura do mainstream".
      Poxa, dá pra ver que o Nico é supertalentoso! A gente vai tentar beber uma nova água no trabalho do cara e o que a gente encontra é a mesma lama da mídia, mascarada por um piano. Lamentável!

      Excluir
    4. Pôxa! Lamento saber disso, porque, como você mesmo disse, o cara é talentoso. Retire o discurso e a arte vira entretenimento (ou mainstream, como preferir). É chato mas... mal gosto não é crime, né? rs... a gente só lamenta...

      Excluir
  46. Humberto Gessinger seu artigo está demais. Às vezes, fica até difícil de tecer um comentário, porque você é demais. Além de deixar os teus pensamentos fluírem também faz com que pensemos nas questões. Valeu HG! bjs

    ResponderExcluir
  47. Humberto,

    Boa noite!

    Belíssimo texto! Além da ideia maravilhosa (por momento não comentarei), a escrita é fascinante.

    Aproveito este espaço para agradecer tua presença em SP e parabenizá-lo pelo show "Revolta dos Dândis" (Mix TV) que foi emocionante!

    Há pouco mais de dois anos, escrevi um texto que contava como fui privada de ouvir Engenheiros do Havaii. Por ignorância, era rendida a um sistema religioso que proibia esta e outras graças.

    Com o passar do tempo, adquirindo um pouco de conhecimento, alcancei liberdade (nesse contexto) e passei a "curtir" Engenheiros do jeito que eu queria e, nesta constante, realizei um grande desejo de, confortavelmente sentada, te ouvir tocar na íntegra e na sequência o álbum A Revolta dos Dândis. Foi sensacional! Show simplesmente maravilhoso!

    Do jeito que és, como escreves, como tocas, como cantas, sou tua admiradora.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  48. Obrigado por compartilhar seus pensamentos, pois eles servem de inspiração para muitas pessoas.

    ResponderExcluir
  49. "Dom Quixote" é uma metáfora. Viver a própria realidade na contramão do que o dinheiro pode comprar além de bens materiais - valores pessoais e identidade - não é uma tarefa fácil, pois a máxima diz que "cada um tem seu preço". Felizmente, ainda há alguns poucos que a desmentem, estabelecem seus limites para não perderem suas essências.

    1gdabç.

    ResponderExcluir
  50. Valeu HG...um pouco de fé e pé na tábua...várias interpretações para um mesmo texto. d+++

    Flávio (Itabira-MG)

    Até 22/11 em BH!

    ResponderExcluir
  51. Prefiro sangrar e seguir em frente a ficar parada esperando atitudes tomadas pelos outros baseadas em suas próprias realidades egoístas!
    Belas palavras, como sempre, HG!!

    ResponderExcluir
  52. Adoro suas reflexões, como as suas cancões sempre me emocionam, você é iluminado, abençoado, sei lá algo assim...

    ResponderExcluir
  53. Humberto Gessinger, tive o grande privilégio de compartilhar esta bela visão contigo, na poltrona a sua frente no avião. Com certeza, uma das recordações mais singulares e significativas da minha vida! Um sonho realizado ali, no saguão do aeroporto e completado durante o vôo. A minha torcida por ti será eterna, assim como a admiração pelo seu trabalho. Música de qualidade, com significado e significação para sua grande fã. Parabéns! Renata Lorena - Goiânia-GO.

    ResponderExcluir
  54. Um dos melhores textos do Blog.
    Falou toda a verdade que poucos sabem e dão valor, infelizmente.

    Grande abraço Gessinger!

    ResponderExcluir

  55. Belo texto. Intenso!


    Acredito que vampiros
    prefiram a luz do luar.
    Sangrar, pra quê?
    Pra quê, sangrar?
    Curta o sol, mas
    nada de se queimar!
    Sua arte se faz
    necessária.

    Boa noite!

    ResponderExcluir
  56. Não vou comentar, para não parafraseá-lo. Mas a essência é esta.
    A dias não tinhamos um texto bom assim,

    ResponderExcluir
  57. "O relógio à marcar épocas (...)"
    "O motor da arte (...).

    É minha resposta, meu texto (ou "comentário" como propõe um blog). E não porque eu tenha pouco à dizer. Mas por estas, ou melhor, o briefing dessas passagens - o que vale é a minha irterpretação (deduzo que o artista concorde comigo) - descrever perfeitamente a volta. Ops, o co-men-tá-ri-o.
    Eu escreveria. Fácil. Pois que sem a intenção já to na quase carta. Mas eu que não fujo da vida... Tá punk... Correria à fú... Sem mais. E pior, sem a interação com os outros comentários, com a galera que eu acho geralmente quase tão ilustrativa à minha mente quanto os teus textos de largada.
    E paralelo a arte, o ofício ainda é parecido com o do "a arte e o ofício" #recantodasletras.

    Obrigado Humberto. Sigo ai... NO TIC-TAC DA ERA À LUZ DO INSULAR.

    Neto Silveira (NPoA)

    ResponderExcluir
  58. https://fbcdn-sphotos-e-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash3/p206x206/1378717_668194019870997_1019257928_n.png
    Sem mais

    ResponderExcluir
  59. A distância entre o objeto e o observador é essencial na interpretação da obra. Um mesmo quadro visto à distâncias diferentes pode revelar significados diferentes. Portanto, acho que a distância que nos separa do Humberto é essencial para entendermos sua obra. Essa mesma distância deve haver entre ele e os músicos que o acompanha. Poucas vezes comento alguma publicação do Gessinger. Não fico mandando mensagens em twitter ou facebook. Tampouco desejo saber o seu endereço de e-mail. Enquanto público temos que aprender a observar. Isso é o que nos faz torcida, e não público consumidor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito do que escreveste, Eduardo Resende!

      Excluir
  60. Humberto, cada dia mais livre. Isso é essência! Cada dia mais admiro seu trabalho e sua pessoa, afinal, ambos se misturam.

    ResponderExcluir
  61. Um exemplo de artista como o que foi desenhado nesse artigo seria o Mike Patton. Sempre que lhe foi dado a opção, escolheu por ir contra a corrente que muitos em seu ramo marcham, porque ele não queria ser só mais um em meio a tantos.

    ResponderExcluir
  62. Teu texto ficou na minha mente amigo, desde que li na terça, e hoje me veio um trecho de uma musica sua e fiz relaçao entre os dois..
    " É muito engraçado que estejam do mesmo lado, os que querem iluminar e os que querem iludir.. "
    Ai, estou aqui comentando de novo. Vc e o nosso melhor espelho, pode ter certeza..
    Olha vc e o unico musico brasileiro da tua geraçao a permamecer intacto, sem se vender, sem rever seus conceitos a massa.. Pelo menos ao meu ver..
    Vc ilumina. Eu te admiro muito, a tua postura como pessoa, como musico, como pensador. Que Deus continue abençoando sua estrada!
    Beijo, ate breve amigo!

    ResponderExcluir
  63. "galegão" essa na minha opinião foi umas das melhores postagens suas, estamos numa epoca em que nada tem mais graça, tudo e feito para ser comercial e não pra expresar o sentimento de quem faz, vc ainda é um dos poucos que foge essa lógica e que eu admiro pra karalho, continue sempre assim. por que " nada nos protege de uma vida sem sentido".

    ResponderExcluir
  64. Li seu post e voltei ao bate-papo do domingo, em Maceió. Foi indescritível a sensação de estar tão perto de alguém que me inspira sempre com a sua obra, porque tudo o que faz de novo acaba me surpreendendo, nunca é igual. Foi um momento que eu realmente guardarei na 'caixinha dos melhores'.

    Apareça mais vezes, seu público em Alagoas é gigante!

    ResponderExcluir
  65. Hoje li seu post, exatamente quando acabo de ler Seis Segundos de Atenção, palavras que me fazem "voltar a ser criança" e "deixar de ser criança", e me fazem refletir e até a querer mudar, ainda em êxtase por ter meus livros e meu Insular autografados domingo em Maceió (concordo com Marília, volte sempre, muito em dias de autógrafos, nós queremos ter seis segundos de atenção seus, nem que seja para apenas para perguntar "qual seu nome") e então ficamos (eu) parados com meus filhos (um de 6 anos outra de 1 ano) pensando, por que não pedi um abraço (talvez por não querer parecer além de acreditar não ter mais idade pra ser ma fã "chiliquenta", ou que você não tenha mais paciência para esses "chiliques" de fã,que eu imagino em 28 anos de estrada deve ser realmente saco), então nesse meu segundo de atenção só espero poder ter outros autógrafos, ver outros shows (levar meus filhos a eles) e agradecer por palavras tão verdadeiras e inspiradoras. Abraços =)

    ResponderExcluir
  66. Profunda reflexão, disse o que alguns do meio artístico não diriam nunca ...exemplo, existem alguns que gravam o ritmo que está na moda..justificando serem inovadores na música.".a maioria esmagadora voz da razão",(com sua licença HG pela citação), é isso são sem personalidade, não se preocupam em fazer arte,e sim sucesso, com teatros lotados,. Adorei este post, cada vez mais curto sua arte, vc desde sempre grava o que acredita, o que cria, e da sua forma, sem "pitaco" de gravadora, sem medo de críticos, etc. Obrigado por uma reflexão tão intensa, porém autentica, vc é um artista que agrada seu público pela arte, competência, autenticidade e carisma, valeu!!!

    ResponderExcluir
  67. Excelente crônica!!!
    Propõe uma reflexão acerca do que acredito: fazer o certo, o que nos faz crescer, evoluir, nem sempre é o mais simples. "Seria mais fácil fazer como todo mundo faz...". Nesse sentido, o caminho que escolhemos trilhar reflete nossa personalidade; nossa vida é o resultados de nossas opções.
    Adorei Gessinger!!!

    ResponderExcluir
  68. Obrigado Humberto!
    Nesses tempos o que se vê são os artistas de uma única música, aparecem num dia somem no outro!
    Originalidade e persistência perderam espaço para ascensão imediata. ...Ascensão & queda, são dois lados da mesma moeda...
    abraço

    ResponderExcluir
  69. Cara, Eu preciso entender a ideia de uma de suas letras. Não consegui entender pois Você foi muito paradoxal nesta letra.

    Não sou seu fã. Nem te conheço. Mas conheço muito as suas ideias e sou um grande fã do seu trabalho. Fale comigo Humberto!

    Obs.: Tenho sua discografia completa!
    Obs. da Obs.: Tudo comprado! Nada de pirataria!

    Obrigado,
    Daniel Camargo

    ResponderExcluir
  70. Caraca... Essa vibe que tens estado ultimamente tá muito louca... que coisa gostosa... um clarão no fim do túnel, novos tempos para nosso planeta regeneração já! Obrigado por reproduzir tão bem as mensagens de o LE. Abraços

    ResponderExcluir

  71. Desde sempre prefiro ter sua obra assim, desse jeito, longe demais de tudo que se intitula MERCADO, concordo com tudo que disse sobre o que acontece com a INDUSTRIA do entretenimento. Prefiro ouvir uma canção da tua trajetória ao acaso uma rádio do que saber que ta tocado uma música 24 hrs por dia por causa de um jabá (?ainda é assim, jabá?). Sabe, é aquela sensação de frio na barriga que se dá ao se dar de cara com uma coisa inesperada, uma coisa boa. ...Em excesso até o fracasso faz sucesso por aí. E eu tenho fé na força do silêncio...
    Hey Gessinger, tu lê esses comentários até o fim? Que que vc tá procurando hein?
    EU LONGE DEMAIS DAS CAPITAIS (literalmente)

    ResponderExcluir
  72. Você sempre acerta nas suas intuições Humberto. Acho que ter essa coragem e teimosia de fazer as coisas do seu jeito é uma das coisas que mais admiro em você! E sempre dá certo! Você nunca correrá o risco de encontrar teatros vazios hahaha
    Valeu, Humberto, por continuar seguindo tua intuição! Coisa rara nesse mundo de artistas que querem ser todos iguais...
    Obrigada pelo texto! Abraço!
    Juny

    ResponderExcluir
  73. Sou fã demais!!!

    Obrigada por existir, Agagê!!!

    Sua obra me faz sentir viva ;)

    ResponderExcluir
  74. "Quando a regra é comer frango e arrotar peru" falou tudo. Admiro o quão inteligente você é !

    ResponderExcluir
  75. "Quando a regra é comer frango e arrotar peru" falou tudo. Admiro o quão inteligente você é !

    ResponderExcluir
  76. Alguém sabe onde foi parar a conversar que o Humberto anunciou que ia rolar com o Paulo Miklos?

    ResponderExcluir
  77. Me deu caganeira....
    Sou teu fã, mas as vezes tu é chato paca!

    ResponderExcluir
  78. Meu nome é Marlus Chelucci, e postei esse comentário aí de cima, dentro do trem enquanto passava na estação de Engenho de dentro, indo para uma aula de Engenharia de processos. Coincidências...

    ResponderExcluir
  79. Foi mal... Mas tudo está parado por aí esperando uma palavra.. Kkkk

    Qual a graça de ler essas coisas e não poder dar uma zuada.... MC

    ResponderExcluir
  80. Meu nome é Marlus Chelucci, e postei esse comentário aí de cima, dentro do trem enquanto passava na estação de Engenho de dentro, indo para uma aula de Engenharia de processos. Coincidências...

    ResponderExcluir
  81. Cara sou muito fã do Gessinger, e como diz o Anitelli "A Poesia prevalece".

    ResponderExcluir