Quando a Distância não Separabólica - 99


Perda de tempo andar em linha reta. São abstrações; não existem na natureza linhas retas, círculos perfeitos e triângulos equiláteros. Tudo é aproximado, negociação entre querer e poder.

É no zigue-zague da agulha fazendo a linha unir dois panos que se caminha. Até que um dia soe perfeitamente natural quando alguém disser que a distância aproxima.

(*)

Semana passada, num posto de beira de estrada, nas andanças entre shows, depois de muito tempo, voltei a comprar um disco do Gaúcho da Fronteira. Já na primeira faixa fui transportado ao Rio de Janeiro em 1991, a um apartamento na lagoa, ao estranhamento que causavam bombachas numa banda de BRock naquele início de década.

Em meio às curvas e corcoveadas do ônibus pelo pampa, observei o encarte do disco. 9 fotos. em cada uma delas, um sorriso aberto. Provavelmente mais do que sorri em toda minha vida.

Foi a distância que me aproximou desta vertente mais popular da música tradicionalista (Teixeirinha, Gildo de Freitas, Gaúcho da Fronteira). Se eu não estivesse morando no Rio, talvez até regravasse alguma canção gaudéria, mas provavelmente seria algo mais reflexivo e intimista, mais parecido comigo. Fico feliz que a distância tenha trazido perspectiva ao meu olhar. A mistura de ambientes me ensinou muito.

(*)

Sempre me interessei pelo contrabaixo, sua história, seus ícones, a técnica… Esforcei-me para honrar suas, por vezes, contraditórias tradições. Adaptei-o a minhas necessidades, limitações e desejos.

Fiquei 4 anos sem tocá-lo, na estrada com o Pouca Vogal. Passeava pelas frequências graves com a PK5, um teclado que, tocado com os pés, fazia a função do baixo.

Agora, voltei ao baixo num power trio e me surpreendi: sem falsa modéstia, estou tocando melhor do que antes. Apesar do hiato. A limitação das 12 notas da PK5 (só uma oitava... ainda por cima, tocada com os pés enquanto as mãos e a boca se ocupavam de outros sons) me ensinou muito sobre o instrumento e sua função. Mais uma vez, a distância aproximou.

(*)

Às vezes a gente se sente, pra citar aquela ópera, como uma pluma ao vento. Depois de alguns voos divertidos, a subordinação aos caprichos das correntes de ar pode ser um saco! Quando o vento parece estar nos levando na direção contrária aos nossos desejos, é bom lembrar que a distância pode aproximar.
14mai2013

93 comentários:

  1. Ai sim!

    Eu Longe de mais das Capitais.
    Literalmente

    ResponderExcluir
  2. Foda! A distância é o maior elo de união que existe ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depende da intensidade/qualidade da união, Douglas Dutra.:/

      Excluir
    2. "Elo de união" = variações de um mesmo tema...

      Excluir
  3. Adoro ler os textos do H.G. Leitura leve e interessante. Uma boa forma de encerrar os trabalhos de terça!

    ResponderExcluir
  4. Grande Agagê...
    Se você realmente tá tocando melhor, quero ver em Tubarão-SC, em Junho!
    Até lá!

    ResponderExcluir
  5. Grande texto mestre!
    Incrível como se encaixa perfeitamente no que vivo atualmente
    Obrigado por tornar meu cabeço de terça excelente (:

    ResponderExcluir
  6. Isso foi MUITO minha reflexão de dia das mães, se eu fosse boa com as palavras teria escrito antes que vc ahahahah "Quando o vento parece estar nos levando na direção contrária aos nossos desejos, é bom lembrar que a distância pode aproximar."

    ResponderExcluir
  7. Eu gosto muito do contrabaixo e, quando canto, é ele que meus ouvidos buscam. Matei um pouquinho a saudade de cantar num palco dia desses. Foi bom. Experimentei essa sensação de distância que aproxima, de hiato que aprimora...bom!

    E pensando em outras frequências...sim, a distância aproxima.

    Meu abraço. Daqui de longe. ;-)

    Ah, sim... Não sei bem porque, mas não acho que você simpatize muito com o Rio de Janeiro (eu não). Ok, posso estar enganada. Mas sou mais uma aguardando o show chegar por aqui ;-)

    Ah, sim (de novo)... perdi a chance de ganhar o disco no dia das mães. Dia dos namorados será que rola (pré-venda?) só curiosidade...rs

    Boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tõ só acompanhando a partida de tênis. Lá pro alto, lá pra baixo, lá pro alto, lá pra baixo..."e a gente ali no meio...."...rs

      Excluir
  8. este texto me fez refletir muito sobre minha vida,muito obrigado,espero anciosa para que todas as segundas viram terças,e gostaria que me seguisse no twiter pois como diz o meu mestre HG,só fiz essa conta no twiter para de alguma forma ficar mais perto de sua vida,pois pra mim isso ainda é ¨novas tecnologias,te adorooooooo,boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aham, ele vai te seguir... igual me deu a palheta no show...

      Excluir
    2. é,estou sonhando um pouquinho........

      Excluir
  9. E ás vezes aproximação demais pode afastar. Abraços, Gessinger!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É que a questão mesmo, que pesa muito mais nos relacionamentos, (e aqui entra familiar, afetivo, qualquer relação) é a qualidade do tempo em que desfruta-se junto do outro, e não a quantidade desse tempo...

      As vezes é melhor ir pra China mesmo.
      Ou para Plutão.

      Excluir
  10. Que bonito isso...

    hoje, distante de sentimentos que não entendia anos atrás, consigo até sentir o mesmo...

    Uma boa semana e obrigada pelo texto!
    AMO!
    ABRAÇOS Gessinger!

    ResponderExcluir
  11. Cara, esse pensamento me é recorrente! É preciso dar o sangue, intensamento pelo momento, seja o momento do amor, o momento do aprimoramento de um dom, do aprendizado de uma técnica ou arte... mas quando se esgota, é bom que se de tempo... para que se deixa o cérebro, o inconsciente assimilar tudo isso para então voltar com qualidade e força ainda maior... belo texto e belas observações!

    ps; Se vc ta tocando contra-baixo melhor que nunca... espero ansiosamente pelo novo album!

    Um grande abraço de um fã de fé ao mestre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "mas quando se esgota, é bom que se de tempo..."

      Sim Gabriel (nome bonito), é "a inocência que permite à boa vontade o trabalho do impossível."

      Bem lembrado.
      =)

      Excluir
  12. Impressionante como as (re)aproximações causadas pela distância sempre aguçam sentidos novos/diferentes. Seja num instrumento, num disco ou até mesmo numa pessoa que não vemos/falamos por muito tempo, né? Compartilho de suas sensações, mestre! Belo texto! A propósito, vc está tocando mto mesmo! Fui no show de estréia em beagá e tenho acompanhado os vídeos dos outros shows pelo youtube...quando vier em minha cidade, Juiz de Fora - MG, traga o double neck, faz favor!!!!! Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim a (re)aproximação de quando topamos com aquele alguém que não sabe apenas o nosso nome... mas que acima de tudo, o reinventa de mil e uma maneiras.
      Pessoas dispostas assim são raras...
      A maioria, hoje em dia, gosta mesmo é de reinventar o próprio nome... sem se importar muito com quem está ao seu lado. Em ser verdadeira companhia para quem está ao lado...

      Enfim, sorte de quem ainda haja a probabilidade de reaproximação.
      =)

      Excluir
  13. "Agora, voltei ao baixo num power trio e me surpreendi: sem falsa modéstia, estou tocando melhor do que antes."
    Não sei se foi o tempo (e o amadurecimento que ele nos traz) ou a percepção um pouco mais aprimorada (ou talvez tenha sido a menor distância entre meus olhos (e ouvidos!) e o palco), mas posso dizer que vc, literalmente, deu o show no contrabaixo na pré-estreia em BH... Até então, o melhor show da minha vida!!! Essa minha teoria só caiu por terra após o show em Ipatinga, que assumiu o ranking! Então, não posso deixar de comentar: arrasou (inclusive no baixo!!!)

    Só uma observação de quem pouco (ou nada) entende do assunto...

    É contagiante a energia do artista que verdadeiramente vibra com o que faz. Deve ser por isso que é tão natural compartilhar com você a experiência constantemente renovada do "melhor show" a cada apresentação...

    Agora sim, uma observação de quem muito entende (e sente) do assunto!!!

    PS. volta logo pra Minas, uai!!!

    ResponderExcluir
  14. Apesar de absurda essa noção de distância diretamente proporcional à proximidade tem muito a ver. Nós costumamos nos preocupar mais com quem esta longe do que com quem esta perto. Fazemos questão (mesmo que inconscientemente) de usar o sotaque quando estamos em outro estado, só pra se auto afirmar. Tem gente até que come mc donalds na praia (estou falando de quem não mora perto da praia), pra se sentir em casa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Nós costumamos nos preocupar mais com quem esta longe do que com quem esta perto".

      E diga-me, por que as coisas tem que ser assim?
      É o que vivo me perguntando... por que tem que se perder, para aprender a valorizar?

      =/

      Excluir
    2. Perder, certas vezes, mostra integridade de caráter. Uma capacidade de ser sua própria existência. O que sugere a observação sobre um tipo de negociação mesquinha que depõem a personalidade. Que transforma o ser num tipo de espantalho, onde os corvos vão se precipitar sobre cada pedaço de sobra para construir seus ninhos poluídos. Isso sim é perder: iludir-se que se achou qualquer coisa melhor que menos que derivados... Coisas que não se combinam, nem para chamar atenção. Uma mistureba para chamar larvas de varejeiras. Onde nada se perde, tudo se transforma em... nem vale a pena dizer o que.

      Excluir
  15. "Fico feliz que a distância tenha trazido perspectiva ao meu olhar."

    Cada dia melhor...
    Prova disso foi o último show em BH:
    Perfeito!!!

    ResponderExcluir
  16. "Quando o vento parece estar nos levando na direção contrária aos nossos desejos, é bom lembrar que a distância pode aproximar."
    Realmente Mestre..
    Ótimo texto, bom pra começar a terça!

    ResponderExcluir
  17. Toda vez que o HG fala sobre o contrabaixo eu me arrepio.

    Esse instrumento foi criado por Deus. Não encontrei outra explicação.

    E encarar essas citações, transcende as ideias gerais. Tinham outras? Ah é... a distância!

    -------

    Abraços pros De fé! Beijo pra Cila!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Abraços e viva a aproximação.com!

      Excluir
    2. Raphoca...

      Agradeço que mesmo na distância, sempre lembra-se de mim.
      Meu humilde obrigada.

      E outro beijo
      =)

      Excluir
  18. Sr ou Sra Anônimo(a) que estava indignado na semana passada: só hoje vi sua réplica ao meu comentário, e respondi. Obdo.

    ResponderExcluir
  19. Minhas seguintes observações:
    1- isso tbm acontece comg ( mas claro, nem me comparo ao HG) depois de ficar muito tempo sem tocar um instrumento, me surpreendo comg msmo.
    2- senti falta do abraço.
    3- to louco pra ver o novo cd e a nova turne, quero conferir essa nova formação de perto.

    Té+ humberto, boa semana e até semana que vem ^^

    ResponderExcluir
  20. Não digo a distância, mas o "descanso", ás vezes, é a melhor opção.

    Abs

    ResponderExcluir
  21. espero que a distancia aproxime o power trio do GLM de novo...

    ResponderExcluir
  22. 1berto,

    O que mais aprecio em seus textos é o saudável exercício do pensar. Enxergar que a vida é feita de detalhes e que, por isso, os detalhes devem ser valorizados porque muito nos ensinam. Foi o que senti no tema de hoje, na filosofia da aproximação que a memória provoca, pois a memória é o reflexo da distância temporal.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  23. Texto perfeito p quem ta sentindo que nao vai te vê em Fortaleza dia 24 nao por causa do querer mas por causa do poder....um abraço

    ResponderExcluir
  24. Bem isso mesmo, ás vezes a distância faz refletir...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tani

      Enquanto a distância faz refletir, é bom...
      O problema é quando nessa distância, aprende-se a viver só...


      Excluir
  25. A distancia nos aproxima:nao importa se estamos kms ou leguas de distancia.

    A distancia nos aproxima:passe o tempo que for,seja em algum minino detalhe,sempre a lembranca nos levara a distancia do passado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez...

      Questiono o hábito, o costume, o comodismo, o se acomodar... que nos faz adiar cortes, esticando aquela falta de ar homicida de um sorriso espontâneo.
      É como o colchão velho daquela cama que pouco dormimos nela, mas que gostamos de nela deitar... sentindo de cor cada mola que se adentra na pele... num comodismo podre...

      E tu sem saber os motivos que te levam a continuar de gostar de nela se deitar...

      =/

      Excluir
    2. Senhorita cila

      Gostei da sua replica,mais o assunto que estamos abordando nao e o comodismo ou a preguica macunaista.Ja tive prazer de ler outros bons comentarios seus e a senhorita foge completamente do assunto que esta sendo abordado,longe de mim chamar voce de louca mais siga um pensamento pararelo do que a pessoa escreveu.

      Eu acho que ja tive direito a treplica.Mais so treplica se falarmos do mesmo assunto que nao e o caso aqui.

      Na minha primeira explicao sobre a distancia nos aproxima eu quis dizer que nao importa distancia de uma pessoa ou lugar(cidade natal) o pensamento nos aproxima.

      Na segunda explicao quero dizer que um objeto ou alguma situacao nos faz lembra de algo,a lembranca do presente com a distancia do passado.E isso,sim,ratifica que a distancia nos aproxima ate em,lembrancas,de acontecimentos importantes para todos nos.

      Excluir
  26. Uma namorada-amiga me apresentou a tradução de HERDEIRO DA PAMPA POBRE em 91. A distãncia a trouxe para Minas Gerais ( uma adolescente gaucha buscando referencias num estado caipira ( caipira com muito orgulho)).Então ela tambem ficou mais gaucha e eu me tornei um pouco gaucho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Auberto com U
      Primeira vez que vejo.

      Interação cultural.
      Antropologia.
      Sempre ganhamos um novo hábito, uma nova maneira, um mais novo item na personalidade, no temperamento, com as cidades, países, que viajamos.
      Se saímos desses lugares, recheado de coisas novas: ótimo.
      O ruim é quando aprendemos coisas não tão boas... quando enfrentamos ondas gigantes que arrasam o que era bom e puro em nós.

      Legal que ela aprendeu a dar mais valor a quem era, e com isso, te incutiu o mesmo fervor da própria terra. Mesmo estando em solo caipira.

      Talvez seja essa a missão primordial das relações: aprender com o ser do outro, a sermos mais a nós mesmos...e com isso, o outro amar mais quem somos.

      Sem estrangeirismos.

      =)

      Excluir
    2. Cila com ce-cedilha seria mais regional esteja onde estiver.

      Sem estrangerismos.

      Excluir
  27. Sidnei Rodrigues - SP14 de maio de 2013 10:24

    Ótimo texto HG !!!
    Tocando melhor + distância pode aproximar = Show em São Paulo o + rápido...rs
    Valeu!!!

    ResponderExcluir
  28. Sensacional este texto!

    Parabéns! Humberto...

    ResponderExcluir
  29. A pergunta que não cala: QUAL A DATA DO LANÇAMENTO DO INSULAR? ... Simplesmente não existe noticia.... Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb qro saber!!! Vai ter pré-lançamento do disco na Stereophonica com autógrafo?

      Excluir
  30. Adorei o texto! Sempre mexendo comigo... Chego ate a pensar que distancia da musica ( que abandonei pra estudar design) pode me reaproximar dela... Quem sabe um dia voltarei a ter uma banda, quem sabe pra fazer cover de Engenheiros e Legião... Ainda mais com a estreia do filme "somos tão jovens" e agora esse texto maravilhoso pra completar e celebrar minha nostalgia dos tempos de adolescente rsrsrs
    Valeu pela inspiração Humberto! E não esqueça de Belém do Pará na tour hem =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Design e música não estão longe uma da outra...
      São duas formas de se lidar com Harmonia.

      Já parastes para pensar Wanessa, que tu só mesmo, é criando bagagem para lidar melhor com o que ama de fato.
      Enfim, como design, podes até (re)inventar um instrumento...

      Pense grande.
      Porque grande és.

      Força e Sorte Guria
      =)

      Excluir
    2. Valeu Cila!
      Não pensei que alguém leria meu comentário, e muito menos que responderia de uma forma tão legal =)
      Valeu mesmo ^^

      Excluir
  31. Power Trio com Aranha???
    Santa Paciência !!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo menos o aranha e so guitarrista.Nao posso falar o mesmo do tavares que tocava baixo na ex-banda e so por que arranha na guitara e chamado pra tocar com hg.O tavares deve ser uma especie de hg na guitarra so tem estilo.

      Excluir
  32. "Ao sabor das correntes tão fortes quanto o elo mais fraco..."

    "Voando sem instrumentos, ao sabor do vento..."

    Distâncias que aproximam, como versos de diferentes canções.

    Abraços HG e aos "de fé".

    ResponderExcluir
  33. No momento em que me angustio por armar novamente as velas, este texto veio a calhar. Entendo que não somente a distância mas tb o vento no rosto nos façam aprender, modificar percepções, reinventar. E, talvez, o mais importante seja a permissão que damos ao abrir das asas...
    Estas letras me fizeram dar um passo a mais nisso!
    Obrigada por mais um!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Curioso Kelly...

      Eu não me angustio nunca por armar velas... já que sempre sou a que mais fica no porto olhando barcos partirem... na angústia de vê-los partindo e os meus parados no cais...
      Quando eu me aventuro a ser templária, e botar Caravelas ao Mar em busca do Descobrimento de Novas Índias, é sempre na fuga dessa praia conhecida, repleta de pedaços de tantos naufrágios, de viagens marítimas que nagrande maioria, não vivi...
      Nessas horas, prefiro o Alto-Mar.
      E creia, não sou grande conhecedora das marés...
      Mas é bom aprender nessas viagens, a pressentir tempestades, intuir bonanças nos mares desconhecidos do nosso "eu".

      É um tentar fluir livre na corrente das vontades, mas das que se formam no profundo dinâmico dos nossos sentimentos.

      Meu desejo, do coração, de uma boa navegação.
      O certo é que por mais difícil que fique, ou tudo se torne, sempre haverá um porto santo, em algum lugar.
      =)

      Excluir
  34. Genial. Outra vez. Nas entrelinhas, sempre a melhor mensagem. O último parágrafo entrou pras minhas citações preferidas.
    Boa semana, mestre.

    ResponderExcluir
  35. Huuum e pura verdade as distancia serve para nos unir!!!
    Um abraço bem grande para você Humberto!!!
    De uma Fã e grande admiradora...
    Bia Arnaldo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "distancia serve para nos unir"

      Nem sempre... nem sempre...
      Há os que se afastam, se escondam, se camuflem, se distanciem, com uma placa bem grande amarrada ao pescoço: "não se aproxime".
      Cada caso é um caso.

      Há certas situações na vida que é um destapar de contradições.
      =)

      Excluir
  36. Grande Humberto Gessinger, tocando os corações mais peculiares. Sempre chegando na máxima da canção, no refrão exato de cada frase, na nota perfeita pra dizer o que sente e o que não sente

    ResponderExcluir
  37. Esse texto me fez chorar... To num momento muito perdido da minha vida, onde não encontro motivação pra nada. Não acredito que esteja em depressão ou qualquer dessas coisas tristes, só to parada. Distante da sequencia da vida. Então perceber que a distancia as vezes aproxima me faz pensar que talvez essa seja necessária, talvez o ócio dos meus dias ocupados simplesmente passe e abra lugar pra vida, mais próxima de mim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creia Sarah, depressão é algo que só os seres ultra sensíveis dessa sociedade, passam...
      Não tema o peso que a palavra Depressão tem nos nossos tempos atuais.

      E não tema parar.
      Não é preciso ter medo nenhum de parar.
      O coração continuará pulsando, os pulmões respirando, as unhas e os cabelos crescendo...

      No momento o que te é um receio, é apenas uma redução de velocidade.
      Se tu andares devagar numa rua em que todos os outros estão correndo, parecerá que está parada ou andando para trás - se estiver acostumada a correr.
      Aprenda agora a observar, a olhar, a sentir e perceber mais tudo a tua volta. Creia, será enriquecedor.
      É como na música do Lenine: "quando tudo pede um pouco mais de alma"
      E Alma Sarah, é algo melancólico de natureza.
      Sim, porque se comove com coisas pequenas e imperceptíveis para a maioria que está ligada no piloto automático, correndo...

      Nesse momento: só respire.
      Respire fundo e olhe.
      Sinta-se.

      Meu Olá
      =)

      Excluir
  38. Sempre ouço a seguinte frase: "Vai assistir outro do HG, de novo?" E respondo que vc, nunca faz o mesmo show.
    Observo as mudanças de timbres dos instrumentos e pedais. Uma espécie de "a procura da batida perfeita.", que faz o show evoluir a cada cidade.

    A versão de "Refrão de Bolero", em Biguaçú foi demais. Aquela briga de guitarras entre vc e o Tavares ficou muito boa. Vc podia tocar uma linha de baixo no DBN, gravar na PK9, soltar e só tocar guitarra no restante da música.

    Parabéns pelos shows, tão muito bons. Saudações RN.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Postei um vídeo de Biguaçú:
      http://www.youtube.com/watch?v=Uf-ucXDhXjM

      Excluir
    2. Obrigado, Emerson! Sempre acompanho seus vídeos e me divirto muito com eles!! Abração!!

      Excluir
  39. QUANDO PODEMOS TRAZER O LONGE PRA PERTO,ASSIM PODEMOS DIMINUIR A DOR DA DISTANCIA,UM TELEFONA , UMA BOA LEMBRANÇA NA MEMORIA E TODO DESEJO É ATIVADO EM NOSSA ALMA; SO ASSIM PODEMOS VOLTAR A SER FELIZ EM NOS MESMO................

    ResponderExcluir
  40. Com certeza a distância nos une de várias formas e também sempre nos deixa a saudade, em seu sentido literal. Sabe aquela saudade do que nunca existiu? Então, exatamente essa nos faz refletir e imaginar mil possibilidades de como seria se fosse do jeito que deveria ser! Sim, é confuso tudo isso...mas por que tem que ser compreensível?!
    Ass: Incoesa e incoerente ( só por hoje).

    Abraçãozão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mas por que tem que ser compreensível?! (2)

      Tudo no mundo é incompreensível...
      Tudo mesmo.

      =)

      Excluir
  41. Fui no show em Joinville, sexta agora, dia 10. É meu 18º show, desde 1993 na tour do Filmes de Guerra. Já vi HG com várias formações. De excelente humor (como sexta) a com jeitão PQP. Posso dizer o seguinte: o Tavares me surpreendeu, não achei que estivesse tocando tão bem. Parece que os 3 tocam há 5 anos juntos, por estarem bem entrosados. Mas parece que tocam há 5 semanas, por terem tanta animação e tanta vontade em tocar juntos. A parte com a gaita elétrica foi uma das ocasiões mais emocionantes da minha vida. Ouvir ninguém = ninguém, violência travestida, que há muitos anos não ouvia ao vivo, me trouxeram lágrimas aos olhos. Que mais digo? Que valeu cada metro dos 390 km que rodei, só para passar meu aniversário vendo esse cara tocando baixo como há muito não via. Dizer-lhe "obrigado" é pouco. Digo mais: dia 29/6, se Deus quiser, nos veremos em Tubarão.

    ResponderExcluir
  42. Valeu 1berto... tava precisando mesmo lembrar que a distancia aproxima...

    ResponderExcluir
  43. Pode crer, a distância também nos une, sou o fã que vai a todos os shows aqui em São Paulo, enquanto não rola a oportunidade de assistir a seu novo Espetáculo, isso mesmo,pois é o melhor dentre os melhores na música brasileira, a net meio que consegue minimizar a distância....valeu abraços Marcelo.

    ResponderExcluir
  44. Por falar em distância, ontem voltei a me aproximar de um amigo que fazia tempo que não via e dei uma moral sobre o novo formato. Será que novamente vamos ter sua presença no MA, só o tempo dirá, a minha parte eu fiz. ^^

    ResponderExcluir
  45. Dae mestre....acabo d ler a notícia q dia 15/06 é em Bauru!!!!!!!!
    Estaremos lá, ao fundo, quietinho e observando TUUUUDO!!!!!

    ResponderExcluir
  46. Amei o texto, assim como amo as músicas do Humberto!

    ResponderExcluir
  47. Cara, sou gremista e eu amo todas as músicas, textos e tudo relacionado ao Humberto!

    ResponderExcluir
  48. Quanto mais distante, melhor a capacidade de analisar o todo, pode ser por isso. :)

    ResponderExcluir
  49. Muito bom acompanhar o trabalho desse artista o power trio ta demais. Abrçs

    ResponderExcluir
  50. A distancia reforça sim os bons sentimentos sobre qualquer tema, mas tudo gira em torno do medo de não o faze-lo.
    No atual momento da minha vida estou um pouco distante de tudo e mais que tudo fisicamente longe dela ^^, mas sigo na esperança de "que a distância me aproxime" ainda mais dela.
    Reflexões sobre o tema, com toda certeza um ótimo texto, obrigado por compartilhar. Um abraço.

    ResponderExcluir
  51. Há distâncias para todos os efeitos. Mas é irônico quando as distâncias nos aproximam do que, antes, esteve tão perto. O mais comum, no entanto, é a distância separar e nos fazer esquecer. Feliz ou infelizmente.

    ResponderExcluir
  52. NAO SOU GAUCHO, NEM PORTALEGRENSE,MAIS NAO HA DISTANCIA ENTRE NOIS . A BUSCA DO ELO PERDIDO ,SEJA NAS GRANDES CIDADES OU NOS PAMPA . A CAUSA E O EFEITO DA NOSSA UNIAO É O AMOR FRATERNAL COMO JESUS NOS DISSE . A TE MESMO E AO PROXIMO......SOU SIMPLESMENTE HUMANO DEMAIS.GOSTEI DOS COMENTARIOS DOS IRMAOS .FÉ ,ESPERANÇA E AMOR PRA TODOS SEM PRECONCEITO ACADEMICO ,CULTURAL, RELIGIOSO .UM DIA SEREMOS TODOS IGUAIS,NAO DESIGUAIS...........RJ ,MG,RS,RN,SP ..........

    ResponderExcluir
  53. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  54. Humberto, vc tocando baixo é inspirador! Me empolguei tanto com a tua volta ao instrumento que me atrevi e fiz uma homenagem: Quem quiser conferir: http://www.youtube.com/watch?v=rZX7rkinjgY

    ResponderExcluir
  55. A distância aproxima .. no real, nos fatos, nos os amigos ... nos prazeres incontroláveis ... a distância aproxima

    ResponderExcluir
  56. olá, Humberto! É a primeira vez que venho até seu blog, na verdade, só descobri que você o tem hoje, por sorte, pois não tenho twitter (sei que você tem) nem facebook, e isso acaba dificultando meu "contato com o mundo". Quero lhe dizer que estou emocionada por encontrar um lugar onde você escreve sobre sua vida e seus pensamentos, pois desde muito nova escuto muito sua música, já fui pra diversos shows seus e sexta-feira estarei mais uma vez emocionada e feliz na praça verde do Dragão do Mar, em Fortaleza. No entanto, quero ressaltar que o show do Pouca Vogal, acho que em 2011 na barraca Biruta, também em Fortaleza, foi simplesmente incrível, e sei que pra você também. Quando a chuva começou, não vi NINGUÉM tentar se livrar dela, mesmo à noite, na frente do mar, com ventos frios, ninguém pensou nisso. Todos ali eram fãs seus de verdade, e aguentariam muito mais que uma chuva pra lhe ouvir! Foi emocionante ver você tão de perto! Enfim, obrigada por sua obra e agora por seu blog, estarei sempre aqui. Até sexta!

    ResponderExcluir
  57. Foi um dos textos mais lindos que ja li... realmente a distancia nao separa, durante e apos a leitura, me lembrei de uma pessoa especial que entrou na minha vida! Nao estamos juntos fisicamente, mas no pensamento ele esta sempre presente. E foi atraves das musicas dos EngHaw que nos aproximamos! Estamos muito distantes, mas a leitura do texto nos aproximou, como se eu pudesse ver o sorriso dele agora! Obrigada Humberto!

    ResponderExcluir
  58. Viajo a trabalho e achei o texto perfeito. Essa percepção de momento, situação é realmente fantástica, saber passar isso para o "papel" é igualmente excepcional! Parabéns!

    ResponderExcluir