Zen zap - 78



Meus defeitos são muitos e, a essa altura do campeonato, vocês já devem conhecer todos. Os reais e os inventados por terceiros. Então, peço licença para papaguear meu real (talvez único) talento: quando se trata do controle remoto da TV, sou o cara. O gatilho mais rápido do oeste!

Sou capaz de acompanhar, ao mesmo tempo, filmes, jogos e noticiários. Vários deles. Ok, talvez não seja tão difícil: os filmes, com variações superficiais, contam quase sempre a mesma história. O mesmo vale para noticiários e jogos.

Zapear é minha forma favorita de não pensar em nada. Com o tempo descobri que esta experiência, para mim tão tranquilizadora, pode levar à loucura quem queira assistir TV ao meu lado. Que meu casamento tenha resistido a tantos anos disso é só uma das provas que colho todo dia da força do amor.

(*)

Minha performance zapeando foi dificultada pela chegada da NET digital. Nela, rola um gap entre a saída de um canal e a sintonia do próximo. Fração de segundos que parece uma eternidade para meus dedos aflitos. No equipamento analógico não era assim. Engana-se quem pensa que as coisas só melhoram com novos sistemas operacionais.

Duas são as consequência mais imediatas desse apertar frenético de botões: (1) sou obrigado a trocar as pilhas do controle remoto com muita frequência e (2) fragmentos de imagens e frases sem aparente conexão ficam reverberando na minha cabeça muito depois que desligo a TV. Irradiação Fóssil.

(*)

Numa dessas, fiquei sabendo que dá pra comprar cheiro de grama recém cortada. Num programa sobre automóveis luxuosos, um designer italiano borrifava o aroma no seu escritório enquanto alardeava como o cheiro lhe trazia inspiração.

A TV já estava em outro canal e eu ainda especulava se o tal cheiro de grama cortada tem valor em si  mesmo ou se sua força reside em trazer à lembrança a grama outrora cortada. O tal perfume causa o mesmo efeito para quem nunca sentiu o cheiro que o corte da grama libera na vida real? Tem valor absoluto ou só como disparador de lembranças? Prazer inato ou gosto adquirido? 

Quando dei por mim, já havia flanado por outros canais. Saí do design de carros esportivos para entrar no Reino Unido da FIFA, corporação cujos tentáculos fazem a ONU parecer coisa de criança: 

Zico ganhou 9 Bolas de Ouro/Prata, Renato Gaúcho e Falcão, 6. O genial Neymar, depois de ganhar 3, já foi considerado hors concour. Muito cedo? Talvez nos tempos velozes e binários em que vivemos  (1 0 1 0 1 0 1 0 1)  não dê pra contar até 3.

(*)

Da matemática futebolística ao amor-I-love-you dos filmes, novelas e canções num clicar de botão: 

Ah, o amor! Acredito nele. Na sua forma mais pessoal e direta (eu e tu, olho no olho - que, por incrível que pareça, até pode nos amesquinhar) ou na forma mais abstrata (com todas as letras douradas e maiúsculas: amar a vida, nossos semelhantes, os animais... amar os raio de sol da manhã e do anoitecer... e a lua... e as nuvens que porventura esconderem os dois - o sentimento que afinaria todos os instrumentos e colocaria o mundo em harmonia, com trilha sonora de anjos tocando harpa).

Mas, quer saber? Às vezes acho que o amor atrapalha. Ops, vou refazer a frase pra clarear: acho que, às vezes, falar muito nele e esperar muito dele atrapalha. Há situações em que bastaria um pouco de respeito e gentileza. Utopias podem se transformar em desculpas para a inação, tipo: já que não rola tudo, não quero nada. Uma inversão cruel de perspectiva. Quase uma cegueira.

Se falo isso do amor, dá pra imaginar o que eu falaria a respeito do ódio... mas raramente passo por esse canal.


antes de clicar 
ON/OFF
um abraço
04dez2012

136 comentários:

  1. tá na mao
    dezembro chegou
    o texto também !!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. 1 min adiantado... hauhauhauhauha

    ResponderExcluir
  3. Sensacional! A Imagem e do jogo do meu time Green Bay Packers

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Palpitando sobre o cheiro de grama cortada... acho que é gosto adquirido, questão de experiências...

    E um comentário banal, mas amo as fotos que tira mostrando os pés, como poder ver o que você viu!

    Te amo Gessinger!
    Boa noite!

    ResponderExcluir
  6. "[...] falar muito nele e esperar muito dele atrapalha.". Por vezes, escolho ler seus posts ao som de algum cantor de quem eu goste (além de você, é claro - mas não teria tanta graça ler Humberto ouvindo Humberto: qual dos dois falaria mais alto?). Hoje eu ouvia "The sound of silence", Simon e Garfunkel... Será que o som trovejante do silêncio às vezes é o melhor remédio? Às vezes acredito que, para o amor, sim. E para a solução de conflitos (amorosamente pontuais) - sim, há amor até nos conflitos! O problema é que um lado do conflito ama algo, o outro lado ama outro algo.
    Devaneios?
    Não sei. Só sei que pensei no amor, no silêncio, e no som delicado do trovão.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, e na maioria das vezes, leio seus posts em silêncio. Isso seria... Desgastante?

      Excluir
    2. Ahahahahaha, ler o blog ouvindo música do HG, hahahah só faltava estar usando uma cueca da Twitcam de agosto, ahha, a proposito estou ouvindo algo quase contemporâneo ao S & G, http://www.youtube.com/watch?v=xMjDc8MJotU, Neil Young

      Excluir
    3. Dala Rosa, você é um encanto! Rio como criança com você, cara. O seu amor é feliz! Doidão (no bom sentido). Aceite simples palavras de identificação de uma amiga muito virtual. E, por favor não mude o seu canal.

      Excluir
  7. Juntinho com as 12 badaladas do meu relógio antigo de parede. Moderno e eterno.
    Ah, tenho o mesmo problema com a SKY digital na hora de zapear. Outro problema é que nunca decoro os números dos canas, e quando quero ir direto pra algum deles é um sofrimento. rssrsrsrs. mas é legal.

    ResponderExcluir
  8. Perfeito. Vivo passando os canais também, mas na sky a gente não precisa mudar o canal. Uma pena na vida ser diferente. Precisamos mudar de canal, ver o que se passa e se é do nosso agrado. Já que na sky não é necessário, vivo mudando os canais da vida. Boa semana, HG :)

    ResponderExcluir
  9. Belo texto, adoro todos!!!

    ResponderExcluir
  10. Grande Humba, com o controle da situação, mesmo quando ela tem várias variáveis... Jogos, filmes, noticiários... Antes como era fazer essa mudança radical na TV, antes da era digital?

    ResponderExcluir
  11. Grande TERÇA! Em Criciuma eh feriado.... E nada de PV aki neh 1berto....
    Da uma olhada aew, inspirado no PK-5, PEDAL MIDI TJ-13M: www.pedalmiditj.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. "eu não consigo odiar ninguém", amar também não ultimamenta... mas praticando o primeiro, já acho que é um grande passo pra encontrar o segundo. Belo texto mesmo! Agora é off, só tava esperando o texto.

    ResponderExcluir
  13. Talvez seja esse mesmo o motivo de meus pais estarem juntos até hoje... Porque vai meu pai gostar tanto assim de ficar zapeando os canais de tv... rsrsrs. Da pra ficar louco mesmo quem não está acostumado.

    Texto como sempre inspirado HG.

    Grande abraço.

    Até dia 11, texto + Twitcam #OPapaÉPop o/

    ResponderExcluir
  14. puxa vida,uai,taí o futuro, muito mais que depressa, antes rodava antena na casa da minha avó, agora em tempo real tecemos com pessoas de visão ultra tridimensional, fazendo enxergar o que os olhos se negavam esclarecer, valew HG,,,te esperamos em MINAS...

    ResponderExcluir
  15. Ô "loco" 1berto! Vc me conhece??? Alguém andou falando algo pra vc sobre meus ultimos dias??? rsrsrsrs Ultimamente estou às voltas com uma questão complicadíssima pra mim. " Tudo ou nada??? Ou abrir mão do tudo em prol de algo maior???" Só discordo de uma coisa: não acho que falar sobre o amor atrapalhe não... acredito que não falar é pior, gera muitos "e se...", muitos mal entendidos por interpretações erradas... Na era da tecnologia, em minha opinião, saber comunicar-se e fazê-lo com prazer pode até impedir uma guerra mundial... rsrsrs Ah! E claro! Não se deixando levar pela facilidade de se comunicar por texto, né? Porque aí é que mal entendidos acontecem mesmo! Nada supera o olho no olho e, na impossibilidade, o tom de voz! Ausência do tom, ausência do olhar pode comprometer demais a comunicação! Adorei o texto! Santa e sortuda Adriane! Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
  16. Aaaa vida real, como é que troco de canal?

    ResponderExcluir
  17. É, bem pensado,talvez não dê mais pra contar até 3 e, vezes sem conta, como é preciso.

    Olha que esquisito, justamente porque faço mergulhos nos fragmentos é que o zapear "a la gatilho mais rápido do oeste" me dá vertigem. Outro dia confisquei o controle remoto só pelo prazer de ver meu marido em agonia...hauhauhaua...tá, foi cruel, mas as vezes é boooommm...

    E o amor... prefiro na ação ;-)

    Boa semana! Bom descanso, bons trabalhos. Inté!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! Quase esqueço...rs... Também vendem oxigênio com "sabor" (ou seria aroma...? Algo assim).

      Agora...cheiro de grama... é que nem cheiro de chuva (ou terra molhada), é uma delícia, tem cheiro de infância ;-)


      Excluir
  18. Respeito e gentileza, não tem como não amar! =)

    ResponderExcluir
  19. Quando passa jogo do Grêmio ele não fica zapeando, garanto! hahaha

    ResponderExcluir
  20. Mera concidência. No meu caso 'Alt + TAB' e 'Alt + Shift + TAB' é meu controle remoto. =)

    ResponderExcluir
  21. e se trocar de amores fosse tão fácil quanto trocar de canal?

    ResponderExcluir
  22. Deve ser uma merda assistir tv do lado do HG, imagine ele no cinema, deve ser uma tortura mortal! Quando ta no Olimpico vendo o Gremio, será q ele quer mudar tb?

    ResponderExcluir
  23. Excelente, hilário o início, mas não pesquei as entrelinhas! Tem muito mais coisa aí. Abraço.

    ResponderExcluir
  24. Esse frenesi entre canais poder ser uma imposição do nosso tempo, em que somos impelidos a está sempre bem informado (sobre tudo) para não ficarmos ignorantes. O pior é que nunca acompanhamos a velocidade e o volume de informação, ou seja, mesmo correndo por todos os canais freneticamente, continuamos ignorantes. Tempo doido esse nosso! parabéns H. Gessinger.Santiago Vasconcelos

    ResponderExcluir
  25. Qualquer maneira de amar vale a pena. Se a alma não é pequena.

    ResponderExcluir
  26. As coisas deveriam ser mais simples. Chega de tudo ou nada. Que tal o meio termo? O meio do caminho? Conciliar interesses e por que não conciliar o amor? Para que nao se torne uma obsessao e uma busca incessante? Mas algo bom e prazeroso? Gentileza, respeito e uma boa dose de carinho fazem muito por alguem.

    ResponderExcluir
  27. Delicia de texto para fechar a noite! Beijo pra vc Humberto! :)

    ResponderExcluir
  28. o texto de hoje, caiu como uma luva para minha dúvida!

    ResponderExcluir
  29. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  30. Seus defeitos não devem ser piores do que os meus. Aliás, pra falar a verdade, nem sei quais são seus defeitos. Não te conheço. Apesar de vc abrir seu diário, mas de uma forma tão sutil que nem um analista conseguiria decifrar.

    Eu nem quero saber dos teus defeitos, que diferença faria na minha vida?! Mas seria tolo dizer que vc não tem nenhum.

    E Pra ser sincero, eu só ligo para as suas qualidades (como as de todos que conheço). Elas sim fazem diferença na minha vida. Como esse texto, entre tantos outros, que me faz refletir. Como suas centenas de músicas que me fazem companhia quando preciso.

    É tão ridículo quando alguém aponta o defeito no outro. Como se pra esquecer os seus, tem que evidenciar os dos outros. Eu esqueço dos meus defeitos buscando qualidades nos outros, e talvez quem sabe eu não consigo absorver alguma pra mim.

    Te parabenizo não só pelos textos e músicas, esses são consequências de quem vc é. Por isso é mais lógico te parabenizar por vc ser simplesmente vc. E chega de blá blá blá.

    ResponderExcluir
  31. As coisas deveriam ser mais simples. Chega de tudo ou nada. Que tal o meio termo? O meio do caminho? Conciliar interesses e por que não conciliar o amor? Para que nao se torne uma obsessao e uma busca incessante? Mas algo bom e prazeroso? Gentileza, respeito e uma boa dose de carinho fazem muito por alguem.

    ResponderExcluir
  32. As coisas deveriam ser mais simples. Chega de tudo ou nada. Que tal o meio termo? O meio do caminho? Conciliar interesses e por que não conciliar o amor? Para que nao se torne uma obsessao e uma busca incessante? Mas algo bom e prazeroso? Gentileza, respeito e uma boa dose de carinho fazem muito por alguem.

    ResponderExcluir
  33. PRIMEIRA VEZ LENDO....SIMPLESMENTE, APAIXONANTE!

    ResponderExcluir
  34. Como sempre genial! Agora posso dormir :)) Beijos e boa noite HG!

    ResponderExcluir
  35. Gostei de montão! Hoje o texto parece q tava lendo alguns dos meus pensamentos! =)

    ResponderExcluir
  36. O ruim do Zap é divagar sobre um canal passado e deixar com que os olhos assistam ilusoriamente o canal atual. Perde-se no atual pela reflexão do passado, mas sem dúvida sai uma bela reflexão! Acho que essa técnica não combina muito com relações pessoais quando deixamos a responsabilidade pra essa "autonomia dos olhos". Eles só veem, não pensam. Abraço!

    ResponderExcluir
  37. Essas utopias também podem servir de desculpas para o não querer fazer por mera preguiça. kkk
    que chegue dia 11 de dezembro O papa é pop e agora tem twitter

    http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2012-12-03/papa-entra-no-mundo-do-twitter-na-proxima-semana-com-pontifex.html

    ResponderExcluir
  38. Se a medida de amar é amar sem medida, há que se considerar que esse sentimento, estado de espírito, ou sei lá como podemos defini-lo não admite exagero. Paulo de Tarso o definiu muito bem em uma carta aos corintios.
    Gostei da definição "O instrumento que colocaria o mundo em harmonia" Sonhos que podemos ter... e teremos!!!

    ResponderExcluir
  39. Realmente falar do amor é algo complicado pois depende dos olhos apaixonados/machucados de quem os olha. Utopia e tietismo andam de mãos dadas, impossível separar esses dois... Concordo contigo quando disse que o amor às vezes atrapalha! Às vezes tem o poder de fazer o fácil ficar difícil, de nos impedir de tomar algumas decisões aparentemente simples. Mas enfim, entender o que você falaria do ódio posso até imaginar,mas gostaria mesmo de ver é você falando sobre a indiferença. Sentimento que consegue mascarar todos os outros.
    Abraços!!! ;D

    ResponderExcluir
  40. "Teu maior defeito talvez seja a perfeição, tuas virtudes talvez não tenham solução. "
    Cara, eu nunca sei bem quais as palavras certas pra comentar teus textos, mas eu adoro ler, todos! Enfim... eu geralmente não falo do amor, quem sou eu né, rsrsrs uma adolescente que tem tanta lona pra beijar ainda, kkkk tanto chão pela frente, e olha que já passei por tanto canal que teus dedos aflitos no controle perdem! kkkk como o Renato Russo disse: Já morei em tanta casa que nem me lembro mas...
    Eu não assisto tv, nada, só quando tô com minha mãe, nos divertimos muito, e nem pego no controle, com certeza se eu deixar cair sem querer ela me dá um grito e ela também não deixaria eu mudar de canal, e por que eu mudaria também né? eu não conheço nada e nem tenho vontade de saber o que se passa na tv, raramente procuro algo, quando resolvo parar em um canal fico naqueles que falam sobre as matas, os animais, e por ai vai...
    E o amor.......... façamos assim, deixo ele quietinho, como o mestre mesmo nos diz, falar de amor não é amar!
    Ah, eu acho linda a tuda família, já disse isso? ELA SIM É UMA PROVA DE AMOR VERDADEIRO, VOCÊS TEM A FORÇA DO AMOR E ISSO É INSUBSTITUÍVEL! Parabéns Humberto, belo texto e obrigada por estar na minha viiiida, e na de todos os de fé é claro! (: ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah e sejam quais for o seus defeitos Humberto, com certeza eu amo todos, já me disseram que sou obcecada por você rsrssrs, bom, seja como for, encarem como quiser né, eu sei o BEM que tu me faz e seja lá qual defeito tu tiver, faz parte, como diz o velho Maltz: todos nós temos de combater os demônios que há dentro de nós mesmos.. não tem pronde correr, só que ai vai de cada um aceitar ou não os defeitos e imperfeiões do outro, tá ruim de aceitarem até a própria imperfeição, imagina a do próximo kkk :/

      Excluir
    2. Você arrasa no amor, Beto!! (:

      "Ah, o amor! Acredito nele. Na sua forma mais pessoal e direta (eu e tu, olho no olho - que, por incrível que pareça, até pode nos amesquinhar) ou na forma mais abstrata (com todas as letras douradas e maiúsculas: amar a vida, nossos semelhantes, os animais... amar os raio de sol da manhã e do anoitecer... e a lua... e as nuvens que porventura esconderem os dois - o sentimento que afinaria todos os instrumentos e colocaria o mundo em harmonia, com trilha sonora de anjos tocando harpa).

      Mas, quer saber? Às vezes acho que o amor atrapalha. Ops, vou refazer a frase pra clarear: acho que, às vezes, falar muito nele e esperar muito dele atrapalha. Há situações em que bastaria um pouco de respeito e gentileza. Utopias podem se transformar em desculpas para a inação, tipo: já que não rola tudo, não quero nada. Uma inversão cruel de perspectiva. Quase uma cegueira."

      Excluir
    3. eu queria ainda falar mais um (POUCÃO) mas ok, vou indo e abraços! Dormindo em 3 2 1 aah num posso dormir na cadeira, aff, bom... Feliz eu tô, depois de ler tuas belas palavras puras e verdadeiras, como não posso dormir bem? O bem me consome! haha :D quando segunda virar terça, no mesmo dia 31 de dezembro e 1 de janeiro, vou pra 2013 lendo teus textos, depois teus livros, ouvindo tuas músicas, cara, ao lado de mainha e ouvindo ela dizer, Eu te amo e Feliz 2013 pra todos nós, amém! *----------*
      Ok valeu, 1berto!

      Excluir
  41. Controle remoto: maior invenção da humanidade, não tenho dúvidas. Apenas nao sei ainda porque aperto os botões com mais força quando as pilhas estão fracas.

    ResponderExcluir
  42. Essas manias...Já estava ansiosa por mais uma terça, por mais um desses casos.. "...às vezes, falar muito nele e esperar muito dele atrapalha. Há situações em que bastaria um pouco de respeito e gentileza...".
    Beijos e abraços! ;)

    ResponderExcluir
  43. nadini.kleaim@gmail.com4 de dezembro de 2012 00:54

    Vc sempre surpreendente!
    Abraço, Gessinger!

    ResponderExcluir
  44. Observação fantástica sobre o amor... eu sou uma que realmente espero muito dele!

    Agora... parabéns pra Adri! Eu enlouqueceria assistindo TV ao teu lado! hahaha

    <3

    ResponderExcluir
  45. "A medida de amar é amar sem medidas"

    Bela paráfrase da citação de Santo Agostinho.

    1berto Gessinger, você conseguiu transformar a citação em uma poesia cantada. A poesia de UM só verso e refrão.

    Aliás, são apenas números...

    ResponderExcluir
  46. Realmente o cheiro de grama cortada é muito bom especialmente depois que você mesmo cortou ela é um cheiro puro,lembra muito cheiro da terra molhada depois de uma chuva de verão.Na minha humilde opinião prefiro cortar a grama e sentir o cheiro do que comprar algo pronto não tenha dúvidas,mas como não é todo dia que se pode e se aguenta cortar grama ainda mais na rotina das cidades , pessoas em escritórios , poluição do ar ...
    Interessante que existem aqueles desodorizadores de ambientes que disfarçam o cheiro ruim muitas vezes ...tem aquelas fragrâncias lavanda , brisa da montanha etc ...Ainda não tinha ouvido falar deste cheiro de grama mas se por exemplo eu nunca tive-se sentido o cheiro da grama borrifasse um destes produtos no ar da minha casa certamente iria ter muito mais vontade de querer cortar grama kkkkkk ...alô,alô,Aloysio tu é o cara ...

    ResponderExcluir
  47. Bá, adorei o texto e me identifiquei muito, também tenho esses devaneios e devo dividir esse talento com vc =)
    Boa noite, mestre!

    ResponderExcluir
  48. Humberto querido do Thi !!!



    Eu tenho a mesma inquietude que você em relação ao controle remoto e odeio o tal delay...

    Mas eu tenho uma técnica...

    Depois de apertar o botão do canal desejado, aperte o botão de Retornar.

    Acaba com o delay!


    :)


    Um abraço



    Thiago Panichi

    ResponderExcluir
  49. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  50. Orquídeas! *.* E sandálias...=p rsrsr boa semana. Abraço daqui tb.

    ResponderExcluir
  51. grama cortada....me salva a lembrança, a minha casa...muito bom!! onde vende isso ??? kkk
    e sim, um frenesi, o passar pelos canais e captar as informações, elas ficam fritando noite adentro...e, as vezes, vida a fora...

    ResponderExcluir
  52. Putz, comercializaram o cheiro de grama cortada? Sério? Daqui a pouco venderão o gosto amargo da ressaca, o riso amarelo de um mico, a taquicardia ao encontrar o amor... Como diz Maltz, pensar é grátis (ainda...).

    Abraços.

    Hugo

    http://bloghugoalencar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  53. Simplesmente brilhante....

    Sei lá, o cheiro da grama cortada traz um ar de mudança, renovação, algo que sempre foi a mesma coisa está prestes a mudar, mesmo sendo a mesma coisa, naquele momento pode mudar, e muda

    ResponderExcluir
  54. "Sentir com inteligência; Pensar com emoção."

    Tenho pintado na parede do quarto esta frase, mas me adaptei melhor ao primeiro período dela. Relevar o sentimentalismo exagerado e o "ridículo" de Álvaro de Campos, é um exercício.

    Não sei se bom ou se ruim, mas o desapego diante da credibilidade nas coisas intrínsecas demais é quase uma "fé cega e pé atrás". É como ter a vontade de comer um balde de sorvete e o receio das calorias que seriam ingeridas.

    Um dia me disseram que amar e mudar as coisas interessaria mais, mas, travestida de observações, gráficos, índices e cálculos fabulares, todas as mudanças dessa tal modernidade exagerada fez do amor fast food; "bom dia". Não compro. Não quero me vender.

    Sou dessas chatas que amam assistir o horizonte, tomar um café na beira de um rio num entardecer gélido, mastigar um capim sentada debaixo de uma árvore qualquer ou brincar com o cachorro enquanto o enxáguo num banho semanal. O silêncio sempre me estende a mão; o colo quem me dá é a esperança.

    Obrigada pelo belo texto. Com gelo e limão, é quase tão consistente em mim quando um conhaque.

    ResponderExcluir
  55. Eu, particularmente, uso óleos essenciais 100% puros, extraídos da Natureza. Nada de perfumaria, imitação. Talvez possa parecer incorreto embotijar a Mãe Natureza, comercializar, explorar... Mas, talvez ser alimento e remédio, pode haver amor mais realizado? È Graça, quem pode colher diretamente. A massa que faz o pão, a mão que trabalha, tudo que move é sagrado. Fica junto reunido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Tudo que move é sagrado
      E remove as montanhas
      Com todo cuidado..."

      Excluir
  56. Tu já deves conhecer, mas vale lembrar o texto do saudoso Scliar:
    http://www.releituras.com/mscliar_zap.asp

    Zap

    Moacyr Scliar


    Não faz muito que temos esta nova TV com controle remoto, mas devo dizer que se trata agora de um instrumento sem o qual eu não saberia viver. Passo os dias sentado na velha poltrona, mudando de um canal para outro — uma tarefa que antes exigia certa movimentação, mas que agora ficou muito fácil. Estou num canal, não gosto — zap, mudo para outro. Não gosto de novo — zap, mudo de novo. Eu gostaria de ganhar em dólar num mês o número de vezes que você troca de canal em uma hora, diz minha mãe. Trata-se de uma pretensão fantasiosa, mas pelo menos indica disposição para o humor, admirável nessa mulher.

    Sofre, minha mãe. Sempre sofreu: infância carente, pai cruel etc. Mas o seu sofrimento aumentou muito quando meu pai a deixou. Já faz tempo; foi logo depois que nasci, e estou agora com treze anos. Uma idade em que se vê muita televisão, e em que se muda de canal constantemente, ainda que minha mãe ache isso um absurdo. Da tela, uma moça sorridente pergunta se o caro telespectador já conhece certo novo sabão em pó. Não conheço nem quero conhecer, de modo que — zap — mudo de canal. "Não me abandone, Mariana, não me abandone!" Abandono, sim. Não tenho o menor remorso, em se tratando de novelas: zap, e agora é um desenho, que eu já vi duzentas vezes, e — zap — um homem falando. Um homem, abraçado à guitarra elétrica, fala a uma entrevistadora. É um roqueiro. Aliás, é o que está dizendo, que é um roqueiro, que sempre foi e sempre será um roqueiro. Tal veemência se justifica, porque ele não parece um roqueiro. É meio velho, tem cabelos grisalhos, rugas, falta-lhe um dente. É o meu pai.

    É sobre mim que fala. Você tem um filho, não tem?, pergunta a apresentadora, e ele, meio constrangido — situação pouco admissível para um roqueiro de verdade —, diz que sim, que tem um filho, só que não o vê há muito tempo. Hesita um pouco e acrescenta: você sabe, eu tinha de fazer uma opção, era a família ou o rock. A entrevistadora, porém, insiste (é chata, ela): mas o seu filho gosta de rock? Que você saiba, seu filho gosta de rock?

    Ele se mexe na cadeira; o microfone, preso à desbotada camisa, roça-lhe o peito, produzindo um desagradável e bem audível rascar. Sua angústia é compreensível; aí está, num programa local e de baixíssima audiência — e ainda tem de passar pelo vexame de uma pergunta que o embaraça e à qual não sabe responder. E então ele me olha. Vocês dirão que não, que é para a câmera que ele olha; aparentemente é isso, aparentemente ele está olhando para a câmera, como lhe disseram para fazer; mas na realidade é a mim que ele olha, sabe que em algum lugar, diante de uma tevê, estou a fitar seu rosto atormentado, as lágrimas me correndo pelo rosto; e no meu olhar ele procura a resposta à pergunta da apresentadora: você gosta de rock? Você gosta de mim? Você me perdoa? — mas aí comete um erro, um engano mortal: insensivelmente, automaticamente, seus dedos começam a dedilhar as cordas da guitarra, é o vício do velho roqueiro, do qual ele não pode se livrar nunca, nunca. Seu rosto se ilumina — refletores que se acendem? — e ele vai dizer que sim, que seu filho ama o rock tanto quanto ele, mas nesse momento zap — aciono o controle remoto e ele some. Em seu lugar, uma bela e sorridente jovem que está — à exceção do pequeno relógio que usa no pulso — nua, completamente nua.


    O texto acima, publicado em "Contos Reunidos", Companhia das Letras — São Paulo, 1995, consta também do livro "Os cem melhores contos brasileiros do século", seleção de Italo Moriconi, Editora Objetiva — Rio de Janeiro, 2000, pág. 555.

    ResponderExcluir
  57. Cheiro de grama cortada borrifada em bussiness offices e imagens de praias/montanhas paradisícas no desktop do computador são contraditórios demais. Ou seriam uma espécie de fuga?

    Quem aqui abriria mão de elevadores inteligentes, sinal wireless e tv digital, para morar no local em que existe cheiro de grama natural de graça?

    Tenho 300 canais disponíveis na tv digital, e mal consigo assistir um pedaço da novela, por falta de tempo.

    "Trabalhamos em empregos que odiamos, para comprar merdas que não precisamos."

    Ultimamente, tenho pensado nisso.

    Saudações Rubro-Negras.

    ps: Zico é o cara. =)


    ResponderExcluir
  58. Steelers x Ravens na telinha?

    (Eu leio esse blog TODA terça, e o meu primeiro comentário é... isso. Ok)

    ResponderExcluir
  59. Humberto, na verdade o segredo do amor verdadeiro e duradouro é nunca perder o controle. Controle remoto da Tv, claro.

    ResponderExcluir
  60. Nossaa, que texto sensacional!! Vc é o cara!

    ResponderExcluir


  61. QUEM DÁ AMOR JÁ RECEBE AMOR
    ESTA É A ÚNICA LEI
    DA INFINITA HIGHWAY

    ResponderExcluir
  62. Faz tempo que não agradeço os comentários, me sinto meio intruso pintando aqui. Mas tô sempre ligado e sempre grato. Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sidnei Rodrigues -SP4 de dezembro de 2012 13:31

      Vc sempre diz que fica feliz pelos comentários e tudo + , mas nós ficamos sempre gratos quando vc vem e diz diretamento pra todos.
      Hg + EngHaw.....!!!Sempre!?!

      Excluir
    2. "Escuridão já vi pior de endoidecer gente sã"

      Humberto, aprendi com você que o Amor que se amesquinha é o amor próprio transferido para o namorado, a namorada, o orientador, a psicóloga(o)... Enfim esse amor é na verdade possessiividade, ciúme (tão canino), co-dependência (que não deixa um passo mais longe de amadurecimento), todos doces venenos da paixão, o canal fake do amor.
      Num Crepúsculo dos Ídolos temos que ter orgulho de que você esteja envelhecendo. Envelhecer é bom, quando se faz do dia-a-dia a prática da vontade. A Vontade é o menino de recados do velho e bom Deus... O Amor incondicional...
      E nós fãs, temos que nos respeitar, não somos donos da verdade e nem opressores do pensamento...

      Excluir
    3. Como assim intruso? Vc é a motivação que nos faz comentar, na esperança de que vc realmente leia e leve em conta nossas impressões. Muito gratificante quando vc pinta entre os comentarios ;) Valeu!

      Excluir
  63. Respeito e gentileza são fundamentais. Com conhecidos e deconhecidos; da forma como tratamos as pessoas do nosso convivio ao que comentamos em páginas na internet. Mas, infelizmente, hoje as pessoas mascaram falta de educação com o rótulo de sinceridade.

    Ótimo texto, como sempre!

    Aline

    ResponderExcluir
  64. Que texto!
    Conheci a pouco tempo o BloGessinger e me apaixonei, textos ótimos.
    Humberto, é o cara. Muito fã.

    ResponderExcluir
  65. Texto ótimo, leve, bom de ler!

    Abraços, Humberto!

    ResponderExcluir
  66. Humberto !
    Hoje as pessoas e tudo que vem mudando no mundo pensam que a vida pode mudar com a velocidade do controle remoto, mas atras de tudo isso existe o sentimento, o "olho no olho" que depois "no mundo distante e inexplorado" percebem que não é bem assim.....
    Como sempre ótimo texto....EngHaw sempre!

    ResponderExcluir
  67. Texto super minha cara! aqui em casa é amor também...eu sou a gatilho mais rápido do NE....no meu caso é TV e rádio no carro...e ele entende...acho que amor é isso mesmo...respeitar as manias, ser gentil com as diferenças...beijos

    ResponderExcluir
  68. Daí Humberto,

    Esse lance dos filmes serem só uma repetição é uma parada que tu coloca sobre a música popular, que é uma reinvenção infinita sobre um mesmo tema (deixando claro que isso não é um menosprezo). Bom, o Jorge Drexler lançou uma parada que é no mínimo interessante.

    O cara fez um aplicativo que permite recombinar os versos da algumas canções de maneira aleatória e 3 canções acabam gerando um número infinito de novas outras.

    http://www.youtube.com/watch?v=WObM4G12JQU Aqui ele explicando, e no site dele dá para baixar de graça o aplicativo.

    ResponderExcluir
  69. Agora é só juntar a galera do blog e ir cortar grama na Arena kkkkkkkk ia ser legal , depois um show musical adivinha de quem ...com certeza iria lotar a arena quem sabe até despedida do Olímpico com um show do Engenheiros ia ser uma linda, e merecida celebração !!

    ResponderExcluir
  70. Gostava mais do blog quando você era um comentarista de rock.

    ResponderExcluir
  71. Respeito e gentileza...

    Nada mais que isso...

    Apenas isso...

    Ficaria tão feliz se não fossem qualidades tão raras...

    Mais uma vez, parabéns pelo belo texto...

    ResponderExcluir
  72. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  73. Incrível a maneira que você ver e descreve as coisas... Muitas vezes pensamos milhões delas, em tudo que fazemos, porém não sabemos expressar de uma forma que as tornem interessantes... Cada coisa que escreves, nos deixa ansiosos para ler a próxima... Muita paz Humberto! Abs!

    ResponderExcluir
  74. Tenho um casamento que também resiste ao tempo... E, quando um fica zapeando, o outro fica por ali... tentandoentender quanto interesse desinteressante ele procura. Cheiro de amor, flor na sala, grama cortada... A gente é feliz assim.
    Abraços,
    Áurea Coura.

    ResponderExcluir
  75. Gessinger, escuta e veja esse som: https://www.youtube.com/watch?v=rR94NDIfGmA - Uma banda chamada: The Piano Guys - Lembrei muito do teu projeto em dupla de dois com o pouca vogal; irado seu blog, sempre que posso acompanho, abrass!!

    ResponderExcluir
  76. 1berto,

    Mais uma vez, você foi acertivo na estruturação do argumento que prende o leitor por encantamento. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  77. Bem recebido em sua casa e hoje. Obda.

    ResponderExcluir
  78. É exatamente isso: Muita informação pra pouco processamento, pouca reflexão. O 1berto faz exatamente o contrário... isso é ser pensante. Abraço querido!

    ResponderExcluir
  79. sabe que amo voçe e o engenheiros do hawaii ne humberto gessinger que deus ilumine vc a banda,seus passos e a sua familia fica com deus

    ResponderExcluir
  80. ótimo texto... é como disse o amigo ai em cima, é muita informaçao e pouco aproveitamento d td isso... d q adianta ter 200 canais disponiveis na tv a cabo sabendo q podemos assistir apenas um por vez? e é essa exeçao d informaçoes q esta deixando td com a impresao d nao ter graça, ou fasendo com q o tempo "passe mais rapido"
    abraço 1berto e até a proxima semana

    henrique nissola, chapecó-sc

    ResponderExcluir
  81. Como vai? Posso flanar um pouco no teu imaginário? Com muito respeito. Dois homens se atracando no vídeo? O touro azul parece que está derrubando o amarelo. É maior, em grandeza mesmo. Que jogo forte, não? Coisa de lados divididos e assimétricos. Conflitos? Conflitos e jogos sempre terminam. Até a Palestina já anda sendo mais reconhecida na ONU. Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mas será que não se enxerga um vaso (em primeiro plano, à direita)? precisei clicar em cima da foto. algo gentil que não precisa ser dito. uma aprendizagem. (Chien-53) sussurro e ação do vento. Abs.

      Excluir
    2. A aprendizagem é minha, aprendizado é seu. Abço.

      Excluir
  82. Estou na fase do "já que não rola tudo, não quero nada". Não é algo voluntário. Esperei demais do amor porque eu ofereci amor demais. Depois de tentar de tudo, as energias parecem que vão embora... e aí não sobra nada. E parece um buraco negro - tudo o que entrar ali, vai se perder. Às vezes a gente precisa preparar o terreno de novo... preparar o espaço. E essa é a fase do "não quero nada". Tem gente que consegue passar por ela bem rápido, tem gente que demora demais. Enfim, a minha lição foi aprendida: nada de utopias, mas... se a medida de amar é amar sem medida, o certo é não esperar nenhum amor em troca, então, pra deixar de ser utopia? E como conseguir isso, quando se oferece tudo que se tem, sem nem conseguir controlar isso?
    Mas eu queria te perguntar uma coisa, Humberto. Como tu, vivendo amor, gostando do amor, e acreditando no amor, consegues falar tão bem de situações em que o amor fez falta, nas tuas canções?
    Obrigada pelas reflexões.
    Carinho,
    Emeline

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emeline...

      Sou como a ti :)
      Há coisas sim que nos tornamos radicais por conta de vivências, experiências que nos marcam profundamente.
      É tão fácil estar no papel do sufocado e cansado de tanto amor recebido, entediado de tanto vinho e especiarias que nunca param de serem fartamente servidos. A verdade, é que tudo o que uma pessoa de barriga cheia pode fazer em vista a fartura, é desdenhar mesmo...
      Mas ninguém quer estar do outro lado né Emeline, preparando banquetes generosos a barrigonas sem apetite, sem gratidão, em esquecimento da época da seca e fome....
      Creio que foi por isso mesmo que Platão chamou seu filosofar sobre o amor de O Banquete.
      Tão coerente com a magia dos caldeirões fumegantes na alquimia dos alimentos sendo misturados, cozidos, temperados, enfeitados, servidos.
      Bem, alguns sempre estarão concentrados no preparo, fazer é mais gostoso que esperar fazerem, cuidarão apurados do temperar, e só estes sabem realmente amar. Sem utopias. (Por mais que nos acusem assim Emeline, é intriga da oposição)
      Outros serão sempre os que vão sentar-se e banquetear-se á uma mesa tão repleta de cores e magia (mas só nós sabemos bem o quão trabalhoso e solitário é esse preparar). Consumirão tudo até se enfastiarem e saírem da mesa sem nem um muito obrigado ao esquecido Chef. Alguns falarão mal de todo o cardápio servido. Outros praticarão a bulimia descarada. Nisso quando não acusarem o Chef de intoxicação alimentar...

      E o que nos resta então Emeline?
      Parar de cozinhar? Desistir de servir? Fechar o banquete para sempre? Abrir só aos Domingos ou depois do período sabático? Mudar o próprio cardápio criativo pela previsibilidade do paladar alheio?

      O fato é que todo mundo precisa comer, mas só quando sente fome...
      Eis aqui todo o nosso problema :)
      Somos uma mesa deveras cheia para estômagos e apetites tão pequenos.

      E tu podes alimentar a fome da África, sabia?

      Um sorriso
      :)

      Excluir
    2. Nossa, Cila...
      Impressionante a tua metáfora com o Banquete.
      Realmente é isso mesmo.
      Já fui acusada de intoxicação alimentar =( E isso é muito triste quando se prepara tudo com cuidado e amor. Pode acontecer um descuido ou outro, mas quando os outros fecham os olhos e os ouvidos, não adianta falar nada pra resolver. Daí acho que parei de cozinhar por um tempo pelo menos =)
      Será que quem serve nunca vai ter a chance de receber um banquete? É assim que as coisas tem que ser?

      Excluir
    3. (sorrindo)

      Emeline Emeline, essa é a pergunta que nos fazemos diariamente diante do espelho:
      "Será que quem serve nunca vai ter a chance de receber um banquete?"
      Aí que está, tu és o Chef, o conhecedor do bastidor da cozinha.
      Nasceu assim.
      Conhece toda a arte por detrás do cardápio, e das mesas, e dos pratos. É o paladar conhecedor de gôstos e temperos, e muito mais sistemático no unir das cores, no combinar alimentos, no variar dos condimentos para o paladar não cair na rotina. Que no fim das contas é uma auto-exigência maior em relação ao cozinhar mais tímido dos outros.
      Sim Emeline, isso quer dizer que somos muito mais auto-críticas.

      Mas é triste ser acusada de intoxicação alimentar...
      Não tem nada pior que passar a se sentir rejeitado diante daquele ser centro de todas as tuas atenções.

      Já visitastes uma cozinha de restaurante?
      O Chef é conhecido pelo perfeccionismo exagerado, a disciplina solitária, o olhar crítico em relação a qualidade dos alimentos, disposição das cores no prato, se tudo está fresco e na temperatura e sabor certo ao paladar...
      Deve ser cansativo para quem vê de fora né.

      But...
      Tudo o que um Chef não quer nesse trabalho todo, é exatamente ser acusado de relapso, ou ver alguém desdenhar os pratos servidos.

      Parou de cozinhar sim Emeline, porque um Chef triste e magoado, não acerta no ponto nem de abrir uma torneira.

      Cozinhar é feeling, retrata a alma.
      Não, as coisas não tem que ser assim...

      Força garota.
      Tu não está só
      :)

      Excluir
  83. "Depois de tentar de tudo, as energias parecem que vão embora... e aí não sobra nada. E parece um buraco negro - tudo o que entrar ali, vai se perder."
    Emeline

    Uma das coisas mais brutalmente verdadeiras nesse mundo do servir...
    Ser-Vir.
    Palavrinha deveras gigante e transcendental no sentido, significado, whatever.

    Sir Gessinger
    Sir Gessinger...

    Permita-me com todo respeito discordar de ti.
    O amor não atrapalha, nem pensar no amor, nem escrever do amor, nem falar do amor, e nem mesmo o seu contrário ódio, e sim, a visão pessoal, nossos preconceitos e limitações que temos no momento de expressar nossa subjetividade particular para esse desconhecido amor.
    O amor é...
    Nós que tentamos de alguma forma o definir, somente para sentir segurança, ou dar segurança. Mas o amor simplesmente é. Nada mais do que isso.

    E uma das lições primordiais que aprendemos quando o amor é o único canal que sintonizamos, canalizamos, é que: não mais importa se os outros serão respeitosos ou gentis conosco, e sim, o quanto conseguiremos não nos sentirmos ridículos ou idiotas sendo gentis e respeitosos onde já ninguém mais o é.
    Dar o exemplo do que somos rápidos em pedir, mas inertes no fazer.
    Porque não dependemos mesmo do externo para agir ou reagir. O mau humor ou intolerância do outro jamais deve ser motivo para esquecermos dos nossos bons modos, educação, respeito.

    Por isso a Adriane pode suportar tuas zapeadas de canal... Não porque o amor é cego, mas por ser o único sentimento capaz de nos fazer enxergar além (e nos calar da auto visão), e por isso mesmo, dar-nos a noção clara que dos pecados que os outros cometem, nós também estamos sujeitos a cometer.

    É mais que respeito e gentileza Humberto...
    É uma humanidade sobre humana.

    Meu Olá
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...dar-nos a noção clara que dos pecados que os outros cometem, nós também estamos sujeitos a cometer...

      E ainda levar o nome de cego, bobo, sonso, ingênuo, ridículo, idiota, utópico, na quietude de quem não precisa nem de colírio nem de óculos escuros para ver...
      Puta lição de respeito e gentileza.

      Agora sim.
      Meu outro Olá.
      :)

      Excluir
    2. E o que mais me preocupa, Cila, é que tudo isso pareça cômico para ele. Será? Sinceramente, espero que não. Não pode ser... Não o conhecemos o suficiente. Ainda não. Reverências profundas!

      Excluir
    3. Ah!, mas quer saber de uma coisa, precisa ter um pouco de compaixão desses homens. É muito difícil pra eles. Amor é uma língua perigosa, quase inominável. Gostaria um dia de te mandar um texto, sobre trauma e calma! Reverências profundas! Amiga anônima.

      Excluir
    4. (sorrindo)

      Hoje estoy sorridente né (meu portunhol):)

      Sim, mas sabes o mais curioso nesse cômico todo que tu dizes?
      Só homens filosofaram sobre o amor... Platão, Shakespeare, Schopenhauer, Kierkegaard, até o Fernando Pessoa que todos dizem não ter amado ninguém... Todos tentando dar definição e desculpas do que para uma mulher é tão simples...

      A gente não filosofa sobre amor, vivemos com cada átomo, simples ato, até o de respirar. (As que não fazem mais isso é porque se decepcionaram brutalmente)

      Aceito o teu texto sobre trauma e calma. (Até combinam na dicção)
      No meu perfil há e-mail para contato.
      Sinta-se a vontade.

      Mas creia, é extremamente angustiante sentir calma (algo nato e que prefiro por placidez de natureza), tendo que ver, ouvir, passar, por todo tipo de cousitas bem chatas ao montões... Por todos os lados...

      Se ajudar-me entender metade das minhas perguntas ( o tal texto), fico agradecida.

      Gostei das reverências profundas.
      Outras reverências.

      E Meu Olá
      :)

      Excluir
    5. Ah!, mas quer saber de uma coisa, precisa ter um pouco de compaixão desses homens.

      (rindo)

      Sério, já tive muita compaixão...
      Uma beirando a santidade crística, do cordeiro que morreu por pecados alheios. Com direito a cruz, prego, cuspe, desdém, traição. Sim, crucificação no madeiro da descrença de quem sou, como sou, do que sinto, do que acredito, do que respeito.

      Traumas difíceis de esquecer, já que afetaram as bases do ser.
      Mesmo quando Jesus subiu ao céu, para a direita de Deus Pai Todo Poderoso, levou a cicatriz dos pregos...
      Para além de Tomé ver.

      Tento ter calma, mas há coisas que uma vez provadas, nos inquietam sempre.

      But...
      Não são lamentações...
      Nem desabafos.

      Só considerações... observações.
      :)

      I'm Fine.
      :)

      Excluir
    6. Cila Sibila, te posto meu pequeno texto, assim que me for possível. Se fizer outra brecha de calma no meu horizonte ou explodir minha tempestade. Há de vir. Hoje senti meus ouvidos mornos e uma paz necessária. Já agradeço por isso.
      E pelo Consílio que você tempera. caldeira fumega... e que observações... You are fine. Quando é hora de vomitar quem cospe no prato que come? ou apreciar? Não sei, não sei de nada... e quem me sabe?
      Jesus, o Pão, o Vinho. Só Jesus é Jesus. Ele já disse o que é.
      Um abço. calmo. amiga anônima em silêncio.

      Excluir
    7. (sorrindo)

      Amiga anônima em silêncio
      ( é do silêncio que se fazem os maiores e melhores gritos)
      Então: Ficai mesmo em Paz. Em toda a paz.

      Sim, confesso que meu orgulho e vaidade em extremos, ponha os ouvidos sim para aquecerem.
      É complicado.
      Vivemos em tempos que as pessoas não se constrangem mais com pequenos e piorou grandes pecados. Para tudo há desculpas psicológicas, filosóficas, científicas, um mundo de paisagismo ao que não deveria mesmo existir. Eu me ressinto com isso. Apenas isso.

      Mas de forma alguma odeio e desejo o mal de alguém, apenas fico imensamente triste vendo uma pessoa que tenho fé, e esperança, e respeito, deixando levar-se pela doença do mundo.
      Inclusive eu mesma. Fico decepcionada até comigo mesma, e caio feio mesmo.

      Creia, eu só me sinto viva nesse mundo, preparando e servindo o banquete. Por mais trabalhoso que seja.
      E sinto-me extremamente ferida quando não me deixam fazer tudo do que sou capaz, quando jogam barata no meu caldo, ou adulteram ingrediente. Fico como pássaros se debatendo numa gaiola, ou animais em armadilhas...
      A morte é certa, entende?
      Porque me debato muito mais. Porque dificilmente me conformo. Eu me revolto. Ressinto. Vejo vinho virar sangue... e bebo, bebo, até a última gota.

      Eu ainda prefiro verem cuspir no meu prato porque está realmente tudo ruim, do que por desdém, por maldade... Dói demais. E prefiro que apreciem um prato porque realmente está bom, do que por caridade ou piedade ou interesse.

      Eu só quero mesmo, e desejo para ti, e para mim, e para qualquer outra pessoa, que o céu esteja sempre a mão, numa farta mesa, e ser possível perceber e degustar isso tudo, sem morrer, sem calvário.
      Diz-se que o Jesus já fez isso. Morreu pelo Reino dos Céus...
      E por isso, eu quero e prefiro viver nesse reino.

      Vida, só Vida.

      Outro abraço calmo.
      Balsâmico.
      :)

      Excluir
  84. Galera, desde ontem o Google+, nova rede social do Google abriu para criar comunidades... Criei a comunidade para a Família EngHaw... quem está presente no Google+ vamos lá...
    http://migre.me/cgh9g
    http://plus.google.com/u/0/communities/109394239193884603422

    ResponderExcluir
  85. Sempre troco de canal na hora do intervalo, fico zapeando até encontrar algo que chame a atenção. Droga! Dificilmente volto ao canal anterior, dificilmente vejo algo por inteiro. Péra, com exceção de filme a e programa b, que dá pra esperar o intervalo passar.

    Dessas coisas de amor já nem entendo mais, vou naquela de "ando exercendo instantes, acho que ganhei presença".

    ResponderExcluir
  86. É isso ai! Até onde eu sei a maioria dos homens são assim. É aquela velha história do "homem caçador x Mulher Coletora" que herdamos do tempo das cavernas: O homem à caça de canais e a mulher querendo ficar em um só; O que eu me admiro é que as mulheres conseguem ficar direto em um canal até quando tá no comercial! Não zapear no comercial nem pensar! É um sacrilégio: O intervalo do comercial foi feito pra dar um "tempinho" pra vc zapear e ver o que tá perdendo nos outros...

    É o meu caso. Eu troco direto de canal porque sempre acho que to perdendo algo ainda melhor no outro; Assim consigo assistir até dois documentários e dois filmes interessantes ao mesmo tempo hehehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante isso de ficar trocando de canal porque pode estar perdendo algo melhor no outro... não se consegue aproveitar uma coisa de cada vez (contradição - dizem que homens não são multi-tarefa, e isso eu sempre contesto; aí está a prova!).
      Será que com relacionamentos, os homens não fazem o mesmo? Estão com uma mulher, ela pode ser a mais interessante, mas sempre ficam cuidando todas as outras pra verem "se estão perdendo algo melhor no outro canal". E assim como conseguem assistir dois canais ao mesmo tempo (até mais), também conseguem ficar com duas mulheres interessantes, num desespero por não perder as possibilidades do mundo...
      Veja bem, só estou levantando a questão por ver muitos amigos, conhecidos, e até aqueles que a gente escuta conversando num ônibus quando esquece o fone de ouvido, fazerem isso. Num dia no ônibus, dois rapazes conversavam. Um deles dizia que estava ficando com uma guria e não queria ir pra uma festa sem ela, pois poderia deixar ela chateada. Logo depois, começam a falar de outra guria, e ele disse: "bah, aquela lá, se não tivesse namorando há tanto tempo, eu bem que chegaria nela...". Só pra exemplificar um comportamento bem frequente. E mais frequente ainda quando a gente coloca as redes sociais no meio...
      E não tô generalizando, até porque tem muita mulher que faz isso também. Umas também gostam de mudar de canal... mas tem aquelas que zapeiam demais entre relacionamentos também.
      Sorte da Adriane que o Humberto só zapeia entre os canais mesmo =)

      Excluir
  87. Oi Humberto
    Agora, hora do almoço, me lembrei de um "filminho" de Amor, a Festa de Babette, claro que não é do tipo I Love You. É um tipo de amor mais raro que o "salsicha com macarrão". Aliás, falando em macarrão, fiquei catatônica quando li que você se impõe comer miojo sem tempêro. Mas, uma sugestão, põe pelo menos um pouquinho de manteiga em cima. Já que é pra engordar, que seja com prazer. Sem esquecer de nossas dietas, é claro.
    Beringela à parmegiana: GOS- TOPACA!
    Jabuticaba, cajú, lichia: Ááái, nossa, GOS-TOPACA
    Queijo minas curado+ biscoito + café: GOS-TOPACA etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continuando:

      Li em algum lugar, creio que em Afrodite - Isabel Allende, que beringela seria afrodisíaco. Talvez, por ser macia, quase cremosa. Na verdade, beringela é um escândalo!!! Com muito respeito, claro. Claro ou Vivo?

      Excluir
    2. Terminando:

      Fora o lance do miojo anêmico, no livro, você já falou de comida aqui no blog? Um guardanapo e um carinho - SPP

      Excluir
    3. Ah!, desculpa, esqueci de falar do vinho. Mas disso eu não entendo muito, e você? Na verdade, água mineral também é legal. Lembrei daquela peça de teatro, algo parecido com Dioníso entre as Bacantes... mas, acho que você sai Vivo dessa. Com calma e diretamente.

      Excluir
    4. Permita-me só ressaltar algo, Anônimo...

      Por conta do citado filme.
      Película brutalmente bela, e tão condizente com minha semana Platão - O Banquete.

      Na verdade, Babette tinha tanto amor e paixão no que fazia, sentia, borbulhava tanto, dando o melhor de si, que poderia transformar até um simples macarrão com salsicha, num manjar dos deuses.
      In vino veritas (no vinho a verdade)
      Gosto quando no começo do proposto jantar, diante dos movimentos e preparativos, a arte dela é considerada satânica, esquisita, bruxaria, pelos demais :)
      O mistério sempre assusta não é.

      Bem, fico com o personagem do General, em duas situações deixando bem claro o aprendizado adquirido...
      Mais jovem e arredio, diz: "Irei embora desse lugar porque aprendi aqui o quanto a vida é cruel. O quanto tudo é impossível"
      E mais velho e sábio:"Estive contigo todos os dias da minha vida. Não com meu corpo, pois isso não tem importância, mas sim com a alma. Esta noite aprendi que neste lindo mundo nosso, tudo é possível"

      E sim Anônimo, algo que transcende o I Love You.

      Grata.
      Meu Olá
      :)

      Fala sério... as irmãs envelheceram e continuaram lindíssimas.
      Fonte da juventude seria aquele pão de cerveja que elas preparavam rotineiramente?

      Um sorriso
      :)

      Excluir
    5. Eu passaria a vida em jejum se o corpo dele me alimentasse de amor.

      Excluir
    6. Mas acho que, depois, iríamos famintos pra cozinha, pegar o que tem na geladeira, fazer junto o que dá e bater um bom prato. E um bom papo.

      Excluir
    7. Ou até ficar no silêncio da saciedade... Calemos um pouco esta oralidade. A verdade é que, às vezes, as mulheres são uma araras.

      Excluir
  88. Assistindo a inauguração da nova casa do Grêmio, bela festa.
    Graaande abraço Seu 1beto

    ResponderExcluir
  89. Humberto
    Palavras que buscam a imperfeição. Só porque a verdade é imperfeita, graças a Deus. E está com alguma dor de cabeça, sem apetite, pouca sede e tem muito trabalho esperando, todos os dias. Tô por aí, ligada com critério. Abração!

    ResponderExcluir
  90. Não tem nada a ver com o texto, mas preciso dizer que cliquei no link "Calendário 2013" ali ao lado esperando ver datas de shows do ano que vem. Foi meio broxante ver que se tratava de um calendário físico. Just saying.

    ResponderExcluir
  91. Atrasado mais em fim...
    Obrigado por mais um texto Gessinger
    e diz a ela...

    ResponderExcluir
  92. O AMOR É UMA ATITUDE E ALGUMAS EXPERIÊNCIAS E QUANDO ACONTECE TEM QUE TER CORAGEM PARA FAZER VALER. SE ENTREGAR SEM MEDO. SE JOGAR NO PRECÍPICIO OU EM UMA MESA DE BOTEQUIM. E O MUNDO ESTÁ REALMENTE CARENTE DE GENTILEZAS. ASSUSTADOR! A TELEVISÃO DOA EM PARTE FALSAS EMOÇÕES ENQUANTO A VIDA REAL PEDE DA GENTE ALGUMA SINCERIDADE. FÁCIL É SERMOS HONESTOS NA FRENTE DE UMA REALIDADE INVENTADA NA SALA DE CASA, DIFÍCIL É SERMOS VERDADEIROS NO MUNDO DO OUTRO LADO. AH! O AMOR ESTÁ NA CABEÇA ASSIM COMO O TEMPO.

    ABRAÇO,HG
    ANONIMA

    ResponderExcluir
  93. nossa!!! Você anda tã diferente da noção que outrora tive que por pouco não o reconheço

    ResponderExcluir