Inspirar, expirar - 79


Que não sejamos exatamente como gostaríamos de ser é um sinal de sanidade mental. Fica sempre para a próxima volta a chegada ao ideal. Não somos os reis da cocada. Também não somos o fim da picada. Se nos incluímos em algum destes extremos, esta é uma boa razão para correr a próxima volta: tirar nossa cabeça daí! 

E nessa toada seguem as voltas, os ciclos. Vários deles - de diferentes amplitudes - convivem. Se tivermos sorte e/ou sabedoria, convivem harmoniosamente os anos e os dias; faixas hetárias, trabalhos e romances; os ciclos da arte e do ofício; do corpo, da alma e da mente. É sempre bom ouvir os cucos dos relógios interno e externo saindo da casinha em sincronia e cantando em harmonia.

(*)

Qual a diferença entre uma segunda-feira e um sábado? Podemos responder com uma lista extensa de circunstâncias que diferenciam estes dias. Mas, na essência, não encontraremos resposta. Robson Crusoé e as clássicas histórias de náufragos estão aí para confirmar quão iguais são os dias.

A abstração matemática dos calendários enquadra algumas porções de tempo criando ciclos para facilitar nossa vida em sociedade. Como consequência, no final do ano, alinham-se  algumas  vírgulas e muitos pontos finais. O carro-chefe talvez seja o ano letivo (ah, que saudade do último dia de aula: batalhas de bexiguinha e a  perspectiva de liberdade ali, logo ali, depois da curva).

Na esteira da virada de ano, talvez teu time faça o último jogo num estádio e inaugure outro (um ciclo de vários anos). Talvez tua banda encerre uma tour (um ciclo de várias emoções), talvez retires os baixos da parede e os amplificadores do case... talvez tudo isso se acumule na tua mente e tenhas que falar/escrever a respeito.

(*)

Vez por outra ficamos parados à beira do caminho tentando entender o que há de permanente em nós (há algo?) e o que é frágil fruto (semente, flor) das circunstâncias. Normal. Há momentos para ficar boiando, subindo e descendo sem sair do lugar enquanto as ondulações, em ciclos, passam sob nosso corpo inerte.

E há momentos de remar vigorosamente para alcançar uma onda e surfá-la. O ideal é ter sabedoria para reconhecer qual destes momentos estamos vivendo. Nem sempre é possível. E a vida não é nossa babá, não fica esperando que a ficha caia. Mas prescindir das circunstâncias ideais é um sinal de sanidade mental, né?

Assim, de volta em volta, voltamos ao início deste texto. 


Bah 1: Podem crer nas metáforas marítmas acima: ninguém respeita tanto o mar quanto um cara que não sabe nadar.

Bah 2: O melhor aluno de filosofia da minha turma de colégio começou a apresentar um trabalho assim: "O existencialismo é, em essência, ..." e foi abruptamente interrompido pelo professor, que retrucou: "Pode sentar. Essencialismo não é existencialismo!". Acho que foi só um jogo de palavras entre as duas doutrinas filosóficas, mas a turma achou muito engraçado.

Bah 3: Fascinante nosso idioma. Não sei se a expressão "se acha" é coisa de gaúcho ou se  é usada em outros estados (tipo: quando o cara é muito convencido, diz-se "Fulano se acha"). Outro dia ouvi um cara levando ao extremo esta expressão, dizia: "Bah, Fulano não se acha, ele se tem certeza".

Bah nada a ver com o texto, tudo a ver com os dias 11: Hoje, 22h, twitcam d'O PAPA É POP. São todos bem-vindos!

11dez2012

152 comentários:

  1. ufa!!! chegou a hora zero ......

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. entao continue bem que nao pára bens

      Excluir
    2. foi no dia do meu niver tbm rs

      Excluir
  3. Agora posso cair na cama! Boa terça a todos!
    Saudades de Pouca Vogal ja está batendo em meu coração...
    " Que venha em paz o que o futuro trouxer..."

    ResponderExcluir
  4. A ansiedade não poupa ninguém.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas afinal o que é Humberto Gessinger?
      O Engenheiros do Hawaii onde ele for...

      Excluir
  5. Pena que ainda faltam dez horas :) Vai ter a narração do Grêmio em AVTFST?

    ResponderExcluir
  6. Poxa, gostaria de agradecer ao magnífico show aqui em vitória da conquista, eu gostaria de ter presenciado Crato em 2008, mas presenciei Vitoria da conquista 2012 (“ali, depois da curva” como vc mesmo diz) foi um belo presente te aniversário, vê RO show, bem na frente com a camisa do longe demais das capitais!

    Depois dessa, eu não me acho, eu sou rs Belo texto Hg!

    ps: te achei tão macabro quando vc abaixava a cabeça de dava um 180° encarando a gente :P

    Até um dia, quem sabe!

    ResponderExcluir
  7. Esperando "O Papa é Pop",
    às 21 horas no nordeste do país.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. "(...) talvez retires os baixos da parede e os amplificadores do case (...)".

    Serão mais do que 22 horas até às dez da noite...

    ResponderExcluir
  10. Incrivel esse texto. Genial, inteligente, com ótimas palavras. Lá atras no cantinho meu presente pra ti alguns anos atras (caneca do Pink Floyd vindo de New Zeland) que emoção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser gratificante saber que o seu ídolo, ou artista preferido não guarda os presentes dos fãs em uma caixa na dispensa, esquecidos, às traças ou criando mofo...

      Mas também é lógico que eles não fariam um "altar" com tais objetos, como nós fãs costumamos fazer quando conseguimos alguma coisa deles (uma palheta por exemplo)...

      Mas no seu caso, parece que ele guarda num lugar privilegiado... Bom pra ti!

      Posso perguntar? você já conseguiu algo dele?

      Excluir
  11. sempre me refaço de corpo e alma quando leio seus textos.valew humberto.

    ResponderExcluir
  12. Pow Humberto, amei o texto. Sou estudante de jornalismo, estagio num grande jornal da minha cidade e estou me encontrando. A hora de surfar é agora. Também amo a música. Minha hora de pegar essa onda também, num projeto de power duo chamado 'Duas Aspas'. Abração.
    Bah = Arriégua!

    ResponderExcluir
  13. Calendários, ondas, coisas que vem e vão, que retornam, ainda que não exatamente as mesmas...

    Boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ãããmmmmm...azul preto e branco, né?... Abraço de uma colorada ;-)

      Excluir
  14. Foda. Eu amo o coelho branco e o cuco! Eles caminham de mãos dadas. Não à toa "Time" é uma das minhas preferidas - ela me cobra e me deixa viver, na certeza de que sou normal no sábado e na segunda, apesar de não ser mais o mesmo em nenhum desses dias. Ao menos tento manter a sanidade, com a intensa vontade de experimentar o ópio da insanidade controlada em doses pequ... Em overdoses.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que eu tô "se" achando. Aqui em Minas também é assim!

      Excluir
  15. Não é coisa exclusiva de gaúcho não Gessinger, o "se acha" é extremamente usado aqui no Mato Grosso, aliás, bem que tú poderia vir em uma feira do livro por aqui não é, pode ficar tranquilo que aqui não tem só mato, nem tampouco onças pintadas andando pelas ruas. Chega aqui pra gente tomar um chimarrão gênio do sul!

    PAULO CÉSAR DESIDÉRIO COSTA, (PC)

    ResponderExcluir
  16. Belo texto, e ótima twitcam para nós...

    ResponderExcluir
  17. Bahh Humberto, eu sempre viajando nos seus trabalhos.
    Seja qual for o tema, você sempre escreve com propriedade, talento e empenho. Obrigado por compartilhar.

    Bahhh1- Ainda quero ler um texto seu sobre "admiração", essa palavrinha que resume meu sentimento por ti.

    Um tremendo abraço.

    ResponderExcluir
  18. Momento professor Pasquale: "Etárias" é sem H! ;)

    ResponderExcluir
  19. Ok, pode parecer uma viagem, mas estou vivendo um momento que se encaixa perfeitamente nesse texto. Não saber se o momento é de ficar boiando ou surfar na onda... Humberto, sempre traduzindo o que sinto!
    Enfim, estou ansiosa para que chegue 22h (aqui em Belém 21h)
    Valeu Humba ^^

    ResponderExcluir
  20. Pelo menos no nordeste se usa muito o "se acha" !

    Esse trecho que fala das férias na escola me lembra o quanto a gente achava que liberdade era estar livre de testes, apenas!
    Até nos convencermos de que "...somos quase livres e isso é pior do que a prisão", não é?!

    Aguardando a Twitcam!! =)

    ResponderExcluir
  21. nossa vida é um extenso ciclo finaliza-se uma serta fase para iniciarmos outra, pois sabemos que segunda feira ja se foi mas amanhã terremos outro dia pela frente.... a e tirar o baixo da parede significa volta do engwah neste belo ciclo :)....

    henrique nissola chapecó-sc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. realmente nao é uma coisa concreta pois no texto ele fala de "talvez tirar o baixo da parede e os amplificadores do case" mas se tirar eu aposto na volta dos engenheiros :D

      Excluir
    2. qnd ela permanesse sem q ajnt tire a propria duvida?

      Excluir
    3. Talvez... se essa "permanência" não for eterna... se assim ela traz possibilidades. 2013 para Humberto vai ser solo, mas solo como? Isso me intriga e ao mesmo tempo me faz feliz, traz a ansiedade (boa, pq nem toda é ruim) de saber qual possibilidade se firmará - por algum tempo. Agora é o momento em que tudo (ou qse td) pode ser.

      Excluir
  22. Fiquei arrepiado com o contrabaixo ae na foto!

    Até às 22hrs!

    ResponderExcluir
  23. Nas montanhas do sul de Mg tb existe gente que "se acha"

    ResponderExcluir
  24. A exatamente 30 dias o Humberto tava aqui em Poços de Caldas, loucos para começar o show as 1:00. Foi sensacional. Que venha mtas outras vezes, com novos projetos. Que nesse meio tempo, venha muitos outros textos da semana magníficos como sempre são.

    ResponderExcluir
  25. Bah, o Humberto é um baita escritor!

    ResponderExcluir
  26. "Nada do que foi será
    De novo do jeito que já foi um dia
    Tudo passa
    Tudo sempre passará

    A vida vem em ondas
    Como um mar
    Num indo e vindo infinito..."

    Até a twitcam, então! =)

    ResponderExcluir
  27. Eu também amo fazer metáforas com o mar e igualmente não sei nadar.. Acho que esse fato faça ele parecer ainda mais magnífico e indecifrável assim como a vida, por vezes.
    Como costumeiro, lindo texto.

    ResponderExcluir
  28. ei semana que vem o texto pode ser sobre todo esse marketing do "fim do mundo" oque voces acham?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da sugestão! mas aposto uma palheta 0.5mm que o seu pedido não será atendido.

      Excluir
    2. vdd tbm nao boto mt fé q seja, mas seria um tema legal q provavelmente geraria bstt debate....

      Excluir
    3. "Já vi o fim do mundo algumas vezes..."

      Excluir
    4. Como todos nós fazemos às vezes...

      Excluir
  29. Nas entrelinhas de todo o texto, algo me induz a acreditar que em 2013 teremos a volta dos EngHaw =)

    Agora, após esperar ansiosamente para ler o texto dessa segunda que já virou terça, estou novamente ansioso para assistir à twiticam do dia 11 do mês 12. Twiticam do álbum O Papa É Pop justamente no mês em que o Papa (@pontifex) ingressou ao Twitter. Coincidências? Destinos cruzados? Não tenho respostas.

    PS: Aqui em Goiás, também usamos a expressão "esse cara se acha".

    ResponderExcluir
  30. Poxa... um post pra me fazer chorar!!
    Sobre o PV, muito obrigada por esses anos azuis e vermelhos.
    Eu que comecei achando tudo muito estranho, de mau humor pela pausa do EngHaw, terminei totalmente encantada e com dois shows maravilhosos do Pouca Vogal na bagagem. Muito obrigada!!!!

    AMO!
    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  31. bahhh....
    Mas nem um bahhh em relação ao poeta do concreto?
    achei que estaria por aqui alguma análise entre arquitetura e a vida...
    entre o fim do ano, o fim do ciclo, o fim da vida, o fim do mundo....
    enfim.....

    ResponderExcluir
  32. Quais os ciclo podemos esperar de ti,no ano q entra?voltar com a antiga banda das engrenagens?Continuar com o power-duo,enquadrar-se em um novo power-trio,Humberto o homem dos ciclos,aguardando com expectativa mais uma nova fase tua e q venha em paz o q o futuro trouxer!

    ResponderExcluir
  33. Que o novo ciclo seja tão bem sucedido quanto o anterior foi, mestre. Estamos juntos em 2013.

    ResponderExcluir
  34. Esse texto só me remete a essa música:

    http://youtu.be/j5M-QlwR44M

    "Slow down, you crazy child.
    You're so ambitious for a juvenile.
    But then if you're so smart, tell me why are you still so afraid?
    Where's the fire? What's the hurry about?
    You better cool it off before you burn it out.
    You got so much to do and only so many hours in a day."


    Super os sentimentos que venho tendo. Humberto sempre acertando! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Música incrível Sara...
      Um clássico.
      Que ficou conhecido na trilha sonora daquele filme: De repente 30...

      (sorrindo de qualquer coisa familiar nesse 30)

      Legal mesmo
      ;)

      E uma ótima atmosfera sonora para a respiração dessas palavras do texto em questão.
      :)

      Excluir
    2. Sim! Verdade! É uma cena do De Repente 30, que por mais bobinho que pareça o filme, me emociona. Todo mundo já passou por esse momento de desespero de querer voltar à infância, fazer tudo diferente etc. Mas no final, quando paramos pra pensar, vemos que, se soubéssemos antes o que sabemos agora, erraríamos tudo exatamente igual =).

      Excluir
  35. Quais os ciclo podemos esperar de ti,no ano q entra?voltar com a antiga banda das engrenagens?Continuar com o power-duo,enquadrar-se em um novo power-trio,Humberto o homem dos ciclos,aguardando com expectativa mais uma nova fase tua e q venha em paz o q o futuro trouxer!

    ResponderExcluir
  36. E mais um ciclo se termina, mas é preciso um ciclo terminar para começar outro (quem sabe ainda melhor?). Só o nosso relógio interno saberá a hora certa de começar e terminar qualquer coisa, cada um sabe de suas necessidades. Mas pode ter certeza, os de FÉ sempre estarão contigo, acompanhando qualquer que seja o projeto do "ciclo" em questão. Porque nós queremos acompanhar seu trabalho, em qualquer formato que seja, pois sempre será de qualidade.


    Bah1: Quanta babação de ovo... aaarg.

    Bah2: "Fulano se acha..." isso não é coisa só de gaúcho, em MG isso também é muito falado.

    Bah3: Férias? Ah, eu estudo em Federal... e vou passar o verão pagando uma greve miserável :(

    Bah4: Adorei a imagem de fundo, ficou muito bacana!


    Humberto,
    Aquele abraço,
    até semana que vem :)

    ResponderExcluir
  37. Caraca, tudo o que eu precisava ouvir (como sempre) parece que o texto foi feito pra mim... Valeu pela lição Humberto. (: Graças a Deus... Cheguei um pouquinho atrasada mais cheguei, ótimo texto meu mestre. Até amanhã. ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O texto é ainda mais lindo que eu pensava, se encaixa totalmente no que acontece comigo no momento, um bom incentivo pra mim, na verdade, um ótimoooo, era desse que eu precisava, vei. Hoje estou sem inspiração... :( (séra que alguma vez eu tive?) bom... até a twitcam, anciosa! (yn)
      Abraço, amigãão.

      Excluir
  38. Último show meu, Sobral-CE, desde 2008 não vejo Humberto Gessinger nos Palcos, não sei se me arrependa ou não, mas prefiro ter fé e sonhar que em 2013 eu possa está vendo Engenheiros no Palco.

    "Tô me guardando pra quando "enghaw" voltar.


    ResponderExcluir
  39. A expressão "Se acha" não é só coisa de gaúcho não... rsrs "Pra pegar a onda tem que estar, na hora certa no certo lugar..." Penso que sempre temos que olhar para a hora certa, para a certa circunstância e para o desejo certo... O que seria o certo ? Nem sei...

    ResponderExcluir
  40. Sabe qual a diferença do sábado pra segunda? Pq quando acaba a segunda ganhamos de presente um super texto.

    Haa...a expressão "se acha" também é usada aqui no Ceará.

    agraços \o/

    ResponderExcluir
  41. Chorei... e dava pra não chorar??? Não por eu ser uma manteiga derretida, mas em razão das coisas mais profundas do ser humano serem colocadas em letras e palavras de forma tão singela e ao mesmo tempo, contundente... Amei! Td bem, talvez eu esteja meio sentimentalista demais por causa do fim deste ciclo Pouca Vogal, que posso falar sem sombra de dúvida, foi uma das coisas mais maravilhosas q aconteceram na minha vida nos últimos tempos. Mas posso te afirmar uma coisa: Eu, que não "ME ACHO", consegui "me encontrar" muitas vezes ao ouvir as músicas do PV... e isso, não importa se o ciclo acabou ou não, não vai mudar dentro de mim não! Um grande beijo e até amanhã!

    ResponderExcluir
  42. Sanidade mental... as vezes confundimos esse termo com "experiência", "maturidade" ou nos colocamos atrás dele para nos justificar ou nos esconder do "medo". Acho que sempre vai haver uma nova onda se soubermos nos levantar quando tomamos um "caldo".

    Logo mais Twitcam! Acho que nunca ouvi "A violência travestida..." ao vivo, acústico...

    ...Tudo que ele queriaaaaaaa era encontrá-la um diaaaaaa....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na música "a violência travestida faz seu trottoir" existe uma voz feminina cantada pela Patricia. Bem que essa voz, poderia ser a da Clara Gessinger, nesta twittecam!!!

      Excluir
    2. Estranhei o termo "sanidade mental"...

      Excluir
    3. ... apesar de compreender o que quis significar.

      Excluir
    4. Então Kelly, Achei "sanidade mental" meio pesado também. Se ele tivesse usado "perder o equilíbrio" ficaria mais natural... Até por que a sociedade hoje valoriza muita gente insana e critica aqueles que tem coragem.

      Excluir
    5. Oh Sergio, cheguei tarde e perdia twitcam...

      Excluir
  43. "Podem crer nas metáforas marítmas acima: ninguém respeita tanto o mar quanto um cara que não sabe nadar."

    Não conhecer leva ao medo?
    Os cachorros só latem aos que não conhecem até o instante.

    (1)Bah: valeu pelos bahs =P

    Abraço à toda galera! =D


    ResponderExcluir
  44. Tirar os baixos da parede e os amps dos cases? Gost disso!!! Significa a volta dos Steinbergers? Significa Engenheiros com HG no baixo????

    ResponderExcluir
  45. Eu me sinto muito feliz de estar aqui contigo, e com os seus amigos, tão especiais como você, em igual medida (imensa...)

    ResponderExcluir
  46. Novo ciclo, novas músicas, novo disco ; )

    Abraço!

    http://bloghugoalencar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  47. Humberto,

    Dentre todas as suas publicações, devo dizer que esta foi/é/estásendo a que mais me tocou/toca/estátocando. Nunca lhe percebi tanto em palavras e, ao mesmo tempo (e não coincidentemente - levando em consideração o pensamento de Freud), nunca me percebi tanto em suas linhas. Talvez um pouco pelo que significa em nossa(s) sociedade(s) o dia 31 de Dez, talvez pela proximidade de nossos aniversários (comemoro o meu no dia 22), mas tb por que sei que vive algo semelhante a mim neste fim de ano/ciclo. Assim como vc, estou me desligando de um projeto para iniciar outro. Estou em vias de exonerar-me de um cargo público de nível médio para finalmente (após muitos domingos de prova) assumir um cargo tb público na minha área de formação superior. E, ao qse colocar em prática esse novo projeto, já imagino qual outro irá surgir em mim, pois entendo - como vc, se minha leitura do texto não for equivocada - que nunca alcançaremos o ideal, que a satisfação incompleta é o combustível da vida. Se conseguíssemos nos sentir "completamente" satisfeitos, estaríamos por fim estagnados.

    Abraços amigos! Afinal, depois deste post ficou impossível discordar da sua opinião de alguns posts atrás.

    Obs.: Aqui no ES, tb utilizamos a expressão "se acha" para aquelas(es) que se consideram o último biscoito (pq não falamos bolacha) do pacote.

    Obs. do Obs.: Falando da bolacha e do biscoito, lembrei de um questionamento que sempre tenho: em algum lugar do BR, além do ES, as pessoas chamam de "chips" aqueles biscoitinhos salgados/salgadinhos (fandangos, cheetos e similares)?

    Obs. para comentar o que ainda não comentei: O show de cachoeiro foi fantástico! Nunca assisti/participei de um show tão bem estruturado e executado. Parabéns!!! Tive o prazer de vê-los, ouvi-los e senti-los no palco ainda como Pouca Vogal, porém não estou satisfeita. Quero muitos mais shows... do seu trabalho solo, dos demais que vierem e do Cidadão Quem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "talvez tudo isso se acumule na tua mente e tenhas que falar/escrever a respeito."

      Excluir
    2. Eu também falo chips e biscoito :)
      Leste de MG.

      Excluir
    3. Leste de Minas é qse ES. Principalmente no verão! rs

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  48. Desculpe, Humberto, mas que texto mais clichê...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada como todos os movimentos da vida... uns gostam... outros não gostam... uns dizem sim, outros dizem não... mas expirar e inspirar não dá para escolher.

      E assim caminha a humanidade.
      :)

      Excluir
    2. Sim, Cila. A sinceridade é importante... Vejo muita bajulação por aqui.

      Excluir
  49. Uma coisa que eu observo no bloGessinger: é como a conversa que aqui se passa vai se agregando; acrescentando, desbastando, ou puxando, solucionando, torturando, refletindo, salvando, (haja gerúndio...) desconstruindo, quebrando certezas, incertezas, sentimentos, friezas, expressões e impressões que se revelam. O que leva, talvez, a crescimento, transfomação, composição, decomposição. Uma conferência com ou sem uníssono; talvez sinfonia em progresso, indecisão-confirmação, harmônico-desarmônico, dissonante, afinação, barulho. Obviamente, não sei como expressar e gostaria... Mas mexe comigo em todas as camadas. Pra mim tá sendo assim. Não sei o que eu me torno depois... Mas é uma surpresa perceber que eu entro no mar revolto (não quero ficar só olhando), e acho que me debato numa máquina de lavar imprevisível ou de quebrar pedras e polir. Uma experiência definitiva, nem por isso se afirma permanente. Mas eu acho interessante vestir-me nisso, entrar em abandono, apontar - se for necessário, me perder, me esconder um pouco pra tentar mostrar o que eu escondo. bjo. Vou tentar ver a twitcam agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não consigo ver essa twitcam! Onde está?, não sei como fazer!!!!!!!!!!!!

      Excluir
    2. "Mas é uma surpresa perceber que eu entro no mar revolto (não quero ficar só olhando), e acho que me debato numa máquina de lavar imprevisível ou de quebrar pedras e polir. Uma experiência definitiva, nem por isso se afirma permanente. Mas eu acho interessante vestir-me nisso, entrar em abandono, apontar - se for necessário, me perder, me esconder um pouco pra tentar mostrar o que eu escondo."

      Poesia pura
      :)

      Excluir
    3. Adorei suas linhas e ondas... é incrível como somos afetados, afetamos, afetamo-nos. Alguns questionam se o Humberto lê nossos comentários. Há tempos atrás eu tb me questionava, até descobrir que comentava pq tinha necessidade de escrever, dizer o que aquele texto me produziu.

      "talvez tudo isso se acumule na tua mente e tenhas que falar/escrever a respeito."

      Ao mesmo tempo passei a ler mais os comentários - voltando a eles durante a semana, pq eles tb me produzem uma imensidão de coisas.

      "é como a conversa que aqui se passa vai se agregando; acrescentando, desbastando, ou puxando, solucionando, torturando, refletindo, salvando, (haja gerúndio...) desconstruindo, quebrando certezas, incertezas, sentimentos, friezas, expressões e impressões que se revelam."

      Abraços, Anônimo(s)!

      Excluir
  50. Ótimo texto..como sempre neh..
    Aqui no Sul(de Minas) também falamos "se acha" rsrs

    .. ansioso para a twitcam
    abraço aos de Fé

    ResponderExcluir
  51. Alguém aí em cima falou que o texto é clichê - bom! Eu gosto de temas banais: ótimo texto.

    Aqui na PB também falamos "se acha" - acho que a expressão é um tanto massificada rsrsrs

    ResponderExcluir
  52. Humberto vc é humano demais e nenhum instrumento combina mais contigo, do que o contrabaixo.

    Saudações Rubro-Negras.

    ResponderExcluir
  53. Gostei muito da parte que fala em tirar os baixos da parede,e da foto também. Who knows...

    Christiano Rios

    ResponderExcluir
  54. Humberto,
    Permita-me. Me parece que tua vida seja uma melodia harmoniosa. Sintonizada/sincronizada com o cuco, números internos e externos. Desculpa, mas não resisto ao apoio da tal numerologia - é o que faço com esses números...

    79, 9, - final do ciclo "7"- justamente teu tema do texto é final de ciclo . E anúncio de um novo ciclo - 8. Aguardo o 80. Zero, um novo começo. Zerando, no oito!
    Matemática divina dos "loucos", para sanar a "ilusória" e "insegura" sanidade mental. No seu caso, você não passará perto da loucura, se não quiser; está tudo muito claro e frio. Isso é bom, é realidade, um pouco abstrata, mas realidade. Calma realidade, afinada e a seu tempo. Não se destempere agora. Já que 7+9=16, um número de crise e desmantelamento e remete de novo ao sete, 16, 1+6= 7, retrocesso. Um pouco de cuidado, por favor. Essa leitura é baseada no ciclo do teu blog; refere-se ao teu processo aqui, claro. Esse espelhamento nos números é só um recurso, um instrumento - como são as palavras e frases que você articula, para decodificar o entendimento das idéias. Mas, às vezes, os números podem ser mais claros que as palavras. Um grande beijo e obrigada por amparar os desentendidos em vírgulas, pontos finais e jogos de palavras.
    Talvez pareça objetivo demais para quem prefere a subjetividade, mas é seriamente complementar. Importante para o equilíbrio Yin/yang, que desenha o 8. Enfim, uma matemática exotérica, mas perfeita. Se quiser, pode descartar este comentário. Espero que clareie mais, desculpe as diferenças.
    Um abraço solidário.

    ResponderExcluir
  55. Com certeza "se acha" é ditos em outros estados, ta aqui um cearence pra provar isso!

    ResponderExcluir
  56. Moro no interior de São Paulo, e aqui nós também usamos, aquele cara lá "se acha"!

    ResponderExcluir
  57. 1berto,

    Gosto de ler seus textos por várias e indefinidas razões. Gosto do seu estilo, dessa visão metafórica das coisas que são nossas vicissitudes. "Inspirar, Expirar" são movimentos nem sempre físicos, nem sempre metafísicos, mas são os que nos mostram que estamos vivos, e como é bom viver... compartilhar!

    Não sei se você lê o que escrevemos, se tem tempo, paciência ou curiosidade; mas percebo que seus textos provocam novas expressões, outras reflexões... compartilhadas, e isso é bom! Creio que já vale o impulso da comunicação em feedback: movimentos, inspiração, expiração em rede, conexões, como ondas que vão e vem. Estamos vivos e somos singulares, nenhuma onda é igual a outra, cada uma tem seu movimento e todas cumprem o seu papel.

    Fique com Deus.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  58. Parabens pelo post 1berto. Como sempre inspirador e reflexivo ao mesmo tempo que nos faz mergulhar em um oceano sem saber nadar (também não sei).Farei o máximo para acistir a twitcam de O papa é pop hoje (pois ainda não vi nenhuma ao vivo)Estarei no meu trabalho (mas não trabalhando, sou professor universitário e só terei aula até as 20:30h)Aqui no Nordeste (São Rafael/RN) começará as 21:00h.
    Grande abraço e até a noite.

    ResponderExcluir
  59. ficou mara o layout novo *-* e triste pelo fim o pouca vogal mas o texto tá tudibom)

    ResponderExcluir
  60. Adoro seus textos!!! E estarei "on" com certeza. bjs

    ResponderExcluir
  61. No Rio Grande.................... do Norte, usamos a expressão "se acha". De fato, algumas pessoas se têm certeza...rsrs... Belo texto. Acho que foi Leminski que disse: "Inutilidade necessária".

    ResponderExcluir
  62. Respostas
    1. Sei que algumas palavras que começam com h, vem de origem estrangeira... como hibernal para falar do inverno, que para nós não tem h.

      Etária é sem h.
      Não é de origem estrangeira.

      Mas um professor de português explicaria melhor.

      Mas é sem h o etária.
      Fato.

      :)

      Excluir
  63. Bom texto, boas reflexões. Como sempre muito bom ler suas observações. Quanto ao "se acha" acredito ser usado em todo o país, mas "se tem certeza" é foda.

    Até mais tarde na twitca.

    ResponderExcluir
  64. Curti muito o texto, o "se acha" acho que é usado em todo país mesmo mas não "se tenho certeza" kkkkk
    Tô correndo atrás de uma onda (ou seria nadando?): concurso.
    Mas se agente não souber a hora da calmaria não aguenta a pressão.
    Valeu pelo texto HG e boa sorte no seu novo ciclo, estamos com você todos os DeFé.

    ResponderExcluir
  65. uma bela linha de baixo hoje ira fazer toda a diferença ao nao, valeu cara

    ResponderExcluir
  66. mt bom. como sempre seus textos mexendo comigo... parece até que foi feito p mim...

    há e aqui no maranhão tbm usamos a expressão "se acha" kk
    forte abraço, mestre 1berto!

    ResponderExcluir
  67. Sir Gessinger

    Tuas palavras levaram-me a memória exata desse filme:

    http://www.youtube.com/watch?v=4xHBko1M3pQ

    Nada lembra-me tão bem a necessidade de respirar, de se ter a consciência bruta do ato, quanto em caminhadas, natação e na meditação...
    É o fôlego que nos conta até onde se pode ir...

    But...
    Como na película diz (e concordo): a jornada é importante, e não o destino.
    Porque é primordial sabermos apreciar uma chuva imprevisível que porventura caia e nos pegue desprevenidos numa revolução furiosa em cinco elementos; conseguir sorrir de si mesmo quando se tropeça em pedras bem ao meio do caminho ou fazermos aquela guerra de lama (brigando só de mentirinha)... apreciar as sombras necessárias que o sol alto do meio dia faz junto as árvores, e também as estrelas numa noite escura destacando a bússola brilhante do Cruzeiro no céu...
    Porque tudo no fim das contas é dádiva, graça, e não problemas.

    São lições importantes para quem viaja só... mas mais importantes ainda, para quem tem o prazer de poder viajar acompanhado.

    Caminhar sim partindo do ar, do mar, da luz...
    Numa relação justa com a pedra, com a árvore, com o rio, com a terra, com o céu, com o homem.

    Mesclar-se sim, quantas vezes forem preciso, com aquele amor que, segundo Dante, move o sol e os outros astros. Mesclar-nos também com a nossa fé no universo.
    Se em frente do esplendor do mundo nos alegrarmos com paixão, também em frente do sofrimento do mundo nos revoltarmos com mesmíssima paixão.
    Porque o fato de sermos feitos de louvor e protesto, não demonstra que somos ambíguos, mas apenas testemunha a unidade da nossa consciência tanto de inspirar quanto de expirar...
    Não dá para escolher, já que tudo é a respiração.

    É a vida.

    Meu Olá
    ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, e bonito o Layout.
      Ficou bem bonito mesmo :)

      Outro Olá
      ;)

      Excluir
  68. Pô, ontem mesmo postei no meu face um trecho de sua fala em ''sabatina'' no Programa Livre de 1992, quando questionado sobre a escolha do público e a marcação cerrada da crítica, onde você dá uma resposta muito massa e categórica.
    Eu era muito criancinha e não sentia a música apenas a escutava, mas viajava quando tocava nas rádios ''Era um Garoto''.
    Hoje eu posto fragmentos de canções, letras suas que, com certeza, saem da alma e do coração.
    Espero que a banda retorne em 2013, parabéns pelos trabalhos, pela essência da música em si, pelo Pouca Vogal...

    Ah, eu sou um quase baixista. Hahahaha. Gosto muito das linhas do baixo, só não consigo tocá-las. rs! Mas um dia eu consigo. Já tenho um repertório para tirar.

    Voltem porque o mundo musical brasileiro precisa de música boa e de qualidade.

    ResponderExcluir
  69. O papa é pop, Lenon é pop, todos somos pop, até a noite será pop, abracos populares anciosos...

    ResponderExcluir
  70. sidnei rodrigues - SP11 de dezembro de 2012 13:29

    Humberto em São Paulo usamos essa expressão tb...
    Ve-lo com o baixo novamente volta a ansiedade do que vem por ai....vamos aguardar e que chegue logo....QUANDO CHEGA A HORA É MAIS LEGAL!!!!
    O texto maravilhoso como sempre....

    ResponderExcluir
  71. Humberto (com H),

    "Palavras em busca de imperfeição. Só porque a verdade é imperfeita, graças a Deus."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho esse texto minha canção de ninar, me embala. É materno. "casinha em sincronia e cantando em harmonia", cuco. "batalhas de bexiguinha". Sua ternura pra ensinar me conduz à suavidade. Brigada. É lindo, pras criancinhas que nós somos. Colinho bom... (SPP)

      Excluir
  72. Se no parágrafo da "esteira da virada de ano", que marca finais e inícios de ciclos, estás falando da despedida do Estádio Olímpico, Inauguração da Arena do Grêmio e fim da Tour do Pouca Vogal, só falta ver seus baixos e amplificadores em ação (como sugere a foto)... Pra quem gosta do baixista HG é um prato cheio...
    Já tô ansioso por isso! Massa D+!!!

    ResponderExcluir
  73. puxa!!! quanto seria bom se na maioria das vezes a sintonia fosse a mesma pra gente se entender melhor? falante e ouvinte, explicação e compreensão. talves assim nao houvesse tanto cego e tiroteio e agente no meio, nas margens, pelos cantos... tentando e tentando e tentando...
    viver em paz.

    nao sei explicar sua poesia, só sei que ela me arrepia.
    mas nao é de medo ou repulsão, simplesmente coração.

    ResponderExcluir
  74. "Essencialismo não é existencialismo!" kkkkkkkkk muito bom.
    Aqui em Londrina-PR também usamos o termo "se acha"...mas "se tem certeza" nunca tinha ouvido kkkkkkk!

    ResponderExcluir
  75. Em Ribeirão Preto - SP, o termo também é usado com o mesmo sentido.
    Infelizmente, MUITO usado!
    Já o "se tem certeza" ainda não...kkkk
    Mas me fez rir verdadeiramente quando li!

    Acho que o lance será será sempre voltar enfim ao início. Não importa quantas vezes for necessário estarmos aqui.

    O que me deixa contente, é saber que não há algo permanente em mim!

    Do contrário, não teria evoluído, o pouquinho que evoluí até aqui, e não teria conhecido seu trabalho!

    ResponderExcluir
  76. "Vez por outra ficamos parados à beira do caminho tentando entender o que há de permanente em nós (há algo?) e o que é frágil fruto (semente, flor) das circunstâncias. Normal. Há momentos para ficar boiando, subindo e descendo sem sair do lugar enquanto as ondulações, em ciclos, passam sob nosso corpo inerte."... Era isso que eu estava sentido, obrigado por traduzir Gessinger... Ah e diz a ela que eu a amo...

    ResponderExcluir
  77. Fiz um blog na facu...e vc está presente constantemente, nas minhas reflexões!

    ResponderExcluir
  78. Dentre algumas paixões tenho EngHaw e fotografias... e tenho que falar a fotografia deste post é perfeita, amo foque e desfoque e o movimento do artista ao fundo... perfeito HG!!!

    ResponderExcluir
  79. E o filósofo Jean-Paul Sartre sempre presente em textos e composições. Existencialismo!

    ResponderExcluir
  80. Adorei o texto. Falando nessa coisa de sanidade/insanidade mental, normal/paranormal, batido/despercebido eu tirei o "bobo da corte" pra fora do baralho, e levo no bolso esquerdo do peito. O Louco dos arcanos, o coringa. Saudações otárias e abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O "bobo da corte", que de tolo não tem nada. No ridículo conhecimento das coisas, sai ileso das disputas de razões e poder. O Louco importuno dos Arcanos, o zero de tudo, início da grande jornada, sem preparativos e de destino desconhecido. O Coringa, que se empresta a qualquer papel, sai-se bem em qualquer posição. Os otários que aceitam as causas perdidas, enxergam sementes no meio das cinzas. Se não for a custa deles, como se divertem, se mexem e se renovam os tristes senhores da situação. Tirar a cabeça dos extremos, uma humildade necessária e a se buscar, mas as ondas nos levam sempre ao borderline e nos encontramos com essas figuras internas e externas. Não é fácil... E sem falar nos chatos nossos de cada dia. Precisa cuidar deles, acho. abs.

      Excluir
    2. Será que a solução é ficar underline?...

      Excluir
    3. Mas eu juro, que ainda consigo sair desse online! abs. SPP

      Excluir
    4. sera o bobo interessado em disputas de razão e poder dessa tal de corte, ou seria mais uma vitima(jogado na vala) de projeções interiores? Tipo se eu quero todo mundo quer.

      Sei lá, me veio isso.

      toda forma de poder e uma foram de morrer por nada.

      Excluir
  81. E que saudades eu tenho de um futuro, poxa...

    ResponderExcluir
  82. Mutatis mutandis...
    Ôxe 1: O nome do personagem é Robinson... passei a infância com pessoas fazendo associações a meu nome.
    Ôxe 2: O "Se Acha", surgiu no meu vocabulário como prefixo para frases como: "... a bala que matou Kennedy.", "... a última coca-cola do deserto" , "... a bala que matou Tiradentes". Esta última é o minha favorita, o problema é que nem sempre percebem o tom irônico na afirmação e tentam corrigir.

    ResponderExcluir
  83. Aqui na Bahia a gente também "se acha" e as vezes "se perde" pra nunca mais kkkk

    ResponderExcluir
  84. Oi, já pensou em aprender a nadar? Os recém nascidos nadam naturalmente. Pode nascer coisas boas na água. A água não morde, viu? A água sabe acalantar quando se entra em harmonia com ela, sem medo de se afogar. Apenas sustentar-se na água, sem natação, e avançar dentro dela. Abraço

    ResponderExcluir
  85. 2013 solo:Refrão de Bolero,Surfando Karmas e DNA,Terra de Gigantes-Numeros,Infinita Highway.

    ResponderExcluir
  86. 1berto,esse equilibrio, seria um ajuste fino feito pelo tempo em nossa engrenagem ou, DNA mesmo? Seria um misto(equilibrio)?

    Concordo que ignorar isso e viver "extreme" é insanidade.

    Ansioso pela proxima twitcam!!!




    ResponderExcluir
  87. Esse símbolo do ingang vermelho e preto ficou na minha memoria da época de adolescente, eu tinha umas camisas pintadas à mão por um amigo, que há tempos não vejo. Cara que boas lembranças, sem falar que esse disco é maravilhoso na sonoridade e nas letras. Lembro de ter o vinil e que ele não vinha com a música Perfeita Simetria, que só conheci através do rádio, fiquei maravilhado a ouvi-la. Há HG, tu não sabe o bem que já fizesse nesses anos todos com a sua música. Parabéns cara, Deus te ilumine Sempre!
    ...havia motivo pra tudo tudo era motivo pra mais...

    Longe Demais da Capitais (literalmente).

    Eu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. gostei,

      Bem que fez e faz. Não por "se achar", mas por acreditar que vale a pena. Afinal, não veio ate aqui pra desistir agora.
      Sao raros os trabalhos assim tao solidos nas ideias, mas que nao deixa de fora novos ares.

      aqui tambem, longe demais das capitais(literalmente)

      Excluir
  88. Aqui em Pernambuco é bem comum o uso do ''se acha''....

    Não conhecia o blog, encontrei por acaso,e curti demais, tudo.

    hoje nasceu uma ponta de esperança de quem sabe ver e ouvir a melhor banda tocando novamente.

    Oremos e sonhemos.

    ResponderExcluir
  89. Que legal,me sinto próxima de você ,é como se fizesse parte da sua vida sabendo um pouco dela através do que você escreve.Tenho 23 anos e sou super sua fã, comecei a escutar Engenheiros porque minha mãe é super fã,então eu e minha irmã influenciadas pelo meio,pelo bom som e pelo seu talento viramos automaticamente fãs do Engenheiros e de você.Abraçosss

    ResponderExcluir
  90. Pode ser que o amor seja líquido, como é minha lágrima real (a palavra olhos foi interditada no reino da utopia; tá certo, realmente...)
    E as saudades podem ser feitas de ar, uma onda que sobe e desce no peito, suspirosa. (Eu tive apnéia suspirosa. A única coisa que consegui pensar quando ouvi esse nome foi: agora tô me sentindo a dama das camélias. rs)
    Se o equilíbrio só se faz no movimento, no mover da respiração, na respiração do movimento, nadando em todos os elementos...
    (Por outro lado, bem outro, a lágrima do luto é a mais pura. Tchau, pai... Te devo muito. 2012, um Grande Ano. 12 meses, 12 apostolos, 12 signos. E dia do teu aniversário.)
    Finais de ciclo, poxa... POOXA!!!!!
    Mas que saudades do futuro, meu!!!! abs.SSP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. reconheço que eu "se acho". Mas, e quem é que me acha? abs. SPP

      Excluir
  91. Foi inspirada em vc que essa linda (Vitória, 4anos) fez esse vídeo:
    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=4POF5c9eO5k

    ResponderExcluir
  92. Ver o Freud "pitando" lá em cima é muuuito legal! kkkkk

    =)

    ResponderExcluir
  93. http://a4quatromaos.blogspot.com.br

    da uma olhada no meu blog quem se interessar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pô parabéns pelo blog! Textos bem bacanas, quem tiver um tempinho passa lá.

      Eu
      Longe demais da capitais (literalmente)

      Excluir
    2. Opa! Dei uma olhadinha nas suas 4 mãos, achei legais as linhas inscritas. (R&- "amp". de ampola?) Um pouco noir, sadomasoca, decadente. Por isso inusitado, dialético e interessante. Noite, que pesada noite esconde sol no intestino. De ser ostra eu entendo. Não desgosto do clima, quiçá dê umas pitadas por aí. É curioso, como flagelo e enfermaria se procuram, nas estranhas penas capitais. É uma boa leitura. parabéns

      Excluir
  94. ja estava com saudade dos "bahs"

    Bjão Humberto


    =)

    Dayse Capello

    ResponderExcluir
  95. Muito boa crônica, Humberto. Adoro esse jeito ácido e meio sarcástico que voce tem para escrever. Adorei sua entrevista na feira literária, lá em Osório; tanto que comprei seu livro que lá estava para vender.
    Estou iniciando agora também na arte de escrever, estou escrevendo um livro de crônicas e contos, seria uma honra ter um prefácio escrito por voce. Se quiser ler meu material, é dizer um ok para meu e-mail: marcinho.almada@gmail.com.

    Obrigado e boa noite.

    ResponderExcluir
  96. SABE GURI,TENHO NAS VEIAS MUSICAS...MINHA MENTE NÃO DESLIGA...SONS DESDE PEQUENA ACOMPANHAM-ME ...MEU PAI FOI RADIALISTA..FOI MORTO NA ÉPOCA DA DITADURA POR SUAS IDÉIAS......E EM MEIO A DOR E PERDAS,DENTRO DE MIM FICOU A POESIA..FUGA DE MINHAS PALAVRAS E PENSAMENTOS.....GRANDE ABRAÇÃO E UM ANO NOVO CHEIO DE NOVOS PROJETOS E ALEGRIAS.

    ResponderExcluir
  97. Nossa! Li esse texto e me veio várias coisas na cabeça. Sempre via um homem na vizinhança, que sempre andava sozinho, com uma roupa igual todos os dias, sempre cabisbaixo, sempre alheio e tão sabedor de sua rotina, e eu sempre que passava por ele me perguntava: o que esse senhor tem? Tempos depois soube que ele era daquele jeito porque tinha sofrido uma grande decepção amorosa.Ele não foi sempre assim, mas escolheu um dia ser sempre daquele jeito. Também me lembrei que fico com a impressão de que tudo é igual quando fico só deitada imaginando como seria ou como teria sido. Acho que quando não faço as coisas elas são parecem ser sempre iguais. Mas se faço, mesmo sabendo que vai dar no que eu imaginava, é diferente. Olha e eu quando to nessa montanha-russa, nessa roda gigante, no carrinho do terror, no parque de diversões sem achar graça nenhuma, eu tomo remédio. Não muda. Continuo no parque de diversões mas pelo menos as coisas ficam mais suportáveis. Fico pronta pra guerra, menos manteiga derretida.

    ResponderExcluir
  98. cara,foi o melhor presente de aniversario q ja ganhahei.saber q tu vai fazer um disco de ineditas.estamos ançiosos e aguardando oque vem pela frente.valew humberto.abraços

    ResponderExcluir