Convivência - 70



No tempo em que se falava de política com receio e olhando pros lados, uma piada de humor negro dizia que “a esquerda brasileira só se une na prisão”. E era verdade. Quanto mais aparentemente próximos nas ideias, maior a dificuldade de união na vida real. A regra era subdivisão em correntes, facções e subgrupos. Pra ficar num exemplo folclórico: era quase impossível ver o Partido Comunista Brasileiro e o Partido Comunista do Brasil juntos. 

(*)

Já vi religiosos de crenças bem parecidas (originadas no mesmo cristianismo) discutindo com uma veemência que não usariam em discussões com agnósticos ou seguidores de outras tradições.

Água e azeite, tão próximos e tão distantes.

Tenho mais dificuldade em acompanhar programas da TV de Portugal e da Espanha do que os falados em inglês. Talvez porque a proximidade daquelas línguas com o idioma que falo me faça baixar a guarda... e, com a guarda baixa, levo uns socos gramaticais.

(*)

Muita gente me pergunta sobre a dificuldade de tocar tantos instrumentos no show (teclado e percussão com os pés, violão, viola, piano, gaita de boca e de fole). Minha resposta parece deixar o pessoal confuso: na real, o que mais me atrapalha é que nos 3 teclados que uso (piano, synth e gaita) as teclas tem tamanhos diferentes. Sim, alguns milímetros de diferença nas teclas embaralham minha memória muscular e  incomodam mais do que saltar de instrumento de corda para instrumento de sopro para percussão para teclado.

(*)

Às vezes é mesmo mais difícil mudar pequenos detalhes e vencer pequenas distâncias do que fazer gestos grandiloquentes e dar grandes saltos, né? Mais fácil mudar de profissão do que mudar o modo de encarar a profissão. Mais fácil ir morar em outro continente do que ir dormir no quarto ao lado.

(*)

Bah 1: Narcisismo das pequenas diferenças é um conceito usado por Freud. Se entendi bem, se refere a situações em que o pouco que há de diferente (entre duas pessoas, duas cidades, países) se sobrepõe ao muito que há em comum. 

Ouvi a expressão em dois momentos bem distintos: numa palestra sobre a II Guerra Mundial (que abordava a rivalidade entre nações vizinhas, culturalmente próximas) e num papo com um amigo que achava seus primos chatos e suas primas pouco atraentes (ah, a distância entre parentes próximos...).

Freud, como todo grande poeta, sempre dá pano pra manga. Seja na sala de aula ou na mesa do bar.


Bah 2: Narciso é aquele que (segundo Caetano Veloso na letra de Sampa) acha feio o que não é espelho.


Bah 3: Tentando descobrir mais sobre o tal narcisismo das pequenas diferenças no amansa-burro digital, tropecei numa parábola de Schopenhauer:
Em um gelado dia de inverno, os membros da sociedade de porcos-espinhos se juntaram para obter calor e não morrer de frio. Mas logo sentiram os espinhos dos outros e tiveram de tomar distância. Quando a necessidade de aquecerem-se os fez voltarem a juntar-se, se repetiu aquele segundo mal, e assim se viram levados e trazidos entre ambas as desgraças, até que encontraram um distanciamento moderado que lhes permitia passar o melhor possível.
um abraço e um convite:
quinta, 22h
twitcam MINUANO
seja bem-vindo
seja bem-vinda
09out2012

114 comentários:

  1. Aqui... Diretamente do Cariri. Vamos ler! Super abraço!

    ResponderExcluir
  2. Sempre ótimos os textos ! (:

    ResponderExcluir
  3. sem palavras!
    como sempre, Otimo texto! vc é PHODAA!

    ResponderExcluir
  4. Li certa vez... que um mal estar inicial com alguém impede uma aproximação posterior, impede que se conheça as qualidades e semelhanças no outro... variações sobre um mesmo tema...

    ABRAÇOOOOOOSSSS
    Lindo texto!!!

    ResponderExcluir
  5. Melhor melhor do mundo em tudo q faz...

    ResponderExcluir
  6. Sou seu fã Gessinger, você é genial, meu nome é Paulo César Desidério Costa, tenho 16 anos e escrevo poesias, me responda por favor!

    ResponderExcluir
  7. Ou seja, As coisas mudam de nome, mas continuam sendo partidos políticos...
    Farinhas do mesmo saco.
    Mais um excelente texto
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Parafraseando...

    Humberto, como todo grande poeta, sempre dá pano pra manga. Seja na sala de aula ou na mesa do bar.

    Pelo menos, comigo já foi assim.

    Abraço

    ResponderExcluir
  9. Como sempre o HG nos ensina de uma forma tão simples..

    ResponderExcluir
  10. Bah, Humberto... é verdade.
    É sempre "mais fácil" mudar drasticamente, do que tentar melhorar o que é mais simples. Nós complicamos demais as coisas... Infelizmente é assim que acontece. São os nossos problemas do dia-a-dia, nossas relações. Tudo tomando grandes e devastadoras proporções.

    Foi ótimo ler o texto. Vou dormir refletindo muito a respeito disso.

    Compartilho aqui contigo e com os De Fé, uma frase que li minutinhos antes de atualizar aqui:

    "O saber a gente aprende com os mestres e os livros. A sabedoria, se aprende é com a vida e com os humildes."

    Cora Coralina

    Uma ótima semana e twitcam pra todos nós! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aqui está ela... dizendo coisas tão lindas quanto seu sorriso. :)

      Excluir
    2. kkkk poxa, Anônimo! Te apresenta!

      Excluir
    3. Não faria diferença. De qualquer maneira eu seria anônimo...rsrs

      Excluir
    4. Como preferir, então! ;)

      Excluir
    5. Esse anônimo é anônima
      se quiseres um anônimo hétero
      estarei aqui.

      Excluir
    6. AGORA A PORRA FICOU SÉRIA!
      ANDERSON MAYA.

      Excluir
    7. E ai esta a musa blogessinger, linda e radiante, (deveria escrever algo mais?)

      Excluir
  11. Narciso caetanesco é mais legal do que o Narciso narcísico.
    E achava que alguns milímetros pequenos (pra dar um apelido legal qualquer ao mícron) de diferença nas cordas de violões faziam culpados os meus dedos. Hoje sei que a culpa é da memória muscular. Na sala de aula eu não sei, mas em mesas de bares esses mícrons adquirem a capacidade de tornarem-se alguns centímetros.

    ResponderExcluir
  12. Quem seria o gremista sem o colorado?

    saudações de BH

    ResponderExcluir
  13. Porque será que a gente cruza o rio atrás de água
    e diz que não está nem aí?

    ResponderExcluir
  14. E pra quem quiser saber mais sobre o "narcisismo das pequenas diferenças" e a intolerância:

    http://www.scielo.br/pdf/pc/v19n1/05.pdf

    ResponderExcluir
  15. Excelente texto e percepção em conectar tudo. Mesmo o que parece desconexo.
    Falta no mundo,tanta congnitividade...
    Parabéns!
    Sou admiradora de suas palavras.
    E cada dia mais.

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Quem já imaginou no próximo DVD dos engenheiros a música Hora do Mergulho, com um tanto de criança da orquestra PoA PopS...?


    Meu sonho

    ResponderExcluir
  18. ps1: "A diferença é o que temos em comum".

    ps2: Entre o guardanapo de boteco e a caneta do garçom sempre há uns goles de filosofia.

    ps3: Não faço a menor idéia do que significa "PS".

    Obrigada pelo texto.
    E pelos refrões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a forma abreviada de postscriptum que significa "escrever depois". A não ser que teu ps seja só teu, com significado especial ;)

      Excluir
    2. Ah! Muito obrigada por me esclarecer isso! Vejo que o tenho utilizado de maneira errada, já que "escrevi depois" de nenhuma citação minha. Era melhor ter usado "Bah", "Obs", e gráficos (ou não).

      Excluir
    3. hehe na minha opinião, na hora de expressar o sentimento... vale tudo! =)

      Excluir
    4. essa segunda frase ai é do HG Sarah???

      Excluir
  19. vlw gessinger quinta 22 ^^ estarei láa..

    ResponderExcluir
  20. Grande Humberto, tenho sempre de lhe dizer isso, você arrasa meu bem! Ótimo texto como sempre, só um pouco complexo pra mim. Sou burra rsrsrs, pra entender leio diversas vezes, um prazer enorme estar aqui todas as terças e saborear toda a experiência que você passa pra nós.

    Quinta-Feira... Tamo junto. Nem tão perto que eu possa acreditar que o dia tá chegando! (= Tomara que meus trabalhos, meus livros, o colégio e minha internet me deixem assistir né. =) Até lá. Valeu Humberto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma vez o mestre disse:
      Burro?! Somos 2 (3 comg. =D).

      Excluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. primeiramente,obrigada pelo convite..com certeza estarei lá,ainda que nao tivesse finalizado com o mesmo,lá estaria eu de penetra..obrigada também pelo texto de hoje..e realmente está mais fácil eu mudar para outro continente, do que ir dormir no meu quarto,como pode não?são sintomas de ter apenas a televisão sobre o mesmo cômodo,sobre o mesmo apartamento que você
    um grande abraço Humberto,até quinta, e até dia 15 de novembro,espero de fé ;D

    ResponderExcluir
  23. Não sei se cheguei onde você queria chegar, ou que chegássemos???(não precisamos saber pra onde vamos, só precisamos ir) mas eu penso que esse NPD (narcisismo das pequenas diferenças)se aplica também às implicâncias que insistimos em ter com pessoas próximas (familiares) enquanto que com pessoas distantes acaba não rolando...
    Muitas vezes criticamos aqueles que amamos por que vemos neles os nossos erros passados... ou porque é mais fácil ser tolerante que com quem esta mais longe...

    HG, muito bom esta semana!

    OBS. Quando confirmar, posta, por favor, a data do Show do PV em Campo Mourão PR... (Estamos com receio de comprar o convite antes de estar no site.)

    ResponderExcluir
  24. "Às vezes é mesmo mais difícil mudar pequenos detalhes e vencer pequenas distâncias do que fazer gestos grandiloquentes e dar grandes saltos, né?"

    Quando nos submetemos a dar grandes soltos, estamos trocando um pequeno incomodo que dura para sempre por um grande incomodo que um dia acaba? Talvez essa seja a ideia, ou talvez seja só o medo de tudo ficar ainda pior.

    Política? Tudo que eu tenho a falar sobre isso está guardado em uma caixinha junto com religião e futebol.

    Abraço Humberto.
    Até semana que vem ;)


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é quando você opta por dar um grande salto e a ao invés do incomodo passar ele só aumenta.

      Excluir
    2. Acho que discutir isoladamente essa tríade (Política, Religião e Futebol) nos faz refletir, analisar nossos conceitos e firmar nossos posicionamentos... Ignorar nos mantem no mesmo lugar...

      Excluir
    3. A questão não é ignorar, mas evitar certas discussões que geralmente não levam a nada. Não fujo de dar meu posicionamento por não ter um, mas por muitas vezes me condenarem por minha opinião (principalmente em religião). Mas é claro, quando duas mentes abertas estão dispostas a uma discussão saudável e sem querer impor seu ponto de vista, nos faz refletir, analisar nossos conceitos e firmar nossos posicionamentos.

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    5. Sobre os três temas... "...tenho muito mais dúvidas que certezas..." sempre paro nas perguntas sem resposta...
      estava conversando sobre o simples de coração hoje mesmo, e travei no acaso e no destino... os deuses... tão distantes, tão próximos... e concerteza... só aumentaram as perguntas...

      Excluir
  25. "Às vezes é mesmo mais difícil mudar pequenos detalhes e vencer pequenas distâncias do que fazer gestos grandiloquentes e dar grandes saltos." Adorei! Já tentei mudar pequenos detalhes e consegui, já tentei o mesmo e não consegui... Tb já tentei fazer grandes gestos e dar grandes saltos, mas não consegui. O fato é que a gente nunca consegue, seja uma coisa ou outra, se não tentar com a verdade estampada na cara e no coração. A vontade tem que vir de verdade... sempre...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Por mais que a gente cresça.. há sempre alguma coisa que a gente não consegue fazer", como ja dizia nosso Poeta.

      Bjos

      =)

      Excluir
  26. Achei interessante seu post. Essa questão dos milímetros de diferença nos instrumentos,me fez lembrar de uma dificuldade que tenho em relação a braços de violões clássicos e violões folk. Sempre sofro com os braços dos "classicos". Mais largos e tals. A desenvoltura diminue levando a uma impressão de que se está desaprendendo (perdendo a prática). E isso é aterrorizante!

    ResponderExcluir
  27. É por isso que as bandas acabam tão rápido!

    ResponderExcluir
  28. "... eu tenho fé na força do silêncioooo....." encurta distâncias, qdo verdadeiro!!!!!!!

    ResponderExcluir
  29. Rapaz... Um dos melhores* textos que já li por aqui.

    *Melhores: um dos que mais despertaram minha admiração a certa temperatura e pressão ;)

    Abraços,

    PS: pra quem está à procura de outros textos pela madrugada: http://bloghugoalencar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  30. Oi Humberto...gostei muito!
    Aliás quero dizer que sou seu fan desde mais ou menos 1987 quando comecei a ouvir os Engenheiros... em função de vocês e de outras bandas e artistas me tornei músico profissional.
    Sou gaúcho e resido em Floripa há 9 anos.
    Um grande abraço e to sempre ligado no que você faz...parabéns!

    ResponderExcluir


  31. Porque será? me diz? porque será?
    Que a gente cruza o rio atrás de água
    E diz que não está nem aí, e diz que não está nem ai!!!!!!!
    É como diz essa letra, 10000 destinos é uma das poucas ´composições que mistura essa idéia de "ir" de "vir" de não fazer sentido, de caminhar na contra-mão, de se estudar um outro idioma de se conhecer mais pessoas, de planejar, de inventar se reinventar afinal são 10000 destinos, qual deles escolher, voce escolhe!! Fico imaginando EUCLIDES á 3000 anos AC inventando os números e se divertindo com eles em pequenas operações matemática, o que seria se ele tivesse conhecido a internet? com acesso ilimitado download, upload e toda essa parafernália tecnológica que nos acompanha e nos faz tão bem. ""Mais fácil ir morar em outro continente do que ir dormir no quarto ao lado"" foi a frase do dia, mais não faria sentido no BRASIL COLONIAL onde os escravos atravessavam o continente para serem explorado pelos senhores feudais, Bem, são 10000 destinos mesmo; um à cada esquina!
    VALEU PELO POST GESSINGER MUITO BEM ESCRITO!!
    duherreira sjrp sp LoUcO dE SaTiSfAçÃo


    ResponderExcluir
  32. Gostei da citação do Schopenhauer.
    Na minha opinião deveria ter sido o inventor do Chopp. Pelo menos faria sentido.

    Gostaria de aproveitar essa ilusória possibilidade de contato com o senhor, para te responder uma de suas inquietudes, vista do lado de cá, de um fã.

    Já que tu andas contando segredos, ou como tu mesmo diz, tiro no pé, merece uma.

    o Anonimato na internet, e também, nesse querido blog.

    Falo por mim, talvez por mais alguém, sei lah...

    Não é por vergonha.
    Não é por medo.
    Não é por "caprixo".
    Não é por mistério.
    Não é por ignorância virtual.

    As vezes eu comento, e assino, as vezes não.

    No fundo, profundo e abissal, ninguém que escreve aqui acredita realmente que tu leias todos os comentários...

    E mesmo que por ventura, ou regra traída, leia, não irá responder. Sabemos de sua política, ou que seja, princípio de dialogar com fã e bla bla bla!

    Tu estás certo! Entre a multidão existem anjos e assassinos. Todos, no anonimato. Ninguém é igual à ninguém. E todos são iguais e desiguais!

    Com um comentário anonimo, a esperança de que o senhor gessinger leia... deixa de existir... resposta então? pufff...

    entendeu cara pálida?

    mas não ache que queremos resposta... Não queremos!

    Pelo menos eu...

    Cansei de ver show seu em teatro e no final receber um convite querido vindo de ti para visitar o camarim, tirar fotos e blablabla...

    nunca fui, nunca irei!

    Tento sentar no melhor lugar, não grito junto com os sem sentido, que pagam ingresso pra gritar tão alto que fica impossivel escutar alguma coisa...

    ouço, deixo minhas lágrimas acalentar minhas janelas da alma e vou embora feliz.

    quero assim...

    vc aí

    eu aqui

    se eu te conhecer... vc perde um fã e eu perco um idolo

    uma ferrari não deve ser o carrão que a gente imagina

    não que seja uma porcaria...

    mas expectativa é perfeita
    realidade...

    tu sabes

    entre vocês

    entre tús...


    entre nós...



    ser um anonimo não é algo negativo.
    Pense comigo...

    Alguém diz o que quer dizer e não quer colher louros disso.
    Quer somente expressar o que sente pra ti.
    É mais sincero, sem pedantismo...

    Tem mais valor, e não tem valor nenhum...

    afinal de contar;

    Estamos sempre escrevendo cartas pra amores secretos...
    Que nunca iremos mandar;;;

    Melhor mandar sem que ninguém saiba!


    um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boto fé! posto aqui tb com um codinome, mas essa aí de receber um convite pra conhecer o camarim nunca recebi! com certeza eu iria, pq meu sonho é conhecer Humberto de pertinho! me chama Humberto???

      Excluir
    2. Como é q vc recebe um convite do Humberto se nem ao menos tenta chegar perto dele???? ME ENSINA ESSA??? hehehe,

      Eu ja tentei tanto e o máximo que eu consegui foi pegar no braço dele e pedir uma foto (no final de um show), mas meu pedido foi negado com um " Tchau muito obrigado".

      =)

      Excluir
  33. escreva um livro nos ensinando tocar suas musicas?

    cada cifra.com diz uma coisa...

    e assistindo tu tocando a gente percebe que ta tudo errado...

    centenas de cordas de violão agradeceriam uma ajuda nesse sentido...

    ResponderExcluir
  34. Com a relação politica x religião prefiro não me aprofundar muito, talvez isso me torne ignorante... Mas como no Brasil, até que não sabe ler é tão importante, eu espero um dia ser alguém na vida ;). Quanto a parte que me aprofundei, belo texto Humberto.:D

    ResponderExcluir
  35. ...talvez seja por isso que, quando sugiro aos alunos que revejam alguns detalhes das suas idéias no texto, eles prefiram rasgar a folha e iniciar outro ... Rs... Parabéns Humberto... Só me deu uma sensação estranha pensar que, se eu tivesse lido este mesmo texto um ano atras, talvez tivesse tomado uma decisão diferente em minha vida... Enfim, que eu siga meu caminho e que teus textos sejam lançados aos 4 ventos, sempre... Fica bem.

    ResponderExcluir
  36. po humberto gostaria de deixar a minha pequena visão do lado de dentro da vida:)

    mundo louco mundo!!! onde eles juram q a loucura está nos normais:)agora q nada faz sentido, e tudo é relativo, então não temos mais o q defender:)se o seu pensar é julgado como julgar. então a máscara e o rosto trocam de lugar:)no mundo onde quem não sabe finge saber:( não temos mais o q perder ou o q aprender:)se tudo já foi dito se a revolução é um pedaço de pal, se os bandidos estão no poder,se a ignorância é um ato de protesto. então quem sou eu pra falar? no mundo onde só se fala com os dedos, onde o papel vale mais do q o seu argumento, onde os fatos são trocados por suspeitas... é isso ai:)Política é um sonho! o nosso sonho é o mesmo há muito tempo mais não há mais muito tempo pra sonhar:(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...agora q nada faz sentido, e tudo é relativo, então não temos mais o q defender (...)onde os fatos são trocados por suspeitas...

      Gutemberg...
      Sim, onde tem sido mais importante impor e não expor ideias, onde é ensinado apenas competir e não cooperar, individualizar e não socializar... Vivemos um período de pessimismo antropológico, essa é a verdade.

      Legal teu comentário
      :)

      Excluir
  37. 1berto, adoro seus textos!!! cada semana um tema, cada semana uma reflexão.. de fato, concordo plenamente qdo diz: "Mais fácil ir morar em outro continente do que ir dormir no quarto ao lado." É mesmo muito fácil fugir dos problemas, a ter que enfrentá-los.
    Quanto ao convite... já está aceito e programado rs, quinta as 22h. Estarei lá!! AMO! abs

    ResponderExcluir
  38. Gessinger, estava ouvindo a versão de Piano Bar da Twittcam de Junho, na qual você canta "Renato Russo me dava razão" e então pensei: poxa, você poderia dar um big big big presente para a gente. Quem sabe, que sabe um dia você não faria uma twittcam só com canções da Legião Urbana. Cara, seria demais, demais mesmo.

    A arte precisa ser propagada, você sabe melhor do que ninguém, e obras como as de Engenheiros e Legião precisam estar na cabeça desses jovens para, quem sabe, tornar esse mundo (ou pelo menos o Brasil) um pouquinho melhor.

    Quanto ao post,

    "Água e azeite, tão próximos e tão distantes".
    "Amor e ódio, tão próximos e tão distantes".
    "Bem e mal, tão próximos e tão distantes".

    A dualidade é um mal necessário ao ser humano. É o que faz surgir a dúvida, uma vez que "a dúvida é o preço da pureza".



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Paulo Roberto...

      Outra colocação interessante...
      TUDO e TODOS no universo contêm em si a dualidade que nutre e tempera, conferindo sabedoria e equilíbrio.
      Sem morte não haveria a vida...
      Sem as trevas não haveria a luz...

      Mas não esquecer que na natureza primordial, não existe separatividade. Aliás, separação é uma aberração para o universo. É o que conduz os homens aos vários ismos: capitalismo, comunismo, terrorismo, anarquismo.

      Na natureza, no cosmos, tudo Con-vive harmonicamente.
      Equilibradamente.

      :)

      Excluir
  39. Enfiiiim! ^^

    Já tem um tempo que acompanho coisas intrigantes, mas texto interessante do início ao fim como este, tinha um tempo que não lia. Obrigado!

    Oxente: Já que fizeram do blog um ponto de encontro... Dani, o problema do Anônimo em não qrer aparecer pode ser no espelho(Sindrome boba do patinho feio, mas isto passa. rs..) ou o mais provável timidez, pois na cabeça não é, ele foi brilhante na oportunidade(acho que ele merece tua curiosidade) e uma coisa é certa, o marketing de seu anonimato está funcionando. =P

    ResponderExcluir
  40. Ai galera, não sei nem se pode fazer isso aqui, mas se não puder depois alguém apaga.
    Upei algumas twittcans com as faixas separadas. Pra quem gosta:

    A Revolta dos Dândis
    http://www.4shared.com/zip/l-6R9UDn/Twittcam_-_Humberto_Gessinger_.html?

    Dançando no Campo Minado
    http://www.4shared.com/zip/U_OzUmPP/Twittcam_-_Humberto_Gessinger_.html?

    Surfando Karmas & DNA
    http://www.4shared.com/zip/UXbciwda/Twittcam_-_Humberto_Gessinger_.html?

    *Lembrando que tem que estar logado no 4shared para baixar

    ResponderExcluir
  41. Genial a arte de Humberto. Crítica inteligente, mundo real, razão e sentimento. Uma raridade, um artista completo, imortal...

    ResponderExcluir
  42. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  43. olá Humberto

    Tempos atrás disse em algum comentário em uma postagem mais antiga que tinha comprado seu livro autografado com uma caneta prata que saia facilmente ...
    Comprei novamente (Nas Entrelinhas...) e ..Putz veio com uma caneta preta e na janelinha (dentro do livro) fiquei imaginando... será que ele leu minha sofrida mensagem e mudou a caneta? Será que foi pura coincidência? Ou simplesmente acabou a caneta ou não estava ao alcance na hora? Ou realmente leu minha mensagem ...? Será?

    VOLTEI NOVAMENTE A SER CRIANÇA DEPOIS DISSO!

    Amei Humberto..... OBRIGADA! =)

    ResponderExcluir
  44. Interessante esse texto. É como estarmos diante de um mar ou de um rio... os dois são água... a água do rio, dá pra beber. Se ficarmos perdidos e bebermos a água do mar, ironicamente morremos desidratados. Os dois são feitos de água, mas as pequenas diferenças do que está dissolvido nela é que determinam se podemos matar a sede ou morrer dela.
    Por vezes já vivi situações em que parecia estar diante da água do rio... e me jogar sem medo. Então, como num sonho em que o cenário muda de repente, tudo mudou e eu estava diante do mar... e morrendo de sede.
    Bem difícil essa coisa de viver...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Por vezes já vivi situações em que parecia estar diante da água do rio... e me jogar sem medo. Então, como num sonho em que o cenário muda de repente, tudo mudou e eu estava diante do mar... e morrendo de sede."

      Emeline...
      Uma das reflexões mais geniais que já li.
      Todos, TODOS, sem exceção cobram a imutabilidade e incondicionalidade do mar, mas do que adiantará chegarmos lá, se for para morrer de sede? Morrer na praia?

      Grande colocação Guria.
      :)

      Excluir
  45. passei pelos dois momentos...o de mudar drasticamente e o de melhorar.....nos dois me sai bem....a luta do dia a dia é manter-se bem...belo texto...até quinta!!!

    ResponderExcluir
  46. sempre bem vindo ;) até quinta Humberto!!

    ResponderExcluir
  47. Mais uma vez estout aqui me enriquecendo um pouquinho com os textos do meu querido HG. Evelin Cyrillo de Sao Jose dos Campos

    ResponderExcluir
  48. Eai Humberto... Quando vai aparecer em Pelotas novamente??? Vocês (tu, banda e Duca) são muito queridos aqui... abração!!!

    Cássio, Colorado, mas Engenheiro do Hawaii hehehe

    ResponderExcluir
  49. Oi Gessinger, achar a distância, vencer pequenas barreiras. Isso é verdade enquanto eu queimava meus barcos e meu mundo ela não conseguiu dar um passo. Mas o legal é ainda ama-la por entender, que o que ela deixou comigo foi muito maior ainda que não físico. To precisando tanto dela, queria ouvir o som da risada dela, o geito que ela andava, o que mais me faz falta são os detalhes que só eu via por estar perto, quase dentro... to precisando meuito dela... Quanto a Schopenhauer vc tem que ver a metafísica do amor, fantástico, minha mono foi em Sshopenhauer... No mais obrigado por mais um texto e diz a ela que eu a amo... mais de acordo com Schopenhauer "o amor é uma ilusão para justificar o instinto de reprodução" mas ainda assim a amo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Schopenhauer "o amor é uma ilusão para justificar o instinto de reprodução"

      É Jairo Monteiro...
      Schopenhauer, conhecido por seu pessimismo mais que negro, deve ter tido as próprias razões emocionais quando escreveu isso.
      A linguagem do amor está além dos limites da sexualidade, dos interesses próprios, e da expectativa do retorno...

      Quem se habilita a transitar pela ilógica avenida do amor?

      Coragem rapaz, coragem
      :)

      Excluir
    2. ...Estou aqui, e dentro de vc!
      E onde mais poderia estar...?

      Excluir
    3. É Cila sem perceber vc acabou concordando com ele, o amor em Schopenhauer tbm é ilógico, pq é instinto não cabe na razão. E como todo instinto, as finalidades são voltadas para a espécie e não para o indivíduo, por isso a finalidade última do amor seria justa a procriação. Mas deixando Schopenhauer de lado Cila, a moça em questão tbm me ama por isso ela foge desesperada pq ela não gosta de perder o controle,(como se fosse possível saltar no abismo com os pés no chão). Ela é essa moça aí em baixo ou aqui em cima, aí nos comentários, estamos juntos e separados ao esmo tempo, pelo mesmo sentimento, isso me faz lembrar o texto do Gessinger que fala de ironia. Obrigado pelo apoio Cila e já que vc tá na conversa, por favor, tbm diz a ela que eu a amo.

      Excluir
    4. Hahahahahaha

      Pensa comigo Jairo, o instinto busca apenas o gozo dos sentidos, ele é categórico no que quer: "onde está a comida?, onde está o abrigo?, onde está a fêmea?, onde está o sexo?". O instinto é categórico nas próprias necessidades, e confesso que não vejo nada de ilógico nisso. Concordo com Shopenhauer em dizer que sexo é para procriação, mas não que o amor se enquadre simplesmente para esse fim, porque senão, o que seria dos homossexuais, dos hedonistas, da relação entre pais e filhos, não é mesmo...

      Agora, pega uma pessoa capaz de amar, o objeto do seu afeto o ignorando, as vezes tratando com rispidez descarada esse ser, e a pessoa ali, firme, aguentando tudo porque está "padecendo" desse tal amor (independente de o estar gozando ou não)... Tu não achas isso muito mais ilógico que o explicável gozar dos sentidos/instintos?

      Bem, deixando de lado mesmo o Schopenhauer...

      Explicação interessante a tua sobre a moça em questão... Já pensastes em mandar flores para ela? Cortejá-la (palavra antiga né), mimá-la, paparicá-la, cercá-la de atenção e sentimentos variados...

      Dê asas à ela primeiro, depois sim, a convide para voar...

      Boa sorte Jairo.
      :)


      Excluir
    5. Bem a metafísica do amor (é o título do livro do Schopenhauer) e essa moça aí da foto, eu precisaria de uma viagem de trem ou de navio pra te explicar, mas se puder ter a liberdade de te indicar uma leitura, te indico o livro em questão, é interessante porque todos esses pontos que vc levantou são os que justamente Schopenhauer usa para sustentar a teoria (ele só não aprofunda o caso da pederastia). Não to dizendo que concordo com ele, mas tbm não to dizendo que não concordo, acho que tudo é sempre mais complexo do que sim e não. Quanto a moça dei bem mais do que flores e dei bem menos do que asas, na verdade nossa história é bem sucedida pq acabou, como eu falei é bem mais complicado do que sim e não... Ou como diria Gessinger eu não sei a resposta... Como disse no começo em uma viagem de trem ou de navio te explico. Obrigado pelos conselhos...

      Excluir
    6. Sim Jairo...
      Pode ter certeza que aceito a dica da leitura.
      Pra começar é Schopenhauer...
      Eu quem agradeço.

      Creio que esse "Metafísica do Amor" case bem com o do polonês Zigmunt Bauman, "Amor Líquido - sobre a fragilidade dos laços humanos"... Recomendo-te este, do sociólogo que escancarou os relacionamentos da nossa sociedade atual, agora, tecnológica no relacionar-se.

      E entendo-te.
      Concordo quando dizes que as coisas são bem mais complexas que um simples sim ou não. Ainda mais quando entra em questão laços afetivos. Estes dias estava eu lendo uma entrevista, dessas sem relevância por conta do pseudo "fim do mundo", e fiquei chocada com o quanto a explicação dos planetas no universo, enquadrava-se nas relações humanas...

      Veja:
      "Digamos que a dança seja os movimentos dos corpos celestes sobre o tecido da malha eletromagnética do universo e esses movimentos são harmônicos, seguem um padrão, irão sempre se repetir na sua maioria, mas não são 100 por cento precisos. Suas órbitas sofrem oscilações, sua velocidade também se altera conforme a aproximação de outro corpo. No entanto, como esses movimentos são cíclicos, sempre irão sofrer alterações quando passar próximo a um corpo maior que ele devido a seu campo eletromagnético. Ele pode entrar em choque ou sofrer atração e repulsão e isso provoca algumas mudanças geográficas nos corpos físicos." (Urandir Oliveira)

      Agora faz assim, emoldura essa explicação no seu caso particular... ou nas relações em geral, whatever... É muito mais que aquela coisa de mulheres são de Vênus e homens são de Marte... vai muito mais além disso...
      Deveras transformador nos paradigmas.

      "na verdade nossa história é bem sucedida pq acabou". Desculpe Jairo, mas fui obrigada a sorrir muito com a genialidade dessa colocação.

      Thoreau também deduziu:
      Dois planetas que se atraem mutuamente, sendo ao mesmo tempo atraídos pelo sol, preservam seu equilíbrio e harmonia.

      Sim, de uma distância propícia, porque senão, colidem e explodem tudo.

      Talvez não tenha acabado, só há um campo eletromagnético de atração indescritível, tentando manter-se sem colisões.

      Obrigada eu pelos insights
      :)

      Excluir
  50. Quando você irá fazer um show em São Luís cara???
    O seu som seria muito bom em nossa cidade. ^^

    ResponderExcluir
  51. Às vezes é mesmo mais difícil mudar pequenos detalhes e vencer pequenas distâncias do que fazer gestos grandiloquentes e dar grandes saltos, né? Mais fácil mudar de profissão do que mudar o modo de encarar a profissão. Mais fácil ir morar em outro continente do que ir dormir no quarto ao lado.

    Sim, p quem esteve prestes a terminar um relacionamento isso se encaixa como uma luva. Não quero de forma alguma dizer q suas palavras são de romantismo, mas se resume a mtas situações da vida.
    Obrigada por nos enriquecer com sua cultura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo

      Con-vivência tem tudo a ver com relações, não importa de que grau ou laços.

      Tudo resume-se a pensar que na escassez, quando qualquer diálogo transforma-se em violência, e tudo o que se vê é apenas um ambiente árido, ninguém fala de amor ou de sentimentos mais nobres da existência, como tolerância, paciência.
      Nosso amor é meio que circunstancial e restrito, tão restrito, que as vezes não sobra energia nem para amar a nós mesmos, con-viver com nós mesmos, piorou com o outro...

      É, nós apegamos mais as diferenças, que as afinidades...
      Isso acaba dinamitando relações.
      Romântica ou não.

      Boa sorte.
      :)

      Excluir
  52. Semelhantes, ou parecidos? O que difere? Depende do ponto de vista...
    Adorei a reflexão ;-)

    Abraço. Até quinta ;-)

    ResponderExcluir
  53. O melhor texto de todos já publicados neste blog. Humberto, muito bom! Parabéns.

    ResponderExcluir

  54. semelhança ou paradoxo???? políticos e rede globo? novela e alienação!!! Na hora que li isso, realmente fiquei chocada: O ex-presidente comparando a baixaria do mensalão com a baixaria da televisão!!! A cultura tem passado longe, em todas as classes sociais!

    http://www.sensacionalista.com.br/2012/10/09/lula-entendo-o-tufao-eu-tambem-nao-sabia-do-mensalao/

    Brasil,sil,sil!!! ¬¬

    Abraçãozão 1berto!

    ResponderExcluir
  55. Quando você (acha que)conhece tudo sobre determinado assunto, gera coisas ilógicas como torcidas do mesmo time e fãs da mesma banda brigando entre si.

    Não sabemos nada. Podemos ser experts em matemática e não sabermos levantar um muro, como aquele pedreiro, que mal sabe escrever o nome.

    Talvez, esse seja o sentido da vida. Vai saber.

    Saudações.

    ResponderExcluir
  56. Bem Sir Gessinger...

    Primeiro um filmezinho, inspirado no Livro The Ramayama, que fala do tal Amor Incondicional...
    (De uma forma divertidíssima)

    http://www.youtube.com/watch?v=fyZ_jGZV-g0

    Porque o assunto é Con-viver.
    Quem, sem qualquer inibição, está pronto para uma con-vivência íntima, aberta, espontânea, ainda que marcada por erros e dificuldades?

    O que é melhor: manter um moralismo superficial e maquiar comportamentos, ou expor-se (sentimentos e pensamentos), ainda que imaturos e saturados de erros?

    O acúleo, tanto na rosa, quanto no porco-espinho, não é arma de guerra, é apenas defesa natural de uma fragilidade, contra mãos que "por um acaso", ainda não saibam medir a força bruta que tem...

    Os espinhos não atacam, somos nós mesmos que nos ferimos neles... por pressa, distração, egoísmo, orgulho, vaidade, egocentrismo, possessividade... A lista é infinda quando se trata de nossas mazelas humanas...

    Sim, somos ótimos para julgar e apontar com o dedo as falhas dos outros, mas péssimos para ouvir e acolher.
    Penetrar no mundo do outro, nos exige saber ouvir, ter sensibilidade, perceber aquilo que as palavras não dizem, escutar muitas vezes o silêncio em torno...

    Põe essa incapacidade num casamento, e logo, dois que dormem numa mesma cama, respiram o mesmo ar, dividem a mesma rotina, serão dois estranhos que PENSAM que se conhecem...

    E como tu te farás conhecido se não der-se a conhecer?
    Ou se não aguenta ouvir uma crítica do outro tão bem quanto acolhe o elogio?
    Ou se não aceita os percalços naturais da con-vivência, só a hora do gôzo?

    Quantas vezes, com nossa intolerância, nós mesmos empurramos o outro a fazer gestos grandiloquentes e dar grandes saltos, né? Do que mudar pequenos detalhes JUNTOS, porque alguém escolhe fechar-se no próprio mundinho, ficar fora de cena quando mais se precisa de apoio...

    A maturidade de uma pessoa não é mesmo medida pela cultura e eloquência que possui, mas pela paciência e presença que transborda quando o caos se instala, ou o chão começa a ruir embaixo pés...

    Sério, não é a quantidade de estímulos estressantes que nos faz sofrer nesse con-vívio, mas a qualidade deles.

    Sabes, é menos traumático viver com mil animais, do que com um único ser humano. Mas, apesar de a convivência social ser uma fonte de estresse, e as pessoas nos decepcionarem com frequência, o que esperamos e mais respeitamos, é o humano capaz de num derradeiro ou confuso momento, ser intrépido a ponto de ficar ao nosso lado.
    Estando nós certos ou não.

    Meu Olá
    :)


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, desculpe o tamanho...

      Mas sabes, é fácil ser forte perto de uma pessoa forte, é fácil se doar para quem não está precisando, mas é extremamente difícil estar ao lado de uma pessoa frágil.

      Ver quem amamos, ou respeitamos, ou que prazerosamente con-vivemos, tendo vergonha e fugindo de medo como frágeis meninos, é uma cena bem difícil de suportar...

      Se por experiência sabemos que o comportamento humano muda diante dos estímulos estressantes, e que o discurso é incompatível com a prática, por que ainda insistimos em enrijecer, acusar, julgar ao invés de nos abrir?

      Tão próximos, e tão distantes...

      Outro Olá
      ;)

      Excluir
  57. Em Serra Talhada ou em Recife, a leitura mais bem vinda da semana!

    ResponderExcluir
  58. Cara... Me amarrei na citação/comparação do período em que falar sobre política tinha que ser, de alguma maneira, de forma disfarçada. Acredite, Humberto: Me filiei ao PCB - o velho/novo Partidão - aos 16 anos, após ter descoberto por meio de um dos trechos de "Os Guardas da Fronteira", do meu glorioso LP "A Revolta dos Dândis", de 1987. A sua citação de Sartre me forçou ir em busca desse cara. Me apaixonei pelo Existencialismo e pronto... Sigo firme até hoje. Já pude te dizer isso pessoalmente, mas me deu vontade de compartilhar este sentimento aqui. Sou um jornalista de Caruaru que te entrevistou em um telejornal local, quando da tua vinda com o PV, aqui pra cidade. Me chamo Almir e até trouxe o meu exemplar de "A Idade da Razão" pra que você autografasse - já que Sartre 'existe' em nós. Abraços pernambucanos pra você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. "A Revolta dos Dândis" é meu disco preferido! Não sei se o concebi assim por ter sido lançado no ano do meu nascimento, mas sei que adoro ouvir "Guardas da Fronteira" e "Desde aquele dia", além dos clássicos "Refrão de Bolero", "Terra de Gigantes", "Infinta Highway" e "A Revolta dos Dândis I".

      Excluir
  59. é aquela história da não atração dos iguais ou da atração dos diferentes. acho que entra em jogo egos vaidosos e a história tb do "semelhante" cristão, que na verdade é diferente.

    bjs

    ResponderExcluir
  60. Esses comentários estão quase, tão bacanas quanto o texto! Acredito que quando pensamos que é mais fácil morar no outro continente do que no quarto ao lado é justamente, por que o quarto ao lado já não nos toca mais e o continente acaba sendo a solução para preservar o bacana de todas as coisas em comum que guardamos na memória! O continente, por ser novo e desconhecido, não tem passado, memórias e mágoas...e é isso que torna o quarto ao lado...quase...intransponível! bjo grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por aí mesmo. Me espanta a quantidade de casamentos desfeitos pelo meus amigos. Parece mais fácil terminar um relacionamento, do que procurar entender e corrigir os (próprios)erros. A pessoa vive uma busca eterna pela felicidade, que esteve sempre ao lado dela.

      Excluir
    2. Oi Emerson, temos sempre a idéia de casais, mas eu cito as relações em geral, entre irmãos, pais e filhos, amigos...casamentos, em função da compensação sexual, monetária, filhos, etc ...é deste tipo de relacionamento o mais fácil de ser consertado, muitos elos entre si. Relações que não possuem este tipo de compensação, é bem mais difícil e devastadora!

      Excluir
  61. Tens razão, Ana. Comentários sempre enriquecedores.

    ResponderExcluir
  62. Sou fãzaça tua! Ficam os questionamentos.. me diga, por que somos assim??
    Christiane (engenheira civil e do hawaii, torcedora do coxa - deve haver alguma coisa que ainda te emocione, e eu sei, aquele gol @$#%#$%$#%$%¨)
    Curitiba, PR

    ResponderExcluir
  63. Creio que às vezes o pouco que há de diferente aproxima mais do que o muito que há em comum ...

    ResponderExcluir
  64. Valeu HG ! Este é um dos 70 melhores textos deste blog !
    Que venha mais uma twitcam. Abraços.

    ResponderExcluir
  65. Caramba, conheci uma pessoa que te conhece dos tempos do longe demais das capitais! me contou sobre o teatro de lona que vc tocava e tudo! Muito massa!

    ResponderExcluir
  66. Gessinger, gostaria de te dar uma sugestão: Fazer uma Tweetcam das músicas exclusivas dos albuns ao vivo do EngHaw. É isso aí, valeu!

    ResponderExcluir
  67. Olá Humberto! Só queria dizer que tanto eu como meus grandes amigos que considero como irmãos! Estamos sempre se reunindo a mais de 20 anos. Pra jogar conversa fora rir do presente e lembra do passado. E claro escutar um bom som isso inclui suas músicas claro! agradeço.
    Wanderson Evangelista

    ResponderExcluir
  68. Curtam a página "Causas Perdidas"
    ...não procure um céu azul no mar vermelho. ouça o que eu digo: não ouça ninguem!

    http://www.facebook.com/pages/Causas-Perdidas/394370783968324

    ResponderExcluir
  69. Tenho uma certa empatia com a questão daquilo que se parece tanto a ponto de não ter nada a ver. Gêmeos, por exemplo, detestam comparações, sejam sobre as semelhanças, sejam sobre as diferenças.
    Se reparar bem, é como se fosse uma questão da física, de ressonância, pra ser mais preciso! Afinal, nunca fica legal colocar um C# onde deveria caberia um C, já um G pode resolver.

    ResponderExcluir
  70. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  71. "Freud, como todo grande poeta, sempre dá pano pra manga. Seja na sala de aula ou na mesa do bar."
    Humberto como sempre arrasa nos textos.

    ResponderExcluir
  72. Muito bom seus textos..
    Sempre dou uma passada aqui,não dá para deixar de leer.
    abraÇss

    ResponderExcluir