F(*)RMA E FUNÇÃ(*) - 63


aerodinâmica num tanque de guerra

A relação entre forma e função era um dos assuntos preferidos no bar da Escola de Arquitetura. Em meio a conversas sobre nossas colegas, música e futebol, rolavam altos devaneios sobre forma e função em projetos arquitetônicos e design.

Para os modernistas, a forma deveria refletir a função. Nada de decoração ou enfeite nas colunas ou fachadas. Tudo exposto, a racionalidade da estrutura fazia a beleza do prédio. Para os pós-modernistas, simular colunas gregas não era um pecado - na busca da beleza (ou do impacto) a função poderia ser um fardo a ser escondido. 

Confesso que eu balançava entre os conceitos, ora preferindo um, ora outro. Gostava muito do bule de café desenhado pelos alemães da Bauhaus, puramente funcional, sem frescura. Mas também gostava da minha chaleira pintada como se fosse uma galinha.

Um baixo Steinberger, com seu design espartano, ou o baixo em forma de garrafa de Jack Daniels do cara do Van Halen e o baixo em forma de machado do cara do Kiss me fascinavam da mesma forma. Ops, acho que exagerei. Baixo em forma de garrafa ou machado é demais pra mim.


Não sei como vocês se mantém informados sobre as novidades musicais. Eu não ouço rádio para este fim há décadas. Procuro as coisas que me interessam na www. Sobre o que está bombando no momento, eu me informo pelos vídeos que tocam na academia onde me exercito - o que me deixa sempre um ano atrasado em relação ao que é sucesso.

Semana passada, estava na esteira correndo e assistindo ao amistoso do Brasil contra a Suécia quando acabou a bateria do meu tocador de MP3. Tirei os fones e notei que, no outro monitor e nos autofalantes da sala, rolava um DVD com uns sambas muito agradáveis. Regravações da década de 70.

O pessoal da academia sempre coloca vídeos de artistas que desagradem ao menor número possível de clientes.  Mesmo que não agradem muito a ninguém.  É a lógica do musak e do papel de parede: passar batido; estar não estando. Mas aquele samba soava realmente agradável. Segui de olho no jogo e ouvindo o laialá-laiá.

Lá pelas tantas me surpreendi com os caras cantando Sunday Bloody Sunday do U2. E cantavam o domingo sangrento com uma radiante cara de felicidade! Sorrisos, dança e firulas no pandeiro e cavaquinho. Genuína alegria enquanto cantavam “and today the millions cry / we eat and drink while tomorrow they die”. Forma e conteúdo, cada um num planeta.

Fique claro que não vai na minha observação nenhum sentido de crítica. Eu sei: não sermos literais às vezes faz nossa beleza. Para mim, por exemplo, Era Um Garoto Que Como Eu Amava Os Beatles E Os Rolling Stones algumas vezes é uma música sobre um sonhador atropelado pela realidade da guerra. Mas quase sempre é uma canção que eu ouvia quando criança e que me fez pedir um violão para meus pais. Algumas vezes o refrão é uma rajada de metralhadora, outras vezes são sílabas boas de ritmar. Duas formas expressando o mesmo conteúdo. Acontece.

(*)

Em planetas muito distantes estão forma e conteúdo quando os times de futebol gritam o Pai Nosso antes dos jogos ou depois das vitórias, né? Num tom de voz guerreiro, em ritmo marcial, eles não parecem estar pedindo que sejam perdoadas suas ofensas e que venha a eles o reino dos céus: parecem estar ordenando isso! Deus deve morrer de rir quando ouve (sim, acredito em um Deus com senso de humor).

(*)

Teólogos designados pelo Vaticano para estudar o caso estabeleceram que tablets não podem substituir a Bíblia e o Missal na liturgia. Argumentaram que é preciso preservar o ritual, que não faz sentido passar incenso ou carregar em procissões um objeto que pode servir para acessar coisas impuras, que a bateria do troço pode acabar no meio da cerimônia ...

Eu mesmo acho estranho gravar discos no mesmo equipamento que se usa para escrever livros, ler fofocas, pagar contas, ver videos, brincar de soldado e de piloto de F1.

(*)

Talvez eu devesse escrever sobre forma e função noutra hora, com mais calma. Assunto tão vasto e interessante... mas eu vi uma betoneira petit pois pela janela! Não resisti.


Bah: que os designers modernistas não me leiam: a função da minha chaleira não é só apitar avisando que a água ferveu. Ela é uma ótima ouvinte. Aquela galinha é muito paciente com meus devaneios verbais enquanto faço chá ou chimarrão.


abraços
21agosto2012

100 comentários:

  1. Mais uma terça em nossas vidas. Mais um excelente post do nosso mestre HG. Gênio :D

    ResponderExcluir
  2. Demais, só falta voltar ao sul de SC..
    Vida Longa!!!

    ResponderExcluir
  3. Valeu cara, tenho algo a dizer para meus alunos logo mais!!!

    ResponderExcluir
  4. Modernistas... Modernismo... Estou lendo "Tudo o que é sólido desmancha no ar".
    "... estar não estando.": exatamente a dialética "dicotômica" pregada por Marx e Nietzsche no primeiro capítulo.
    E a água não pode ferver, Humberto... Você sabe disso.
    O que é que vale? Estar? Não estar? Ler o livro que remete a isso, ou fazer o que eu estou lendo parecer que remete a isso?
    O que é que vale? Ferver ou não ferver? Ou melhor: Ferver-se ou não ferver-se?
    Porque a água, esta sim, não pode ferver. E os abraços, estes sim, podem ser distribuídos.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E pode não parecer, ou ser falta de educação ou de consideração pelas suas considerações, mas há um parabéns implícito em cada comentário meu. De agora em diante: Parabéns, mesmo que esteja não estando no comentário.

      Excluir
  5. Teria muito assédio na hora da Academia? Trabalho numa e não me imagino recebendo meu ídolo la...kkkkk...belo texto...grande abraço HG!

    ResponderExcluir
  6. Acredito em um Gessinger com senso de humor apurado também hein? rsrsrsrsr

    Quando ouvi essa versão de Sunday Bloody Sunday "deixei de ser criança", foi uma passagem difícil, confesso, rsrsrsrs.

    Engraçado quando a forma se descola de sua função e vai parar em museus...

    Forte abraço, sem forma, com função!!

    ResponderExcluir
  7. Forma e função sempre foram recheios para o bolo da arte... E sempre vai haver o time dos pros e dos contra.. E o dos muito pelo contrario. Belo texto, humberto.

    ResponderExcluir
  8. hahaha a galinha ali, adorei!

    ResponderExcluir
  9. É como usar óculos escuros pra fazer um show a noite, ou desfilar com a camisa do Maiden... sem ter a intenção de substituir Bruce, por Eddie the Head (eu acho)!

    Confesso não crer num Humberto literal!
    Se algo dele vier direto, já ligo meu radar e procuro 'pescar' em volta.

    ResponderExcluir
  10. Dissociar forma e conteúdo, ops...função... as vezes tenho a impressão que é/foi (é, acho que foi, mas ainda é...aff) a busca dos pós-modernistas... mas em outra categoria da arte (no teatro ainda travam verdadeiras batalhas contra o naturalismo. E a função se perde "no meio das bandeiras"...rs). Como tudo é um ciclo, vai e volta... Realmente, assunto deveras extenso, discussões, debates pra horas. No design, na arquitetura, na música, no teatro, na literatura, na política... Na maioria das vezes me convenço de que a forma deve surgir a serviço da função (ou conteúdo, se preferir), mas vá lá...as coisas agradaram primeiro ao olhar... ou não?

    Abraço!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha só pra não passar batido, essa galinha...kkk tá que nem a piada do "meu marido conversa com o abajur - como você sabe? o abajur me contou". Ainda bem que foi você que nos contou...imagina um post da galinha...hahaha... tá viajei...rs...

      Excluir
  11. sempre top (de novo hehehe)

    ResponderExcluir
  12. Bah, não conhecia a piada do abajur! Muito boa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se estou equivocada, mas acho que é aniversário da Adriane hoje, não é? Continuabéns pra ela, se for mesmo ;-) (é, tenho implicância com PARAbéns, parece que é para parar...rs).

      Excluir
    2. "Eu não sou do meio
      Não sou do meio termo
      Quero todos os gestos ou nenhum
      Todos os sons ou o silêncio total
      Nada de meias palavras
      De duplo sentido."
      Sabe Deus quando Bono Vox e tantos outros compositores estrangeiros comporam suas canções, se tinham ou não tal intenção de chamar a atenção a realidade daquele momento ou de um fato histórico vivido por gerações anteriores....

      A música não foge à regra quanto a forma ( opinião, conceito, estilo,etc...) ou função ( tocar os sentimentos das pessoas : rir, chorar, apaixonar, enraivar, etc..)

      E o fato de ter mencionado no início um trecho de Sala vip, me faz retornar a um conceito que para quem gosta de música como a gente : A liberdade tem várias faces em vários momentos e em várias variáveis!!!

      Sem dúvidas é um tema a ser discutido por toda a vida.

      Valeu Gessinger!

      Excluir
  13. Uma noite pra chamar de tranquila pela sorte de encontrar alguém que acredita num Deus com senso de humor. Se Ele fosse como muitos desenham nas pontas dos lápis e das línguas, eu, sendo ele, não iria querer ser.

    Demais, AgáGê.

    ResponderExcluir
  14. Sexta dia 24, estarei no show do pouca vogal em Santo André-SP,
    sou seu fan, ja perdi a conta dos show q eu fui do Engºs. Espero pegar um autografo na sexta por favor Gessinger...Paz

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. As "neguinhas manetas" são deveras funcionais, experimentei e gostei :-)

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=246806058774291&set=a.246805012107729.57073.100003346966725&type=3&permPage=1

    ResponderExcluir
  17. Gessinger, é um metodo legal criar a melodia da musica no intrumento, ou vc ja cria direto na voz mesmo ?

    ResponderExcluir
  18. A verossimilhança entre forma e conteúdo é um abismo tão rentável àqueles que se transmutam nessa realidade (de corpo e alma - mergulho ou decolagem, tanto faz), que faz do leitor uma "mola" tão resiliente quanto o escritor, capaz de unir uma betoneira petit pois, um baixo Steinberger e uma chaleira de galinha numa epifania côngrua.

    É aquela história de "canibal vegetariano devora planta carnívora". Saber olhar as coisas com outros olhos. Com outros olhos. E ainda outros. Os meus, os de quem enxerga pela primeira vez e os que quem está cansado de ver.

    Olhos do escritor, do leitor e de alguém que entende forma e conteúdo como a conquista do espaço: a cabeça presa entre dois mundos, enquanto o corpo flutua; mundo nenhum.

    O supra sumo da contradição é uma faísca de dúvida.

    Genial o texto, pra variar....
    Obrigada por compartilhar suas notas de observador com a gente que se esquece de degustar do raciocínio.

    ResponderExcluir
  19. Meus amigos arquitetos sempre falam uma frase " a forma segue a função" o texto de hj me fez lembrar a frase...mas ai vem o mundo e contradiz isso tudo...que a forma não corresponde a função...ou o conteudo é impróprio p forma..., êh mundo " contra a tradição a contradição" belo texto!

    ResponderExcluir
  20. Humberto, saudações! Aqui é o Walter Silva(De Mossoró/RN), parabéns pelo blog para este contato conosco, e ainda aguardo sua opinião sobre meu trabalho CD - Os Netos da Televisão, o que pra mim é muito importante, se possivel entrar em contato pelo email jswaltersilva@yahoo.com.br , sem mais, abraço forte e esperamos seu retorno a nossa cidade, tocando e cantando, valeu!

    J. Walter.

    ResponderExcluir
  21. Era Um Garoto Que Como Eu Amava Os Beatles E Os Rolling Stones, quase sempre é uma canção que eu ouvia quando criança e que me fez pedir um karaoke para meus pais. "Ratá-tá tá tá", fiz meus pais se arrependerem de ter comprado. Tinha uns seis anos na época. Foi assim que comecei a ouvir música de verdade e a gostar de Engenheiros do Hawaii.

    "Eu mesmo acho estranho gravar discos no mesmo equipamento que se usa para escrever livros, ler fofocas, pagar contas, ver videos, brincar de soldado e de piloto de F1."

    Pra mim, estranho mesmo é o dinheiro que um dia foi roubado de uma pessoa honesta, parar no dízimo da igreja. No mínimo irônico.

    Obrigada Humberto, por fazer minha segunda-feira valer a pena. Melhor coisa que me aconteceu hoje foi poder ler mais um texto seu, quem sabe agora minha terça-feira não será melhor?
    Adorei a foto do caminhãozinho. =)


    Boa noite, Até semana que vem!
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Lembrei de Panic, do The Smiths.

      Morrissey escutava rádio, quando o DJ deu a notícia sobre o acidente nuclear de Chernobil.
      Logo em seguida, tocou uma música dançante.
      Quanta sensibilidade, hein?

      " Hang the d.j., hang the d.j. "

      Saudações.

      Excluir
  22. sempre pensei a mesma coisa, desde a primeira vez que assisti o clipe do referido "sunday bloody sunday"

    ResponderExcluir
  23. lendo o comentario da jessica freitas, lembrei que certa vez meu pai me deu de presente algumas horas num estudio de jingles, la tinha um karaoke e eu gravei um cd com todas as musicas dos enghaw que tinham no aparelho. primeira experiencia que tive em estudio, nem sonhava em ser músico um dia, tinha uns 12 anos. A ultima a ser gravada foi era um garoto, e o ar condicionado somado a espuminha que tinha no microfone começaram a dar uma coceirinha na minha garganta do meio pro fim das musicas. Sei que em meio aos ta ta ta tas, o negocio tava piorando, mas fui ate o fim. Acontece que no final no RA TA TA TA RA TA TA TA, saiu um cof aaergh rsrsrs. se fosse fazer de novo a conta ia passar do dinheiro q eu tinha pra pagar. no final das contas, passei a explicar a cada um que ouvia que apos tantos tiros um pelo menos teria atingido o protagonista da historia e pra dar um gran finale, o cara tinha morrido hehe.

    ResponderExcluir
  24. "o concreto paira no ar..."como ja diria tu;meu caro!

    ResponderExcluir
  25. Uma das coisas mais incríveis em relação a forma/função é a caneta que vira faca... Serventias bem diferentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caraca! Acabei de ver as "canetas talheres" no site da Tec Mundo...rs

      Excluir
  26. Também gosto dos dois mundos. Na verdade, gosto é que os dois mundos coexistam e convivam. O funcional puro (isso é possível?) distancia o objeto/projeto gráfico da própria natureza humana, como se fôssemos frios e práticos; por outro lado a natureza humana, cheia de excessos por si só, não merece um pouco de objetividade, nem que seja na caneta que estamos procurando com pressa, ao telefone, para anotar uma informação e depois colocá-la de volta na gaveta?

    Excelente texto, mestre!

    ResponderExcluir
  27. vlw...Gessinger ! só falta visitar o grandioso PARÁ hehe-

    ResponderExcluir
  28. Baixo Steinberger, nunca o vi tomar tanta forma e função como
    nas mãos do grande HG.

    Mais uma vez um ótimo texto, fazendo nossos pensamentos e
    idéias tomarem forma enquanto o degustamos.

    Ao HG e aos de fé, um elo funcional, em forma de abraço.

    ResponderExcluir
  29. Haa Humberto...pela descrição do som que rolava na academia, imagino que seja uma banda de Fortaleza...SAMBÔ!!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  30. Gostei da betoneira. Quem disse que tudo precisa fazer sentido?
    E como é bom não ter sentido, pra variar, uma vez ou outra.

    Pensando bem, esse lance de trocar de instrumento várias vezes deixou o HG na frente do Steinberger, da viola, da gaita...

    Obrigada pela "conversa", mesmo não sendo uma chaleira/galinha.

    ResponderExcluir
  31. incrivel como o poder da mente se sobressai no mesmo tema, tema este peculiar de nenhum assunto,mas ao mesmo tempo trazendo provocacoes sobre o que a mente é capaz de enxergar,,,mais uma vez muito obrigado Humberto...

    ResponderExcluir
  32. O HG tava ouvindo o Grupo Sambô, realmente, o som deles é bem agradável, regravações de sambas e até Janis Joplin (Mercedes Benz) , U2 e Rolling Stones (I Can Get No [Satisfaction]) :D

    ResponderExcluir
  33. Parabéns humberto ..excelente..

    ResponderExcluir
  34. Também não conhecvia esta do Morrissey.... boa!

    ResponderExcluir
  35. Sambô!
    Muito agradável HG, confesso que por conhecidência acabei ouvindo musicas deste mesmo album ai que você falou, e gostei muito... música de extrema qualidade! :D
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  36. E hoje o Gessinger vem me falar de forma e função... longe de todas as explicações estéticas e filosoficas... não pude deixar de pensar no teu corpo... perfeita simetria... forma e função... a forma do teu sexo a função de tanto amor... lembrei tbm dos nossos beijos seculares atrapalhados pelo filho da p... do Gabriel... Lembro de tudo, talvez por não ter mais a tua forma em minhas mãos... Então só me resta a disfunção de um amor sem forma... Um toque metafísico na madrugada... "hoje estamos separados, divididos mas um dia nós seremos a maioria"... Obrigado por mais um texto Gessinger e diz a ela que eu a amo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...
      Tô aqui...
      E onde mais eu poderia estar...?

      Excluir
  37. Esse negócio de forma e função é bem particular mesmo, se for funcional com as diferentes formas, tá tudo bem! Sempre haverá adeptos para o que quer que seja.
    Na hora que eu estava lendo a parte sobre a música do U2, me lembrei de “Knocking on Heaven’s Door” do Bob Dylan, que é uma música com um conteúdo bem down mas que ao mesmo tempo é uma chamada pra superação, quase um ato de redenção. É uma letra que embora seja simples,é de profunda reflexão . E foi cantada por Guns, traduzida por Zé Ramalho e quase banalizada por uma cantorazinha teen pop que difunde por aí a idéia de rebelde sem causa ¬ ¬ a música é bem mais “Knock,knock,knocking on heaven's door” repetidas vezes.
    Mas é aquela coisa: há gosto pra tudo, o importante é captar a essência!
    Óooootimo post!
    Abraçãozão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *a música é bem mais que “Knock,knock,knocking on heaven's door” repetidas vezes.

      Excluir
  38. Sambô é ótimo, Humberto! Transformam todo ritmo em samba. Acho legal a mistura que fazem. hahahaha Vou sugerir a eles que cantem EngHaw, seria legal! *não me matem enghawfã-náticos* (Obs: tb sou fã-nática)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem não é pecado ouvir algo que te deixa tranquilo, eu ouço 90% e 10% Roberto carlos, rsrs.

      Excluir
    2. Nossa, seria o fim da picada sambô cantando EngHaw. Por favor, poupem meus ouvidos de tanta gritaria e bateção de lata.

      Excluir
  39. Baita texto HG.
    Forma e funçao lembrei de "Jet" do Paul. Letra distorcida em favor da sonoridade. Não deixa de ser legal.
    Mesma coisa os arquitetos. A forma segue a função somente quando convém. A gente distorce a realidade a nosso favor.
    Betoneira da hora...

    ResponderExcluir
  40. Olá Humberto,

    É como diz Alan Jackson na música Here In The Real World.

    "Cowboys don't cry
    And heroes don't die
    Good always wins
    Again and again
    And love is a sweet dream
    That always comes true
    Oh, if life were like the movies
    I'd never be blue"


    Um abraço!

    ps = bah1: Consegui assistir a twitcam... Nostalgica como sempre!

    pss = bah2: Adorei as perguntas e respostas... Voto pra sempre ter!



    Thiago Hawthorne

    ResponderExcluir
  41. Pô eu lendo não parei de pensar nas capas dos LPs e CDs e seus encartes com letras, fotos, histórias q complementavam a obra.

    Agora q os disco não existe mais...ou estão com seus dias contados....morreu a função básica das capas....muito triste!!

    As capas irão morrer também HG?

    ResponderExcluir
  42. forma e função
    destino e livre arbitrio

    ResponderExcluir
  43. Já há algum tempo que venho acompanhando seus posts. Nunca tive coragem de comentar, aliás, na maioria das vezes, fico tanto tempo perdida em meus pensamentos que o esqueço. Adoro a maneira como escreve e sobre o quê escreve. Forma e função... dois universos diferentes e separados?? Talvez...

    ResponderExcluir
  44. hj ouvi SK e DNA e me fez pensar mt na minha vida

    mil bjs

    ResponderExcluir
  45. Exatamente morrendo de rir do horário eleitoral...!
    Não sei porque, mas lembrei do juiz de futebol que carrega dois relógios casa um pare de funcionar no meio da partida.
    Lembro que uma entrevista tua numa bizz de doismiuepoucos, que tu falava que a tua internet era um rádio AM e navegavas e ficava navegando nas estações. Eu achava esse cara é doido mesmo todo mundo quer navegar e ele na AM. Hoje sou eu navegando nas FMs de notícias. Ouvindo o rio num walkman.
    Graande Abraço seu 1berto

    ResponderExcluir
  46. Cara ao ler seus textos ,pareço estar em um café filosófico, várias reflexões, temas que nos fazem questionar questões que muitos não tem coragem, vontade, ou mesmo interesse em discutir. A forma e a função, a forma e sua representação. Vivemos em uma sociedade que muitos transmitem valores, ideais, conceitos e padrões morais que fundamentam nossas formas de pensar e agir no mundo porém não são eficazes para transformar o mundo efetivamente.
    Somos sujeitos pensantes, porém muitos não fazem uso dessa função. precisamos aprender olhar para trás, precisamos aprender a chamar a atenção.

    ResponderExcluir
  47. Belo texto HG, e falando de gosto, digo que gosto não se discute, mas o mau gosto sim, Sunday Bloody Sunday do U2 foi destruida no meu ponto de vista,e olha que não sou de criticar por criticar, e mimimi, e bla,bla,bla, mas nesse caso...
    E sobre as formas, prefiro as antigas, sem saudosismo, mas com romantismo! Bjão, te adoro.
    Tani Kronbauer
    Jlle SC

    ResponderExcluir
  48. O nome do grupo é Sambô!

    É verme de ouvido aqui em Ribeirão Preto.

    =(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei a expressão "verme de ouvido" não conhecia (embora seja uma expressão antiga...1980, pesquisei agora... kkk, salve a www) ela descreve bem as insuportáveis músicas sertanejas que impregnam todos os ambientes na cidade onde moro...

      Um abraço,

      Excluir
  49. Gessinger, após mais um dia de trabalho, durante uma janela de aula parei, realizei a leitura de sua última postagem, e escrevi um comentário, cara será mesmo que existe forma sem função? Será mesmo que nossas ações estão definitivamente inseparáveis das formas que pensamos e idealizamos o mundo? Qual a melhor forma de agir? Será que conseguiremos cumprir nossas funções no mundo, de forma ideal?
    Gessinger espero ansiosamente o show desta sexta feira, em Santo André, espero que seja o show!!! Afinal será o primeiro show dO pouca vogal que vou assistir, e levarei comigo alguns alunos que são fãs da BANDA, e que adoram suas cnações.Gessinger bom dia, boa viagem até Santo Ándré, que Deus os protega, até sexta, aó mais uma coisa, ou melhor dizendo,por favor peço um autogrofo dos seus belos livros.

    ResponderExcluir
  50. Forma e função, duas forças convergentes ou divergentes, de acordo com o propósito de quem as usa e do efeito sobre quem as recebe, seja na arte, seja no mundo real. Valeu pelo "insight", 1berto.

    ResponderExcluir
  51. O Gessinger com senso de humor apurado, sempre vejo nessas linhas. ;)

    ResponderExcluir
  52. A vida não pode ser um conta gotas na tua mão
    Chuva que não chove
    Sol que não sai...

    Sempre me pergunto de onde poderá vir a inspiração desses versos cantados com tanta sansibilidade e musicalidade impecável, sem babaovismo,mas já babando...Achava q a vida do artista o levava a fazer essas canções,suas experiencias eram refletidas nas letras...mas ele fez sucesso apesar delas, então desisti de tentar achar a fonte, afinal não faz diferença saber de onde veio aquela música, o que ele viveu p fazer tal canção, se é q viveu, as vezes ele leu , sonhou, imaginou,inventou, vai saber...
    Ontem, tive um papo cabeça com um amigo, a conversa era sobre espiritualidade e religiosidade...acho q nunca tinha parado p pensar nisso, mas caminhamos no pensamento de que a espiritualidade nada tem a ver com a religião, cada um tem seu espirito, e nem sempre tem religião, apesar de parecerem coisas confluentes, para nós dois, pelo menos daquela noite em diante são paralelos que não precisam se cruzar, podem seguir independentes...Acho q a expressão estado de espirito faz sentido.
    Depois de uma derrota do meu time que saiu de campo sob vaias, e fiquei pensando se teríamos o direito de vaiar o time...na verdade o time nunca, os jogadores sim, quando quisermos, estando com a razão ou não, pois todo torcedor quer o bem, mesmo q errado, o bem ele sempre deseja...
    E o fã, tem o direito de pedir um disco novo?!!!Uma mudança na escalação da banda?!!Uma mudança tática para a próxima partida!!Mais meia ofensivos para as próximas partidas??Mais guitarras para a próxima gravação?!!Recontratar aquele atacante que há anos fez sucesso no time?!!

    Um abraço Gessingueriano aos de fé!!!

    ResponderExcluir
  53. Humberto,
    Meu comentário não tem nada a ver com o que escreveu acima. Entro em contato para saber como fazer para contratar o Engenheiros para tocar na cidade de Vitória/ES.
    Abraços,
    Bianca Coutinho
    bianca@eshoje.com.br

    ResponderExcluir
  54. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  55. Às vezes a forma fica tão impregnada da sua função q quando colocada num outro contexto se enche de significados. É o caso da engrenagem na capa do disco!

    ResponderExcluir
  56. ah!

    esse ser vivo metamorfico com sangue alemão...

    palavras na veia...

    alguem ja disse pra ti que sua obra tem um lado especial que chega quase ser assustador?

    pode me achar maluco... mas pelo menos na minha experiencia, acontece o seguinte: quando estou conversando algum assunto importante com quem quer que seja, e no pc, no carro ou no som da sala está tocando um cd seu... de maneira bizarra vc sempre da um jeito de entrar no assunto... e o pior... sempre faz sentido e as vezes até ilumina duvidas do tal assunto...

    a ultima foi ontem... jogando baralho...

    eu esperando um as de espada e eis que tu diz: "as de espada fora do baralho..."

    e nem tenho coragem de dizer mais nada

    "Forças ocultas tomam de assalto
    Ouvintes incautos de uma cult band"


    pq será que sou viciado em vc?

    ResponderExcluir
  57. Humberto, viajando no google, visitando um site e depois acabando em outro e em outro e ... , acabei no teu blog, que eu nem sabia que existia! Ontem mesmo estava ouvindo "Toda forma de poder" na voz da Adriana Calcanhotto. Há um vídeo bem antigo no YouTube onde ela interpreta essa música junto com "Bandeira Branca", que tu já deves ter visto, imagino. Pensei até em colocar o link no meu próprio blog! Essa e "Humano Demais" são as minhas preferidas em se tratando de letras. Bacana te encontrar por aqui!

    ResponderExcluir
  58. Sempre maravilhoso. Teus textos tem efeito tranquilizante...rsrsrsr
    "Tá aí a relação entre forma e função!"
    Só Freud explica...rsrsrsrrsrsrsr

    ResponderExcluir
  59. hahaha ADOREI a chaleira, esses dias pra trás tava vendo uma louça da minha mãe e lembrei na hora de você e da Adri, acho que seria algo que faz o estilo dos dois. bem, sobre a questão do funcional, para quem tem muitas vezes que improvisar, muita coisa passa a ser outra na hora H (:

    post demais, meu celular não deixa eu comentar, daí tenho que comentar pelo notebook, sempre acabo demorando.
    até o próximo

    ResponderExcluir
  60. Humberto,

    Saber que uma pessoa que admiro tanto quanto você, não está sempre atualizado nos hits do momento, me deixa de certa forma aliviada...kkk, afinal escutar rádio ultimamente tem sido algo deprimente...

    Amei o texto... gosto da forma como ele me instiga a pensar...

    Mais um comentário como tantos outros, não eh...

    Ah, aproveitando... a empresa que trabalho tem uma rádio interna e eles querem criar uma programa chamado "Esse é o meu som" e me convidaram para fazer o primeiro e como fã "de fé" lógico que vou falar sobre o EngHaw, será que assim que o roteiro estiver pronto posso mandar para você validar?

    Um abraço,

    ResponderExcluir
  61. Tenho uma chaleira igual. Esquenta água, e não faz cocoricó. E basta.
    Excelente texto.
    Abraço

    ResponderExcluir
  62. Há uma vastidão de forma e conteúdo, já havia pensado nisso obviamente mas não no mesmo ângulo aqui apresentado. Deve ser porque não sou arquiteta rs... mas como sempre seus textos nos coloca a pensar, não posso falar por todos que leram, mas para minha pessoa sim... exercício da semana!!! Fodástico como sempre!!!

    ResponderExcluir
  63. Ah, não! Vi agora e tive que vir compartilhar. Guitarras...é...bem... estilizadas...rs...

    Humberto, a última das guitarras veja por sua conta e risco. Eu tenho arrepios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ops... faltou o link, né? tsc, tsc...

      http://www.traqueatomico.com/2010/03/guitarras-personalizadas.html

      Excluir
  64. Cara imagino que tu não ligue para elogios mas os textos são bons mesmo. Eu nunca havia lido.

    PS. Quando vi os desenhinhos do blog lembrei da capa do A Show of Hands

    ResponderExcluir
  65. Cara imagino que tu não ligue para elogios mas os textos são bons mesmo. Eu nunca havia lido.

    PS. Quando vi os desenhinhos do blog lembrei da capa do A Show of Hands

    ResponderExcluir
  66. Obrigado pelos comentários, sempre enriquecem o texto. E valeu o link: http://www.traqueatomico.com/2010/03/guitarras-personalizadas.html =)

    ResponderExcluir
  67. Humberto,sempre fui fã d seu estilo,mas ainda ñ tinha visitado seu blog,seo texto é realmente instigante e interessante,um abraço,seu fã Paulo

    ResponderExcluir
  68. Ola, vi que está definida a proxima twitcam, maravilhosa. Descobri a pouco esse sensacional programa mensal, tô assistindo todas no youtube e outros www (só não consegui achar as de janeiro a julho de 2011), mas se bem não entendi a intenção, deixo uma singela sugestão:
    Ao ouvir o nome GLM ou ao ouvir o disco me vem a cabeça imediatamente aquele baixo nas cores do RS e os inumeros efeitos de samples, então, faz essa twit com baixo e pedal midi ae.
    Valeu, cara continue me dando alegria e a muitos outros, pois musica de qualida e feita por pessoas inteligentes tá dificil, mas pra ti é facíl e não me surpreendo abraço.

    ResponderExcluir
  69. Curti a Chaleira, ainda mais o fogão!
    Hahá.
    Um Abraço

    ResponderExcluir
  70. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  71. Com toda certeza meu querido Humberto, a dúvida é muito grande em relação a quais dos teus textos é melhor. Todos estão em primeiríssimo lugar, sinceros, com um conteúdo de arrepiar os nervos de tão bom... Você é um grande homem meu velho, sabe dizer em suas palavras tudo o que sentimos... É incrível como muitas vezes leio um dos teus textos ou um trecho de uma música e mesmo que eu não consiga explicá-la perfeitamente, mas eu consigo saber bem o que ela passa pra mim, eu consigo entendê-la e me faz sentir tão privilegiada por sentir sua música... E... Eu também acredito em um Deus com um senso de humor.. kkkk são coisas simples, mas que ocupam um lugar enorme no meu coração, suas letras são divinas... e esse texto, rapaz... Faltam-me palavras, a primeira coisa que eu pensei foi: o que irei comentar??? Eu realmente não sei explicar tamanha genialidade... Mas ela age dentro de mim, consigo ouvir e ver tudo o que disse em minha mente e trará como sempre um sentimento tão bom e bonito que me faz feliz, não sei realmente o que é de verdade, é uma influência, um aprendizado, não sei.. É legal... Rsrs... Você é supremo!!! Inexplicavelmente inexplicável! ((Valeu:))

    ResponderExcluir
  72. O renascimento e as lembranças de um passado não tão distante

    Humberto Gessinger, antes de qualquer coisa vou agradecer a você pelo belo presente oferecido a mim e aos outros fãs presentes no fantástico show de Santo André na noite de 24 de fevereiro. Esse dia mais conhecido como ontem, foi de suma importância, pois, tive o prazer de assistir ao meu primeiro show do Pouca Vogal. Sou um velho fã de 37 anos, ganhei meu primeiro disco dos Engenheiros em 1988, aos 13 anos, e desde daquele dia, jamais deixei de ouvir a banda.
    Entra ano e sai ano, e lá estava eu, ansiosas para comprar o disco, várias vezes ia trabalhar a pé para sobrar um pouco mais de dinheiro para que fosse possível eu comprar o disco. O tempo passou várias formações passaram pela bela e rica história da banda e lá estava eu, como um fiel a espera de um milagre.
    Nessa infinita estrada conheci vários amigos que desde meados da década de 1990, acompanhavam nos shows por São Paulo. Quantas vezes saímos de madrugada para estarmos mais perto de você, esperando por um aceno, um sinal de positivo, porém nunca ousei a pedir um autógrafo, esperar por você após um show devido a minha timidez.
    Sinto-me como aquele cara da música Às vezes nunca que sempre escreve cartas que nunca vai mandar talvez não poste esse horrível texto em seu Blog, sei lá, ainda não sei o que faço com a minha timidez.
    Voltando a falar sobre o dia especial de ontem aqueles velhos amigos, que por determinações de uma vida cruel que nossa sociedade nos impõe ficaram afastados por longos oito anos, se reencontraram ontem. Cara foi um reencontro divino, pois não sei que palavra utilizar relembrou com saudosismo todos os nossos esforços para vermos você tocar, e talvez como todos os seus fãs, em um dado momento imaginávamos como você tocava somente para nós, em um show exclusivo, sonho e delírios de fãs.
    Durante a semana avisei aos meus alunos nos Colégios em que leciono que faltaria na sexta feira, pois iria me presentear, ouvindo um cara que marcou significativamente a minha história e que suas músicas me levaram a ser a me formar em Ciências Sociais e em filosofia. E para minha surpresa e satisfação cinco alunos foram ao seu show e cantaram todas as canções.
    A única coisa que me deixou chateado no show foi que estou velho, pois vi uma molecada, o que me fez sentir o tiozinho do comercial da Sukita. Humberto muito obrigado pelo show valeu mesmo cara, relembrar fatos e momentos de minha história, não tem preço.
    miltonfilosofia@bol.com.br
    milton-silva.zip.net

    ResponderExcluir

  73. Outrora estava analisando algumas letras suas, e como de costume sempre que tenho duvidas a algo pesquiso por vários meios até que eu as decifrem, me deparei com vários comentários sobre suas musicas, foi então que me dei conta que todos se fascinam com sua escrita, sua voz me acalma e me encanta mais sua escrita me fascina, para mim ainda é um mistério, me encanto com os seus mais simples versos, não sei como isso é capaz, é como se estivesse em completo transe, queria um dia conhecer o grande homem por traz dessa voz incrível e desses textos maravilhosos de perto! Tenho certeza que não me decepcionaria.

    ResponderExcluir
  74. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  75. Forma e função geralmente geram duas verdades e duas verdades(ou mais), acho isto genial. Cada um com sua visão em um mesmo tema é normal, mas difícil é flexionar a própria visão em duas e na sua própria arte então nem se fala.

    Oxente: Forma e função merecem bem mais que esta observação.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  76. Como segui minha carreira profissional pela sombria área das "humanas", acho q nunca pensei nessses lances d forma e função.....achei até um tanto complicado p minha humilde capacidade d compreender textos!!!!!!
    Agora, trocando d assunto e o próximo creio eu não t agradar nada mas.......CARA, acho q vc nem faz idéia do qto os de fé estão esperando essa twitcam......p mim, q conheci a banda em 94 esse mês de Agosto ta parecendo o ano de 2012 TODO!!!!Abração cara, belo trabalho essa sua exposição de idéias no blog....até dia 11 próximo!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  77. Olá!

    SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP.... Vem pra cá.. a tempos que não nos visita! Mais uma vez eu aqui pedindo isso. :)

    ResponderExcluir
  78. Mais um daqueles momentos em q a gente para, esquece do mundo ao redor por alguns minutos e ao final se depara com um sorriso estampado no rosto...

    ResponderExcluir
  79. É Humberto, e parece que os caras da academia Sambaram em Toda Forma de Poder! http://www.youtube.com/watch?v=yHC4xuhUq1o

    ResponderExcluir