P(*)EMA C(*)M N(*)TA DE R(*)DAPÉ - 58


é um standard da indústria
segue a lógica do sistema
simboliza nossa classe
nosso impasse
é um emblema

(*) Num desses camarins da vida, Renato Borghetti me mostrou, cheio de orgulho, a capinha que havia comprado para seu iPhone: um encaixe metálico do qual deslizava um abridor de garrafas. O grande gaiteiro não poupou elogios ao artefato, expondo qualidades que, até então, eu ignorava que um abridor pudesse e devesse ter (firmeza, empunhadura, resistência...). Eu pensava que um abridor de garrafas simplesmente funcionava ou não.

Numa dessas salas de embarque da vida, meu amigo Romoliv me mostrou, cheio de orgulho, a capinha  que havia comprado para seu iPhone: um encaixe metálico que, na verdade, é uma segunda bateria. O dinâmico empresário não poupou elogios ao artefato que o libertou da neura de ficar sempre de olho na tomada mais próxima.

O smartphone da maçã mordida transformou-se rapidamente de símbolo de status em standard da indústria.  O padrão, um best-seller. É o preferido de quem tem (ou acha que tem) grana. Conquistou esta moral por méritos próprios; objetivos e subjetivos. Fisicamente e espiritualmente se assemelha muito ao monolito do filme 2001 - Uma Odisseia no Espaço . Uma negra folha em branco.

(*) Mas não é sobre o mercado de eletrônicos nem sobre o clássico de Stanley Kubrick que quero falar. Estou interessado na capinha - a periferia que, por vezes, está no centro; o acessório que passa a ser o principal.

Quanto mais a grande indústria avança para homogenização (o mesmo produto para todos), mais espaço se abre para a customização (um produto diferente para cada um). Ok, geralmente é ilusória esta personalização... mas a vontade de atingi-la é sempre muito real. 

Pertencimento e individualização são duas pernas que nos fazem andar, dois trilhos do trem seguindo paralelos, juntos mas separados.  Queremos fazer parte de um grupo e queremos nos diferenciar dentro deste grupo. Precisamos que a nossa janela (igual a tantas janelas da mesma fachada) seja única.

Questão simples quando se trata de coisas prosaicas como colocar uma roda diferente no carro, pintar uma casa pré-fabricada (dessa e não daquela cor), cortar o cabelo (dessa e não daquela forma), usar uma camisa de uma (e não de outra) banda...

A questão é mais complexa quando se trata de criar, pois criar não é só escolher. Eu pensava nisso enquanto colava mais um adesivo no meu violão (para que, dentre inúmeros outros violões da mesma marca e modelo, aquele seja só meu).

Não se iluda achando que foi um texto curto... os trilhos do trem seguem por muitos anos, quilos e quilômetros depois da curva. Inconsciente coletivo e individuação, conversa pra vida inteira.


(*)


bah : http://www.youtube.com/watch?v=GIbX9jXvxNw&feature=related  Sobre o filme do Kubrick, muito já foi dito sobre a clássica cena em que um-osso-vira-uma-ferramenta-vira-uma-arma ao som do Zarathustra de Strauss (2001 era futuro há pouco tempo atrás). Não tenho nada de original a acrescentar. Pra quem desconhece e gosta de um papo cabeça, vale um google aí... e se o prezado leitor gosta meeeesmo de um papo cabeça, talvez se interesse pelo conceito de "individuação" do Jung... vale um google aí também.

um abraço a la carte
feito sob medida
só pra você(s)
que cada um faça o melhor
dos ossos-pedras 
que encontrar pelo caminho
17jul2012

98 comentários:

  1. HG, você postou 23:59! Eu vi! :) (ou será que meu relógio é sob medida pra mim?)

    Um abraço pra você, somente seu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, mando bem mando sob medida!! rsrs

      Excluir
    2. Interessante como articula os assuntos! Gostei de ter finalizado citando C. G. Jung. Aprecio tanto o conceito de individuação quanto o inconsciente coletivo. Maravilha! Abraço Fraterno

      Excluir
  2. No início, os celulares eram enormes. Depois, reduziram o tamanho, ao máximo. Agora, com essa onda de tablets, tornaram a crescer. E a gente, ali no meio, comprando tudo de novo.

    Saudações Rubro-Negras.
    Até quarta, na Saraiva do Shopping Rio Sul/RJ.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ontem, dia 16/7, Humberto Gessinger participou do Programa O Bairrista, na Rádio Gaúcha.

      Segue o link com o áudio do programa:
      http://www.youtube.com/watch?v=tCoPR7MB6fo&feature=youtu.be

      Excluir
    2. Peguei o Link. Valeu Emerson!

      Excluir
    3. "No meio da cegueira"

      Excluir
    4. Emerson Rickenbacker

      sou seu fã
      desde quando organizamos aquele livro
      de fãs para os 25 anos dos Engenheiros
      tomei liberdade de lhe enviar
      por e-mail meu mais recente poema
      espero que gostem

      valeu pelo link
      depois quero muito ver

      agora o youtchubil
      tá dando trela

      Excluir
  3. Gosto dessa simplicidade (complexa) que faz a gente... pensar!!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns Pelo texto !

    ResponderExcluir
  5. kkkkkk...amei o texto de hoje!!! Depois passo no google pra ver essa tua dica!
    ps: A twitcam desse mês foi show(literalmente)..foi realmente demais!!! BEJÃO HUMBERTO E UM GRANDE ABRAÇO!!! ;)

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Quando posta um texto assim, meus olhos quase se fecham, se enchem de brilho e meu peito aperta... é muita emoção! Que texto lindo... lindo... lindo...

    Muito obrigada Gessinger
    Vou ver o filme... seguindo os trilhos do trem!
    ABRAÇOS!!!!

    ResponderExcluir
  8. mas que tal tche
    pra que serve um abridor de garrafas
    em tempos de tampinhas que
    abrem com o giro da mão???

    ResponderExcluir
  9. Mais uma madrugada de segunda pra terça e mais um texto fmz

    ResponderExcluir
  10. Boa 1berto, sempre me fazendo refletir sobre as coisas mais simples, que nunca percebemos..

    ResponderExcluir
  11. Semana passada não teve abraço, hoje ele vem a La Carte...
    É um abraço estático, preso nas páginas do menu - homogêneo para todos - e ao mesmo tempo a La Carte, com direito a entrada, salada e refrigerante (dessa e não daquela marca)?
    E a periferia do abraço? São as mangas de um paletó azulriscadegiz?

    Um abraço, seu possuidor de olho clínico pra coisas que quase ninguém vê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um abraço pra você também, que tem fios vermelhos na mente, na cabeça e nos artesanatos!

      Excluir
  12. Olha ae...

    to contente em ver o Humberto usar temas que estudo em administração!
    Se o esse cara tivesse na facul, iria esculachar nas questões discursivas. HEHEHE!!

    Senti um tapa a respostas passadas ae??? hahaha

    Você é o cara! Valeu

    ResponderExcluir
  13. Adoro quando um texto inspira a leitura de outros... antes mesmo da dica, veio a vontade de ler ou reler algo do Jung, tb Psi Social... teorias de Grupo. "Start"!

    Grande Abraço e Obrigada.

    ResponderExcluir
  14. No meio de tantos Blogs que devem seguir o padrão pré-establecido pela plataforma, alguém individual, ou tentando ser. Usando citações e paráfrases de forma original.

    Todo mundo quer um tipo comum de gente diferente hoje me dia.

    Textaço Gessinger.

    ResponderExcluir
  15. Mais um pouco e mais um ano termina!

    Abraço, Humberto!

    ResponderExcluir
  16. Excelente texto!! Me fez pensar em coisas que passo os olhos sem notar.. alem do toque ironico/engraçado :))

    ResponderExcluir
  17. E a Bahia? Ou melhor, E Salvador?
    Espero assistir mais um show ainda esse ano e aqui em salvador, com meu orçamento modesto e tempo curto fica difícil viajar novamente parar ver o show. O de Refice foi inesquecivel! A bandeira do Bahia-Enghaw-Pv está aqui guardada com carinho para voçe autografar no aeroporto de salvador! Em breve! Eu espero. =D
    Vlw 1berto ! boa noite!

    ResponderExcluir
  18. É o prazer do novo? as vezes ser diferente ou basicamente n ficar na monotonia. ( que lindo aquele violão preto da ultima twittcam ).

    ResponderExcluir
  19. ótimo texto, neste mundo em que a grande massa faz as mesmas coisas tentando ser diferente, acaba ficando todo mundo igual. voce nos mostra ser Único e grande, Grande Humberto Gessinger!!!
    Vlw cara por mais um texto.
    Um grande abraço direto da outra ponta do mapa nacional,
    grande abraço direto de Juazeiro do Norte- Ce.

    ResponderExcluir
  20. O amor individual, mas coletivo, de todos os cariocas que esperam ansiosamente por você amanhã, no Shopping Rio Sul.

    Ótimo texto, como sempre.

    ResponderExcluir
  21. Na escuridão, só você ouve a canção, eu vejo as luzes brancas do sei iphone.
    .
    A jogada da criação dos Ipod e Iphone, não foi o produto em sim , mas foi colocar na cabeça de todos a necessidade de ter um desse...
    "A propaganda é a arma do negócio, e no nosso peito..."
    Existem teorias conspiratórias que falam sobre implantar chips nas pessoas...Mas já carregamos um pra todo lado sem ser implantado...
    as divagações de sempre ..!
    Grande abraço Seu 1berto

    ResponderExcluir
  22. Papo cabeça sobre os gostos e suas metamorfoses também está em Pierre Bourdieu. ;D

    ResponderExcluir
  23. Hoje às 8:30 apresentarei um seminário de crítica literária na UESPI. Vou falar de uma escritora que critica a ineficiencia na gestão dos orgãos públicos (Lygia Fagundes Telles). Li o texto e não sei explicar como, mas ele vai me ajudar no seminário de amanhã. Valeu HG, abração de urso e beijos pra torcida.

    ResponderExcluir
  24. TROTTOIR
    Tudo que temos cabe no bolso da jaqueta, igualdade aos desiguais, na moda, na midia, a morte anda tão viva a vida anda pra trás... aonde leva essa loucura? qual é a lógica do sistema? eu não sei a resposta... Não se renda às evidências
    Não se prenda à primeira impressão, ando com a impressão de que todo mundo é tudo, em resumo et cetera e tal...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Rick meu velho,

      A Bolívia e seu curso de Medicina estão fazendo muito bem a você...

      Humberto,
      não me pergunte quem foi Ana nem o que é Trottoir...

      Excluir
    2. É o ócio meu amigo, como o dos Engshaw: "A música nunca vai parar."

      Quanto a bolívia, é como em quartos de hotel...

      ...Tô num lugar IN-comum
      Onde alguns poucos se escondem
      Pra fazer a frase feita
      E sentir os efeitos colaterais
      Tô em lugar nenhum, onde?
      Onde qualquer um se esconde
      Pra fazer a frase feita
      Contrabando de uma seita hawaiana
      Não tenho estado muito em casa ultimamente
      Nem me lembro quanto tempo faz
      Aprendi a não olhar pra trás...

      Excluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Você é um homem cheeeeio de acessórios, não é mesmo? Violão, gaita, piano... Você fica muito bem com o acessório contra-baixo :P.

    Você esqueceu de comentar que virá pra SP hoje (17/07) para a sessão de autógrafos na Livraria da Vila as 18:30!

    Estarei lá!

    Te adoro Humberto!

    Bjus

    ResponderExcluir
  27. Cara, esse negócio de ver detalhes filosóficos no cotidiano, no que parece já estar padronizado, exaurido, (aliás no que não parece nem ter algum detalhe)... é tua onda! E Tu surfa pra valer!
    Continua, véio! Precisamos ver poesia na massa! Ler Teus textos, escutar Tua música, é como se eu desplugasse! E a gente sempre precisa desplugar!

    Valeu!

    ResponderExcluir
  28. Caro Humberto
    Essa busca incessante pelo único, exclusivo, fora de série. Na minha humilde opinião, é pura questão de vaidade ou apenas nos diferenciarmos na multidão. Todos, somos uma ilha, e como tu diz: " a ilha não se curva "...

    Sou um fã do Kubrick, mas não gosto de 2001, e agora vem a contradição: sou fã de sci-fi, não nego que o filme tem cenas icônicas, mas depois de várias tentativas nunca consegui chegar ao final do filme... o sono vence o tédio.

    Abraços de mais um dos de fé

    ResponderExcluir
  29. "Estou interessado na capinha - a periferia que, por vezes, está no centro; o acessório que passa a ser o principal."

    "E o principaaaaalllll, fica fora do resumo"......vlw combatente, agora rumo ao google!!!!!!!Abs e boa semana!!!!

    ResponderExcluir
  30. Todos nos queremos ser únicos e até somos se acreditarmos. Tentamos! Estamos vivos porque vencemos milhões de iguais.

    Quanto ao filme, um clássico que guarda vários significados nas entrelinhas. Já assisti dez vezes das quais nove dormi, bingooo!!! (Bingo?!!)

    Kelimar Villanova
    Brasília-DF

    ResponderExcluir
  31. Muito bom. Lendo sobre Carl Gustav Jung e como sempre descobrindo coisas novas com o GRANDE 1berto. Post curto, porém, tão objetivo quanto qualquer coisa objetiva!

    ResponderExcluir
  32. E a gente sempre se amando entra as palavras do Gessinger... E o Gessinger sempre no meio do nosso amor, na mesma penetração, como uma espécie de camisinha metafísica poética. Sempre juntos na mesma frase e se/pa/ra/dos por toda a vida. Obrigado Gessinguer vc não sabe... mas ela sabe o que eu quero dizer. E adivinha só? "Não está escrito nos outdoores" (sei que provavelmente outdoor tá escrito errado. "mas se eu escrevess cem com S ou escrevesse sem com C que diferença faria?) Te amo por tudo que resta e por tudo que falta... Te amo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também te amo Gessinger...

      e quero um dia assim como você não odiar ninguém, e fazer isso sem parecer louco! è louco não?

      Jairo Monteiro, linda expressão: "E a gente sempre se amando entra as palavras do Gessinger..." play list EngHaw para a hora de amar é o que de melhor há...

      Excluir
  33. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  34. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  35. Para quem achava que "pertencimento" não existe, olha no dicionário:

    pertencimento, s.m. (pertencer + -i- + -mento)

    ResponderExcluir
  36. Liberdade pra escolher a capa e a contra-capa.

    ResponderExcluir
  37. Sir Gessinger...

    El Amanecer del Hombre...
    Nada mais sensato e coerente.
    A alegria em massa nos saltos e uhuhuhahahahs (onomatopéia do macaco) em individuação, a felicidade diante do produto (osso) adquirido, a euphoria na individuação que traz o Eureka mais gozoso, com todas as facilidades como macaco único que esse produto em massa pode dar...

    E pronto, saímos das cavernas.

    Viva a evolução, o progresso, a iluminação.

    Einstein disse que se houvesse uma Terceira Guerra Mundial, seria de arco e flechas, já tendo uma visão futurista do retrocesso no pseudo progresso humano.

    Achar que há progresso só porque andamos eretos ou em quatro rodas, ou porque há tecnologia, ou construímos arranha-céus, é o mesmo que achar que um cão adestrado progrediu em sua condição de cão...
    Ele continua a andar de quatro, latindo e a comer restos naturalmente...

    Mesmo que restos prensados coloridos, criado em indústrias hábeis em dizer que seu produto o tornará único na sua produção em massa.

    By the way...

    Sério, nasci entediada desse trem...
    Faz tempo, estou parada na estação, olhando todos os destinos passarem, os embarques e desembarques, chegadas e partidas e despedidas, perguntando-me o sentido disso tudo.
    Ainda estou na escuridão da caverna, achando brutalmente inútil os uhuhuh-ahahahs por coisa nenhuma, os saltos, os coça-coças em grupo, o coça-coça solitário, e principalmente mais inútil ainda, o osso.

    Liberdade?
    Só se for de um pátio de prisão.

    Meu Olá.
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cila minha amiga...

      Sinto o mesmo que você dentro da minha própria caverna...

      "Vida humana quem poderá te entender?"

      Euphoria acaba com a dor de cabeça...
      Dor de cabeça acaba com a Euphoria...

      Assim ficamos sem o transporte. Gostem ou não gostem a simpatia são cacos do espelho...
      Melhor assim pois sem pactuar, mais estrelas brilham no céu da pátria nesse instante.

      E o estrangeiro não mora no trem apesar dele ser metáfora.
      Ele não é vontades que voltam no outro dia...
      o estrangeiro é a vida.

      Excluir
  38. Ótimo texto! Já que estou no ritmo p assistir uma porrada de filmes, vou baixar o q indicastes do grande Kubrick.
    ps: Durante as férias, Bloggessinger é uma oportunidade de ñ vê só besteiras na internet.

    ResponderExcluir
  39. É verdade a indústria cria um produto, a moda dita o que é moda...Enfim milhares de pessoas iguais apenas com nomes e sobrenomes diferentes. Enquanto a customização faz a diferença, desde bem novinha sempre tive a vocação para artesanato, comprava uma roupa digamos, igual a que todos tinham e com a criatividade fazia a diferença, se tornando assim uma peça única, e continuo fazendo isso até hoje, a moda é a idéia 'bruta', basta lapidarmos e quando vemos é algo único, nunca esquecendo o bom senso, para também não sermos transformados em um ser estranho.
    Quanto o percurso de um trem é sempre o mesmo, mas bem sabemos que cada um pode fazer deste percurso um caminho diferente.
    Papo cabeça mostra conteúdo, conhecimento, infelizmente muitos estão cuidando exclusivamente da aparência e se esquecem do conteúdo, é triste conversar com alguém que não tem nada na cabeça. Esquecem que podem fazer as duas coisas ao mesmo tempo, cuidar da aparência e ter conteúdo...
    Beijos, infelizmente não poderei ir dia 18/07 no Rio Sul, a gripe me pegou, e tenho certeza que não vai querer levar como lembrança do RJ o vírus da gripe!! Desejo que esta noite de no Rio Sul seja ótima, deixa para a próxima, quem sabe na próxima vez vc não escolhe a Saraiva do New York, fica bem mais perto.
    Vida longa e até breve!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renata melhora da gripe...

      Fiquei recentemente também muito gripado.

      A moda me faz lembrar do mito grego de Aracne, a artesã que numa metamorfose vira a primeira aranha...
      É muito legal a história, você conhece?

      Gosto muito dos meus rasgos no meu novo e velho blue jeans...

      Excluir
    2. Obridado, já estou bem da gripe, mas ela me deixou um presente: sinosite.
      Quanto ao mito grego vou pesquisar, depois te digo.
      Até!

      Excluir
  40. Texto é curto mas bem, bem ....profundo - Perfeição e precisão...

    Parabéns por tanta genialidade....\HG

    ResponderExcluir
  41. Pertencimento e individualização: nada mais real para
    exemplificar do que o smartphone da maça mordida e suas
    capinhas "customizadas". Excelente comparação HG !

    Customização: aí está a pseudo liberdade que todos buscam
    com suas capinhas, se esquecendo que ao comprar o dito cujo
    aparelho da grande macieira, de certa forma, se está
    seguindo o padrão, o "standard da indústria".

    "A gente fica achando que é o máximo liberdade pra escolher
    a cor da embalagem".

    Um abraço customizado ao HG e aos de fé.

    ResponderExcluir
  42. Muito bacana a reflexão, mas discordo de sua contextualização através dos exemplos dados. Os dois exemplos me pareceram muito mais um vislumbre (pelo menos da forma como foram narrados)da criatividade dos inventores (os artistas industriais, por mais incoerente que isso soe), por terem escancarado uma ideia que só vira óbvia depois que alguém aplica. Aquela ideia que, quando você vê aplicada, parece que você sempre foi familiar dela, mesmo sem ninguém tê-lo mostrado antes. Estes são os caras que arranjaram o seu jeito de desenhar novas cidades em guardanapos na mesa de um bar (pelo menos os que os fazem por paixão, com ou sem interesse economico).

    ResponderExcluir
  43. Nossa... que texto maravilhoso mestre! Vlw! Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah... vlw pelas dicas no final(nos bah´s), foi sob medida pra quem gosta de nós, pra quem quem gosta de papo cabeça!

      Excluir
  44. Tu é o caaara, tchê! Nos faz ver o simples do dia-a-dia, que às vezes é "difícil" enxergar!

    Aaaah, valeu pela última twitcam! Foi fantástica!

    Beijãão HG! Te cuida!!

    ResponderExcluir
  45. olá

    vale um papo cabeça..me interesso muito pelos conceitos do Jung, Froid entre outros..estão entre meus livros de cabeceira valeu a dica vou no google ai!!!

    beijos e queijos..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já procura no google: "Froid"
      Logo abaixo aparecerá: Você quis dizer "Freud"

      e segue o baile :)

      Excluir
  46. valeu Gessinger.. mto bom.. continue sempre com esse incrivel trabalho.. Gostaria mto de te conhecer um dia... parabens..

    ResponderExcluir
  47. Gessinger,

    fico com a bateria extra
    pois não bebo cerveja
    e vinho só no céu
    vinho tinto
    e minha garota
    isso me emociona

    ResponderExcluir
  48. um dia, os celulares vão ter camera de video e foto, mp3 player, radio,internet...

    ResponderExcluir
  49. Quem diria, nosso ídolo do rock brasuca dando (no bom sentido..rss) um ótimo cronista!!

    ResponderExcluir
  50. Eu presto atenção no que eles fabricam, mas eles não fabricam nada, iê ié ...

    ResponderExcluir
  51. "Todos iguais, mas uns mais iguais que os outros".
    Em micaretas espalhadas pelo país há uma mistura das indústrias da informação e do entretenimento. "Abadás" são vendidos uniformente separando as pessoas (indivíduos) por castas (estamentos). A contrapartida é a "customização" das vestimentas (autorizativas da folia) pelos foliões participantes da festa.
    Quanto mais igual se pretende, mais diferente se quer ser.
    Abs.

    ResponderExcluir
  52. "Onde estão os caras...
    ... que abriam garrafas com as mãos?"


    J. Douglas Alves

    ResponderExcluir
  53. Vamos queima-lo vivo...
    Enterrá-lo viiiiiivo...

    Muito instigante o texto da semana, abre as portas para percebermos coisas novas, e é isso q procuramos...texto curto , mas como bem disse o autor, pode ser infinito( ou quis dizer/ou entendi assim)...
    Da mesma forma, digo ao conceito de individuação, q parece fazer referencia à evolução psíquica do indivíduo , seja ele homem ou macaco( como Darwin já dizia...)
    Nada parece ter haver com conhecimento cientifico, técnico ou profissional, passa longe...Parece estar relacionado com o conhecimento de si , do EU, do indivíduo, do individual.Importantíssimo se conhecer, saber de suas capacidades e limitações , dialogar consigo mesmo no silencio do incosciente e ver como um retrovisor suas atitudes, mesmo q disfarçados em meandros que só ele(o indivíduo) pode reconhecer.Atitudes que para todos nao fazem sentido, para ele é o sentido da vida.
    Ele é o próprio remador, escolhe a direção , mesmo q essa direção seja contra a maré.Pode ser de encontro também, sem se retrair pois só ele sabe o sentido de remar contra o obvio e se lançar ao acaso do improvável.

    Um abraço sem embalagem, ou capa personalizada, um abraço puro, como deve ser todo abraço...

    ResponderExcluir
  54. Pertencimento e individualização / esse é mesmo o mundo que nos cerca, e nos cerca muito bem!
    Tani Kronbauer
    Joinville SC

    ResponderExcluir
  55. Muito boa a reflexão. Continua uma ideia já manifestada aqui: quando o acessório ocupa todo o espaço, espremendo o principal, é hora de alguém ver as coisas como elas realmente são. Não é fácil, no meio de tanta histeria.
    Parabéns pelo texto.
    Casmurro

    ResponderExcluir
  56. “Todo mundo tá revendo o que nunca foi visto, todo mundo tá comprado os mais vendidos”

    O ser Humano muito me impressiona, cada vez que paro pra observar um paradigma,descubro muitos outros, e no fim acabo sem uma resposta definitiva nem de um nem de outro.

    Esse assunto da massificação e da individualidade há muito me fascina, esse esforço que fazemos para ser diferentes em nossa igualdade, me impressiona. Até onde somos influenciados pelo meio, até onde influenciamos?( de novo outro paradigma).

    É como se fossemos como cães presos por uma coleira mais ou menos longa, e devido a dimensão da nossa coleira nos achássemos mais ou menos livres. E sem nos darmos conta que da nossa real condição de presos discriminássemos aqueles que realmente conhecem a liberdade.

    A minha metáfora não ficou muito boa não, mas da pra abstrair a ideia, ( eu acho)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna, claro que dá para abstrair sim a ideia...

      seria...

      A dialética de todo pensamento se presume de que a presunção é do pensamento o todo.

      Mas há algo diferente no ar, "uma estrela de brilho raro" quando simplesmente corremos para outro lado e a coleira se solta e as grades se arrebentam...

      "Onde está a porta aberta?"
      "Qual é a direção?"

      Isso é um segredo escondido em cada coração...
      POR QUÊ?
      PORQUE SOMOS LIVRES E HUMANOS(assim eu espero)

      Excluir
  57. Mais uma reflexão muito interessante. Mas por agora não comentarei. Estou incomodada por estar devendo um pedido de licença para entrar na casa. Assim que puder.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  58. me diferencio da "multidão" por gostar de Engenheiros e do seu trabalho...e isso me deixa tão feliz....

    ResponderExcluir
  59. Deixo para o aprofundamento das discussões levantadas pelo texto do Gessinger a seguinte dica de leitura: "O império do efêmero", do filósofo e sociólogo francês Gilles Lipovetsky. Foi publicado pela Cia das Letras. O Texto do Gessinger toca diretamente numa das questões do autor francês, com a diferença que Lipovetsky parece saudar o império do efêmero como uma positividade da democracia moderna. É um bom livro, e o autor possui outras publicações da maior relevância para nossa atualidade, época em que é preciso fé cega e pé atrás!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "época em que é preciso fé cega e pé atrás!"

      Fé cega será que é mesmo preciso?

      Excluir
    2. Querida, isso é uma referencia à uma música dos Engenheiros. E o "pé atrás", que vem logo depois, constrói o paradoxo.

      Excluir
    3. Fé...

      a sombra do dia
      o clarão das noites

      quem precisa de fantasia?
      quem precisa de recortes?

      Eu,
      pois adoro tesouros no olhar

      Excluir
    4. Huahsuash saqueei, lerdeza aqui é mato

      Excluir
  60. Thor ser (interna do livro).
    Humberto vc é GÊNIO!!!! ahahahahahahah

    ResponderExcluir
  61. Eu deveria ter estudados para todas as minhas provas de Teorias Críticas por aqui, exatamente o que aprendi hahaha

    muito bom o texto. a única escolha que temos, é a forma de pagamento (:

    ResponderExcluir
  62. gabriela portilho18 de julho de 2012 23:54

    "Alemãozinho",

    A ânsia de ser diferente torna todos iguais. Impossível ser diferente por pertencer um acessório vindo de uma linha de montagem. Originalidade só do artesão, do pensador. O medo de ser igual é o medo de passar despercebido, de ser esquecido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriela Portilho,

      e num seremos esquecidos pelos filhos que amamos...

      Excluir
    2. e nunca

      Excluir
  63. Quantas vezes a gente sobrevive...

    ...a hora da verdade, a hora h, ao dia d,
    a hora de dizer chega, a hora que a corda arrebenta,
    sempre do lado mais forte, que é quem aguenta,sobreviver,
    em um mundo onde tanta gente vive sem ter como sonhar...
    seria engraçado se não fosse triste mas virando as voltas que essa vida dá
    amanhã vamos rir de tudo isso, o vinho vai brindar a uva,
    e não saber o que fazer vai fazer nossa certeza
    se nada faz sentido ainda há muito o que ser feito
    sentir com inteligencia, pensar com emoção e respirar com paciencia
    Alguem sabe o que nos faz sobreviver o que nos fez sobreviver?
    e sonhando, no dia d e na hora h, na hora que a corda arrebentou? Sei não...
    Quem eles pensam que são pra te fazer derramar uma lágrima??
    Nunca mais quero te ver chorar,se eu soubesse antes o que sei agora
    Erraria tudo exatamente igual... Surfaria Karmas e DNA...

    ResponderExcluir
  64. Excelente abordagem. Um sociólogo não teria feito melhor. "Todos iguais, mas uns mais iguais que os outros."

    Lembro de uma música do Capital Inicial que diz a mesma coisa com outras palavras: "Quem tenta ser diferente apenas fica igual a todo mundo que tenta ser diferente".

    Abraços,
    Christiano Rios

    ResponderExcluir
  65. Somos todos iguais, mas alguns sao mais iguais que os outros. Ja dizia o autor de a revolucao dos bichos e vc mesmo repetia esta maxima nas suas musicas. Entao, o que vejo e apenas a confirmacao de mentes mais abertas do que as nossas do que seria o futuro. Eu mesmo, me torno igual aos meus colegas que escrevem para comentar os seus textos, mas sou diferente de alguma forma pois faco isso nao em um computador convencional, mas num smartfone. Isso gera uma nova diferenciacao, mas o problema e que nao consigo acrescentar acentuacao, o que desta forma traz um defeito no final da diferenciacao. Devemos apenas suportar esses defeitos ou eles nos levarao ao fim da linha.

    ResponderExcluir
  66. Humberto me emocionei com esse vídeo (você e o seu fã Ricardinho que é jogador de futebol e tem deficiência visual):
    http://www.youtube.com/watch?v=hvXWNafPjZI&feature=related
    Sei que você não curte chegar perto de seus ídolos, e sinceramente não entendo isso, pois geralmente a gente quer chegar perto de quem gosta, trocar uma idéia etc. Cheguei perto de ti recentemente, mas fiquei tão nervosa que não consegui pedir um abraço, não sei se foi nervoso ou medo de você negar, enfim isso é algo que desejo a anos e não consegui...
    Apenas um desabafo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  67. É por textos como este de hoje, que você é o ídolo de toda uma geração! Não precisa escrever dez mil palavras, você é genial nas entrelinhas, e nos deixa sempre querendo ver o que vem depois da curva, o que vamos encontrar aqui na próxima segunda! Parabéns e vida longa ao grande Humberto Gessinger!!!

    ResponderExcluir
  68. Pra que tanta inteligência?
    Pra que tanta emoção?
    Qualquer coisa em excesso faz sucesso, meu ermão

    ResponderExcluir
  69. e deu Grêmio !! nos vemos no returno ...!

    ResponderExcluir
  70. Sacou a sacada.
    Como diria Vick (Eu, robô):
    Lógica inegável!!!!

    ResponderExcluir
  71. Mais um texto seu que me tira da minha incômoda zona de conforto! Tenho experienciado outras perspectivas faz pouco mais de um ano e tenho podido compartilhar essas novas experiências com um amigo. Os sonhos têm-me sido recorrentes. Difícil apreendê-los tanto quanto é difícil deixar de ter sonhos. Num desses sonhos me vi sem pele, totalmente disforme. Todavia, me ver assim me trouxe paz. Aí, lendo sobre Jung, mais especificamente sobre a persona: "Uma expressão possível de uma Persona extremamente inadequada seria o fato de não ter pele". Reflexões...
    Hoje pela manhã tive vontade ver fotos antigas e vendo-as tive vontade de ler Drummond. Peguei um livreto de poesias dele e, como se ler a Bíblia, pedi um poema para o que ia dentro. A página abriu no poema "Nascer de novo"... Tive necessidade de partilhar esse poema com o meu amigo que me respondeu dizendo que hoje começou a ler "O Eu e o Inconsciente", do Jung. Acaso. Ou não. E escrevi o e-mail ao som do álbum "Revolver", dos Beatles. E ele me respondeu pedindo pra eu escutar "Tomorrow never knows". Acaso. Ou não.

    Grande abraço e um sincero obrigada.
    Vanessa

    ResponderExcluir