P(*)EMA C(*)M N(*)TA DE R(*)DAPÉ - 56

qual é a tua meu chapa

qual é a tua missão

velho malandro da Lapa

dono de um mundo em extinção

qual é a tua ruína
teu coliseu, tuas Missões

lá onde tudo termina

um sonho jogado aos leões

sete vidas, qual é a tua
tantos futuros na mão

uma lança, índio charrua

quem sabe a paz de um chimarrão

a imagem que ficou

quando a luz se apagou
pra sempre
sete povos onde estão
sete dias passarão
pra sempre   

tchê, qual é a tua
qual é a tua merrmão


“Fulano é do ramo”, “Beltrano não é do ramo” -  gosto da expressão. A analogia vegetal (como se as possibilidades que a vida oferece formassem um arbusto ou uma árvore) suaviza a noção de que nosso destino já esteja escrito.

“No ramo desde ****” - assinatura que antigas empresas ostentam para expor sua permanência no mercado, sempre me lembra um bichinho agarrado a um galho que balança ao sabor do vento e pelo próprio peso do animal.


Conheço músicos talentosíssimos que não são do ramo.  Apesar da habilidade, não dialogam de forma criativa com a tradição, o momento e o futuro. Fazem bem mas não avançam um milímetro além do que já foi feito. Há músicos limitados, mas do ramo, cujas limitações até ajudaram-nos a transcender e levar à frente, por um milímetro que seja, a história da música. Há também, é claro, os extremos: músicos habilidosíssimos que são do ramo e os sem talento que não são.  Sobre eles, por óbvio, nada precisa ser dito.


Nem sempre é fácil saber qual é nosso ramo. E há várias maneiras de se posicionar num mesmo ramo; várias formas de ser médico, poeta, engenheiro, político... também há várias formas de não ser nada. Não nos deixemos cabrestear pelos estereótipos!

A questão não se esgota em ser ou não do ramo. Talvez o tal ramo nem exista em determinados meio social e período histórico. Quantos extraordinários artistas, cientistas, atletas ou filósofos morreram antes de nascer pois estavam na hora errada no lugar errado (cedo demais, tarde demais, longe demais)? Os zigue-e-zagues da vida podem nos afastar do nosso ramo. Até que algo ou alguém (para ficar no reino vegetal) quebre nosso galho.


Esta sociedade do entretenimento que nos pariu e embala gosta-que-se-enrosca de inventar moda. Para atingir nossos sentidos já enfarados de tanto lero-lero, a novidade e o grotesco têm prioridade. O que um artista tem a dizer sobre política, o que um político tem a dizer sobre esporte, o que um atleta tem a dizer sobre religião, o que um teólogo tem a dizer sobre arte parece interessar mais do que o que cada um tem a dizer sobre seu próprio ramo. Pelo menos é o que acha quem tá de olho na audiência. E com i$$o a $ociedade que no$ pariu e embala não brinca: $ão $empre cara$ do ramo que contam o$ ponto$ e fazem a$ conta$.


bah 1: Num belo dia, a bela tenista Anna Kournikova descobriu que ganhava mais grana fazendo fotos para propagandas de perfume e relógio do que vencendo torneios. Seguindo a lógica custo/benefício,  ela gradualmente foi se afastando do esporte e se dedicando à publicidade. Quando já não era tenista, o mercado da propaganda perdeu o interesse por ela.

bah 2: Randy Jackson era um baixista top da cena americana nas décadas de 80/90. Do jazz ao pop. A partir do momento em que começou a fazer parte do júri no programa American Idol, o fato de ter sido um exímio e bem sucedido baixista passou a ser uma pálida nota de rodapé em sua biografia.

bah 3: o piloto brasileiro Hélio Castroneves, entre outras conquistas automobilísticas, venceu 3 vezes as 500 Milhas de Indianápolis, mais importante prova dos EUA. Dia desses ouvi ele comentar que, depois que participou do programa Dancing With The Stars, nos EUA ele é mais visto como um dançarino que corre do que como um piloto que dança.

bah 4: Hey, companheiro de arbusto, qual é teu ramo?

bah 5: Nosso destino está escrito? Existe livre arbítrio? Em que proporções devemos misturar estes dois ingredientes: o determinado e o aleatório? Espero que não esperes respostas minhas. Não as tenho, sou só um fazedor de canções – quase um compositor. Mas tenho uma pergunta: um texto que não pode ser lido existe?

escrito há 10.000 anos
em para-choques de caminhão
atalhos perigosos
feito frases feitas
um abraço
como se braços fossem galhos
e árvores se abraçassem
03jul2012

98 comentários:

  1. Meu ramo é seu braço! Seus galhos, sua consistência de princípios!
    Otários, sim, mas enraizados... Os galhos um dia se quebram - ou por macacos gordos, ou por crianças se pendurando.
    Que seja por crianças.
    Outro abraço, com galhos muito menores.
    Boa noite.

    ResponderExcluir
  2. Belas fotos...

    Escalando o ramo da educação (que anda pesado ou leve demais, depende do ponto de vista)... posso te ver daqui Gessinger!!

    Um forte abraço!!!

    ResponderExcluir
  3. ser de vários ramos, multifaces.É tudo exigencia da vida contemporanea?
    grande texto

    ResponderExcluir
  4. Adorei o texto, nada tradicional, como sempre e o melhor! Agora posso durmir.
    Otima terca feira pra ti!
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. E a segunda virou terça e com ela foi - se o amanhã de antes de ontem... Boa semana a todos...

    ResponderExcluir
  7. E a segunda virou terça e com ela foi - se o amanhã de antes de ontem... Boa semana a todos...

    ResponderExcluir
  8. Tb tem o domingo de ramos!!
    Um pássaro sem ninho, faz do mundo sua casa e da vida sua profissão...Será que o tal "quebra galho" é um cara que não é do ramo e tipo quebra o ramo(??)
    Prefiro ser do ramo trabalhador(nada de proletariado pelamordeDeus)...
    Mas uma coisa legal que aprendi no meu ramo(he he he) é que depois da meia noite(NOITE), agente dá bom dia !!Mas ainda é noite ...!!

    ResponderExcluir
  9. Excelente. Uma inspiração pra escrever.

    ResponderExcluir
  10. ''Um texto que não pode ser lido existe?'' Não sei tu é mais músico que poeta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez você não tenha prestado a atenção devida ao que o Humberto escreve! Ele é tão bom músico quanto poeta, ou escritor!

      Excluir
    2. O que eu disse foi um elogio.

      Excluir
  11. Nossa. Impressionado com o texto todo e principalmente com a frase: Não nos deixemos cabrestear pelos estereótipos!Humberto é um grande gênio humilde entre nós.

    ResponderExcluir
  12. De bons ramos tira-se bons frutos, de bons frutos boas sementes, e de boa sementes reiniciamos o ciclo da vida. Tudo que precisamos é escolher o ramo certo, o fruto certo e na hora certa.

    Há quem diga que o ramo da política brasileira originou-se de uma erva daninha...

    Há quem diga que o ramo da educação não seja mais um ramo, e sim um galho seco apodrecendo..

    Há quem diga que o o futuro da árvore depende dos jovens, porém árvores vem das sementes e que precisam de bons nutrientes..

    Espero que nesses longos anos de vida nenhum jardineiro venha tirar meus frutos, muito menos o de vocês...

    abraços

    ResponderExcluir
  13. Cacilda! Perguntas que são como trapos transformados em bandeira a pra mim... ramo... acho que tenho o problema dos macaquinhos, não consigo ficar parada num só galho... Tá. Não quero expôr tanto, é que bateu.

    U-U-A-A-A ;-)
    Tradução: Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E fiquei eu aqui lucubrando sobre o tal texto... hahahaha

      Existir, existe. A possibilidade da leitura o transforma, mas não o cria. Isso seguindo a premissa contemporânea (nem tão contemporânea assim, na minha opinião) de que o autor não tem o domínio de sua obra, que já é outra coisa no olhar do leitor/espectador... uma nova percepção, uma nova..."história"... enfim...

      Seus textos já existem antes de você postar... rs

      Excluir
    2. Não resisti a vontade de dar um exemplo.

      A letra de uma música é texto, antes de ser "letra", antes de ser canção, certo? (vai saber) Então, digamos que sim. A letra de "Quem Sabe Um dia" (música minha) já existia e foi cantarolada muuuuito tempo antes da possibilidade de ser lida (existir num papel) ;-) De mais a mais, a pergunta primeira para responder a sua pergunta deveria ser "o que é existir?".

      Aaaah! Adoro essas provocações...rs... tá parei. Vou continuar refletindo, mas chega de vir postar...hahaha

      Excluir
  14. Quando criança, ouvia muito a pergunta: "o q vc vai ser qdo crescer?". Eu dizia que iria ser Engenheiro Civil...o tempo passou, me formei como economista e qdo relembro da pergunta posso responder hj q do ramo q qria qdo criança, eu consegui ser apenas um fã dos Engenheiros do Hawaii !!! hehehe

    Ótimo texto para quem ainda tem que decidir qual ramo deve seguir

    ResponderExcluir
  15. Antes eu acreditava em Destino, em que tudo está escrito em algum plano desse universo; Depois mudei de idéia e acho que o nosso Destino é a gente quem faz, exemplo tosco: Se eu estudo,estudo e passo no vestibular o mérito é meu, se eu estudo e não passo(provavelmente não estudei o suficiente) a culpa é do destino, segundo algumas pessoas, num passou pq simplesmente não tava escrito.
    Enfim só me enbanano mais!
    Tava morrendo de saudades dos teu textos!
    Boa noite e até semana que vem!
    Rayanne
    Meu namorado esses dias disse que foi o Destino que nos pôs um de frente do outro, daí penso comigo, "Conversa de homem apaixonado?! Ou foi isso mesmo que aconteceu? Fomos ou não fomos atrás para que isso tenha acontecido? Ele apareceria do nada e nós nos apaixonaríamos mesmo se eu não estivesse naquele bat-local, naquela bat-hora?"

    ResponderExcluir
  16. Sim, existem varias formas de ser um engenheiro...
    Bom demais, valeu!

    ResponderExcluir
  17. mas que barbaridade !!!!!11

    ResponderExcluir
  18. Sou do ramo daqueles que curtem mudar de ramo, sem nunca mudar de arvore.

    ResponderExcluir
  19. Ramo... Ramificações... E qdo elas se limitam a especialismos? E qdo o ramo não tem mais nó? E qdo um ramo se sente árvore de uma monocultura?
    Acho curiosa também esta expressão para referenciar uma especialidade, uma determinada área. Vejo que "ramo" diz muito de movimento, de devir, de possibilidade... mas que especialidade - ou como essa vem sendo feita, especialismo - conta sobre limitação, enrijecimento, "monovisão"... Ao mesmo tempo, penso que há várias possibilidades nas inúmeras áreas de conhecimento/ofício/viver, e que podemos percorrer por elas e devemos buscar contatos com outros ramos... uns mais próximos... outros mais distantes... aqueles com os quais atravessamos galhos.

    Ótimo texto. Sempre me deslocando e cativando!

    Boa noite.

    ResponderExcluir
  20. Olá 1berto,

    Sim, existe.
    Se é um texto, existe. Mesmo que não possa ser lido. Eu tenho várias coisas escritas guardadinhas e que nunca ninguem leu e se depender de mim não irão ler...

    Mas estão lá...

    No mundo das ideias!

    Um abraço!


    Ps: Um abraço pra Elise. Grato pelas palavras no outro post. Até a próxima!


    T.

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. -Escrito há 6 mil anos.
    -Um texto ainda não lido existe na cabeça de quem escreveu.
    -Randy teve o azar/sorte de ser irmão do Michael.
    -Toda pergunta tem uma resposta provisória.
    -Ramos também podem ser raízes.

    ResponderExcluir
  23. Sou do ramo daqueles que não sabem de que ramo são. Apenas ouvi e ver a bela paisagem da natureza que se modifica e surpreende a cada dia mas que sempre terá seu olhar firme pra uma arvore de galhos abertos. Bah saudações cearense aqui da Princesa do cariri! :D

    ResponderExcluir
  24. Rola um cartaz pelo Facebook anunciando "Engenheiros do Hawaii" dia 10/08 em Muriaé-MG.

    O engraçado é que o "Pouca Vogal" é nota de rodapé, nesse mesmo cartaz.

    O simples fato de dizer que é o "cara" dos Engenheiros que está lá... então a coisa é boa?

    Mas sem datas anunciadas, virou uma mentira-repetida na rede.
    E até quem não é do ramo, anda "curtindo" e "compartilhando".

    Mas eu adoraria que fosse verdade. rs!

    Valeu!

    ResponderExcluir
  25. Sou do ramo ainda desconhecido.
    Do ramo da saúde. 6º Período de Nutrição, mas com o pensamento na Psicologia, as mãos na escrita por gostar tanto de escrever. E a voz segue meu coração nas noitadas de Rock, por amor a música e por gostar tanto, mas tanto de cantar!
    Segunda virou terça! E a gente se esbarra aqui pra refletir sobre o que você escreve e sobre o que nos faz comentar.
    [Eu sempre leio todos os comentários e procuro sempre pelo seu. Acho bacana quando você também os lê e responde. Na verdade, acho que leio procurando suas respostas - risos]
    \o Abraços através da música e da escrita, afinal é isso que cria essa magia entre fã e alguém que ela admira.

    ResponderExcluir
  26. Texto fantástico!
    Tenho a sorte de ter mais de um ramo mas nao sei se isso é bom ou muito bom , ou ruim? Coisas do destino. Neste ultimo sábado estive num trabalho no cultural Juiz de Fora. Onde o PV esteve há duas semanas atras... Haha confesso que tentei ouvir sentir de forma imaginária...um pouco do show que aconteceu ali... Claro que perguntei para uns amigos da produção algumas coisas e eles disseram que foi um super show. Uma curiosidade que todo mundo sabe mas achei engaçado o pessoal la cmentarlar é i que: praticamente o HG. Nem precisa cantar os fãs cantam todas as musicas e bem alto risos...enfim meu ramo música e publicidade ... Abs

    ResponderExcluir
  27. Não existe um texto que não possa ser lido, pois este já não seria nem um texto. A gente ler tanto quanto respira - Pense no velho provérbio: To te lendo.
    É a mais pura verdade, visto que não lemos apenas o texto folheado, o mundo é um texto sem legenda e somos nós que damos legibilidade. [Pausa]
    Acabo de olhar a minha direita e leio seu quadro.
    Parecem reflexos de si mesmo, mas caracterizados pela diferença marcada pela pose. São três sujeitos, um único quadro, a mesma pessoa. É interessante como o primeiro Humberto parece mais real do que o segundo e o terceiro.
    [Fim da pausa] O intrigante é que este quadro me leva imediatamente a pensar no Velasquez e seu quadro Las meninas.
    É neste instante (Kairos - o momento oportuno) que me pergunto: quem fez a ligação entre os quadros?
    E me vem a resposta: Sim, fui eu. E eis que percebo que ainda tenho um leve intervalo de tempo pra fazer minhas próprias escolhas, minhas próprias representações.
    E tudo isso me pertence, o produto tem seu dono, mas os usos, as bricolagens, a forma astuciosa (métis) com a qual me utilizo dos objetos, ah! isso não podem me tomar, tampouco podem controlar, é intangível.
    Estamos todos enredados numa teia de significações (a cultura, esse novo ídolo da contemporaneidade que substituiu o progresso), e no entanto, a subjetividade ainda tem seu nome.
    Francis Rayme

    ResponderExcluir
  28. Ahhhhh meu grande amigo, fornecedor de agasalhos auditivos....o considero meu amigo, mesmo sem nunca trocar uma palavra contigo; apenas o vi em alguns shows......mas converso mto com suas canções rs ......esse post me fez esperar um dia mais p comentar algo.....belíssimo assunto!!!!!!!

    ResponderExcluir
  29. É, o grande desafio da minha vida é descobrir o que é determinado e o que é aleatório!

    ResponderExcluir
  30. Uma boa pergunta vale por mil respostas.

    Um texto que não pode ser lido existe?

    ...

    e o que será que está escrito? tudo? :O

    ResponderExcluir
  31. Um texto que não pode ser lido, existe?
    _

    No mínimo tal texto poderia ser lido ao menos pela pessoa que o escreveu, ou pela pessoa que o pensou. Um texto que não puder ser lido, um objeto que não pode cumprir a finalidade para a qual foi concebido...é como se um violão não pudesse ser tocado, por que existiria?

    Há braços, chapa.

    ResponderExcluir
  32. Seus textos deixando as pessoas "mudas" de sarisfação.

    ResponderExcluir
  33. Seus textos deixando as pessoas "mudas" de sarisfação.

    ResponderExcluir
  34. HG, vc eterno HGênio !!!!
    Cada vez mais seu fâ !

    ResponderExcluir
  35. Não, Humberto...

    todo texto que existe é porque ele pode ser lido, se agora não, amanhã ou depois sim...

    ResponderExcluir
  36. Qual força existe para direcionar o ramo para determinado lado, como numa árvore, quem decide para qual lado seguir? Músico, poeta, político ou padre? Pra onde? Ramos que pendem para qualquer lado? Quem sabe? Abraço amigo.

    ResponderExcluir
  37. Gostei do texto, só não acho que o posicionamento seja tão claro assim.

    (In)Felizmente a percepção de uma pessoa vem do observador e não do observado, e isso faz com que você seja "infinitos" você, mesmo sendo você mesmo. Usando um dos exemplos do texto, o Hélio Castroneves é o corredor a quem interessa, o dançarino a quem interessa, o pai a quem interessa, o amigo a quem interessa (etc) e várias dessas coisas juntas a quem interessa.

    O mesmo vale para o ramo. Um ramo, seja criado pelo observador quanto pelo observado, é tão perecível quanto a próxima opinião, ou a próxima sugestão.

    ResponderExcluir
  38. É engrassado o quanto nos sentimos nervosos pare expressar apenas um "oi, tudo bem".
    Acompanho seu blog já ha algum tempo, mais nunca soubo o que dizer. Ou talvez não tivesse encontrado coragem ou inspiração pra tal.

    Me lembra ate uma passagem no livro "Nas entrelinahs do horizonte", em que nosso 1bertão se recusou a dar um disco seu pro seu ídolo... "meus idolos são de outro mundo, e prefiro eles lá"

    Acho que esta é a definição mais exata sobre como me sinto excrevendo aqui pra meu ídolo.

    Quantos questionamentos.
    Uma vida tão curta.
    deixando de viver
    preferimos a duvida.

    - Me tira daqui
    - Não adianta gritar
    - Me ajuda a fugir
    - Ninguém vai escutar

    Não agüento mais... eu não sei a resposta

    ResponderExcluir
  39. Me veio a mente o Pelé do basquete, Michael Jordan.
    Depois de uma carreira espetacular nas quadras, trocou o calção pelo terno, comprou um time de basquete e voltou as quadras, para chamar a atenção do seu produto, em péssima forma.

    Quanto a indústria da música (pop), não poupam ninguém!

    Saudações Rubro-Negras.

    ResponderExcluir
  40. HGênio mais surpreendente a cada dia que passa..
    Além do dom de acalmar os ouvidos, agora dá luz aos olhos!
    Orgulho de ser tua fã!

    ResponderExcluir
  41. Sabe aquela idade em que a gente não sabe qual é o nosso galho? Pois é, estou nela. Mas, lendo esse texto, vejo que não é tão ruim assim não ter um galho pré-destinado. Brilhante, como sempre.

    Gabriela Martini,
    Luís Alves SC

    ResponderExcluir
  42. Se o nosso destino esta escrito então tem um texto q não pode ser lido... O livre arbítrio é o q vc pode acrescentar nesse texto...as vezes não muito boas, q podemos modificar, apagar....mudar....Hey fazedor de canções eu quero ver/ouvir os textos q n podemos ler...agora....ansiosa...amo suas letras, mas amo mais anda as q eu n conheço....Um super abraço....

    ResponderExcluir
  43. Existe coisa mais bela que compartilhar incertezas?

    ResponderExcluir
  44. "um texto que não pode ser lido existe?". Às vezes muitas vezes não percebo as entrelinhas. Peço paciência.

    Mas ainda assim, a resposta me aparece. É um sim. Um cérebro, conglomerado de matéria organizada no espaço que faz analogias teve que ter elaborado, criado, organizado as idéias contidas no texto.

    Partindo da relação de causa e consequência (embasada na 2a lei da termodinâmica) a matéria estelar que tá nas 6 camadas do córtex cerebral já não é mais a mesma apartir do momento que a idéia passou a existir. Sofreu uma nova transformada (criou novas espículas sinápticas) na hora do rascunho e se estabeleceu como memória de longo prazo no gran finale da edição(se é que esse existe).

    Nossa mente é uma complexa rede de reflexos neurológicos intrincados pré-estabelecidos que como ação visível tem a movimentação do corpo, emoções, pensamentos como expressão. Mesmo que alguém tenha escrito um texto e não deixa por birra alguém o ler e o interpretar, o próprio autor já foi influenciado e influenciará mesmo sem querer outras pessoas, ou ainda matéria inanimada. Claro que a consequência externa de ter escrito o texto e o censurado é em escala muito menor do que se tivesse o divulgado em uma 'companhia das letras'. Portanto, o imprint nas camadas corticais do autor deixado pelo texto idealizado já é a prova de que ele existe.

    Agora, e se o texto for a própria highway sem desígnio inteligente? A própria natureza escrita no espaço "esperando" ser lida; o elétron esperando ser visualizado sem ser excitado; a luz querendo ser onda ou partícula; as partículas luminosas que separadas no trajeto à 900.000Km de distância uma da outra quando uma tem seu trajeto novamente modificado a outra rececebe a mesma modificação instantaneamente; A placa de ateroma esperando ser rompida (como saber em quem e quando vai romper mesmo conhecendo os fatores de risco?). São textos já escritos, esperando serem lidos. Ainda assim não deixa de ser diferente, os textos sempre deixam um rastro como se fosse consequência. Talvez o bigbang seja o único texto que não tenha deixado rastro.

    ResponderExcluir
  45. Mister Gessinger...

    Tua pergunta me levou ao ditado popular: escrever certo em linhas tortas... Que aliás é uma frase sempre usada para lembrar-nos do que o livre arbítrio não controla... Que "coincidentemente" casa com o tal livro que não podemos ler: o do destino.

    Por isso o destino sempre foi tema principal dos maiores e melhores do ramo da filosofia. Masturbação mental desse emaranhado de linhas invisíveis de um suposto livro que se ouviu falar.

    Bem...
    Eu não sou ramo...
    Muito menos galho...
    Nem graveto...
    Nem árvore...
    Nem frutos...

    Prefiro ser terra.
    Do pó viemos, de pó vivemos e ao pó voltamos.

    O contexto do meu viver é bem abrangente, antes que alguém me crucifique, creia, a terra é muito mais que abrigar sementes e abrir sulcos...

    Meu Olá.
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cila

      A terra revela
      o que antes só era das eras...

      o destino é o que (de)põe
      com cuidado...

      Prefira a terra e terá a segurança
      de viver em qualquer lar...

      Excluir
  46. caro 1berto....

    nao acredito que nosso destino esteja escrito....podemos seguir o rumo que queremos, basta ter determinaçao que chegamos nos nossos objetivos...assim como uma arvore que quando esta em fase de crescimento agente coloca uma estaca para guiar seu crescimento....e nos tambem somos assim, basta direcionar e saber onde queremos chegar...

    parabens pelo blog.....toda terça eu to aqui.....
    so seu fã incondicional

    ResponderExcluir
  47. 1berto,

    Gostei demais da metáfora e da leveza argumentativa. Queria parabenizá-lo pela iniciativa de compartilhar relexões de um jeito tão atraente. Um grande abraço. Carlos

    ResponderExcluir
  48. Haaeee muleq!!! tu viu na Veja (LIVROS MAIS VENDIDOS DO ANO) Humberto Gessinger "Nas Entrelhinhas do Horizonte", podia rolar daqui uns anos uma academia brasileira de letras, já pensou, meu idolo da juventude ocupando o cargo... bom eu o conheceria de trás pra frente!!!

    ResponderExcluir
  49. Poxa cara, acho que um dos melhores textos que li aqui. Ou pelo menos um que se casou melhor com o contexto.
    Fui (vou) seguindo aquele caminho pré trilhado: Fundamental-> Médio->Faculdade. Depois poderia (pode) ser mestrado, doutorado,....
    Mas e ae me pergunto, é por ae que quero ir? Será que já botei tantos kms em um caminho que não era pra mim, que agora eu sou pra ele? Ou será que esse é mesmo um caminho bom pra mim? Porque pra onde eu me viro pareço que estou parado? Haverá um caminho melhor que eu não descobri? Um vocação talvez... tem que haver, pode ser, pode não ser?

    Acabei q só fiz perguntas. Para algumas eu chuto respostas. Caminho certo não sei existe, vocação talvez possa ser compensada por treino. Satisfação pode estar na paisagem da estrada do meu lado, seja ela qual for. Talvez ela não dependa da paisagem, mas depende do olho que vê.

    ResponderExcluir
  50. Eu leio, releio e depois começo tudo novamente e o mais legal é que cada postagem me emociona de uma maneira impar.
    Valeu, Humberto, por nos oferecer tanto de voce e assim, contribuir com o crescimento de cada um de nós!

    Ramos = galhos = tá dificil saber....
    tenho tentado o ramo da ciencia, especificamente Fisica!

    abraço sincero!

    Ahh...olha só esta materia, sobre livre arbitrio...
    http://super.abril.com.br/saude/livre-arbitrio-nao-existe-447694.shtml?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_super

    ResponderExcluir
  51. sera q ser do ramo hj em dia faz algum sentido??faz alguma diferença num mundo tao evoluido???

    ResponderExcluir
  52. Gessinger, ouvi um psicólogo falar em palestra que muitas pessoas trabalham fora do campo de atuação da sua formação. Sou Advogado, tenho uma Corretora. O Direito me possibilitou a oratória, o poder da argumentação, fundamentação, a ter familiaridade com contratos de seguros. Não sei se seria ou sou bom Advogado, não sei se sou ou serei bom Empreendedor. Vivo e sobrevivo no mercado capitalista. Penso que o livre arbítrio não é tão livre assim. Está condicionado aos arbítrios anteriores. Os meus galhos estão dando para quebrar meus galhos! Acredito no destino quando você entra em sintonia com ele."...prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela opinião formada sobre tudo..."
    Abraço e Boa Semana!
    Belo Texto!
    Bruno Veloso
    Salvador - Bahia

    ResponderExcluir
  53. Humberto a paisagem esta linda, o texto também, e pra este advogado pergunta pra ele qual é a metamorfose que ele faz, ele transforma numa cobra, num camaleão ou numa aranha.
    Rita
    RN

    ResponderExcluir
  54. Ainda não encontrei meu ramo.Acho que vou cair da árvore!

    ResponderExcluir
  55. O texto que não pode ser lido existe. Antes mesmo de ser escrito, ideias entraram em conflito, geraram um filho. O pai desse texto mudou, mesmo que nunca tenha dado um beijinho no título.

    ResponderExcluir
  56. Nosso destino está escrito? Acredito que não, pois que graça teria? Já sabemos o final! Tinha que acontecer? Acredito que cada pessoa trilha seu caminho...
    Acredito na compração da árvore á nossa vida, começamos nossa história da seguinte forma: A sementinha que germinou, s primeiras folhas, galhos, flores, enfim sempre surge um novo galho e neste brota mais folhas.
    Algumas vezes esta árvore precisa ser podada para que possa ter mais força e beleza, é uma poda valiosa.
    E infelizmente existe aquela poda maldosa, que tentam acbar com a árvore, algumas morrem e "outras" por serem fortes brotam novamente.
    E ainda existem aquelas que sofrem por tentarem acabar com seu espaço, e estas dão o seu jeitinho e se entortam daqui e dali e continuam fortes. Somos fortes.
    Ótima postagem desta semana.
    Concluo com suas sábias palavras: 'Um abraço como se braços fossem galhos e árvores se abraçassem'.
    Beijos e vida longa.

    ResponderExcluir
  57. destino= espaço fisico
    livre arbitrio= capacidade

    ResponderExcluir
  58. Sempre gostei de estudar em minhas pesquisas acadêmicas a dinâmica caótica de sistemas não lineares. Sistema caótico, por sua vez predomina o aleatório e imprevisível. Engraçado que mesmo estudando sobre comportamentos não determinísticos, ainda assim acredito em destino. Logo, creio que embora vivemos em busca dos mapas do acaso, nosso destino esta traçado sobre as entrelinhas do livro escrito pelas mãos divina.

    ResponderExcluir
  59. Um bichinho agarrado a um galho me lembra um bicho-preguiça, que por ser peludo lembra o Tony RAMOs.
    Deus me livre dessa visão, acho que prefiro um piscinão de RAMOs!
    Sou do RAMO da comunicação social, mas meu RAMO preferido é vir até seu blog e suspirar com suas palavras...
    Humberto você é tão belo e sensível como um RAMO de flores <3.
    Nah deixa eu parar de sonhar contigo, vou escutar um RAMOnes!

    Bjus, adoro você Humberto!

    PS: você trocou os óculos?

    ResponderExcluir
  60. ANDRE - PINHAL SP3 de julho de 2012 20:52

    10.000 destinos 10.000 arbitrios 10.000 motivos para se surpreender com poemas de rodapé.

    ResponderExcluir
  61. Acho que o meu ramo é parecido com o teu, gosto de literatura, escuto Bob Dylan, tenho algumas anotações, sei alguns acordes no violão e também gosto da Claridade.

    Até mais, abraço.

    ResponderExcluir
  62. Bela humberto, mais um belo texto!
    Só fui ler agora, perdi a rotina, entrei de férias...haha
    (Ja to me explicando e nem devo explicações)
    Ótimo texto mesmo, uma grande inspiração, vale a pena reservar um tempo toda semana pra ler teus textos...
    Tema muito bom, vocÊ sempre bota o dedo na ferida, acha o ponto certo, belo trabalho!
    ABRAÇOS HAWAIIANOS
    @nigganeto

    ResponderExcluir
  63. "Qual é o teu limite, se é que ele existe. Se não existe o complexo qual é?" Não sou dos ramos, sou meio que da árvore. É um perigo eu sei, mas onde não é perigoso?

    Christiano Rios

    ResponderExcluir
  64. Humberto,

    O livro novo está excelente! Diria, que é o seu melhor trabalho (como escritor) hehe. Está de parabéns!

    Falando em ramos. Previsões de novas gravações do Pouca Vogal?
    Nos encontramos em Pará de Minas.
    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  65. Pesquisei agora :De onde vem a expressão "do ramo" e dei de cara com uma referência a teu blog.
    Eu sei que o sonho(desígnio) do Criador a nosso respeito é escrito em letras de ouro visando o cumprimento da nossa verdadeira VOCAÇÃO(Profissão ou estado de vida)

    A origem da palavra “vocação”: ela vem do verbo latino “vocare”, que quer dizer “chamar”. A vocação é, portanto, um chamado. No âmbito religioso, a vocação é sempre um chamado de Deus para alguma coisa.

    A pessoa chamada se sente impelida, atraída para aquilo a que justamente é chamada. É comum ouvir alguém que fez essa experiência da vocação dizer que o chamado é como se fosse uma voz que ressoa suave e insistentemente aos nossos ouvidos. É como uma idéia que insiste em permanecer, mesmo quando queremos descartá-la.

    A pessoa do vocacionado se sente atraída para aquilo que considera belo, grandioso, importante e necessário que se faça. A vocação é sempre vista como algo que se pode fazer de útil para os outros, e que é, portanto, um serviço que se pode prestar aos outros.

    É importante dizer que a vocação tem sempre essa dimensão da “alteridade”, é sempre “alter”, isto é, é sempre voltada para o outro. É um serviço, uma doação.)

    São João, 15,5

    Há milhares de profissões que não me atraem e que acho que eu não desempenharia bem. É preciso fazer o que gosta, o que dá , o que rende mai$ ou o que deixa árvores robustas? Isso deve depender de...

    Poderíamos escolhê-las escritas em papel embrulhado:"Mamãe do Céu mandou escolher essa daqui!"

    Sou vocacionada desde sempre pra educação, música, livro, poesia, arte e algo mais que o Papai do Céu escolheu pra mim. Não importa se terei fama sucesso e dinheiro. Desempenhar bem o papel derivado da árvore da vida nos completa e satisfaz.

    Descartam vidas pois não vêem possibilidaes de profi$$ão, sem se darem conta do olhar, sorriso e amor proporcionados.

    Sangue de mártires dão bons frutos?

    ResponderExcluir
  66. Muito bom Humberto! Como diz a filosofia mais antiga e atual do planeta "Conhece-te a ti mesmo"... a egotrip é tão dificil que preferimos viajar na vida alheia e acabamos nao encontrando nosso proprio ramo, ficando solto no ar, jogado pra tudo enquanto é lado enquanto a vida passa...

    ResponderExcluir
  67. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  68. A verdade é que eu sempre soube qual era meu ramo, mas apenas agora posso me dedicar a ele plenamente. Agora posso dizer q estou no ramo que eu amo, agora posso dizer que sou uma escritora. Meu primeiro livro foi escolhido por uma editora entre 36 mil!Coincidência? Talvez...
    Você estará na Leitura do BH shopping no dia 19 e eu gostaria de te dar um exemplar do meu livro: SEMPRE VAI HAVER UMA CANÇÃO.
    Essa obra tem a música não apenas como parte da historia mas como personagem principal, sendo que a primeira música é PIANO BAR.
    Meu lançamento tbm foi na leitura do BH shopping no dia 22/06!
    Espero que vc goste!

    Abraço...

    ResponderExcluir
  69. Ótimo texto, mais uma vez ! É incrível como HG consegue nos
    fazer refletir sobre coisas tão próximas de nós e tão
    "cotidianas". Lendo o post, é impossível não nos
    questionarmos também.
    Sou analista de sistemas mas também um cara que toca violão
    e baixo nas horas vagas e "esporádicas". De qual ramo eu
    sou ? Ou eu não sou de nenhum destes ramos ? Não sei,
    sinceramente, não tenho estas respostas. Às vezes, talvez
    na maioria das vezes, seguimos caminhos e tomamos decisões
    mais por questões racionais (como $$, por exemplo) do que
    emocionais (talento, satisfação pessoal, etc).
    A vida real nos impõe caminhos, ou barreiras, em nossa vida
    "ideal".

    "Ah...vida real! Como é que eu troco de canal?"

    Abraços HG, à Engenharia Hawaiana, aos de Pouca Vogal e de muita fé (cega e pé atrás).

    ResponderExcluir
  70. Gabriela Lindenberg4 de julho de 2012 13:42

    Não sou muito de ler poesias, mas achei essa muito bela e a guardei. Achei que cairia bem com o texto da semana...
    Abraços.

    VELHAS ÁRVORES

    Olha estas velhas árvores, mais belas
    Do que as árvores novas, mais antigas
    Tanto mais belas quanto mais antigas,
    Vencedoras da idade e das procelas...

    O homem, a fera,e o inseto, à sombra delas
    Vivem, livres de fomes e fadigas;
    E em seus galhos abrigam-se as cantigas
    E os amores das aves tagarelas

    Não choremos, amigo, a mocidade!
    Envelheçamos rindo! envelheçamos
    Como as árvores fortes envelhecem:

    Na glória da alegria e da bondade,
    Agasalhando os pássaros nos ramos,
    Dando sombra e consolo aos que padecem!

    OLAVO BILAC – POESIAS

    ResponderExcluir
  71. Um texto que não pode ser lido existe ? Genial.. Valeu Gessinger !

    ResponderExcluir
  72. "devemos ser a mudança que queremos ver no mundo" foi assim que Mahatma Gandhi definio o segredo de ser feliz, de fazer históras de não passar batido pela vida, mais de deixar a sua marca por mais simples e humilde que ela seje sempre estará valendo se for autentic se for de coração, simples de coração, a mudança está dentro de cada um de nós é só querer lutar pelas causas mesmo que perdidas nos ajuda a entender o sentido da vida em todos seus aspectos.
    quem é do ramo? quem se comporta como se fosse?? quem é e não ta prosa. Tanta gente tantos sonhos, a descoberta de novos horizontes é mesmo facinante, voce não vê o que esta a sua frente e enxerga a mais de 1000 km de distância o como diz o mineiro "O TREM DIFICI DE ENTENDE SÔ" mais não, basta presta um pouco de atenção e ignorar intrigas da oposição.cultura e hora certa nunca fez mal a ninguém a vida é um jogo ganha quem conhecer melhor as regras VALEU HUMBERTO DU HERREIRA SJdoRIO PRETO SP louco de satisfação

    ResponderExcluir
  73. DU HERREIRA O DOM QUIXOTE DA VEZ5 de julho de 2012 01:37

    Muito prazer, meu nome é otário
    Vindo de outros tempos mas sempre no horário
    Peixe fora d'água, borboletas no aquário
    Muito prazer, meu nome é otário
    Na ponta dos cascos e fora do páreo
    Puro sangue, puxando carroça

    Um prazer cada vez mais raro
    Aerodinâmica num tanque de guerra,
    Vaidades que a terra um dia há de comer.
    "Ás" de Espadas fora do baralho
    Grandes negócios, pequeno empresário
    kra essa é pra quem nunca foi do ramo mais um dia poderá ser
    pra fechar a noite...VALEU 1BERTO SOMOS QUEM PODEMOS SER SONHOS QUE PODEMOS TER EEEE TEEEEEREEEEMOOOOOOOOS!!!!!!

    ResponderExcluir
  74. Esqueci de dizer meu querido senhor Gessinger:

    Somos quase todos do ramo!

    Quem não faz parte da raiz, faz parte do caule, ou dos galhos, ou das plantas, ou das folhas, ou das flores, ou dos frutos ou do bagaço, ou da semente, ou da outra planta... de uma muda!



    T.

    ResponderExcluir
  75. Já quis ser de tantos ramos, mas não consegui. É como se dar murro em ponta de facas.

    Acho que temos o livre arbítrio de escolher somente aquilo que nos é imposto, aquilo que se apresenta como uma possibilidade. Geralmente sim/não, dois caminhos a seguir, como num algorítimo, um fluxograma da vida real.

    No fim das contas o livre arbítrio só nos leva para o que já estava previamente escrito.


    Abraço,

    Flávio

    ResponderExcluir
  76. Humberto... Somos quem podemos ser...
    Somos quem conseguimos ser...
    Tentamos e tentamos, ser quem queremos ser, mas no final, estamos presos nas linhas de um livro chamado destino...

    ResponderExcluir
  77. Senhor moço. Tentei mandar uma mensagem pra você no Twitter, só que não sei usar aquele troço,então digo aqui. Acabei de ganhar seu livro! Muito bom gosto, o estilo e as fotos!Te sigo sempre, dessssde lá vai tempo! Melhor presente de aniversario que eu ganhei e ó que é antecipado, nem sei o que virá amanhã, dia real! Os Engenheiros faz parte da historia da minha vida, pena ela ser tão trágica! Bjss e até mais!

    ResponderExcluir
  78. Lobão é do ramo de música. Lançou uma autobiografia que vendeu mais do que todos seus cds juntos, desde os últimos 20 anos. Mesmo ele não sendo escritor.

    Agora ele pretende lançar mais um livro, dessa vez de romance, e vai dar mais ênfase à literatura do que à música.

    Provavelmente - de acordo com as estatísticas da vida - ele será um fracassado escritor.

    ResponderExcluir
  79. Olá Humberto,

    Texto sensacional... Sou do ramo dos que sonham... sonho com um mundo melhor, em ser uma pessoa melhor... acredito nas pequenas mudanças, esse é meu ramo, não profi$$ional, mas de vida!

    Afinal "Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos" (Saint-Exupéry)

    Acredito que as oportunidades, vem no embalo do destino (aquilo que está escrito e não pode ser lido, só vivido), porém, é através do livre arbítrio que escrevemos nossa história... ação e reação, nossas escolhas e suas consequências...

    Para mim um texto que não pode ser lido, só existe para o seu criador...

    Um abraço,

    Ana

    ResponderExcluir
  80. Ramo é o produto da raiz, com uma pitada do meio externo, coisa de fenótipo q depende do genótipo...Mas o ramo de cada uma é o q ele escolhe, ou não... Alguns escolhem , outros aceitam com passividade suas raízes, e nao tentam mudar o ramo, seja esse ramo qUal for, com talento , com disciplina, com uma tal perseverança tão esquecida no mundo 3D, 3G, 3S, 3 etc...q agora passa p 4D, 4G, 4S, 4 etc...q ...(cansei!!)
    Esse texto Do Gessinger deveria ter o título 10.000 variações sobre um mesmo tema, ou 10.000 destinos sobre uma mesma vida, mas quem sou eu para dizer o q deveria ter sido...na verdade foi ele q me disse nas suas canções e nos seus livros...Eu viajei na sua capacidade de criar, e espero viajar por mais algumas decadas... Prefiro o escritor de hoje, e O compositor de ontem...mas posso mudar de opinião amanha...o q importa é a admiração nesse cara q possui vários ramos!!!

    ResponderExcluir
  81. Eu ESTOU no ramo da contabilidade, esperando passar uma chuva e, quem sabe, um dia voar para novos ramos, ramos de árvores que produzam mais frutos. Não que a contabilidade seja uma velha árvore improdutiva, mas de que adianta estar num pé de limão se o que se quer é uma uva, ou vice-versa?!

    ResponderExcluir
  82. Depois de muitos anos vividos, e de muitas escolhas e mudanças de direção, posso falar alguma coisa sobre a metáfora proposta... São muito felizes as arvores que conseguem crescer livres, e escolher para onde lançar seus ramos. Pois há aquelas que, no decorrer da vida, são podadas, enxertadas ou amarradas a estacas direcionadoras. Não que se tornem árvores piores, ou menos bonitas, ou deixem de dar frutos. Mas a dúvida persistirá para sempre: que seria delas tendo crescido ao natural? Assim, na vida das pessoas: quantas escolhas e imposições mudam em definitivo nossos caminhos, fazendo de nós pessoas um pouco diferentes do que éramos até então? Penso que no há, neste caso, certo ou errado. Cada um escolhe para sua vida o que melhor lhe parece naquela circunstância, uma escolha que poderia ser diferente se o momento fosse outro, se os sentimentos fossem outros. Importa mais tentar ser feliz com as próprias escolhas. Com Humberto, sou arquiteta. Após diversos ramos percorridos, o que menos faço são projetos, embora a arquitetura continue presente em todos os momentos. Olhando para trás, vejo todas as bifurcações que me conduziram até aqui, e me divirto imaginando o que seria se tivesse escolhido de forma diversa. Humberto, num dado momento, optou pela música ao invés da arquitetura. Tenho certeza de que ele fez a escolha certa, ao ler seus escritos e ouvi-lo cantar...mas, talvez, se tivesse optado por prosseguir na arquitetura, criativo como se mostra, fosse também um ótimo arquiteto. Quem sabe?

    ResponderExcluir
  83. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  84. Pois é: foi-se o tempo do cada macaco no seu galho.


    Agora temos que estar em mais de uma árvore ao mesmo tempo, entrelaçadas por ramos e - como se não bastasse - raízes.

    ResponderExcluir
  85. os galhos em que me pendurei achando que eram OS galhos muitos se quebraram e é incrível pq a vida me parece um rascunho de desenho, quando vc acha que está bom, descobre que está ruim e tenta apagar, daí vc faz alguma outra coisa daquilo e de fato vira outra coisa. os galhos são pra se pendurar! não me leve tão a sério pq se quebrar, não quero me responsabilizar. já quebrei vários galhos e já caí de outros tantos. se me permitirem sempre que cair me levantar, estarei em outro galho.

    ResponderExcluir
  86. Legal as fotos Gessinger.. Cuidado com o IBAMA..rsrs. Parabens.. te admiro pra caramba.. estou longe demais das capitais, mas tenho sua discografia quase completa.. valeu.. saiba que em todo lugar tem um pedaço de vc.. em cadernos de escola, paredes de banheiros, blogs, etc.. Mente reluzente.. muita luz pra vc..

    ResponderExcluir
  87. O som de uma árvore que cai a milhas e milhas e milhas de qualquer lugar, existe?

    ResponderExcluir
  88. Não existe coincidência, apenas a ilusão de uma coincidência."
    V de Vingança

    ResponderExcluir