DISC(*) C(*)M N(*)TA DE R(*)DAPÉ - 47



as vozes oficiais dizem "quem sabe"
dizem "talvez"
enquanto os videos e as revistas
mostram imagens sem nitidez

No dia 06mai, via twitcam, tocarei, na íntegra, A REVOLTA DOS DÂNDIS. Difícil falar sobre este disco. Talvez eu saiba pouco sobre o que ele é, o que ele se tornou. Mas encontro com frequência o alemãozinho que escreveu as músicas. Continua o mesmo; alguns quilos mais velho, alguns anos mais gordo, algumas canções mais sonhador, mas basicamente o mesmo. Quando falei que tocaria três músicas do disco na sanfona, ele veio com essa: “o sanfoneiro, o baixista e o goleiro tem algo em comum: não podem ter mãos de alface. Se tiver mão de manteiga, o fole engole”.  O fole engole... fiquei com a impressão de que, ao falar isso, ele já compunha outra canção.

{ Nós que vivemos intensamente nossas buscas, prisioneiros de nossa liberdade, entendemos o que ele quis dizer. Nós que ouvimos vozes e seguimos visões temos que negociar o dia a dia com pessoas que vivem sem intensidade uma felicidade burocrática (ou um ranço automático) e repetem com boca frouxa: pega leve, nada é tão sério, relax... Como se fosse uma opção ter as mãos cheias de calos ou tê-las de alface, de manteiga. }

E lá se foi o alemãozinho, apressado, carregando nas costas algumas raquetes (ou um bandolim) antes que eu pudesse compartilhar um paralelo que me ocorreu: ele gravou os baixos d'A REVOLTA DOS DÂNDIS sabendo tanto do instrumento quanto eu sei, hoje, da sanfona. Quase nada.

(*) 


Numa roda de chimarrão, ouvi uma conversa interessante entre o alemãozinho que cantou A REVOLTA DOS DÂNDIS e o moicano que tocou bandolim na tour ACÚSTICO MTV. Este dizia àquele que as plateias estavam ficando com preguiça de ouvir material novo. Aquele retrucou que sempre fora assim, que havia tocado várias vezes Terra de Gigantes, Refrão de Bolero e Infinita Highway para plateias que não se ligavam muito, antes das músicas estourarem. Disse que sempre haverá um pessoal que precisa de legendas,  de um desenho explicando, de um segundo toque do despertador, de um empurrão para sair do burocrático modo automático.

(*) 


Eu sou moscão (palavra que, na minha juventude portoalegrense, designava os trouxas, os devagar, os... moscões), não sei de nada, mas aprendo muito ouvindo os papos destes meus amigos. O alemãozinho, o moicano, o cara de trancinhas da capa do !TCHAU RADAR!, o bigodudo que toca viola caipira no NOVOS HORIZONTES, o maluco que toca com os pés num power-duo usando terno azul... aprendo e me divirto muito com eles.

Entre um cafezinho e outro, conversamos sobre os passados pré-fabricados que a gente vê por aí. E morremos de rir da maneira como algumas histórias são recontadas glorificando trajetórias que (quem viveu a época sabe) sempre foram oportunistas; esquecendo coisas importantes, criando soluções para problemas que nunca existiram. Eu e meus amigos achamos graça destas mentiras repetidas até virarem verdades. Morremos de rir pra não viver chorando.

(*) 


Prevendo que escreveria este texto, perguntei ao alemãozinho que criou as letras d'A REVOLTA DOS DÂNDIS qual é, afinal, a deste disco. Ele disse que não tinha nada a acrescentar (já tá tudo no disco), mas que talvez a frieza dos números pudesse revelar algo poético: foi um dos poucos álbuns dos EngHaw que não ganharam disco de ouro, apesar de ter ultrapassado em muito as 100.000 unidades vendidas. Para ganhar esta medalha da indústria fonográfica, o número mágico tinha que ser atingido em um ano. A REVOLTA DOS DÂNDIS não respeitou o limite de tempo. Este disco torto fez sua estrada. Torta. E longa.




Quando me deu os originais acima, o alemãozinho (fã do Homem Revoltado, de Camus) falou confusamente do Farenheit 451...


{ ... livro de Ray Bradbury, transformado em filme por François Truffaut. Na história, os livros eram proibidos. Todos que fossem encontrados eram queimados por uma polícia especializada nisso (sem livros é mais fácil pré-fabricar passados). Alguns rebeldes dedicavam sua vida a decorar um livro inteiro para que o conteúdo não se perdesse quando o último exemplar fosse destruído. }

... e disse: “Pode ficar com estes papéis, eu tenho A REVOLTA DOS DÂNDIS na mente. E no coração.”

(*)


Bah 1:  No dia **, via twitcam, tocarei, na íntegra *************** . Difícil falar sobre este disco. 
Eu poderia usar este início de texto em todas as postagens referentes às twitcams temáticas. Automaticamente. Como as lojas programam tweets com ofertas para serem disparados durante o dia. Uma forma de estar presente estando ausente. Burocraticamente. Mas, hey, não devemos mentir só porque a verdade é repetitiva, né? Dá pra dizer muito com palavras gastas e frases feitas, se atrás de palavras e frases fracas estiver a força da sinceridade. Novidade não pode ser desculpa para falta de talento. Prefiro uma banda cover de verdade do que uma banda autoral de mentira.


Bah 2: outra que repito sempre nestes posts e sempre é verdadeira: mais detalhes (e detalhes mais objetivos) sobre A REVOLTA DOS DÂNDIS são encontrados nos livros PRA SER SINCERO, MAPAS DO ACASO e no  www.engenheirosdohawaii.com.br

Special Bah: Esta twitcam terá a participação muito especial de Carlos Maltz nos tambores. É sempre bom reencontrá-lo. Já não é como antigamente, pois assim é que deve que ser: diferente de antigamente. Sem botox emocional, sem Grecin 2000 afetivo. Sem burocrático piloto automático. Sempre bacana. Jamais encontrarei um parceiro tão intenso e desprendido. A cada dia que passa sinto mais orgulho do que fizemos sem nos render à sedução do caminho mais facil. Sob a luz do pragmatismo e do babaovismo que imperam nos dias de hoje, até é difícil acreditar que tenhamos construído o nosso caminho.



Bah da Parceria: A REVOLTA DOS DÂNDIS gira há 25 anos. Vocês devem (saber)sentir muito (d)este disco. Por favor, compartilhem estas (sabedorias)sensações nos comentários. Aprendo e me divirto muito lendo o que vocês escrevem. Como aprendo e me divirto tomando chá com o rasta que tocava Números no Leblon, com o bombachudo que tocava Causa Mortis na Faculdade de Arquitetura, com o cara que empunhava guitarras Gibson semi-acústicas de cabelo espetado em canções de guerra e filmes de amor.


como sempre, um abraço como nunca
01mai2012
Feliz Dia do Trabalho!
(do Trabalhador, né?)

209 comentários:

  1. Respostas
    1. adoro ler os blogs que comentam sobre as futuras twitcans....
      estou ansiosa em ver o maltzs e o humberto juntos.Não tive a oportunidade de ve los em cena ao vivo,e agora sera a grande oportunidade!!!
      que venha dia 6 de maio!!!!

      Excluir
    2. Só para constar Revolta dos Dândis surge em minha vida depois do simples de coração.Comecei a ouvir engenheiros de tras pra frente,sem uma ordem cronologica.Um susto com aquela sonoridade totalmente diferente do simples de coração.Lembro de ter enlouquecido meu pai de tanto ouvir aquele CD,quinze vezes direto .....
      lembro da alegria em te lo encontrado numa prateleira das lojas americanas e em promoção kkkkkkkkkkkkkkk nada melhor!!!
      vou aproveitar e ouvi lo mais um pouquinho nessa noite insone!!!!
      abraços humberto
      priscilla lunardi

      Excluir
    3. É Priscila,enlouquecer parentes com enghaw é tradição :) no meu caso tb escutei de traz pra frent acho que o "revolta" fechava a ordem dos discos velhos.desde aquele dia" foi por mt tempo minha predileta , escutava alto no meu quarto e nao me importava com "esse menino ta ficando doido" minhas irmas escutavam calcinha preta e eu era o doido. Talvez não doido, mas "revoltado" com discoteca domestica de minha familia. Sobrevivi

      Excluir
    4. Eu sempre fui a diferente da família, e ouvir enghaw nas alturas, deixava minha imagem um pouco pior que a da ovelha negra-rsrsrs.

      Também comecei ouvir de trás pra frente, mas acho que essa foi minha ordem natural...

      Deste disco, Vozes é a minha preferida forever...

      Minha mãe, além de enlouquecida com as músicas nas alturas e que não falavam de sexo, nem dor de corno, nem de rodeio, também enlouquecia quando eu viajava para assistir show e ficava dias sem querer ser incomodada...

      Bons tempos...MUITO BONS...

      Excluir
    5. Com Maltz, então, imperdível.

      "Parece que foi ontem,
      parece que chovia".

      Excluir
    6. Sem ser singelo, estou infinitamente feliz pela cam de 6 de maio. Ver Gessinger e Maltz juntos como nos velhos tempos, cada um na sua posição de origem, tocando um dos melhores albuns da banda, me dá a possibilidade de mostrar ao vivo para a minha filha o quanto me deixava feliz aquela formação. Espero desta cam, uma realização pessoal.

      Excluir
  2. Pontual como sempre, inteligente e belo texto

    ResponderExcluir
  3. Que maravilha no Dia do Trabalho, no dia do meu Aniversário.
    Um ótimo texto!

    ResponderExcluir
  4. Me vi,alguns anos mais gordo,e uns Kg mais velho!Muito bom...

    ResponderExcluir
  5. Grande e Genial, Gessinger. Você é um cara 3G de verdade. Parabéns pelo trabalho, pela arte (ou) ofício. E venha tocar no Rio Grande do Norte, TCHÊ!!!

    ResponderExcluir
  6. Pô... estas conversas entre os váriosBertos daria outro livro hein? =)
    Bah1: Automáticas, mas sinceras - e de coração ;-)

    ResponderExcluir
  7. Cada música, uma recordação. Este é um dos discos que mais lembra minha infância. E tem a música que nunca deixei de cantar a vida toda, sempre para a mesma pessoa da própria letra: 'hey mãe, eu tenho uma guitarra elétrica...'. Nunca tive uma, eu tinha um teclado, e parodiava a música na época que o tinha.
    Lembro também do meu irmão mais velho fazendo a intro da 'Quem tem pressa não se interessa': oh oh oh oooh (tentei reproduzir, haha).
    E mais uma que trago comigo até hoje: Refrão de bolero... por que será que conseguimos criar memórias a cada vez que escutamos determinada música, mas ainda mantendo a memória original? Talvez por que o tempo passe, as sensações passem, e a música fique. Eu que falei sem pensar... agora me arrependo. Eu fui sincero como não se pode ser...

    ResponderExcluir
  8. Muito bom como sempre, queria eu ter nascido antes para ver o começo disso aí, mais o tempo não deixou, fico eu aqui pensando como era a vida a um tempo atraz, até que deveria ser legal.
    Conheci os EngHaw a mais ou menos um ano indo acampar com meu grupo escoteiros, meu chefe ligou o radio e estava tocando, não me lembro a musica mas sei que ele comecou a cantar e eu curti aquele som diferente, comecei a escutar e pronto! Me apaixonei pela musica "hawaiiana" até agora nao parei de escutar as musicas desse "loirão" como minha mãe diz ;) espero ansiosa pelo show que eu vou do Pouca Vogal dia 07/07 em Curitiba, acho q vai ser show!!! Vlw HG!
    PS: aquele chefe escoteiro q mencionei, eu gostava muito dele.
    Bjs!! Kimberlym @Kim_derOvo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós q não eramos nascidos naquele época, vivemos um passado que não nos pertence ouvindo esse e os demais discos hehehe É bom de mais ;)

      Excluir
  9. Meu disco preferido!
    O único LP autografado que tenho!
    A sonoridade desse álbum ainda me intriga.
    Vozes, baita música!!!

    ResponderExcluir
  10. Hoje estou muito blá pra fazer qualquer comentário a respeito ouvir tudo que puder de enghaw.
    Super ansiosa pelo dia 6 isso é tudo que eu quero é tudo que me coloca em outra dimensão me leva pra um lugar no infinito que nessas poucas horas me ganham o dia.
    obrigada!

    Ligia CN

    ResponderExcluir
  11. Me chamo Gabriel... E queria pedir a sua permisão de transformar alguns destes textos em música...Pois são poesia pura...Sou fã desde a primeira música sua que ouvi! (o papa é pop que por sinal é minha preferida) Sua sensibilidade nas composicões e melodias é única...como já citei aqui admiro seu trabalho e espero um dia ter uma de suas canções em minha banda (bandanoodle) Afinal Somos quem podemos ser...Sonhos que podemos ter! E teremos. Abraços HG.

    ResponderExcluir
  12. kra minha ligação com o revolta dos dandis eh um pouco especial e um pouco fria, nao sei bem como eh! uma musica do cd me apresentou a banda(refrao de um bolero) e ateh hj essa musica eh especial pra mim, mas as outras nao sei bem se gosto delas. escuto toda semana com emoçao e vibrando com cada musica, com cada solo, isso eh gostar certo? ainda tenho minhas duvida pq, pra mim, esse eh o unico disco q nao traz uma historia especial por tras, ou algo q eu fiz graças ao disco! ao contrario de todos os outros, todos trazem um historia, um acontecimento q eles me fazem lembrar menos esse! com uma unica excessao da frase: nao tenho medo de perder a guerra! essa frase me lembra uma garota q eu realmente nao tive medo de perder pq no final das contas todos perderiamos! mas nada de muito especial assim!

    ResponderExcluir
  13. Surge num monte de palavras, sabedorias que se unem pra tornar nossas vidas ainda mais especiais.
    De onde onde ele tira tudo isso? Ele está as vezes tão longe e ao mesmo tempo tão perto.
    Obrigado 1berto, por tornar as nossas vidas, os nossos dias em " Momentos de muito alegria, pra que as lágrimas não tenham o prazer de escorregar em nossos rostos!"
    Abraços!!

    ResponderExcluir
  14. Um dos discos que eu mais decifro é o "amarelinho indecifrável"....
    Nas entrelinhas do horizonte dessa minha rotina(nada tediosa)[sem ironia]já me surpreendi comigo mesmo quando descobri coisas sobre esse disco, pequenos detalhes, sorte ou acaso? talvez nenhum dos dois, vontade própria ou sopro do vento? vai saber...mas é bom demais redescobrir cada música cada dia.
    Ótimo post, esse alemão do rickenbacker envolvente sabe brincar bem pra caramba com as palavras....
    Sem querer imitar mas eventualmente não imitando(me inspirando)
    Bah1 : tenho 1 paixão secreta pela música vozes
    Bah2 : Nei lisboa fez uma ótima participação no disco
    Bah3 : A capa é demais!

    Valeu 1berto, abração!

    @nigganeto /// neto_dix@hot

    ResponderExcluir
  15. No ano que o disco foi lançado, eu estava nascendo. Tive o prazer de conhecer os Engenheiros quando tinha de 10 para 11 anos, todos me super criticavam por estar na onda EngHaw (A onda da época era o axé). Enfim, continuo na frequência EngHaw até hoje. Desse disco,minha música preferida é a mesma que lhe dá o nome, acho muito massa =)
    Ass: Mônica

    ResponderExcluir
  16. Impressionante!!!

    Meus primeiros contatos com este álbum não foram diretamente com ele, o escutei através de outros álbuns que vieram depois dele, como uma história que vai se explicando suscitando fatos do passado. Quando cheguei ao "A Revolta dos Dândis" pude entender de forma mais clara toda aquela intensidade que as canções já carregavam.
    Já com a música "Vozes", quando a ouvi pensei entender melhor sobre seu compositor, mas talvez não tenha entendido nada...
    Agora fico aqui, esperando ansiosamente pelo próximo domingo!

    Obrigada Gessinger
    te amo
    ABRAÇOS

    ResponderExcluir
  17. Bah, o revolta foi 2° disco que comprei no mesmo dia junto com o terceiro (OQD: NON)e imfluencio muito minha pouca cultura sobre esse grande filósofo (Sartre) e td o conteúdo q continha dentro do disco foi muito para o pouco q conhecia e abriu meus olhos para livros q talvez nunca leria se n fosse pela influencia q levou talvez o Gessinger a escrever as letras...Vozes, Guardas da fronteira e outras grandes musicas fizeram eu sonhar coisas muito diferentes q seria impossível colocar td aqui...
    Mas qro concluir que volta e meia recorro a esse disco para ter o prazer d ouvir coisas boas...parabéns Gessinger, Maltz e Licks...Valeu, Joanes Wagner

    ResponderExcluir
  18. Muito bom o texto! Genial em tudo que faz. Sempre me identifiquei com suas composições: tão poéticas e racionais, emocionais e revolucionárias. Suas palavras tocam a alma e chacoalham as convicções!

    ResponderExcluir
  19. ...tudo neste disco me lembra as tardes (pós escola), tentando gravar as músicas vindas das FM's locais... nessa época, eu não distinguia entre Humberto Gessinger, Renato Russo, Tony Platão e sei lá mais quem!! Não me perguntem o porquê, mas eu achava tudo muito parecido... com o tempo fui pondo os "pontos nos iis", do post anterior... O que me indignava é que com o play/rec/pause do som engatados, sempre perdia o início e fim das músicas, por causa do locutor que entrava falando um monte de merda... rs... Me encantava ver o elo entre as canções, fosse nos títulos, fosse no instrumental semelhante que saía de uma e entrava na outra, lá adiante... tudo aquilo me encantava e encanta, sempre que as ouço. Confesso que quase nunca eu entendia as letras, de imediato, mas sabia que ali eu encontraria muito material pra reflexão e aprendizado... Pobre do meu pai, que sempre me pedia pra baixar o som, por entender menos ainda do que se tratava, mas respeitava por me ver tão empolgado, gritando aquelas canções pra toda vizinhaça ouvir... Era o meu brado contra os "axés e sertanejos", daqui das terras do Jorge Amado... Este disco traz hinos da minha juventude, desde "Terra de Gigantes, Além dos Outdoors, Infinita Highway, Refrão de bolero" a "Vozes", uma das que eu mais curtia... enfim, se me deixarem falar aqui, durará até o próximo post...rs rs... Valeu, Humberto, por mais esta partilha. Abração a ti e ao Carlos... Na próxima, convida o Licks...

    ResponderExcluir
  20. Muito bom o texto! Genial em tudo que faz. Sempre me identifiquei com suas composições: tão poéticas e racionais, emocionais e revolucionárias. Suas palavras tocam a alma e chacoalham as convicções!

    ResponderExcluir
  21. Adorei o texto HG! Tenho esse disco em vinil autografado, com muito orgulho! só que eu não sei descrever o que sinto com ele (é coisa boa claro), talvez o ritmo dele, a bateria , percussão do Maltz, como as letras são cantadas, a clássica Infinita highway , tudo isso agita meu corazãozinho, rsrs ! Quando eu estava descobrindo Eng, isso a mais de 10 anos, foi um dos discos que mais ouvi! Gosto muito mesmo!
    Obrigada por ter continuado, mesmo sem saber como tocar baixo no começo, "com a ingenuidade de quem não sabe onde está pisando", viu? deu certo!
    Bah meu: Obrigada pelo dia do TRABALHADOR bem dito! Pra você também!
    Obrigada por tudo!
    Tani Kronbauer
    Joinville SC

    ResponderExcluir
  22. comecei a ouvir Engenheiros do Hawaii por causa de uns amigos, que muitos achavam loucos pela atitude, mas eu achava genial quando eles (já bêbados) gostavam de deitar na calçada e ficar falando aleatoriamente sobre poemas (que só eles conheciam). discutiam também sobre política e filosofia. era uma hora em que a maioria achava engraçada, mas eu ficava fascinada! por admiração comecei a me desprender da "cultura" superficial que comandava as conversas das pessoas da minha idade (na época, com uns 13 anos). esses meus amigos, que já eram bem mais velhos, me levaram a um show do Engenheiros, a banda que, pra eles (e mais tarde pra mim também) tinha algumas das coisas mais bonitas de se ouvir. letras sem clichê, embaladas por violões, guitarras, piano.. e gaita. (sinceramente, tem dias que escuto e fico viajando mais na gaita que em qualquer outra coisa). enfim, Refrão de Bolero foi a primeira música que me chamou atenção. o melhor de Engenheiros é que foge dos clichês, que -querendo ou não- nos faz ter vontade de sermos "bizarros" aos olhos dos outros e da cultura massificada hahahahah admiração pura por quem tu demonstra ser.

    ResponderExcluir
  23. Putz... a cada post sobre as twitcams me lembro do primeiro contato com os discos...

    Com 14, 15 anos de idade, morando numa cidadezinha do interior do Ceará, cada disco era um conquista, uma batalha vencida... por isso a minha sequência dos discos tem outro caminho...

    O revolta veio depois de discos como minuano, simples, ouça o que eu digo... mas no primeiro contato, foi o que achei mais enghaw dos discos enghaw... como se já tivesse pegado a manha, o "qual é", da banda...

    E hoje acho foda ter conhecido enghaw assim... sem poder acompanhar na sequência correta (talvez até melhor assim) e sem aquela facilidade de poder baixar a discografia, escutando tudo na mesma vibração... cada disco tem sua vibração diferente...

    Muito massa esse lancer de ter garimpado cada disco... um por um... com o suor das mesadas e as idas ao colégio a pé pra economizar a grana do ônibus...

    Orgulho de ser um de fé desde pouco antes do tchaw radar... como tu falaste no post do tchaw: a geração nava...

    Valew!!!

    ResponderExcluir
  24. Nada melhor do que iniciar o Dia do Trabalhador lendo mais uma vez o grande Humberto! Não é sempre que posso, mas sempre que posso espero uns minutinhos a mais para chegar as 0:00 e ler os textos q o Humberto publica! Mais uma vez, fantástico Humba!!
    Abraço e até dia 06, na Twitcam Revolta dos Dândis!!

    ResponderExcluir
  25. Hey Gessinger! Não vejo a hora de ver logo essa twitcam! cada reencontro, um inesperado saudosismo, digo isso porque cada vez que vejo alguma coisa do passado que tenta se reproduzir no presente, por mais que não seja igual (e nunca será) nos trazem diferentes lembranças, nos lembram felizes lembranças...é estranho estar dizendo isso (e mais ainda pra quem está lendo isso). Mas o simples fato de pensar nessa parceria já rebobinei a fita aqui(tá! essa parada é antiquada! mas estamos falando de passado...)e vi a música via web que vcs fizeram, a participação dele no acústico MTV e principalmente tudo isso remeteu às diversas fases da minha vida na qual o Engenheiros sempre esteve presente. E sabe o que é curioso? eu costumo me lembrar das fases da minha vida a partir dos albúns do Eng Haw!sériooo!!!
    Eu tenho sempre mania de lembrar do passado com um certo carinho e costumo pensar que sempre foi melhor do que está sendo ou será. Mas, pelo menos, hoje eu tenho a oportunidade de escutar mais músicas suas, ler seus livros e de quebra ainda ter a certeza que vc vai ler esse meu comentário!!!=D
    Ou seja, o passado sempre vai ser guardado com carinho, vamos apostar no presente e, vou parar de escrever poque já saí do contexto...(só pra variar um pouquinho!)
    Abraçãozão!!! e t+

    ResponderExcluir
  26. Esse disco mudou a minha vida. Me mudou como pessoa, como leitor, como ouvinte e até como músico (pode acreditar!).

    Queria poder falar mais sobre tudo que ele significou pra mim mas... Sei que as palavras não fariam jus. Afinal, você sabe, o que eu quero dizer não tá escrito nos out-doors, ou nos talkshows, ou nos posts... As palavras falham quando tentam expressar aquilo que só o coração sente.

    Obrigado, Humberto. Obrigado Licks, Maltz, Júlio Reny e todo o pessoal envolvido na gravação d'A Revolta.

    Espero ansiosíssimo pela Twitcam.

    Um forte abraço de um jovem fã catarinense.

    Gabriel Fernandes
    Tubarão-SC

    ResponderExcluir
  27. Cara, tantos hits: Terras de Gigantes, Refrão de Bolero, Infinita Highway... Mas, 'VOZES' tem um lugar especial em todo De Fé com certeza... Quanto a conversa dos 1bertos sobre material novo, quando você diz... "DEVE HAVER ALGUMA COISA QUE AINDA TE EMOCIONA" Penso imediatamente quando comecei a acompanhar vc, de longe, sem querer aparecer demais... A cada canção antiga que eu ia conhecendo me apaixonava mais por sua arte...Comprar um CD ou agora um livro novo me faz parecer uma criança que ganha um presente aguardado por muito tempo... a senssação de rasgar o plástico que envolve os CDs é algo inexplicavel rsrs... Ainda é assim pra mim... A cada novidade, a cada material novo -ou não necessariamente novo, até uma forma de cantar diferente- me faz emocionar mais e mais... Valeu Humberto por fazer parte da minha vida e fará com certeza parte da vida dos meus filhos, netos, bisnetos...
    Gui Fernando @GuiFernand8

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vc lembrou bem dessa frase - "deve ter alguma coisa que ainda te emociona"...e é bem verdade...eu andava meio cubo de gelo woman, mas hj, não é que me emocionei lembrando do meu contato do revolta dos dandis?

      pois é...

      Excluir
  28. Beto, foi um prazer te ler e rever. Sempre gostei muito, desde os tempos de Anchieta. Beijos.

    ResponderExcluir
  29. Belo texto. Tu tens o dom de conseguir narrar a maneira como consegues realizar teu autoconhecimento e aprender com ele.E torna tudo simples. Tenho a nítida sensação que tu estás aonde tu planejou que estarias. Fica complicado argumentar sobre as pessoas de "boca frouxa" " pega leve", pois as vezes é uma maneira de tentar sobreviver de alguma situação difícil, e não falta de sensibilidade ou superficialidade de caráter... nem tudo é o que parece ser. Na ânsia de compreender um fato, acabamos, na tentativa de entender, nos comportando da mesma maneira superficial e simplória justamente aquelaque tanto criticamos.
    Entretanto eu acredito que até as piores situações, trata-se de uma escolha e, estas, até os trouxões tem direito de ter. Como dizia o Lulu o que eu ganho, o que eu perco, ninguém precisa saber!

    ResponderExcluir
  30. Finalmente, chegou a terça feira! Sempre espero ansiosa pelo post(Além de ser o aniversario da minha mãe). Bom esse disco é do ano em que nasci, não posso dizer que é o preferido, pois estaria sendo injusta com os outros albuns e é sempre dificil escolher um favorito, o momento de cada album é muito particular e o favoritismo muda de tempos em tempos. Acho que você me entende ne?! Mas enfim,na verdade sou fã de toda sua obra!
    Nâo deve ser novidade mas "Infinita Highway" foi uma das primeiras músicas que conheci do EngHaw ( juntamente com" Toda forma de poder" e "Era um garoto...").Das três foi a que mais me chamou a atenção.
    Ealando em "Infinita Highway", será que o meu "Nas entrelinhas do horizonte" ja foi autografado? Nâo vejo a hora dele chegar...

    Sò de pensar que Gessinger pode ler o que escrevo me sinto muitíssimo honrrada!
    Valeu!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. posso dizer que tbm me sinto assim?

      Excluir
  31. Cara, eu tinha 12 anos quando EngHaw lançou O Papa é Pop. Foi um ano difícil, perdi meu pai, mas foi o ano que eu conheci a minha banda preferida.
    Depois que eu conheci o Papa, fui resgatando os discos anteriores, e cada um tem uma história. Eu conhecia algumas músicas do Revolta pela mídia, mas só pude ouvi-lo por inteiro depois de pegar emprestado com uma colega de colégio que era fã de Legião, (o disco era do irmão dela).
    Eu não tinha "toca discos", ouvia música em um micro system de 2 "decks".
    Eu morava numa cidade de 8 mil habitantes do interior do RS que não tinha lojas de discos, cada disco de rock era uma conquista, um garimpo.
    Quando peguei o Revolta em mãos a primeira vez cara, com certeza meus olhos brilharam, fui direto na casa do Edinho, um amigo meu que tinha um 3 em 1 gradiente. Levei uma fita k7 para gravar o disco:
    http://imageshack.us/photo/my-images/401/20120501002653.jpg/

    Acho que todo fã EngHaw quando ouve cancões da banda sente que você usa palavras precisas pra descrever sentimentos que até então a gente não sabia expressar.
    Dentre todas as músicas que já me fizeram sentir isso, acho que Revolta dos Dândis é a que eu gostaria de ter escrito.

    Por ter gravado o revolta e todos os outros trabalhos eu só tenho uma palavra a te dizer cara: OBRIGADO.

    Um dia te encontro por aí pra autografar essa fita K7.

    ResponderExcluir
  32. Com certeza o meu Cd preferido, o Humberto todo modesto falando de como toca baixo. Putz, esse disco que me fez gostar desse instrumento. Enfim, essa twitcam vai ser especial, assim como é esse disco. Ainda mais com a presença do Maltz :)
    Abraço 1berto!!!
    ... Espero uma twitcam com a presença do Licks :) um dia quem sabe...

    ResponderExcluir
  33. Tambem adoro bater um papo com esses varios "amigos do passado... ". Isso é realmente incrivel!!!

    ResponderExcluir
  34. Sem querer instrumentalizar outros em nome de minhas vontades, mas e a participação especial do LICKS?! É possível uma Revolta dos Dandis sem Augusto?

    "E as crises e cicatrizes
    Não nos deixam ir além
    >>
    voltamos enfim ao início
    quando se anda em círculos
    nunca se é bastante rápido"

    ResponderExcluir
  35. Sobre A Revolta dos Dândis é o álbum mais bateria...provavelmente será a twitcam inesquecivel com a presença ilustre do Maltz...com certeza com boas recordações...texto lindo! Bacana mesmo é saber que seus amigos continuam c vc....o alemão, o moicano, o bigodudo...e o de terno azul (o mais moço) =] abraço

    ResponderExcluir
  36. Revolta dos Dândis ... Até mesmo o cara que venera o disco sente uma dificuldade em falar sobre.Não é uma coisa mecânica, é um jogo um tanto delicado.Traduzir um disco em 140 caracteres ou 1 bilhão caracteres pode dar o mesmo resultado.É fácil sentir do que falar.

    No meu pequeno acervo de discos, tenho a minha lista de 10+
    E uma coisa interessante sobre a lista: REVOLTA DOS DÂNDIS, nem é o melhor disco que tenho (historicamente falando), mas com certeza é o que mais me cativa.

    Se não me falha a memória, houve um show do EngHaw em Belém no dia 05/06/2008.Sabia que 'Vozes' tinha entrado no Setlist há pouco tempo.E fiquei surpreso ao escutar a canção na viola caipira.Ficou muito bom, a canção não poderia ter sido executada de melhor forma.O arranjo fez exatamente o que a música pedia.
    Enquanto ao show, nem pude ir.Nessa mesma noite uma amiga comemorava aniversário.15 anos.Valsa e tudo mais.O show foi transmitido via rádio,me lembro de ter escutado grande parte do show através do celular, dentro do banheiro da casa de recepções (área mais silenciosa da festa).

    Abraço 1berto !

    Caie Relvas
    Belém-Pa

    ResponderExcluir
  37. Gostei do texto. Captei as entrelinhas, por isso estamos ao teu lado, fã do teu trabalho, porque o que é verdadeiro permanece e segue adiante. Sem voltar ao passado. Fazendo um novo presente. Gosto mais do Hg de hj encontrar o CM de hoje. Por isso sou fã do Teu trabalho. Abraços...

    ResponderExcluir
  38. Talvez um dia, numa dessas rodas de chimarrão, o alemãozinho (re)encontre (o)um (velho) novo parceiro de roupa social, óculos de grau e gel no cabelo empunhando sua Gibson - Les Paul
    ...nessa Terra de (egos) Gigantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso sim é um super Bah3!

      Excluir
    2. Não existe presente sem passado... E com essa twitcam estamos voltando ao passado ou não?!. Passado q trás orgulho e ótimas lembranças. Foi com GLM q Engenheiros estourou e essa reunião seria 1 novo presente. Pena q ficaram cicatrizes, marcas e tbm mágoas de tudo q aconteceu em 1993. Talvez alguns Egos e Vaidades possam serem deixados de lado.

      Excluir
  39. Foi um dos meus primeiros cd's que comprei... E o mais estranho, foi nessa época, entre abril e maio... frio!
    Sempre que ouço A Revolta meu corpo e mente são submetidos ao inverno. É impressionante, como canções podem levar nossa mente ao estado diferente do qual nos encontramos? Pode estar 40°, mas quando ouço o A Revolta logo me vejo naquela época em que o conheci, deitado em minha cama, com um pequeno rádio ao lado, fones no ouvido, ouvindo o A Revolta dos Dândis... e apesar das cobertas, sentindo muito frio! Faz tempo já, mas eu nunca mais consegui esquecer aquele "frio".

    ResponderExcluir
  40. Humberto, já que tu pediu eu vou comentar. Eu conheci "A Revolta dos Dândis" quando na verdade eu tinha 8 anos, que foi quando conheci EngHaw, naqueles vinis lá em casa (eu ficava voltando a agulha o tempo todo no "Toda Forma de Poder" tentando entender se tu realmente dizia "se berram com voce e tiram sarro de vc que nao faz nada" rsrsrsrs). Entretanto, bem mais tarde, esse disco embalou toda a minha adolescencia porque traduzia, com exatidao, toda aquela angustia existencial de quem não se encaixa. Era foda. Claro que tu nao sabe, mas tu ja fez muito por mim. Um abraço.

    ResponderExcluir
  41. Muito bom o texto... podia ser intitulado 'Os Heterônimos de Humberto Gessinger'... e sem mais... O Bah 1 ficou muito legal... pois deixa a idéia da época que se lançou o disco...

    Boa Noite...
    Abraços HG

    ResponderExcluir
  42. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  43. Este álbum é muito especial pra mim,tenho todos os discos dos EGH e este "A Revolta dos Dandis" foi o Vinil mais dificil de conseguir e o último que conseguí através de um sebo. Eu conhecia somente "Infinita Highway", "Refrão de um Bolero", "A Revolta dos Dandis" e o clássico "Terra de Gigantes" e de repente me deparo com "Vozes", "Guardas da Fronteira", "Desde aquele Dia", "Quem Tem Pressa Não se Interessa" e minha vida muda completamente. Me interessei por música e me tornei baterista por achar o estilo do MALTZ o mais legal da banda, apesar de todos me acharem parecidos com Gessinger (Uns anos mais pesados)e desde então comecei a ver a vida de um lado diferente "De Dentro Pra fora" e tudo isso graças ou infelizmente a um simples Vinil. Obrigado

    ResponderExcluir
  44. É meu velho, é complicado... leio os comentário hermanos e muitos cobram, (desejam) a presença do Sr. Augusto Moacir Licks...
    "Natural que seja assim", afinal vocês três foram fantásticos juntos. O Sr. Carlos Maltz, como se vê, de vez em quando está por aí, mas Augustinho... esse a gente nunca mais viu junto de vocês. Então é natural que nós, fãs, desejamos isso. Não nos importa o motivo da separação, não nos importa as mágoas, (se existiram, e se ainda existem), nos importa o que vocês fizeram, nos importa o que vocês sentiram e fizeram todos nós sentirmos!
    Vivi muita coisa que, eu desejaria viver novamente, mas não sei se seria igual, se teria a mesma emoção... mas esse sentimento está no nosso inconsciente, desejar sentimentos bons!
    Na verdade, eu não queria ver vocês juntos novamente, eu só queria ter vivido e sentido aquela época.
    Parabéns Engenheiros do Hawaii!!! A todos vocês!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o comentário! Também já me perguntei isso, se a vontade de vê-los juntos novamente não seria uma maneira de voltar no tempo. Acho que as duas coisas na verdade: voltar no tempo e rever a melhor formação do EngHaw (na minha opinião, rsrsrs)
      Valeu

      Excluir
  45. Humbertão,
    ver tua foto com a camiseta "Revolta dos Dandis", me causou um "insight" de leve. O motivo pelo qual você conseguiu cativar fans extremamente leais ao seu trabalho, não muitos, porém, os melhores.
    Você conseguiu isso, por que você é o maior fan que o EngHaw já teve. Raramente vemos artistas exibindo as "raridades" de seus trabalhos com o orgulho de um fan fervoroso, exibindo seus instrumentos e "souvenirs" da própria banda, como se fosse um colecionador apaixonado.
    Sua própria paixão pelo trabalho, faz com que o público perceba a honestidade de propósitos depositadas por ti durante toda sua trajetória.
    E agora eu digo, o Brasil precisa de artistas mais "honestos" como você, que são fans de sua própria música, ou seja, trabalham por si, por seus valores e princípios, por isso, depositam alma e coração em suas músicas.
    Parabéns Humbertão (se é que você vai ler isso),
    um forte abraço!
    Luca Pedrozo de Lima
    lucarox@hotmail.com

    ResponderExcluir
  46. Ter o disco REVOLTA DOS DÂNDIS na minha vida(minha cabeça,meu coração,minha pratilheira) é uma grande honra,este disco representa muito para mim,lembrei que depois de ouvi-lo pela primeira vez fiquei com aquelas harmonias e vozes o dia todo em minha cabeça,que com o decorrer do mesmo começavam a fazer sentido....melhor dizendo,iam se encaixando.EU ME SINTO UM ESTRANGEIRO,PASSAGEIRO DE ALGUM TREM,QUE NÃO PASSA POR AQUI E QUE NÃO PASSA DE ILUSÃO....

    ResponderExcluir
  47. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  48. Esse foi o último disco que eu conheci do Engenheiros do Hawaii, apesar de já ter a sensação de conhecer as músicas a tempos (talvez porque eu via os shows no youtube antes de ouvir o cd ahah).

    Chega a ser engraçado o quanto esse disco foi meio "de volta para o futuro". Uma visão (em alguns pontos) do futuro dos "anos 80", como se vcs flertassem - intencionalmente - com um futuro que nunca iria chegar. Baita disco, Humberto McFly!

    ResponderExcluir
  49. Cara o disco é sem comentários, um clássico!! E poder ver outra vez o Maltz tocando ao vivo com vc é simplesmente demais!!!

    Valeu Humberto!!!

    ResponderExcluir
  50. Olá, Humberto, primeiramente parabéns pelo texto e pela iniciativa da twittcam... Sou super fã da banda, e particularmente de vc pela sua inteligencia e pelo seu modo de ver as coisas.

    Tenho 19 anos e não tive a sorte de conhecer Engenheiros na época q estavam em ação, mas to achando muuuito legal o Pouca Vogal, vc e o Duca tem uma sintonia fora do normal, eh difícil dizer que não caiu como uma luva no power duo (desculpe, mas sempre quis fazer esse trocadilho)... rs

    "Revolta do Dândis" foi o primeiro disco a eu o vir dos Engenheiros, minha porta de entrada a esse universo, e eh um dos meus favoritos, ao lado do "O Papa é Pop", "Várias Variáveis" e "Longe Demais das Capitais", não necessariamente nesta ordem...

    Quando comprei meu violão e minha gaita, na época, a primeira coisa q eu fiz foi ir na internet aprender a tocar as musicas do universo EngHaw... rs. E tenho orgulho de dizer q sou fã de uma banda como Engenheiros do Hawaii!!!

    Abç... até 6 de Maio...

    ResponderExcluir
  51. "Tantas pessoas paradas na esquina...", diria, feito zumbis, feito carros de câmbio automático...quebrado...

    A Revolta dos Dândis... hahaha, engraçado lembrar isso, me sinto... não, me recuso a falar isso. Mas ainda é engraçado, pois esse "disco" eu carregava comigo numa fita K7, por onde eu fosse. Me acompanhou numa viagem, e nessa viagem numa noite pra lá de peculiar. Que loucura!! Não tocava muito em rádio no início, eu acho (mas não sei, nunca fui muito de ouvir rádio. Sou dessas pessoas sem noção que ouve a mesma música Mil vezes. Tá, mentira! No seu caso os discos inteiros).

    Fico por aqui, esperando os livros que comprei e a twitcam, que dessa vez, e me dê por satisfeita se conseguir, chegarei atrasada :-(

    Abraço!

    A internet não dá a sensação de escrever num diário? #xapralá

    ResponderExcluir
  52. Olá H.G, Belas e emocionantes palavras, ... sempre haverá uma galera que precisa de legenda... Grande verdade. Pow não sei se você lê realmente todos esses comentários, espero que leia, porque me parece meio estranho escrever pra ninguem, embora isso aconteça com frequência comigo, "... é como ficar esperando cartas que nunca vão chegar...". Enfim leia você ou nâo, lá vai... A revolta dos dândis... Grande disco, não há o que dizer, o que ficou nas entrelinhas, acho sinceramente que nem você sabe a dimensão de tudo isso, o alemãozinho sabia... só não sabia tocar baixo direito... (rsrsr), mas mesmo assim tocava, e com a alma...
    Antes de vim aqui nesse seu blog, eu achava você meio messianico assim... tenho 23 anos e conheci os H.G, lá nos 10000 destinos, achei meio messianico aquele cara com "cara" de cristo, olhos azuis e cabelos loiros, rsrsr tempos depois descobri que cristo n era assim... e ainda um pouco depois, que vc n era assim tbm... cara, vc é tão humano, carne e osso. alguns quilos mais de carne... do que o alemaozinho né... mas o mesmo cara do "hey mãe...", "do pra ser sincero"e que viu um punk na farmácia... genial esta última... talvez esteja sendo meio confuso... e nada faça sentido... mas o que quero dizer, é que o alemaozinho, o cara de bigode, o de trancinhas, o moicano, o com cara de cristo, tem uma coisa em comum... Uma guitarra elétrica e não querem nem saber!!!! abraço H.G

    ResponderExcluir
  53. Muito interessante: "Prefiro uma banda cover de verdade do que uma banda autoral de mentira." Vejo muita gente com potencial criativo, mas com uma certa vergonha de cantar ou criar arte com sinceridade. Parece que ser autêntico está cada vez mais fora de moda, a ansiedade em ser original cansa e traz resultados quase sempre entediantes. É como acontece na arte visual contemporânea, que acaba inclusive se transformando em discurso filosófico através de textos que justificam obras chatas. Ao invés de ser simplesmente uma experiência estética sincera, simples, de coração. Essa racionalização extrema da arte me deixa muito chateado, eu, Renato, estudo artes visuais, e mesmo sendo mal visto academicamente pelos retratos esfumados "não artísticos" que produzo, sinto um imenso prazer em fazê-los, porque consigo deixar meu retratado, meu único espectador, feliz com o resultado. Não tenho talento pra produzir uma arte coringa que sirva de reflexão para uma grande massa. Então eu e todos aqueles que pintam retratos nas ruas, são considerados simples artesãos, apenas por termos um público de uma pessoa só. Aposto que nossa arte despretensiosa e boba, é muito mais verdadeira! Assim como sempre apostei e percebi a sinceridade que tu põe nas tuas canções. "love has no direction, cause love has no aim". Um grande abraço de um fã de fé!

    ResponderExcluir
  54. Engraçado falar desse disco, ele de certa forma é um disco especial pra mim. Especial em vários aspectos. Foi o primeiro disco dos Engenheiros que eu comprei(depois dele que comprei o Longe Demais...), ainda tenho o vinilzão guardado com zelo e sem nenhum arranhão. Sempre aguardei essa Twicam, e ainda com o Maltz será um presentão!

    Lembro quando tocava nas rádios "A Revolta dos Dândis I", eu ficava fascinado com o baixo do alemãozinho que ainda não sabia tocar, conforme ele disse uma vez. Ainda tinha a gaita, realmente era uma canção que me fascinava, até que um dia a saudosa Rádio Cidade do RJ liberou uma tal de Infinita highway(foi a gota d'água pra que no mesmo mês eu estivesse com o vinil ouvindo todos os dias e cantando "você sabe o que eu quero dizer, não vale uma canção...").

    Neste mesmo ano fui no primeiro show da minha vida. O Alternativa Nativa no Maracanãzinho com Engenheiros do Hawaii e Capital Inicial. Mas isso já é um papo pra outro post.

    Um grande abraço, Humberto.

    Do De Fé bem longe da capital(gaúcha),

    @lucianos_s

    ResponderExcluir
  55. Esse disco representa muito pra mim, sempre fui grande fa de Engenheiros, desde criancinha, com meus 6, 7 anos, ouvia meus pais cantando todas as musicas, tinham todos os albuns. Ficava fascinado com as letras, mesmo sendo pequeno demais pra entende-las. Agora, tenho 15 anos, cresci o bastante pra entender as letras que antes tanto me fascinavam, e que agora que posso entender toda a genialidade por tras das letras do Humberto, me fascino ainda mais. E justamente, o album que mais me fascinou foi A Revolta dos Dandis, com aquela musica que marcou minha infancia, Refrao de Bolero, sempre ficava intrigado, pensando na letra, e continuo ate hoje.

    Incrivel como um simples (ou complexo?) album pode ter gerado tanta coisa na minha cabeca, e na minha vida tambem, sinto que A Revolta dos Dandis (e consequentemente os Engenheiros do Hawaii) ajudaram na minha formacao como gente, ajudaram na formacao de todos meus pensamentos e questionamentos. Por isso, muito obrigado Humberto, por ter marcado a minha vida com sua genialidade, e espero que essa twitcam seja incrivel, como todas as outras, boa sorte pra ti, e de novo, muito obrigado por tudo.

    Roger Beck.

    ResponderExcluir
  56. Tava eu comprando pão na padaria e pensando, "há um bom tempo não dou uma olhada no BloGuessinger"...
    Cara tu não vai nem acreditar, mas eu sou mais um dos que formou boa parte do senso analítico do que poderíamos chamar de idade da razão bebendo das suas letras e referências literárias, se deu certo ou não, o tempo tá me dizendo.
    Enghaw é minha banda do coração e volta e meia volto a ouvir, uma banda que nunca me decepcionou, e agora temos essa fase em que vc, HG, se mostra o tipo de ídolo que merece o respeito e apreço de seus fãs, tão próximo de todos, abrindo, literalmente, o livro de sua vida p/ gnt em retribuição ao nosso carinho e admiração.
    Cara tu não vai nem acreditar, mas eu te descobri lá no interior "do" Goiás, com canções de amor e filmes de guerra num gravadorzinho à pilha. (Claro que parte da minha infância foi à base dos hits nas radios, uma boa flertada com o !Tchau Radar! em 99, mas isso não era bem por escolha, por escolha às vezes é melhor, a gnt dá mais valor)

    Bom, acho que já soltei muitos "devaneios inúteis", domingo vou assistir à twittcam ao vivo, acredita que a única que acompanhei foi a de 25 anos? Depois "perdi o contato" a vida e a internet, tão pequenas e tão cheias de opções...

    ResponderExcluir
  57. "Morremos de rir pra não viver chorando."
    Que frase. Sempre fui de fé. Mas só percebi isso em 2008. A admiração dos Agagês são inimagináveis e imprevisiveis. Nunca vou conseguir expressar o que vc representa. A somo de todos os Hg's forma só um que é o suficiente pra ser esse sucesso todo..Vc é mt foda. De verdade. Abraço! (=

    ResponderExcluir
  58. Cara esse disco me marcou por que ou porque,(sei lá), foi o primeiro disco do Enghaw que eu ouvi, "Desde aquele dia" foi a primeira música que me identifiquei e ainda tenho vontade de chorar quando a ouço,por favor quando for toca-la lembra de mim !!!...rsrsrs'... "Vozes" me conforta, é como se um cara mais experiente me mandasse uma real e ao mesmo tempo ela como todo o disco (como o próprio nome diz), tem um tom revoltante, "Quem tem pressa não se interessa" pra mim é um foda-se enorme pra indústria que como o HG diz " parece escola de samba todo ano vem com um enredo diferente", as outras são pérolas que sempre que escuto as vejo diferente, "Infinita Highway" nunca soa igual pra mim, engraçado que "Refrão de Bolero" depois de tocar com a minha banda ela só me faz sentido se o que a anteceder for o solo do Poderoso Chefão...kkkkk...A Revolta dos Dândis I e II as vezes soa estranho nunca consegui ligar toda a música, "Filmes de Guerra, Canções de amor" também nunca entendi a raiz e " Terra de Gigantes" prefiro me omitir não por ter medo mas pela grandiosidade dela dentro de mim que me impede de pelo menos tentar defini-la...BOA TWITCAM PARA TODOS E ATÉ DOMINGO... =)

    ResponderExcluir
  59. "Se vc ouvisse, as vozes que ouço a noite, acharia tudo que eu faço natural", cada um com os seus fantasmas.
    Acho genial o riff da introdução de DESDE AQUELE DIA, simples, mas genial.
    Quem não conheceu uma ANA e imaginou cantar REFRÃO DE BOLERO numa serenata p/ ela? Quem não acelerou um carro cantando alto INFINITA HIGHWAY?
    Abraço, bom dia do trabalho.

    ResponderExcluir
  60. é difícil falar sobre um disco com tantas letras fantásticas (a sonoridade amadureceu depois, neste disco ainda vemos a influência do som de outras bandas) apesar disso o disco tem uma identidade própria difícil de definir, num momento, ele tem a liberdade dos que chutaram o balde e deram as costas ao resto do mundo; logo após freneticamente desiludido (a revolta dos dândis II); cada música tem uma identidade tão própria que é difícil falar sobre o disco como um todo sem falar das músicas separadamente; embora hoje um disco assim seja considerado ruim por não ter padrões claros, ele é um dos melhores que já ouvi (só não digo O melhor por preferir Surfando Karmas & DNA -- gosto dos solos de guitarra)

    ResponderExcluir
  61. Se é pra comentar do disco.. ok!
    Nasci três anos após ele. (respeito aos mais velhos...)
    Não conheço todas (quatro na verdade)... e as que escutei a maioria no pc...
    Mas gosto das que eu conheço.
    Espero que dia 6 minha net esteja de bom humor e me deixe curtir seu som!

    Abraços desconhecidos,
    Larissa.

    ResponderExcluir
  62. A história nao esta acabada ... O capítulo final ainda precisa ser escrito ... Honesto e verdadeiro como sempre foi ... Nao como uma tentativa de viver o passado mas sim como compromisso de viver o presente e escrever um novo futuro ... Salve Gessinger&Maltz

    Murilo Scarchetti

    ResponderExcluir
  63. Cara, nem sei por onde começar... prá mim, foi o ínicio de tudo que vivo (intensamente) até hoje.
    Era um sábado, julho de 1988, mas lembro de alguns detalhes, como tivesse sido ontem.

    Cheguei atrasado no Maracanãzinho. As arquibancadas já estavam lotadas. Tive que ficar atrás do palco.
    Ou seja, vi o show com a visão que o goleiro tem, vendo o seu time todo de costas, e o público atacando, de frente.
    Só conhecia os hits. Toda Forma, na novela da Globo, Infinita e Terra de Gigantes, das saudosas rádios Cidade e Transamérica.

    Mal começa o show e o vocalista " se joga no chão ", querendo fazer uma graça prá platéia e quebra seu baixo. Que mancada!
    Começa a introdução de uma música. Agora é o hit da rádio, hein? Ah não, é uma música que não conheço.
    Que banda maluca, eles tem partes de músicas, que repetem em outras canções !?

    Oba! Essa eu conheço. O ginásio vibra.
    O baterista faz a sua virada, levanta, vai para um canto do palco e fica tomando uma Coca-Cola. Daquelas de garrafa de vidro, média. Tranquilão.
    O loirinho vocalista, corre de um lado pro outro no palco. Nem sei o nome dele. Ele não canta, grita as letras.
    Vem uma versão caprichada de Infinita Highway.
    Mais algumas músicas, o show termina e o ginásio vibra.
    Pô! Bacana essa banda. Vou pedir dinheiro prá minha mãe e comprar esse disco, segunda-feira depois da aula.

    Pô 1: O vocalista não se jogou no chão, de propósito. Ele tropeça em uma caixa de retorno e cai.

    vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=13C9hp8P4vI

    Pô 2: Com o sucesso estrondoso de Infinita Highway. 2 rádios cariocas, resolvem fazer versões mix desta música.
    A Rádio Cidade faz uma versão com metais e teclado. A Rádio Transamerica faz uma versão com gaita de boca.
    Humberto veta a primeira, pois descarateriza totalmente a banda, que era um trio.

    reportagem: http://twitpic.com/9g151d

    Pô 3: Certidão de nascimento de um fã ENGHAW

    foto: http://twitpic.com/9g1df9


    Saudações Rubro-Negras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pô 4: De tanto contar esta história, da queda do baixo, acabei ficando conhecido como Emerson, do Rickenbacker. Acabou virando um bom nickname, não ? =)

      Excluir
    2. tenho curiosidade em ouvir estas versoes de infinita das rádios. Creio ninguem tenha....

      Excluir
    3. Cara, pessoal da antiga deve ter. Tão me prometendo umas cassetes. Quem sabe, estão perdidas numas dessas? =)

      Excluir
    4. A versão com teclado e metais eu tenho num k7, rola uma percussão nela também, mas na minha cabeça ela foi "lançada" por volta de 1994. A versão com gaita nunca ouvi.

      Excluir
    5. Robert Moura, vc tem como passar essa k7 para mp3?
      Se não tiver, me manda. Eu converto e te devolvo a k7.
      Estou no Facebook. Emerson Rickenbacker

      Excluir
    6. Oi Emerson, tenho como converter sim, só preciso de um tempinho para executar o trabalho, te aviso quando fizer.

      Excluir
    7. Obrigado, Robert Moura. No aguardo.

      Excluir
  64. Revolta do Dândis pra mim fala da estranheza de não sermos iguais a maioria, por "vibrarmos em outras frequências", quantas vezes nessa homogeneidade das coisas de hoje em dia, não nos "sentimos estrangeiros". Revolta é incrível pela forma como descreve a vida pra mim, como uma infinita highway ((que aliás, HG queria q vc soubesse, que adolescente, no primeiro colegial - em 99, fui destaque num trabalho de literatura/sociologia/português (não lembro exatamente a matéria), mas eu tinha que escrever uma redação de como eu via a vida, escrevi Infinita Highway e "traduzi" comentando para a professora aquelas frases e sua ligação com os anseios da adolescência, ela gostou tanto que até apresentou em outras salas - obrigada pelos meus 15min de fama na escola rsrs)), "refrão de bolero" sem comentários né? quem nunca cantou essa música pra alguém que atire o primeiro “eu não!! Não sofro por causa de homem/mulher” (mentiroso, com certeza!) rsrs Bom, eu poderia falar sobre como cada música me atinge no coração e na vida, adoro todas, me sinto muitas vezes uma estrangeira mas garanto, que se você ouvisse as vozes que ouço a noite, acharia tudo que eu faço natural! Obrigada por esse disco! Ansiosa pela twittcam, espero que leia meu comentário! Bjs, bom feriado!

    ResponderExcluir
  65. Sabe, eu to com "toque" rs Toda vez que eu vou ler um texto, e vejo que sobre um disco, eu tenho q ler escutando aquele disco! kkkk Daí eu fico lendo aos poucos porque tem que acompanhar o disco sabe? Fico bem uma meia-hora em casa texto =P

    ResponderExcluir
  66. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  67. caraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    dificil mesmo falar do meu disco preferido. Aaaah escutei até furar...até hj...até sempre. Terra de Gigantes irritava minha mãe...ela dizia na cozinha: "mãe está na boca dos cachorros mesmo" e eu gritava junto: "eiiii mãaaaae" ahahaha. Impossível não lembrar dela.

    aaaah infinita highway...cada vez que escuto, tenho uma interpretação pessoal diferente, é mutante...e as duas revolta dos dandis!!! a segunda me dava trava língua! rs e hoje é um hino pra mim...enfim...não dá pra fazer uma análise lógica sem qualquer parcialidade do disco que consolidou esta caioca antiquada e resmungona em uma fã de Engenheiros.

    =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, apesar de ter virado hit de radio e tudo "infinita highway...cada vez que escuto, tenho uma interpretação pessoal diferente, é mutante..." Posso dizer que tbm me sinto assim? rsrs
      Valeu Fefa!

      Excluir
  68. Só Deus sabe o quanto esperei por essa twitcam e como espero pela do "Várias Variaveis"...
    Mas na verdade só queria deixa uma recado p/ aquele alemãozinho desse disco: que ele pode adimitir q não sabia tocar baixo, mas não existe nenhum baixo mais foda na carrera do HG que o da música "desde aquele dia"! E só tem uma explicação pra isso, ele tinha e ainda tem O dom de tocar baixo...

    P.S.: Espero que ele apareça pra da uma palhinha nessa twitcam pra tocar apenas "desde aquele dia"...
    =)

    ResponderExcluir
  69. Foi meu primeiro contato com EngHaw depois de Toda forma de poder estourar na novela. meu irmão apareceu com essa fita em casa, e eu adorava escutar junto. Em pouco tempo conhecia as músicas. O disco só pude comprar depois, quando comecei a trabalhar e completar minha coleção. Ouvia muito essa fita. Difícil falar em discos preferidos, mas gosto muito desses três da "trilogia"... A Twitcam do Ouça foi demais, e agora esse com a participação mais que especial de Carlos Maltz...mal posso esperar!! Gosto muito de Vozes e Desde aquele dia, tocam muiiito no meu carro. Ah, e quanto a envelhecer, estamos juntos !!!O legal da idade é que mostra nuances das canções que talvez não enxergasse antes!!!
    Valeu!!

    ResponderExcluir
  70. Brinco e acho que tenho razão quando digo que as letras do Humba e da Bíblia são sempre atuais, não importa quando lidas.
    Gosto MUITO de escutar a revolta dos dândis, e é incrível como sempre me provoca uma reflexão diferente. Tenho certeza de que na twitcam do dia 6 haverá uma nova verdade que ainda não foi (re)petida.
    As suas letras, a sua stória, têm sempre um reencontro. Um disco faz referência ao outro, acordes se remanejam, músicas são reescritas e cabelos são recortados. E por mais que o alemãozinho se perca no presente, sempre o "vejo" quando escuto o Pouca Vogal. Parece que têm o mesmo compositor...
    Quem Tem Pressa Não se Interessa foi usada como citação da minha monografia, na conclusão do curso de Direito. Penso muito nos versos que estão ali, me lembro do Einstein, da relatividade do tempo, da vida... Ela e Guardas da Fronteira estão sempre na minha lista de reprodução ~automática~.
    Sempre que eu ligava para a rádio e pedia FGCA, eles só encontravam o álbum e respondiam "mas não existe esta música aqui!". Eu tentava explicar, mas depois desistia e pedia MdA ou Crônica.
    Bah, você ainda dizia "Ana" em refrão de bolero. Mas música é combinação de sons e silêncio, né?
    Bah 2, você fará um show na minha cidade, Janaúba. É algo meio nonsense, ainda, para mim. Sempre acompanhei sua carreira e nunca esperava que vivesse para ver isso. Gostaria muito de um encontro tete-a-tete, quem sabe um autógrafo, quem sabe um abraço... Quem sabe, talvez.

    Um forte abraço.
    É só virar a página e o futuro virá...

    @flaviodroit / @engenheirodefe

    ResponderExcluir
  71. Olá, quando fiquei sabendo que a próxima twitcam seria revolta dos dândis fiquei muito feliz, amo a sonoridade desse disco, em seguida quando vi que teria a participação do Maltz fiquei mais feliz ainda, estava ansiosa por esse dia, e então, ele chegou.
    Humberto, o texto ficou ótimo, gosto de ler principalmente quando você escreve sobre as twntcam, a forma que você fala sobre as pessoas que fizeram parte dos discos deixa o mesmo ainda mais interessante, Parabéns e até a próxima.

    ResponderExcluir
  72. Sou de Recife.

    Há algum tempo tento escrever um livro pra explicar o porquê de suas músicas serem tão agradáveis/belas/medonhas/estranhas/causadoras de espanto.

    Mas nunca consegui sair da primeira página do livro porque não sou músico, nunca aprendi partitura, cifras, essas coisas.

    Já pensei em pagar um músico pra ele ser uma espécie de "co-autor". Mas sempre me falta coragem. rs

    Espero conseguir (um dia) realizar esse projeto e entregar esse livro a vc, não pra ser levado à sério, mas apenas para que vc soubesse quanta coisa eu vejo na sua música. rs

    Abraço, Gessinger!

    ResponderExcluir
  73. ENTRAR no mundo EngHaw na primeira década do milênio seguinte tem seu preço mais saboroso,escutar de forma diferentes músicas iguais,paguei o preço e gostei,ainda mais quando o álbum tem a mesma idade que tu... Não perdo por nada o encontro do dia 06/05...

    ResponderExcluir
  74. ENTRAR no mundo EngHaw na primeira década do milênio seguinte tem seu preço mais saboroso,escutar de forma diferentes músicas iguais,paguei o preço e gostei,ainda mais quando o álbum tem a mesma idade que tu... Não perdo por nada o encontro do dia 06/05...

    ResponderExcluir
  75. ENTRAR no mundo EngHaw na primeira década do milênio seguinte tem seu preço mais saboroso,escutar de forma diferentes músicas iguais,paguei o preço e gostei,ainda mais quando o álbum tem a mesma idade que tu... Não perco por nada o encontro do dia 06/05...

    ResponderExcluir
  76. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  77. Lembro dos Engenheiros se apresentando no Chacrinha, na época eu não entendia o porquê do nome da banda, (tempos pré internet) e lembro nitidamente que você era " alguns anos mais magro". Quer saber? Melhor agora, a maturidade confere mais charme às pessoas, e isso se aplica ao Maltz também. Agora, lendo o texto, me deu uma certa saudade do bigodudo, eu achava incrível! Se você voltar a cultivá-lo vai combinar bastante com a sanfona. Um abraço

    ResponderExcluir
  78. Fernanda Nascimento1 de maio de 2012 15:46

    Caro H.G. , A revolta dos dândis foi um album lançado exatamente aos meus 04 anos de idade. Àquela época não sabia nem quem eram os Engenheiros do Hawai, as músicas que ouvia não passavam por vocês. A verdade é que não tem muito tempo que passei a ouví-los, apesar de já conhecê-los, mas não muito afundo.
    A vida nos coloca em circunstâncias, nos aproximam de pessoas e nos dá novas trilas sonoras. Há pouco tempo os Engenheiros junto com o Pouca Vogal passaram a compôr a trilha sonora da minha vida, e me fazem pensar em tantas coisas, com cada palavras das canções, com cada melodia tocam-me profundamente.
    Atualmente venho conhecendo cada álbum, e cada canção que escuto parece me responder sobre algo que busco, parece me dar um parecer sobre a própria vida!!
    Entrei em contato com os Engenheiros quando estava em condições de entendê-los... quando me fariam todo o sentido. E por isso, muito obrigada!!

    ResponderExcluir
  79. Olá 1berto!
    A REVOLTA DOS DÂNDIS tem músicas muito significativas, Terra de Gigantes é a preferida do meu irmão mais velho que foi quem em 1995 me apresentou os Engenheiros do Hawaii e quem me acompanha nos seus shows.
    Eu curso Psicologia e neste semestre tivemos uma matéria de Técnicas Humanistas e em um de meus exemplos falei sobre como quando lemos ou ouvimos músicas sentimos como se elas fossem feitas para gente, expliquei da importancia e da ajuda que isso pode fazer para uma pessoa de não se sentir sozinha no mundo e no final de meu texto coloquei uma frase sua para fundamentar minha colocação. Minha nota foi ótima e no final de minha prova o professor escreveu a seguinte frase: Gilvana seu texto foi feito sobre medida... Continue em sua Infinita Highway. Enfim mais uma música sua ficou marcada em minha vida acadêmica. Obrigada !!!!

    ResponderExcluir
  80. Conheci os Engenheiros através do Revolta, em '87 mesmo. Tinha 12 anos na ocasião. Grande disco.

    ResponderExcluir
  81. Grande HG!!!! Q volta ao passado hein!?. 1987 A Revolta dos Dândis... O prazer seu e do Carlos de terem Augusto Moacyr Licks como novo membro dos Engenheiros do Hawaii. Como vcs mesmos diziam o único "músico" da banda. Com esse disco tudo mudou pros Engenheiros e com certeza pra vc e para o Carlos. 25 anos depois um novo encontro, mas agora somemte com 66,6666% (pensando em partes iguais) dos integrantes d'aquela formação e que formação, voltando a se reunir pra relembrar o passado. 1ma dúvida, houve em algum momento a cogitação de convidar os outros 33,3333% da banda pra esse encontro? No fim de 1993 e início de 1994 todos q acompanhavam a banda sem saber o que estava acontecendo com relação ao possivel "fim" dos Engenheiros aguardavam ansiosos o desfecho de tudo q liamos nas principais revistas e jornais da epoca. Falava-se em adjetivos diversos: "Mala", "chato", "burocrata", "peso morto", "inerte" e até q "não sabia nem se vestir". Infelizmente não lemos nada da "outra" parte. Somente silêncio. Houve ao menos tentativa de algum dos 33,333% de reaproximação? Não pra 1ma volta como banda, mas pra 1ma conversa + Madura deixando egos e vaidades de lado? Se não, quem sabe nessa reunião do dia 06 entre 1 café e outro o alemãozinho e aquele cabeludão não cogitem esse reencontro prum bate papo?!. "As portas estão sempre abertas" mas tem q haver ao menos 1 convite pra passar por ela. Abraço

    ResponderExcluir
  82. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  83. Este disco (o primeiro que eu comprei!) contem a principal trilha sonora da minha vida: "Refrão de bolero"; essa musica me remete a momentos especialissimos automaticamente, simplesmente porque estava tocando na hora em que estes momentos aconteceram la pelos idos de 91... (o disco ainda fazia sucesso no interior de Minas nesta epoca!. E por isso mesmo foi um dos pontos altos pra mim, do unico show da banda que pude ir em Ervalia-MG em 94 ou 94! Mas o disco é todo muito bom! Dificil escolher uma musica só... Guardas da fronteira? Alem dos outdoors? hum... não sei! Enfim todas as musicas deste disco e todos os disco do Engenheiros são muito bons... fazem parte da minha historia de vida graças a meu irmão Isac que tem todos os cds (de quem obviamente eu baixei rsrs...); Recentemente comprei o Pouca Vogal, indicação de um amigo gaucho e obviamente amei; mas esta é outra historia né!

    ResponderExcluir
  84. Acho a sonoridade e a mensagem deste disco marcante. A bateria intensa, o seu início no baixo, a letra enigmática da canção Vozes, Desde Aquele Dia me faz lembrar de uma garota rsrs, me lembro de versos de Guardas da Fronteira quando vejo noticiário de tráfico de drogas na TV, me encontro em Revolta dos Dândis várias vezes...
    Tenho muitos motivos pra ver a Twittcam, ainda mais pela special presença do Maltz.

    Abraço Gessinger!

    ResponderExcluir
  85. uma das minhas musicas preferidas dpo a revolta dos dandis e com certeza vozez.

    ResponderExcluir
  86. cARA...como tem gente nesse mundo que não se toca!!!!

    rsrsrsrs

    (me refiro ao "Anônimo" lá em cima)

    sai pra lá, mala sem alça!!!!

    ResponderExcluir
  87. Opa! CHeguei atrasado.. rsrs

    Revolta dos dandis é o disco mais antigo dos enghaw pra mim!
    as vezes acho que ele precede minha consciência de forma lógica! rsrs!

    Disco das épocas.. que eu perguntava:

    quem seria essa tal de ana?

    o que quer haveria por trás de 'guardas da fronteira'?

    pq no LP diziam que 'as fotos foram batidas em longe demais das capitais' (com o licks nas fotos e não no 1º album)?

    Será FODÁSTICA a twitcam!

    Vlw turma De fé!
    vlw 1Berto!

    Manda logo meu livro.. rsrs!

    ResponderExcluir
  88. O que ?? Entendi bem ??

    O Maltz vai participar da próxima twitcam ??

    Estarei ligadãoooo!!!!

    ResponderExcluir
  89. uma excelente fonte de busca de conhecimentos...
    pois nos fala sobre uma possivel ruptura do homem consigo mesmo,traz formas inusitadas de pensamentos que identificam com a existencia infra terrestre,cria conflitos de ideias de forma heterogeneas na mesma mente,ao mesmo tempo cria um lapso temporal e sim uma linha cronologica,como por exemplo,ha de se identificar uma data especifica de sua vida de acordo com a epoca de um álbum,hoje minha mente se orienta com excesso de consoantes,ou pouca vogal,hoje deixo de lado aquela forma usada pelos álbuns passados de HG,que utilizava de bateria e alto som,e passo a buscar uma musicalidade para minha vida que soa no som do Pouca Vogal,quando fiquei sabendo do shou de pouca vogal 10/03/12 na cidade de congonhas,MG,fiz a mao um adesivo com a logo e fui para o show,tive a grande felicidade de minha vida de poder conversar com Humberto e senti ali a serenidade de uma pessoa tranquila , paciente e carinhosa com seus fas,tirei algumas fotos com ele e na minha cabeca nao parava de imaginar dos albuns passados ,dos clips,dos shows e apresentacoes como no programa livre de 1991,quando ainda eu era um pirralho de 10 anos,me veio a mente um show no pop rock da 98 aqui no mineirao,entre outras imagens meio que abstratas advindas da época,

    ResponderExcluir
  90. Apesar de ser muito difícil comparar os cd's dos EngHaw, A REVOLTA DOS DÂNDIS me fascina de uma maneira sem igual. Não se tem muito pra falar dele, é verdade. Mas dá pra sentir que é uma loucura! Ele é muito diferente de todos os outros... Desde a musicalidade, as letras.. Foi o primeiro cd que eu de fato criei uma afeição sem tamanho. "Não sou afim de violência, mas paciência tem limite..." Esplêndido!

    ResponderExcluir
  91. Fábio leques - garibaldi rs

    Só pra constar: há 18 anos, num domingo, perdemos um grande atleta e exepcional ser humano... Lembro daquele domingo dividindo o tempo da TV entre a globo que transmitia a desgraça em tempo real e a TVE com o bem Brasil recebendo engenheiros com um alemaozinho de cabelos espetados mandando lenha no baixo...

    Baita abraço pros de fé .

    ResponderExcluir
  92. Hoje tenho 17 anos. Com 11 ou 12 comprei o disco Revolta dos Dândis. O encontrei perdido nas prateleiras de um hipermercado, entre os discos já antigos. Àquela altura do campeonato eu era um aficcionado na Legião Urbana, como bom brasiliense que sou (ou era), e escutei os Engenheiros do Hawaii pra valer pela primeira vez (porque obviamente já havia escutado nas andanças da vida e nas ondas de tantos rádios) no som do carro do meu pai, a caminho do interior de Goiás, onde morava o meu avô. Achei magnífico, porque pra mim era novo - pois era diverso do que eu curtia na voz do Renato Russo -, e ao mesmo tempo velho, porque me trazia de volta anos áureos do rock nacional que eu não vivi. Escutamos (eu e minha família) muitas vezes e em várias situações ao longo desses anos, até o disco se perder. Hoje sem querer encontrei o encarte no quarto da minha irmã, vindo não sei lá de onde e tendo sido guardado por não sei quem. O resto do disco ninguém sabe onde foi parar, talvez eu descubra domingo que vem, numa epifania que me trará de volta os tempos em que conheci o rock'n'roll através de um cara de sobrenome Manfredini, que, na minha imaginação, é claro, me apresentou a um cara de sobrenome Gessinger, que, não por coincidência, vai ser o responsável por essa sonhada epifania dominical.

    ResponderExcluir
  93. HG, a cada novo post seu fica cada vez mais encantado com o rock que o EngHaw fazem e sempre farão...seus escritos deixam vivos sentimentos de que boas musicas sempre surgiram no Brasil, que bandas como os EngHaw, Nenhum de Nós, Cidadão Quem Barão vermelho, Capital Inicial e Paralamas...( entre outros tantos) sempre terão musicas atingas atuais, e musicas novas que nos encantaram tanto quantos as outras. sou um estudante de engenharia, e que quando as tc são durante a semana faço de tudo para chegar o quanto antes em casa para poder assistir.

    *estou ansioso para ver esta próxima tc onde serão tocadas as musicas do álbum que acho um dos melhores do EngHaw.

    abraços

    ResponderExcluir
  94. Nangis Júnior (nangis@ig.com.br)1 de maio de 2012 22:00

    Assim como muitos já postaram antes e muitos que irão postar futuramente, sou fã deste alemãozinho nem tão mais alemãozinho assim (Quem de nós é assim, prá sempre?). Sou fã das antigas, mas fico sempre na escuta, ouvindo as novidades e músicas que me vêm à cabeça a cada novo post. Teria muito prá dizer deste disco ou daquele, mas não teria tanta gente prá ouvír. Então, fico só no agradecimento por tudo que HG faz e sempre fez. Me descubro nas músicas do EngHaw. às vezes sou um viajante em uma infinita Highway, um estrangeiro passageiro de algum trem ou uma verdade, um mundo. Muito obrigado, HG, por tudo que já me fizeste, mesmo sem saber. De um grande admirador e fã. De um amigo antigo, que nunca conheceste pessoalmente mas que, tenho certeza, sempre foste íntimo. Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  95. A Revolta dos Dândis é quem fecha meu Rito de Passagem.
    Se Longe Demais... era o coelho acenando, o LP da capa amarela é a queda para dentro da árvore. É a própria árvore.
    Só vim descobrir isso tomando chá de ilex, sem o chapeleiro maluco. E o sorriso do felino, que aqui vive em poses/instantes de braços abertos em múltiplos lugares, sempre nos brinda certeiramente com suas dúvidas, apontando caminhos para momentos distantes, ao nosso lado.
    Sempre dizendo "vai que eu já fui". E quando você vai, se pergunta se ele não se perguntava e só você acho que era um conselho...

    ResponderExcluir
  96. É meu presente de aniversário, quando vi a alguns dias atrás que teria um Twitcan no dia do meu aniversário de 19 anos quase pirei...
    Tinha meus 11 anos quando fui apresentada a os EngHaw uma amiga mais velha do que eu me mostrou algumas música, me lembro claramente ela me apresentando a música Nuvem, desde aquele dia conheci e me apaixonei pela desde então banda favorita.
    E lógico que enchi a paciência muita gente lá em casa com isso, mas quer saber pq tenho sorte, todo mundo lá da minha casa tinha bom gosto e tbm gostavam de EngHaw só que eu exagerava e eles não aguentavam o mesmo cd o dia todo, mesmo a minha mãe sendo muito fã, fazer o que se a partir disso eu mudei, e não exagero dizer que mudei, a música transforma as pessoas.
    Sou do interior do estado, quando vim estudar e morar na capital dei a sorte de vim a acontecer um show de pouca vogal ai pirei, e convenci uma tia minha e uma amiga a ir comigo, e até hoje busca palavras para traduzir o que sentir! Obrigada Humberto por tantas vezes traduzir o que penso em forma de música. *qualquer dia conto a saga que foi comprar o ingresso do show!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e convenci uma tia minha e uma amiga a ir comigo, e até hoje busco palavras para traduzir o que senti!*

      Excluir
  97. Robson, 22. Lindóia-SP1 de maio de 2012 23:00

    IMPECÁVEL!

    Caraca! Tou de cara com a qualidade do texto.

    Quem não é desligado, quem não curte nada feito no modo atuomatic vibra demais nessas linhas de pensamento , meu velho.
    Pra ler e re-ler sempre.
    Amanhã venho pra falar do disco.. agora ainda tou curtindo a brisa do texto. rsrs

    Té! ^^

    ResponderExcluir
  98. Simone Figueiredo2 de maio de 2012 01:50

    Eu tenho uma história muito interessante desse disco,a minha era fã desse "lourão gaúcho" com cara de bom rapaz pela sua definição,pois bem saimos para lugares distintos aqui no Rio e chegamos em casa com ele embaixo do braço.E sem dúvida foi o nosso favorito,continue sendo o homem que ela sempre teve certeza pelas músicas e respostas perfeitas.

    ResponderExcluir
  99. Vanilce Nascimento - BH2 de maio de 2012 07:55

    Olá meu querido! Este disco é realmente demais, pena que só tenho ele em vinil e (acredite) não temos mais o aparelho para tocar vinil, ou melhor temos, mas está estragado e não "existe" ninguém com competência pra consertá-lo. Coisas dessa tecnologia desenfreada que substitui tudo, até os técnicos, rsrs. Que bom que vc tem essa iniciativa de tocar as canções antigas. Bom pra quem já gostava e bom pra outros conhecerem. No mais grande abraço. Vanilce Nascimento - BH

    ResponderExcluir
  100. A Revolta dos Dândis, poderia dizer muitas coisas sobre esse disco, mas só vou dizer uma: tornei-me guitarrista por causa dele.

    Saudações cruzeirenses (compartilhando a dor de rodarmos nas semifinais dos estaduais).

    ResponderExcluir
  101. Sem díuvida A Revolta dos Dândis é uma obra rara! Canções que fizeram parte da minha adolescência, de um tempo que não volta mais, canções que me inspiraram, e muito, a escrever até hoje, que me fizeram ver o mundo de maneira diferente, que me fizeram querer conhecer as referências musicais e literárias do alemãozinho que cantava com paixão! Refrão de Bolero é uma música belíssima, apesar de eu até hpje querer saaber quem era "Ana"...rsrsrs Muitas vezes me senti em uma Terra de Gigantes, e muitas vezes me identifiquei com o alemão metido a tenista que virou arquiteto de canções...

    ResponderExcluir
  102. As vezes conversar com um carinha que ficou pra trás faz muito bem, ele volta pra conversar e rever, reler, reorganizar, reabrir, reabilitar, reabsorver ou outros vários "re" que podem ser usados qdo se está em sintonia com o passado que a gente acha distante, mas que pode(e eu acredito) está logo ao lado.


    Oxente 1: O programado na vida de um torcedor é o que definirá o estado de espírito do(e) amanhã. rs..

    Oxente 2: Desde Aquele Dia e Vozes, do ca...

    ResponderExcluir
  103. Do alto dos meus 8ou 9 anos, eu ouvia "A revolta dos dandis II" numa coletânea intitulada "Globo de Ouro", perdida no meio de Pepeu Gomes e Biafra. Me lembro quando achei que tinha "furado" o disco, quando rola um arranjo instrumental em que meu ouvido cru escutava guitarra e baixo repetindo as notas nos compassos. "Meu irmão vai me matar".

    Depois ganhei a fita K-7 junto com um walkman, daqueles, com as pilhas amarelinhas gastas, fazendo o som tocar meio tom abaixo e blá blá blá...

    ResponderExcluir
  104. Poderia falar que a Revolta dos Dandis estão minhas favoritas canções dos EnG, sim estão Infinita, Refrão, Terra de gigantes, filmes de guerras.
    Mais quem nunca se sentiu um estrangeiro no trabalho ou no modo automático como o nosso mestre dos magos "Gessinger" costuma falar, somos passageiros de trem e as vezes não queremos saltar dos vagões e deixando nossa vida ir no automático.

    UAI 1: kkk copiei isso de algum lugar

    UAI 2: To contando os dias para ver essa twitticam do Gessinger e do Maltz, ela poderia durar umas 2 horas.

    UAI 3: Deixa eu ir trabalhar, pq hoje é dia de Trabalhar.

    ResponderExcluir
  105. Realmente, as pessoas parecem ter preguiça de ouvir coisas novas... tem muita banda fazendo turnê por aí vivendo exclusivamente do passado. Por outro lado, acho que uma Twitcam só com músicas inéditas seria do caralho! XD

    ResponderExcluir
  106. Ouvi pela primeira vez quando comprei ele para dar de presente a um primo meu (eu queria mesmo era ficar com o disco pra mim, mas ele iria me emprestar quando eu quisesse, então não teve problema)a um mês comprei ele em CD de um velho amigo... Mas, não tenho muito a dizer, queimaram os livros, o que restou foram só as lembranças e sonhos na minha mente...

    Abraços

    ResponderExcluir
  107. página do Moto Clube Infinita HighWay, deêm uma olhada e curtam, grande abraço!
    http://www.facebook.com/MotoClubeInfinitaHighway

    ResponderExcluir
  108. Como esse foi um disco de mudança nos EngHaw (acredito eu), me deixa a impressão que é um disco muito vivo...que parece que está inacabado, não pela técnica (muito pelo contrário) e sim pela sensação de frescor das canções (mesmo as mais ''famosas'')...parece ser uma banda que ta amadurecendo as músicas...e esse é um disco de 87..que bom que é assim.. muitos discos dos engenheiros são assim....enquanto que tem bandas que as músicas enjoam na primeira vez que se escuta...
    Enghaw, sempre ;)

    ResponderExcluir
  109. Nasce em 89 no ano do lancamento do a.imediato ainda tenho o lp e esculto na antiga vitrola do meu pai nao so o a.imen mais tambem o ouça.q.d.n.o.n...entrei no mundo dos enghw em 98.nao tenho muito a falar do RDD,mas conheço todas musicas.alem dos out-doors e um das que eu mais gosto no disco.lembro quando os enghw se aprsentavam no pgrama livre.por fim o 1berto continua genial!abraço lora.Joran carvalho sao luis maranhao.OBS:foi nesse disco que tudo começou ne 1berto?vc sabe do que eu to falando!

    ResponderExcluir
  110. Desde aquele dia

    já me deixou triste
    já me consolou

    Infinitamente grato
    a maior parte do tempo eu sou

    e quando não há ignição
    na minha cognição
    eu viro nilista

    Bom Humberto,
    eu também não consigo mais viver sozinho, fora de sua lista
    mas é muito difícil amar os hipócritas modernos
    ai meu Deus eles hoje usam ternos

    Que chute no saco
    Que soco no estômago
    Eles se presumem de santos

    Quando estou com meu amor, Elisangela
    Quando estou com meu irmão, Marcelo
    Então o aprendizado é profundo
    E já não vejo mais o muro

    Afinal o muro são tilojos de água e sal

    ResponderExcluir
  111. Escutei esse disco, não quando foi lançado, mas em meados dos anos 90. Já conhecia algumas músicas pelo ALÍVIO IMEDIATO, versões energizantes, rápidas e com o coro da platéia junto. Curioso, fui escutar as músicas nas versões originais. Ao ligar o som observei algo estranho, as músicas que eu estava acostumado a escutar estava em modo SLOW, infinita Highway parecia não andar... tudo estava lento demais. Aos poucos foi caindo a ficha e fui percebendo que primeiro tinha conhecido o vinho, pra depois degustar as uvas. Fiquei pensando no cara que seguiu a cronologia correta, e o quanto ele foi sortudo de ter tido essa oportunidade (na época de REVOLTA eu tinha apenas 8 anos) de conhecer INFINITA na sua forma primitiva e ter visto a evolução dessa BANDA e a versão explosiva dois anos depois. Humberto, você é um cara genial! Confesso, que ainda tenho um pingo de ilusão de ver você e o Carlos, talvez o Licks, tocando juntos ao vivo como a VERDADEIRA BANDA ENGENHEIROS DO HAWAII.
    Abraço
    PS. Desculpe se por acaso você não gosta desse assunto de reunião, mas as vezes não me controlo e sai.

    ResponderExcluir
  112. Hello is there anybody out there ?

    :)

    parabéns e obrigado pelo texto-presente !

    bah 1: amanhã é meu aniversário !
    bah 2: pra te situar no espaço-tempo, nasci junto com o disco Filmes de Guerra,Canções de Amor !

    ResponderExcluir
  113. Que legal: os BAH viraram UAIs e OXENTEs ! Muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bah 4: agora o Humberto está entre mim e eu ! hahaha

      Excluir
    2. Nossa essa semana vai ser massa mesmo! Teremos 1berto na twitcam domingo, aqui no blog na segunda/terça e terça no "agora é tarde"!!! Parece um sonho... Pra completar só falta chegar meu livro e será PERFEITO!!!

      Excluir
  114. AgAgE e Carlos Maltz,
    baaaaaaaaaaaaa essa vai ser a twitcam que mais verei seguidamentes, afinal, em meu navegador tenho um lugar reservados nos favoritos para os links do youtube de suas twitcam, as quais vejo repetidamente e muito frequentemente (quando vou ouvir músicas são sempre a primeira escolha:Twitcam HG).... mas essa ai da Revolta dos Dandis será a mais acessada, a mais revistas, um dia ainda terei(teremos) o prazer de rever HUMBERTO GESSINGER e CARLOS MALTZ atuando novamente junto(como Banda, nao só em ocasioes especiais), seja num 'TRIO' Pouca Vogal, seja numa volta dos Engenheiros, mas eis um sonho de um fã seu... Abraço.

    ResponderExcluir
  115. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  116. Melhor post que eu já li do HG...

    Roubaram meu rádio do carro, fiquei p... por causa do rádio, mas o que me deixou mais revoltado era que meu cd d'A Revolta dos Dândis estava dentro e foi jto... fiquei só com a capa do cd de recordação e as músicas digitalizadas no pc...

    ResponderExcluir
  117. humberto,
    qualquer coisa que eu escreva sobre o "revolta..." vai ser redudante... não tem como fugir de alguns clichês. um dos discos clássicos da cena brasileira dos 80s.

    um disco q aconteceu na contramão de quase tudo q rolava na época, justamente, por não se pretender inovador, new wave... lembro de ter ouvido logo após o lançamento. aquelas músicas loooongas e letras estranhas. climões. boas lembranças daqueles dias.

    o melhor disco dos engenheiros do hawaii.

    um abraço!

    p.s.: gostei mesmo foi da foto no plano de fundo do blog à la "ummagumma" do pink floyd.

    ResponderExcluir
  118. Que saudades da guitarra Do Licks , o toque dele nos Engenheiros era refinado e trabalhado ao mesmo tempo.

    Ouvindo o disco “A revolta dos dândis” a percepção de que não tem overdubs de guitarra, me coloca frente a frente com a banda como se estivesse num ensaio na sala da casa de um dos integrantes num sábado à tarde !

    quando a gente vai ver (ouvir)de novo esse espetacular guitarrista no Enghaw ?


    Abraço Humbertão !

    ResponderExcluir
  119. Descobri o Revolta dos Dandis, pelo Alívio Imediato... virei `de fé` em 95 (historia no post sobre o Simples de Coraçao).... e recorria a uma loja que alugava CDs na esquina de casa para aprender tudo sobre EngHaw. Escolhi o ALivio Imediato por ser ao vivo... e ficava caçando as referencias(triangulo, quadrado, bolinha) de quais musicas tinham sido originalmente gravadas em quais discos.
    Revolta dos Dandis foi obviamente o segundo CD alugado... e devidamente gravado em cassete.

    Ainda bem que HG nao sabia tocar contra-baixo, as linhas do discos sao bem originais... e continuaram com esta marca até 10.000 destinos. Que voltem algum dia...

    MUITOS PARABÉNS pelo desapego ao passado e a melancolia, sabendo varolizá-lo mas sempre seguindo viagem... sempre me frente...

    Gde Abrax,
    FC

    ResponderExcluir
  120. Apesar de 'Eu que não amo você', misteriosamente, fazer parte dos momentos mais importantes da minha vida, pois em terra de forrozeiro (Piauí)...tocar Engenheiros do Hawaii na rádio com certeza não é a toa...foi com ‘A Revolta dos Dândis’ (encontrado no baú da minha tia), que eu me apaixonei pela primeira vez pela melhor banda do mundo...

    ResponderExcluir
  121. O namorado da minha irmã mais velha me emprestou TODOS os discos dos Engenheiros!!! Este foi o meu favorito...Eu "já" tinha 11 anos e mais tarde me reapaixonei pela versão bluzeira de "A revolta dos Dandis I".

    Monique B.

    ResponderExcluir
  122. Humberto, talvez tu nem faça ideia de quantas infâncias ajudou a criar. Uma legião, não tenho dúvida!

    ResponderExcluir
  123. Não sei se você lê os últimos comentários, HG, mas é uma coisa que me preocupa. Francamente, às vezes penso que quando a gente posta comentários, é só pra leitura de quem faz comentários também. Não que me incomode a ausência dos olhos do autor sobre minhas pálidas letras. É só uma coisa que me põe a pensar. Uma coisa inútil, na verdade. No caso da Revolta dos Dândis, o que eu penso é: como, no Brasil, um discão como esse fez sucesso? Sim, foi e é sucesso, inclusive no sentido de 'sucesso' das gravadoras. Você pode ser muitos, HG, muitos rios, mas todos confluem para o rio grande - da revolta, camuflada, dos dândis.

    ResponderExcluir
  124. cara, ja imaginou se esse encontro em vez de ser em uma mesa fosse em um ringue (ou octógono por estar na moda)? o alemãozinho versus o maluco de terno azul que toca com os pés num power duo... como o primeiro dizia em 87, "sou contra a violencia mas paciencia tem limite..." eu estaria na primeira fila pra ver esse combate... não sei em que apostaria, se na ousadia/energia do alemãozinho ou na experiência/ousadia/conservadora do maluco. fato é que, a qualidade dos dois não se descute, porém hoje em dia precisamos mais de gente simplesmente ousada no nosso cenário... mas independente de quem vencesse eu vou continuar na platéia esperando o próximo combate... apesar de que no fundo da alma, torceirei um pouquinho a mais pra ousadia...

    ResponderExcluir
  125. Só fui perceber hoje que portava a sindrome do estrangeiro , sete anos depois de estar andando em circulos e de ter conhecido a Revolta dos Dandis.
    Ironicamente as vesperas da twitcam de um disco que aponta , repleto de significados em suas letras , para a direçao do coraçao de quem realmente é um 'estranho no ninho'.
    Estava na cara a vida inteira =)

    ResponderExcluir
  126. as eles mudam de estilo,aparência
    Mas continuam sendo como religiões(Ops! No bom sentido da palavra!)

    Chato seria se os alemãezinhos ou os três tivessem sempre o mesmo jeito e a mesma face e as almas nunca nos abraçasse.

    Sempre achei que só gênios (exagero?) tocariam qualquer instrumento, isso prova que sou uma bestinha em tais habilidades.(Dom ou falta de prática?)
    Humberto, há uns três meses atrás, eu sonhei que você tinha vindo aqui onde eu moro com uns bailarinos gaúchos e gaúchas e dançavam uma dança folclórica.
    Você não toca bem??? Eu só tinha percebido que ainda posso aprender!!!

    *o maluco que toca com os pés num power-duo usando terno azul... aprendo e me divirto muito com eles.*

    Essa suas doidices humanitária,(rs) acho que tem a ver com a resposta que vc pediu a Deus sobre Rotterdam,ele tá me revelando algumas coisinhas sobre SABEDORIA, tenho que ter mais certeza... depois eu posto.

    UHUUU ETERNO(O12346789...) : “Pode ficar com estes papéis, eu tenho A REVOLTA DOS DÂNDIS na mente. E no coração."

    TEM UM MENINO AQUI TOCANDO E CANTANDO INFINITA HIGHWAY, E ELE NEM SABE QUE ESTOU POSTANDO, ISSO SIGNIFICA A PERPETUAÇÃO DA ARTE.

    Disco de Diamante e de amolite(me encanta) pra esse seu, pra esse nosso disco, representando a satisfação da escuta e da decoração perene por nós os fãs.

    Não sei opinar sobre instrumentos e arranjos e não preciso postar o resto das canções

    massa 1 :Nessa terra de gigantes
    Eu sei, já ouvimos tudo isso antes

    A juventude é uma banda
    Numa propaganda de refrigerantes

    As revistas, as revoltas, as conquistas da juventude
    São heranças, são motivos pra mudanças de atitude
    Os discos, as danças, os riscos da juventude
    A cara limpa, a roupa suja, esperando que o tempo mude

    Massa 2: "Tudo bem, garota, não adianta mesmo ser livre"
    Se tanta gente vive sem ter como comer

    massa 3: Mas eu falei nem pensar
    Coração na mão como um refrão de um bolero
    Eu fui sincero como não se pode ser

    massa 4: os dias parecem séculos
    quando a gente anda em círculos
    seguindo ideais ridículos
    de querer, lutar & poder

    Massa 5: Esquerda & direita, direitos & deveres,
    Os 3 patetas, os 3 poderes
    Ascensão & queda, são dois lados da mesma moeda
    Tudo é igual quando se pensa
    Em como tudo poderia ser
    Há tão pouca diferença e há tanta coisa a fazer


    massa 6: Você sabe,
    O que eu quero dizer não tá escrito nos outdoors
    Por mais que a gente cante
    O silêncio é sempre maior

    massa 7: Duas pessoas(ou três) são duas(três) verdades
    E, na verdade, são dois(nossos) mundos(chatice de fã kkkkkk)

    massa 8: negociatas, concordatas,
    candidatos democratas,
    sucos e sucatas
    ternos e gravatas
    secando cataratas e lavando as mãos
    dando a impressão de que
    na areia movediça nada se desperdiça

    Massa 9 :Um dia mais, um dia a menos
    São fatais
    Pra quem tem sonhos pequenos
    Sonhos tão pequenos
    Que nunca têm fim

    Eu só queria saber
    O que você(s) foi(foram) fazer no meu caminho
    Eu não consigo entender
    Não consigo mais viver sozinho

    massa 10: Entre americanos e soviéticos, gregos e troianos
    Entra ano e sai ano, sempre os mesmos planos
    Entre a minha boca e a tua, há tanto tempo, há tantos planos
    Mas eu nunca sei pra onde vamos

    Eu me sinto um estrangeiro

    massa 11: Mas eu falei sem pensar
    Coração na mão
    Como o refrão de um bolero
    Eu fui sincero
    Eu fui sincero

    Abraços pra toda a família!

    ResponderExcluir
  127. cara! ao lado do "let it be" e do "clube da esquina" este disco foi meu companheiro das viagens e viagens nos 200 km diários até a faculdade. Viajar de uma cidade a outra pra encontrar os sonhos. Os dias pareciam séculos, seguindo ideais ridiculos. Mas algumas coisas salvavam, a conversa e troca de livros entre os amigos do ônibus, pareciam até trocas de sedativos para aguentar o fardo e a angustia na época. Outra coisa era escutar essa trinca de discos. Obrigado Humberto por me fazer enxergar além do mitos e out-doors, o fardo ficou mais pesado mas a highway entre São João Del Rei e Lavras ficou mais leve!

    ResponderExcluir
  128. É estamos ficando velhos e gordos, quando ouvi Revoltas dos Dandis pela 1° vez era muleque de tudo só tinha onze anos.
    Foi uma esperiencia muito diferente de tudo que eu já tinha ouvido antes. O que era aquele contrabaixo? pesado e sonoro,
    gaita em musica nunca tinha ouvido antes e as guitarras e bateria tudo fazia sentido sem saber porque. Dos pampas gauchos até cuiabá por quantas ciadades e horas de viagem esse disco percorreu. Vindo de um lugar frio e com pouca vogal encontrou aqui um lugar quente e com muitas vogais (cuiabá). Longe demais das capitais estou no contrario do contrario a leguas do sul a legua do centro urbano não é atoa que sempre que um disco era lancado demorava de 3 a 4 meses pra ele chegar aqui. Humberto vc me deve alguns lanches da escola que deixei de gastar só pra economizava pra eu poder comprar seus discos, mas valia apena pois eram mais do que um simples disco era tudo o que eu precisava pra ser feliz .
    Um forte abraço e até a prxima... valeu

    ResponderExcluir
  129. bah! tenho esse disco intacto (ou quase) depois de tantas voltas e agulhadas no velho toca-discos... Mais intacto está o autógrafo d'1berto na capa, feito numa feira do livro em criciúma - sc. Deve ser estranho autografar disco em feira do livro.. mas era essa a oportunidade.. Queria autografar outro disco (livro)em içara - sc dia 23/05 mas meu filho nasce dia 21... aí complica. Mas seguimos...
    Abraço!

    ResponderExcluir
  130. Demais!

    Mas eu fiquei intrigado foi com o selo amarelo deste teu LP... nunca tinha visto. O meu tem um selo da Plug (RCA).

    Eu que tenho um disco diferente ou o teu que é especial? hehehe

    ResponderExcluir
  131. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  132. Aliás, esse meu LP pegou sol e empenou na primeira semana. Não estragou a sonoridade, mas ele sempre rolava na vitrola subindo e descendo a serra a cada volta.

    Há mais de 15 anos que não coloco o LP pra rodar, mas até hoje tenho essa imagem mental. Revolta dos Dândis = braço da agulha subindo e descendo. Divertido.

    ResponderExcluir
  133. Ah aquela capa amarela... cheia de quadrados, eu sabia que era igual ao Nice Pair do Floyd, mas achava que era coincidência, e que os caras nem sabiam o que era, o encarte sem a letra de Terra, a letra de uma música não tinha no disco, as engrenagens, as sombras dos 3 carinhas... foram só alguns mistérios que me fazem admirar esse disco até hoje. Todas as canções são perfeitas,com a banda perfeita, no tempo perfeito, isso fez diferença pra um garoto de 13 anos . Valeu HG pelo autógrafo no encarte 24 anos depois, com direito a desenho do the wall e tudo.

    ResponderExcluir
  134. Bom, alguns dias depois... consegui finalmente dizer algumas palavras sobre as palavras do alemãozinho que cantava e tocava contrabaixo num certo O Papa é Pop, em versão K-7 que eu escolhia a dedo em todas as viagens para o litoral. Acompanhava em uníssono todos versos e refrões durante todo o disco. Fiquei muito feliz certo dia, ao receber um elogio, que a minha voz era parecida com o alemãozinho que liderava um certo power-trio gaúcho... Saudades daqueles tempos... Mas, depois de tomar um chimarrão e ver o meu tricolor (paulista) perder para a Ponte Preta, fiquei contente pelo tricolor (gaúcho) ter vencido fora de casa (tenho uma paixão enrustida pelo Grêmio)... Aguardando a chegada do livro daquele cara de quem sou muito fã, e pretendo continuar até o fim de minha vida... Abraços, e continue sempre assim, com ou sem EngHaw, pois você é e sempre será a alma dos Engenheiros do Hawaii...

    ResponderExcluir
  135. Adoro esse disco! Acho um pouco engraçado quando ouço, o jeito como ele soa, o som "diferente" que os instrumentos fazem... até a tua voz, diferente. Mas é muito bom, inclusive quase todas as músicas se consagraram (muito merecidamente, diga-se de passagem). Sempre gostei muito de Segunda-feira Blues I (inteligentíssima) e de Além dos Outdoors. Enfim, nem preciso dizer que tô ansiosa pra ver o Maltz tocando de novo e, principalmente, vocês juntos. Os seus "reencontros" são tão especiais pra nós quanto é pra ti.
    Boa quinta, mestre.

    ResponderExcluir
  136. Queremos show de Pouca vogal em Salvador-BA

    19 de maio de 2007, essa é uma data memorável aos ouvidos e corações de milhares de soteropolitanos, lembrada por ser a data do último show de Engenheiros na capital da Bahia.
    Aos apaixonados por Humberto e Duca, Engenheiros + Cidadão quem = Pouca vogal, em fim: amantes da poesia musicalizada do sul do País, que conquista com a força daqueles que acreditam que os projetos musicais não são algo pronto e acabado, mas modificado na construção do novo e na pesquisa no infinito musical, surge um espaço de encontro a fim de trazer Humberto Gessinger e seus projetos musicais novamente para Salvador.
    Mais do que um espaço de encontro, com um projeto definido e claro, qual seja, trazer Humberto Gessinger, seja conduzindo os Engenheiros do Hawaii ou no Projeto Pouca Vogal, ainda em 2012 para tocar na Bahia, com “costas quentes (sempre em frente) e Sangue quente (sempre em frente)”, buscamos vê-los de modo que estejam “Nem tão longe que eu não possa ver, Nem tão perto que eu possa tocar”.
    Não é o caso de trazer apenas uma banda do Rock, mas unir “alem dos Outdoors” uma tribo de legionários que acreditam que mesmo quando as “coisas mudam de nome continuam sendo religiões”.
    Espero apoio de muitos engenhaws nessa campanha, no mais, “a gente poderia conversar a noite inteira falando sério só de brincadeira, mas eu quero estar em outro mundo quando o sol raiar” ao som de poucas vogais.

    ResponderExcluir
  137. Oxente 1: 1berto, não sei se depende de ti, mais da uma força ai. Os baianos merecem mais atenção. Nos últimos 10 anos foram apenas 3 shows na capital e o ultimo foi a 5 anos.

    Oxente 1: O ultimo show foi no dia do meu aniversario de 18 anos na faculdade FTC, show este que foi o ultimo da turne acústico mtv, onde você nos presenteou com uma previa do como seria o acústico novos horizontes, tocando de pé e cantando "toda forma de poder com chuva de containers". Ouve também um fato lamentável, um jovem envadio o palco e arrancou a engrenagem do teclado, logo em seguida caindo do palco com o segurança que deve ter se machucado feio. Fato este que creio eu, a maioria dos fãs ali presentes se envergonham até os dias de hoje.

    Oxente 3. Não tenho contado direto com empressarios que organizam esses eventos... Mais tenho feito minha parte mandando e-mail para algumas pessoas, e pedindo ajuda a pessoas com contatos nesse meio, Afim de trazer o show do Pouca vogal para Salvador.

    ResponderExcluir
  138. Boa noite, @1bertoGessinger!
    Aprendi a ouvir sua música com três anos de idade. Ouvia muito "Minuano", "Tchau Radar".. Não sabia falar direito ainda, portanto dizia: "Papai, coloca o cd do 'mininuano'"..
    Dia 6 de maio completo 16 anos.. Ja fui a tour de 2005 no Palácio das Artes (com 9 anos) e ano passado em Gov. Valadares (com 15 anos), sempre acompanhado do meu pai (somos muito apegados). Fiz muitos amigos de fé, a Gabriella que fez aniversário essa semana, Paulinha (nobre Paulinha Marcuzzo), entre outros. Enfim, além de tudo, queria compartilhar contigo algo que meu pai me contou há pouco - Quando era jovem, em um amigo oculto da escola, ele presenteou o amigo com um vinil "a revolta dos dândis".. o garoto ficou suuper feliz.. isso há anos atrás.. mal sabia ele que o filho iria mergulhar de cabeça nesse universo!.. :)
    Tudo de bom hoje e sempre, espero te encontrar na estrada esse ano, realizar meu sonho de conversar contigo pessoalmente (perdoe o momento sentimental).. rs'..
    Um grande abraço do eterno "defé",
    Marco Túlio
    @marcotpo

    ResponderExcluir
  139. Conheci o Revolta em 89, tinha apenas 8 anos, um primo morava conosco no interior de Minas, Nova Era (frio de rachar), chegara ele com o Revolta e um disco do RPM debaixo do braço, Lado A, lado B, sem intervalos, dos dois discos. Pronto... tava cravado, " se você ouvisse as vozes que ouço a noite acharia tudo que eu faço natural...". Hoje vejo o Revolta e quase toda a obra da banda como um lateral esquerdo que joga toda sua carreira no mesmo time. Há uma força não apenas nas letras ou refrões, mas em tudo - construção, modificações, perdas e futura reconstrução da Banda.
    Tenho todos os discos e quase tudo que a internet me possibilitou... Destaque para o "Ouça" de vinil - mega conservado.



    abraços

    rodrigorsaid@gmail.com

    ResponderExcluir
  140. Diante das tuas, minhas palavras escassam. Compartilho, muitas, das tuas idéias, sou desse tipo de gente que quando se dói, é por inteiro, porque não sabe viver na superficialidade das coisas...

    Denísia de Oliveira
    Crato, Ceará, Brasil

    ResponderExcluir
  141. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  142. E eu fico me perguntando "como um moço de lá de PoA compartilha dos meus devaneios mais profundos desde 84, se eu nasci em 93?!"
    Obrigada, Gessinger! Sua poesia cinza me faz não me sentir tão só no meu Exercito De Um Homem Só.

    ResponderExcluir
  143. Conheci suas músicas há mais ou menos 1 ano, e ainda estou naquela paranóia de ouvir sem parar. O seu trabalho me encanta e me surpreende a cada dia, principalmente por saber que boa parte dele você fez quando eu ainda era uma criança.

    Acho incrível a sua capacidade de sintetizar e musicar os fatos políticos e sociais. Suas músicas não são melosas e nem falam de dor de cotovelo, ao contrário, elas induzem à um pensamento crítico e mostram o quanto você é autêntico. Esta é uma característica que me fascina.

    Ontem 04-05-12 foi meu aniversário de 28 anos. Nunca fui a um show seu, mas o twitcam dia 06 vem pra mim com gostinho de presente de aniversário. Humberto, obrigado por vc existir.

    Aandia Cunha, João Pessoa-Pb

    ResponderExcluir
  144. Nossa essa semana vai ser massa mesmo! Teremos o 1berto na twitcam domingo, aqui no blog na segunda e terça no "agora é tarde"!!! Parece um sonho... Pra completar só falta chegar meu livro e será PERFEITO!!!

    ResponderExcluir
  145. POESIA,BAIXO,GUITARRA E BATERIA

    Tem discos que marcam por serem complexos,outros por serem cativantes,já o(a) "Revolta" apesar de pussuir esses dois atributos, se fixou na minha "lista" de discos favoritos especialmente pela sua originalidade.
    Tanto em sonoridade,quanto em composição A revolta dos dandis mostrou de vez o que os ENGENHEIROS tinham de melhor,SUTILEZA!!!
    Não presenciei essa epoca,mas sei o quanto de distoção e gritaria se encontrava na musica,e derrepente aparece um POWER-TRIO com um disco todo "limpinho" e totalmente verdadeiro.Guitarrista que entrou,guitarrista que virou baixista e vocalista que se "tornou" cantor,em meio a toda essa mudança conceguiram gravar cançoes que se tornaram classicos da musica brasileira.

    Resumindo:Humberto,Carlos e Augusto "apenas" com POESIA,BAIXO,GUITARRA E BATERIA se tornaram icones do ROCK NACIONAL e mudaram a maneira de pensar de muita gente!

    Hoje ao assistir a tweetcam sei que vou esperimentar um saudosismo diferente.O saudosismo de uma época nao vivida...E sei que não serei o unico!

    ResponderExcluir
  146. Olá, Humberto. Normalmente tenho uma grande dificuldade de transformar meus sentimentos em palavras, porém, lendo este texto, resolvi tentar.
    Para mim é muito difícil fazer contato com um ídolo,encontrei com você algumas vezes já, e o planejado dias antes nunca deu certo - algo que queria ter dito e não o fiz, algo que falei demais.
    É difícil falar dos álbuns individualmente pois quando eu entrei nesse mundo EngHaw o ultimo disco lançado já era o Acústico MTV, foi em meados de 2005 ou 2006 (Estava com 13 anos na época). Então todos os discos "vieram" juntos até mim. Com o tempo eu comecei a entender cada um e aos poucos eles foram fazendo sentido individualmente: ainda assim é muito difícil falar sobre um disco, então gostaria de comentar sobre uma música em específico: "Vozes".

    "se você sofresse
    tanto quanto eu sofro com a solidão
    se você soubesse
    o quanto eu preciso da solidão"

    "duas pessoas são duas verdades
    e, na verdade, são dois mundos "

    Essa música muitas vezes serviu pra me definir. Através dela entendi porque (são tantos porquês) o fã de engenheiros, o fã de Humberto Gessinger é assim, tão apaixonado - Você consegue por em palavras, em melodias, o que um monte de gente sente e muitas vezes não consegue expressar. Você, Humberto, é um grande gênio,e eu estarei sempre aqui te acompanhando. Sempre DE FÉ.
    Saudações e um grande abraço.

    BAH 1: Espero que leia hehe :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Sartori você conseguiu descrever muito bem esse efeito que o Humberto e suas músicas causam na gente. Também conheci o Enghaw com o acústico mtv e todo o resto veio de uma única vez. Fiquei meio atordoada no começo, e ainda hoje estou degustando cada frase do Humbeto. A música que me ganhou foi "Outras frequências", eu me identifiquei muuuuuuito com a música e de lá pra cá Enghaw não sai da minha cabeça.

      Aandia cunha João Pessoa - PB

      Excluir
  147. Quanto tempo que eu não comento aqui! *-* Faculdade me consome. kkk' Bem, mas agora que consegui um tempo... e por sinal eu teria que conseguir um tempo, tanto pra ler o blog quanto para apreciar a twitcam de hj. Sou fã recente dos Engenheiros, do Humberto! Mas mesmo assim o álbum já traz grandes impactos na minha vida. Ouço todos os dias (TODOS OS DIAS MESMO) as músicas da banda. Preciso ouvi-las. Vou começar comentando não somente o álbum, mas também sobre Engenheiros de um modo geral (pois como disse antes, sou fã recente e não tenho tantas histórias para contar =/). Conheci as tuas canções, Humberto, em 2008. Foi num tempo em que eu ouvia constantemente Legião Urbana. Minha prima disse que tinha uma banda com as mesmas características desta: Engenheiros do Hawaii. Até então não conhecia. E passei ainda um bom tempo sem conhecer, desde a indicação da minha prima. Até que um dia resolvi comprar um álbum (para minha alegria o/): 10.000 Destinos, ao vivo! Eu sou do tipo que preciso ouvir várias vezes para gostar de algo. Portanto, demorei a me familiarizar com a banda, sem contar que eu não acreditava que pudesse existir alguém como o Renato Russo. Só em 2011, ouvindo o cd "acústico MTV" é que me apaixonei pela banda. Definitivamente! E não foi por acaso. Foi num tempo em que conheci uma garota que amava (ou melhor, ainda ama) o rock, sobretudo Engenheiros do Hawaii. Recomecei a ouvir por conta dela. Não me arrependi! Depois entrei na Faculdade de Direito e tive aulas de Ciência Política, Sociologia e Filosofia. As tuas letras falavam sobre tudo isso. Sempre fui muito humanista, importando-me com os problemas sociais e as letras que mais penetraram na minha mente foram: "Nessa terra de gigantes, que trocam vidas por diamantes!", "Quem ocupa o trono tem culpa, quem oculta o crime também, quem duvida da vida tem culpa, quem evita a dúvida também tem!", "Vamos duvidar de tudo que é certo!", "Entra ano e sai ano, sempre os mesmos planos... Eu me sinto um estrangeiro, passageiro de algum trem, que não passa por aqui, que não passa de ilusão!", entre outras. Todas as canções, todas as letras diziam ou descreviam o que eu estava vivendo. Faziam-me refletir. Tornaram-me mais críticos, questionador. Inspiraram-me a escrever mais, e sobre coisas importantes e interessantes etc. Desde 2011 até aqui, este dia, ouço todos dias, várias vezes, as tuas músicas. Você é GENIAL! Quero muito ter a oportunidade de participar de um show teu. Na minha opinião és o único poeta musical vivo (sem desmerecer os outros). Ah, e eu me enganei! Sem querer fazer comparativos, tanto porque não acho isso legal, visto que cada um tem suas particularidades (todos iguais e tão desiguais, uns mais iguais que os outros, não é?!), mas suas canções me tocaram mais do que as do Renato. Quando me perguntam quais as bandas ou estilo de música eu gosto, minha resposta é sempre a mesma: Engenheiros, Engenheiros, Engenheiros... pra não ficar apenas nisso acrescento: Humberto Gessinger e Pouca Vogal. Aí dizem: hum, pelo menos são coisas diferentes. E eu responde: Não! Em todas elas o Humberto tá presente, é por isso que eu ouço! =] Bem, e sobre o álbum... já citei acima as canções que mais marcaram: Terra de Gigantes, A Revolta dos Dândis, além de Refrão de Bolero e Infinita Highway.

    Parabéns, grande Humberto! Suas músicas são fantásticas. Admiro muito pessoas inteligentes. "Como sempre, um abraço como nunca"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mônica Gabriela8 de maio de 2012 18:06

      Nossa Henrique,estava Eu LendO uns Comentários e vi esse Seu eu achei FatasticO o q foi escrito,Afinal QuandO o elogiadO é O HumbertO Nós Fãns Ficamos Satisfeitos.Ah Não Me esqueçendO Vá Sim a Um Show DO HumbertO Que Fale MuitO a Apena.Esse Projeto Dele Com Duca está MuitO Bom .Tive a Honra de Ir Fiquei Boba 2hrs da manha e eu ligando pra minha mãe pra ela escutar rsrsrs.Adorei e esperO assistir a outros.Tchau. Mônica Gabriela

      Excluir
  148. Humberto, eu tô sempre por aqui, e hoje é a primeira vez que vou comentar porque o texto vai ao encontro do que eu penso, na verdade eles muitas vezes vão, mas este especialmente vai no cerne da minha reflexão. Então te pergunto:

    Até que ponto frases soltas fazem a canção
    Até que ponto palavras prontas ditam a razão
    Velhas frases de efeito, jogadas sem direção
    Um mantra enlatado, mexe com seu coração?


    abraço deste freud flinstone DE FÉ.

    ResponderExcluir
  149. caraca já é domingoo...
    "tá faltando algo ?..."
    o blog do HG!!!!!!!!
    a twitcam tb ? putzz já era ...!
    Mas vamos lá.
    Esse álbum deve ser o maior criador de fã enghaw né não!!
    .
    mas falar desse disco que só comprei depois do GLM, é como falar da seleção de 70 sei lá ...
    veja a escalação:

    Goleiro: A Revolta Dos Dândis I(o camisa um)
    dupla de zaga: Guardas Da Fronteira e Terra De Gigantes(sem riscos nas jogas aéreas)
    Laterais: Além Dos Outdoors e A Revolta Dos Dândis II(sempre além, e marcadores)
    Volantes: Quem Tem Pressa Não Se Interessa e Vozes(não combina muito mas..)
    Meias: Filmes De Guerra, Canções De Amor e Desde Aquele Dia( sempre deixando as zagas pra tráz)
    No ataque: Infinita Highway e Refrão De Bolero(os atacantes são sempre os mais lembrados)

    Grande abraço 1berto, e a todos os De Fé ..

    ResponderExcluir
  150. Coisa linda é o Artista ter essa abertura a sua pessoa, e especialmente, ao seu trabalho, oferecendo-lhes ao público. Abraços a um dos grandes artistas (ainda, apesar de tudo)desta geração. o/

    ResponderExcluir
  151. Acabei de receber meu livro autografado,muito feliz..valeu Gessinger.

    ResponderExcluir
  152. Minha e-storia tem de ter pouco mais de 4.000 caracteres e ainda acho bem pouco...
    Conheci os EngHaw atraves de meu irmão gêmeo, no tempo em que nos comunicávamos por carta ( era muito mais pessoal do que os e-mails de hoje). Eu precisava de uma música atual que falasse sobre guerra. Eis que ele me aparece com uma K7 chamada "o papa é pop". O som dos "Pês" soando como "papabaquigrifo" em minha boca e meus ouvidos. Soou muito bem. Dei importância àquela música. Tal qual minha surpresa ! Eram os incríveis que eu ouvia ha muito mais tempo... eu conhecia aquele título. Mas daí foram várias paixões na mesma K7. Adquirimos os anteriores e nos apaixonamos cada vez mais. Os amigos ao redor e que encostava em nós se apaixonava pela cor que estivesse tocando em nossos corações. Isso se desmembra desde 1990. O melhor de tudo é que sabíamos que era obra do 1berto. Fica tudo muito sólido quando ouvimos esse portoalegrense falar. ( PART 1 ) CONTINUED...

    ResponderExcluir
  153. ... (PART 2)... Aos poucos fomos descobrindo o mundo e percebendo como tudo parece um cão andando em círculos atrás do próprio rabo... ou a serpente ( são várias variáveis das variações sobre um mesmo tema)... dizendo que este é você parado na esquina, a mesma esquina em outra canção. Bem tudo é muito difícil explicar mesmo. As pessoas que se recordam de nós quando ouvem uma faixa qualquer que contenha a voz deste 1berto. É instantâneo e eu pude provar disto quando postei a foto tirada no bar do meio ao lado do meu ídolo máximo, ou posso dizer único ídolo que tenho. Nem o Ayrton Senna era meu ídolo. Era apenas o melhor no que fazia. ( percebe a grandeza do que significa para mim ?) (PART 2) CONTINUED...

    ResponderExcluir
  154. (PART 3)... Com tudo que passei, tempos bons, tempos ruins, cada dia, cada passagem, tudo isso era regada a doses generosas de BR101 e com trilha tocando no rádio os EngHaw, sem dúvida. E nada se formou até hoje como se eu fosse aquela tiete maluca que saca todas as letras e cada passo que dão. Não funciona assim. A minha admiração era muito mais velada, muito mais para mim do que para todos ! Eu queria tocar meu violão e cantar as músicas que gostava, e eram engenheiros... por azar sempre tínhamos amigos por perto... amigos esses que curtem até hoje, montaram fã clube e etcoetera... mas eu nunca liguei para isso. Eu gostava, eu entendia da minha forma e pronto.
    Mas é claro que como todo fã, o sonho de estar cara a cara com um ídolo é sempre maior do que se pode gritar que não. E por mais que eu não ligasse para isso, é óbvio que eu gostaria de estar lado a lado neste lance de dados. Nunca consegui, é claro. Já consegui autografos em camisa de time, consegui que me enviassem adesivos mas nada além disso. Até que um dia me veio um convite: "Vou abrir o show do Pouca Vogal ! Vai vir ver ou vai ficar com inveja ?"
    Meu sobrinho que se enveredou pelo mundo da música pelo simples motivo de quando era criança ficar ouvindo meu irmão e eu tocando nossos violôes sons dos EngHaw. Virou baixista e as primeiras canções foram os acordes loucos do nosso 1berto...
    Enfim, agora vem a parte chata deste resto de assunto...
    Com o backstage pronto, ficamos sabendo que meu sobrinho não poderia abrir o show do pouca vogal pois a produção não queria... legal !
    Mas eu consegui ir ao camarim, seu eu não fosse ficaria louco.
    Dei uma caneca (que deve ter achado ridícula) com bolebas azuis para o 1berto e outra com bolebas vermelhas para o Duca... mas foram com carinho, eu não sabia com o que presentear.
    Eu tirei a tão sonhada foto com meu único ídolo, mas a produção me fez sentir tal qual um terrorista com bombas presas ao corpo ou com um avião sequestrado... Não senti respeito...nenhum mesmo... E somos nós que giramos esta roda gigante...
    Até que eu não giro... compro CD, vejo reportagens e tudo, mas não sei se deveria ter sido tratado daquela forma... ( PART 3 ) CONTINUED...

    ResponderExcluir
  155. (PART 3)... Mas agpra vou findar a e-storia pois não da pra contar aqui os 22 anos a alguns caracteres. É muito mais complexo que isso !
    Ha 3 semanas recebo o seguinte recado em meu facebook : "Vou abrir o show do Pouca Vogal ! Vai vir ou vai fica com água na boca?" Era meu sobrinho que se embrenhou no mundo da música graças ao tempo que meu irmão e eu ficávamos até tarde da noite socando ao violão o som dos EngHaw. Hoje é baixista por conta dos acordes louco que o nosso querido 1berto tirava na época da santíssima trindade: 1berto, Licks e Malts.
    E mesmo com tantos problemas, entre a falta de grana, minha filhota que não se chama Clara por motivos aleatórios ( não por vontade) estando com probleminha de saúde e outros, fui mesmo assim. Eu sentia que poderia entrar no camarim e realizar meu sonho. Venci a curva e consegui entrar no camarim com a pulseira que me dava esta condição ! Mas uma pena e decpção pois a equipe da produção além de não ter deixado meu sobrinho abrir o show e depois não quis desmontar o cirto para que ele tocasse depois disso, me fez sentir como um terrorista com bombas presas ao corpo ou um avião sequestrado em minhas mãos. Não gostei do que senti...
    Não tive nem 3 minutos com meu ídolo, como se eu não fosse importante e não pagasse cada centavo de tudo que já possuí... Eu penso que como eles são importantes para mim, eu sou importante pois sem mim e o cartel de fãs, nada disso existiria.
    Não é querer considerção pelo que sou, mas pelo que passei... e o que eu passei foi apenas toda minha formação, para mim mesmo e para as pessoas que convivi.
    Hoje e já entreguei todos os meu CDs que tinha, inclusive o mais raro que é o "TRIO"... doei mesmo... apaguei vários anos de arquivos, letras, fatos e fotos agrupados durante uma vida inteira foram incinerados. Até me sinto sem identidade.
    Meu arrependimento é tal pois eu já comi cachorro quente com a galera do biquine cavadão, bati papo com a galera do SKANK, fiquei quase hora no camarim com a Ivete, tive abraço do Fábio Jr., troquei camisa com o Gabriel (o pensador)... e todos estes eu tenho grande admiração pelas pessoas que são... e já o meu verdadeiro ídolo, eu consegui uma foto muito da forçada... tipo aquela de habilitação, que ninguém se gosta e ainda tem um pouco de vergonha de mostrar...
    E como diz: Tô fora voodoo, ranço, baixo astral, eu não vou perder meu tempo brincando de ser mal...
    Eu sinto muito por mim mesmo em traçar um caminho baseado em doce ilusão... ilusão de ótica... ( eu desde de sempre soube a diferença entre ótica e óptica ), e olha que eu era moleque !
    Grande abraço !
    Só aproveitar o gancho ! : Foi foda o discurso sobre o movimento separatista que fez em Cordeiro em uma expo. em 94 com a turnê GLM, onde quando o Brasil foi campeão da Copa... Eu não tinha por onde escoar tanta emoção...
    Tá entendendo ?
    E as canecas com bolotas azuis e vermelhas devem ter sido ridículas... devem me zoar até hoje...
    Grande abraço e fique com Deus...
    Trilharei outros caminhos... muito prazer, me chamam de otário...

    ResponderExcluir
  156. pedroavellar450@yahoo.com.br7 de maio de 2012 21:25

    quem tiver SKY, procure o programa ZOOMBIDO. Paulo Moska em entrevista muito massa com o 1berto... eu ia desligar a TV e o controle acabou ligando ao invés do contrário... brotou aquele canal e o programa estava começando... perfeito, mas eu já não via tanta graça...

    ResponderExcluir
  157. 1berto demaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaais a twitcam ontem, alles blau, astral tri legal, da gente ficar torcendo que alguém esquecesse a câmera ligada e vocês ficassem com nós mais uns 3 dias. aquele abraço.

    ResponderExcluir
  158. twitcam do Humberto Gessinger com o Carlos maltz (a revolta dos dandis) completo
    http://goo.gl/bLh1N

    obs : o Gessinger é muito egoista da pra ver nesta twitcam, o Maltz é um coitado , O gessinger nem deixou o Maltz falar do livro dele falta de educação do caralho , e outra O Maltz Foi falar da importancia do Augusto Licks no disco , e o gessinger ´so disse Agustinho sem comentarios (foi um elogio rs) ....
    porra um puta guitarrista e o cara diz sem comentarios rs , vai a merda gessinger , certo estava o Licks de sair do enghw ... aprende a respeitar as pessoas gessinger
    Minha opinião quer gostem ou não , até pq tem tem gente aq que se o Humberto peidar fala, que bonito que lindo ...
    Com censura e sem censura ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo :
      Carlos Maltz ‏ @carlosmaltz

      Não, não... o Humberto queria que eu falasse do meu livro, eu não falei pq não quis, pq não achei que o momento fosse pra isso...

      Excluir
  159. Faltou O baixo na twitcam do revolta , o revolta sem baixo não é revolta .......O maltz tava demais na batera , como sempre passa uma energia unica que poucos bateristas passam

    ResponderExcluir
  160. poxaa....nem assisti a twitcam..mas td bem...amo o disco e amei o post!!!
    bjos e abraços ;)

    ResponderExcluir
  161. Mônica Gabriela- Medina -Mg8 de maio de 2012 18:27

    Humbeto VenhO Por meio de um Comentário,Te elogiar pelas músicas compostas que são Show,Por nos trasmitir Coisas Boas Pensamentos Bons.Por atravéz de Letras Fazer Nosso Cerebro Funcionar TentandO entender o que vc Está querendO dizer e Então entendido Ficar SatisfeitOs e fazendO então mais Fãn, Ainda admirO sua capacidade Genial e as vezes me pegO pensandO ou cantandO musicas suas.Parabéns PelO trabalhO, e PelO reconheçimentO Mais Do que MereçidO,Pouca Vogal então ?!! MuitO Bom Fui a um Show Seus em Caratinga-MG e Fiquei completamente Satisfeita pelo que assisti Foi Mais do que eu esperava e valeu eu enfrentar 500km pra chegar até la BjO.Adoreii Seu ProjetO com Duca.Parabéns MesmO.

    ResponderExcluir
  162. Cara O Gessinger não tocou baixo em nenhuma faixa ..... o revolta sem baixo não é revolta ....
    Faltou a brilhante guitarra do Licks ....
    mas ainda sim ficou legal ,o Maltz detono na bateria

    ResponderExcluir
  163. Vish. Lendo esse post, e entendendo ele, percebi que tenho problemas com desenhos explicativos, ou mesmo formulas. Gosto mesmo é de montar sem ver o manual, da minha maneira. Talvez por isso sempre me ative mais ao lado "B" dos EngHawaii, ou mesmo do Belchior, Zé Geraldo...

    Só pra compartilhar;
    Meu pequeno caos físico nasceu, minha filha em termos sociologicos. E aê? E aê que quero deixar indicios, ou dicas de onde encontrar um caminho tal como o pai [por meio dos escritos que li, assim como seu achado do livro de seu pai] e um dos indícios está linkado aqui, nesse blog.

    {ansiedade, pra ela escolher a melhor Highway} Pena não poder exercer toda a influencia que gostaria, mas...

    ResponderExcluir
  164. Disco existencialista do começo ao fim, do estrangeiro ao mito que limita o infinito

    ResponderExcluir
  165. Para mim A Revolta dos Dândis é um dos melhores discos lançados aqui nessa província.

    ResponderExcluir
  166. Caracasss...NOSTALGIA!!! ler o blog e os comentários me faz arrepiar mesmo..são músicas, que marcaram gerações..inesquecíveis..e A Revolda dos Dandis..simplesmente perfeita!!!

    ResponderExcluir
  167. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  168. Mais raiva(amor?!?!) desse disco só tenho do Gessinger Trio... que peguei emprestado de um amigo como se tivesse pedindo a esposa emprestada. Resultado... perco o gessinger trio dele. Sobrou só a caixa vazia. Um túmulo sem corpo. Um estádio lotado sem bandeiras nas arquibancadas e times no campo. Haaa é... to falando do Revolta mauz aee...... tava em 1995 ou 96+- quando nossas nets eram um espetáculo a 28kbps/seg. e não existia isso aqui em Itaipava/Petrópolis.... Resultado, comprei o disco usado que uma menina "afanou" do pai por milhões de reais. Sei que foi muito caro pq tive q trabalhar de servente de obra por muito tempo pra pagar o empréstimo da grana a juros altíssissississsimos (um abraço Patráicia Poeta). Mas ele ainda gira aqui. Engraçado que anos mais tarde encontrei o lp empoeirado numa prateleira de discos usados em uma loja do centro da cidade. E em tempos de downloads a 500kbps/s.... estranho néh?

    ResponderExcluir