PR(*)SA C(*)M N(*)TAS DE R(*)DAPÉ - 17


Fotos de satélite, visão de raio X, cães farejadores, detectores de metal, currículo escolar, teste de QI, previsões do tempo, tarot, mapa astral... não captarão. Capas de revista, lista de “dez mais”, grampo telefônico, malha fina, a lei da selva e dos tribunais, leitura de mãos, câmera escondida... não captarão. Sondas e radares não captarão. Revisores ortográficos também não. Pesquisas de opinião não captarão. Os caras ligados se atrasarão. E não captarão.

(*) "Se fosse uma cobra, teria me picado!" Usávamos esta expressão ao encontrar algo que procurávamos e  estava na nossa cara o tempo todo. Geralmente era precedida por um "bah" surpreso e levemente envergonhado. Não sei se a validade da expressão se limita ao tempo e  espaço da minha infância. Talvez cada época e região expresse de forma diferente este sentimento universal e atemporal: "Bah, se fosse uma cobra tinha me picado".

(*) Depois de muito tempo sem ouví-la, a frase voltou à mente quando me ensinaram um atalho para editar o blog. Um ícone óbvio (um lápis) muito bem exposto (sob a postagem). Caraca, 16 semanas sem que eu visse o que estava ali, na minha frente! Se fosse uma cobra, teria me picado.

(*) Numa das minhas caminhadas para jogar tênis, um cara me parou e perguntou se eu era maçom. Respondi que não, recoloquei meus fones no ouvido e segui. Achei que a pergunta era consequência destes filmes com teorias conspiratórias (acho que O Código da Vinci estava em evidência, sei lá...). Menos de um mês depois, com outro cara, a cena se repetiu. Caramba, não podia ser coincidência! Maçom? Por que? Não sei nada a respeito...

Ao passar por uma vitrine espelhada notei, na raqueteira que eu carregava nas costas, a semelhança entre a logomarca das raquetes Volkl e o símbolo maçom.  O logo é formado por dois "V" espelhados na horizontal. Parece mesmo a régua e o compasso. Se fosse uma cobra, teria me picado. Nas costas!

(*) Excesso de atenção em alguma coisa é desatenção pra outras.

Reclamam muito do déficit  de atenção da molecada multitask, criada à 20cm duma tela de computador: "Sem foco, fazem mil coisas ao mesmo tempo!". Será que eles estão desaprendendo a viver? Ou estão aprendendo a viver de outra forma, o mundo que lhes toca?

O mundo, assim como a gente, nunca tá pronto. Vive mudando. Muda pra viver. Ser contra todas as transformações faz tão pouco sentido quanto ser a favor de todas elas.

(*) Os orelhões estão quase extintos. O mesmo está acontecendo com a vida pública, com o espaço não privatizado. Cada um com seu celular, cada um com seu carro, nada de transporte ou telefone públicos. É a regra. Escolas, hospitais e até a segurança caminham a passos largos para o mesmo destino. Cada um por si.

Me dei conta disto porque faz tempo que não esbarro num orelhão. Sim, era muito frequente eu bater a cabeça na borda da concha feita de fibra de vibro. Ela tem o formato ideal para atingir quem caminha muito e caminha de cabeça baixa.

Depois do choque, a gente fica (bah) surpreso e envergonhado, quer sumir, checa se muita gente presenciou a cena. Sempre fica alguém a rir na janela de um carro parado no engarrafamento. E o orelhão segue balançando, como se também estivesse rindo do nosso infortúnio.

Um orelhão é um berimbau gigante. Engana-se quem acha que sua concha foi desenhada para proporcionar silêncio a quem faz uma ligação: foi feita pra ficar balançando e avisar o mundo inteiro que um otário desatento bateu a cabeça nela. Da mesma forma que, no berimbau, o côco funciona como caixa de ressonância para a corda.

Todos os orelhões que cabeceei na minha vida, se fossem cobras, teriam me picado.

(*) A cada dia encontro mais gente que sabe, com certeza absoluta, o que é melhor pra mim. Apontam, decepcionados, o caminho que eu deveria ter seguido. Apontam, como última chance, o caminho que devo seguir. Nos seus conselhos, elas só se esquecem de uma coisa: de mim. Se eu fosse uma cobra... 

tá legal
tô ligado
a cabo
a tudo
que acaba
de acontecer 

1 abraço antenado !
HG + U = HUG
04out2011

76 comentários:

  1. uma paulista que vivia na divisa com Minas afiram que a expressão existe em ambos os estados com a mesma intenção de reforçar esse sentimento de estar levemente surpreso e envergonhado. (:

    'vai passar batido, despercebido, talvez até ja tenha acontecido'

    Abraço (:

    ResponderExcluir
  2. Deu uma dózinha de imaginar as cabeçadas nos orelhões... Enfim, mais uma vez obrigada por alegrar a minha segunda feira, ops... Terça feira. Ops, todos os dias! :)

    @simone_hg

    ResponderExcluir
  3. Eu sempre quis ter uma antena parabólica em casa. Quando finalmente meu pai comprou, pouco tempo depois eu sai de casa.

    ResponderExcluir
  4. fiquei com mais dó da Carol aqui em cima do que do HG batendo a cabeça nos orelhões HAUSHUAHSUHASUHAUHS

    ResponderExcluir
  5. Bem por aí,eu sempre batia a cabeça em orelhão, esses dias bati em um poste.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom, o texto e é bem verdade tudo isso... se fosse uma cobra tinha mordido a gente...

    ResponderExcluir
  7. (*)A cada dia encontro mais gente que sabe, com certeza absoluta, o que é melhor pra mim. Apontam, decepcionados, o caminho que eu deveria ter seguido. Apontam, como última chance, o caminho que devo seguir. Nos seus conselhos, elas só se esquecem de uma coisa: de mim. Se eu fosse uma cobra... o//

    A maioria das pessoas que nos aconselham sempre esquecem de nós, e aplicam o que estão falando não à nós e sim a eles!
    Tenha uma linda noite,e toda e qualquer decisão que tu tomar estarei aqui pra te seguir 'forevermente' hehe
    Amo você!

    ResponderExcluir
  8. Porra..

    Qualé a diferença de tu ficar esperando Axl até de madrugada e esperar o Blog do humberto até meia noite???

    Toda diferença..

    Aqui não me decepiciono, entre cobras e sobras das noites em que procuro qq coisa sozinho..
    encontro o que eu provavelmente não saberia!

    Humberto é o cara!
    E se ele fosse uma cobra...

    ResponderExcluir
  9. Como uma cobra que morde o próprio rabo pode picar alguém que não a si mesma? As pesquisas de opinião não captarão essa lógica, mas talvez uma imensa parabólica sim...

    Abraçãooo Gessinger!
    E outro pra todos os DeFé!

    Por aqui... no interior de São Paulo... também usamos essa expressão, e eu que achei que era só por aqui... bah! Se fosse uma cobra... rsrs

    ResponderExcluir
  10. O legal de bater de cabeça nos orelhões(pelo menos pra mim) é rir de mim mesma,as vezes ninguém vê,mas eu com meu bocão começo a rir feito louca,daí então todos vêem,hehe! =)
    Adoro rir das situações mais constrangedoras,pelo menos quebro aquele 'gelo' da ocasião!

    Boa noite!(de novo)

    ResponderExcluir
  11. essa foto dá uma vontade de te dar um abraço

    ResponderExcluir
  12. Se a tv estiver fora do ar
    Quando passarem
    Os melhores momentos da sua vida
    Pela janela alguém estará
    De olho em você
    Completamente paranóico
    Prenda minha parabólica ♪

    ResponderExcluir
  13. Acho que vc faz parte da vida dessas pessoas, e elas querem de alguma maneira fazer parte da sua, talvez como retribuição, te aconselham o que seria mais adequado na visão delas...

    Acho que a mais clássica é: "Volta com o GLM!"

    Esses dias o Maltz disse a mesma coisa no twitter, ninguém pensa o que é melhor pra ele.

    Infelizmente nós somos assim mesmo, poxa, vc mesmo disse certa vez, quem dera o Roger Waters tomar um chá com vc, talvez ele nem goste de chá...

    Não é por maldade, egoísmo é uma característica humana, e acredito que todos nós somos, sem exceção, uns mais que os outros.

    Eu vejo o Altruísmo como um Egoísmo do bem, em troca de fazer bem a uma pessoa, vc não deixa de pensar em vc, pois se sente bem assim.

    Que o satélite lhe seja leve.

    Abraços

    Denis Lins

    ResponderExcluir
  14. bah, eu tinho o mesmo problema com orelhões!! Quanto a cobra tb usamos a expressão aqui em SC.
    abraço

    ResponderExcluir
  15. Última sexta-feira fiz os mesmos comentários com um amigo sobre as mudanças na vida pública, e citamos os orelhões. Lembramos de como era divertido querer inserir a fichinha para nossos pais efetuarem ligações. E por um momento olhamos para os lados e percebemos que hoje não vemos mais orelhões e muito menos garotos ansiosos por inserir fichas, vemos apenas pequenas criaturas com seus aparelhos móveis tão modernos que eu na idade deles nunca imaginei que um dia pudessem existir. Levando em consideração meus poucos 16 anos percebo que o mundo muda, a gente muda, o mundo muda a gente e a gente muda o mundo. Belo trava-língua! Belíssimo e produtivo texto - pra não perder o costume! Ah, e adorei o abraço de hoje!

    @atributino

    ResponderExcluir
  16. Essa expressão é a cara da minha mãe e da minha infância, pq eu vivia perdendo as coisas, ou nao conseguia achar as que eu mesma deixei jogadas e que estavam a vista... kkkkkkkkkkkkkkk

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  17. Obrigada por mais essa leitura reflexiva e enriquecedora! =)

    ResponderExcluir
  18. Ótimo texto! Impressionante como cada vez mais nos escondemos dos outros... seguimos solitários "nossos" passos. Uso muito ônibus e tenho observado que mesmo em um "Coletivo" as pessoas se isolam. Para alcançar esse objetivo fones de ouvido e óculos escuros são de praxe. Literalmente, tapamos olhos e ouvidos para o outro. Estamos, assim, a cada dia mais insensíveis a vida...

    Ah... aqui no ES falamos assim: "Se fosse uma cobra, me morderia!"

    ResponderExcluir
  19. Já bati muito a cabeça em orelhões quando esses existiam ainda bem que a fibra de vidro é um material "leve" xD. Sobre o que a Kelly Bull disse aí em cima quando as pessoas entram em um ônibus a primeira coisa que elas fazem é procurar um assento vazio e que preferencialmente não tenha ninguém sentado ao lado, já vi muitas pessoas viajando em pé só para não ter que sentar com um desconhecido ao lado é como o Humberto disse: cada um por si. Quando andamos na rua e emparelhamos com um desconhecido um dos dois aperta o passo para não ter que andar juntos.
    Abraço Humberto. Ah!me lembrei que já sonhei umas duas vezes lhe abraçando ^^.

    ResponderExcluir
  20. A expressão deve ser universal. No Rio também usamos. O que não usamos aqui é 'bah', coisa que me peguei falando dia desses sem querer.

    Texto ótimo de ler, Humberto! O "esquecer de mim" é apenas um detalhe pra eles. Mas como disse o mestre da pintura Renascentista: "os detalhes levam à perfeição e a perfeição não é um detalhe".

    ResponderExcluir
  21. Em Goiás, se fala isso até hoje.

    Mas quando gaúchos e catarinenses diriam "bah", goianos e mineiros dizem "uai".

    E já faz tempo que as chamadas dos seus Posts aparecem no meu Twitter.
    Uai, se fosse uma cobra, teria me picado.

    ResponderExcluir
  22. Sobre a molecada "multitask", a filha de 2 anos de um casal amigo meu, acostumada a ver e brincar com os joguinhos do tablet dos pais, se deparou há pouco tempo com uma televisão, e o resultado não poderia ter sido outro. A menina deslizava o dedo na tela da TV esperando alguma aparição que ela estava acostumada na outra telinha.

    Essa é a evolução, o mundo pronto pra cada indivíduo que surge, ficando rarefeito pra cada indivíduo que já surgiu.
    Talvez ainda sejamos uma banda numa propaganda de refrigerantes, esperando que o tempo mude...ao nosso jeito.

    Grande abraço do de fé,
    @lucianos_s

    ResponderExcluir
  23. DePois de muitos (muitos mesmo) anos, me vi precisando de um orelhão há 2 meses. Estava em um aeroporto no exterior (sem roaming habilitado no celular) e tinha esquecido uns presentes no carro alugado na cidade anterior. Precisava entrar em contato com a locadora o mais rápido possível para tentar recupera-los. Desci do aviāo pensando onde acharia um orelhāo? Talvez ao lado dos caixas automaticos, ou do quiosque de informações ao turista, pensava. Pois entāo: Se fosse uma cobra... vários orelhões por toda a area de desembarque. nossa mente seletiva já nāo enxerga o que acha que nåo será necessário.
    A unica diferença é que ao invés de fichas ou cartões telefônicos, o aparelho funciona com moedas ou cartão de crédito.
    =========

    Hoje vim ler o post só agora (quase 3h da manhā). Gostei.
    Melhor ler o post na madrugada do que a meia noite... Alem do post, jah leio os vários comentários tb :)

    []'s
    ROM
    P.S. Não recuperei os presentes

    ResponderExcluir
  24. Na Bahia também se usa a expressão. Deve ser coisa que "ficou para trás", já não é tão usada como no meu tempo de moleque - ou talvez seja, eu já tô fora há 7 anos -, mas ainda se usa.

    E como sempre, em todo texto, em toda cancação, em todo livro... há sempre uma passagem, uma frase, uma expressão que me "pegam". Aqui, foi essa:

    "Ser contra todas as transformações faz tão pouco sentido quanto ser a favor de todas elas."

    Mais uma vez, delícia de texto =)

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  25. " Não há mudança , há apenas o mudar
    " Tudo muda ao teu redor o que era certo , sólido dissolve , desaba , dilui desmancha no ar
    " E o tempo vira pó " ...

    ResponderExcluir
  26. A expressão da cobra é comum nas Gerais também! Mas a do orelhão é um clássico, só quem já tomou uma porrada é que sabe!!!

    ResponderExcluir
  27. No Rio existe esta expressão também...
    Achei o texto/desabafo muito interessante e cômico, por incrível que pareça...rsrsrs...tô rindo até agora do orelhão que fica rindo da gente...talvez eu tenha me identificado...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  28. "No Ceará não tem disso não..."

    Brincadeira! Tem sim. Apesar de sermos quase diametralmente opostos geograficamente, a expressão fez essa migração e mora por aqui também.

    O que muda é o "Bah" por um "Mah"(diminutivo de macho) e fica mais ou menos assim:

    "Égua Mah!
    Se fosse uma cobra tinha me mordido..."

    ResponderExcluir
  29. Gosto da sua forma de como conta uma história para explicar seus sentimentos. É uma pena não temos esse espaço disponível, pois você não leria meu blog(leria?), pra saber como me sinto, né? A verdade é que sua obra marcou a vida de milhares de jovens durante esses seus 20 anos de estrada e fomos felizes naquele tempo... Ah... Se o tempo voltasse... Ah... Se pudéssemos ter um pouco desse passado de volta, as alegrias e frustrações da adolescencia... A euforia antes do show... A felicidade de você apontar pra gente, jogar uma palheta,um autógrafo... Das piruetas, das balangadas do cabelo, essas coisas! Ao bem da verdade, amamos SUA obra, independente de quem esteja ao seu lado, mas por não nos desgrudarmos do passado, pedimos "egoisticamente" que massageie nosso ego de fã. Falo pela massa: Não tenho esse desejo "GLM". Gosto do HG, sozinho ou acompanhado(mesmo sentiindo falta de...)! Só não dispenso esse abraço! Pra tí, beijos!

    ResponderExcluir
  30. Peripécias de duendes! Acredite!

    Big stronger arms.

    PS: Xprmnt dxr brrch cr...

    ResponderExcluir
  31. Pois é, isso de não enxergamos coisas que está bem a baixo do nosso nariz acontece muito, e também usamos a expressão da cobra...
    Achei o texto bem divertido, e inteligente, inteligente como todos os de HG.
    E o fato de pessoas saberem o que é melhor pra gente, isso existe muito, afinal, Problemas Sempre Existiram e Sempre Existirão.
    Forte abraço. Obrigada por tudo sempre Mestre Humberto.

    ResponderExcluir
  32. orelhão ta extinção porque é sem graça aqueles cartões.....bom mesmo era o som das fichas caindo....

    ResponderExcluir
  33. Só uma coisa pra falar:

    "O mundo, assim como a gente, nunca tá pronto. Vive mudando. Muda pra viver. Ser contra todas as transformações faz tão pouco sentido quanto ser a favor de todas elas."

    Disse tudo!!

    ResponderExcluir
  34. Lembranças, lembranças, amargo e desespero...
    se pra você eu sou o último, pra mim vc é primeiro......
    se no meu peito tem coragem, meu ego sente medo....
    se hj eu durmo tarde amanha acordo cedo!!!!

    aprendendo!

    ResponderExcluir
  35. Continuar no anonimato, aprendendo, mas no obscuro!!! e se eu fosse uma cobra vivendo nesse escuro???? Calma, estou aprendendo!!!!

    ResponderExcluir
  36. HG, se adaptar aos novos tempos, difícil, mas não impossível... Individualismo moderno? Será que é tão moderno assim? O dono da bola sempre mandou no jogo, fato. Ausência de orelhões, resistência pessoal à coisa pública, ônibus, metrô, trem etc, pra preservar o "particular" de cada um! Contrassenso com a alta exposição do que era pra ser privado nas redes sociais... Paradoxo interessante... Ah! Se fosse uma cobra, teria me picado!!! Escuto e digo essa expressão desde criança, no interior de São Paulo, no interior de Minas e do Mato Grosso do Sul, onde tenho família, tá meio em desuso mas todo mundo entende, sabe o que significa!
    Engraçado esse lance de conselhos (se fosse bom, ninguém dava, vendia! Essa também é mais velha que andar pra trás, mas totalmente válida!), a gente sempre sabe o que é melhor pra gente, e se não for o caminho direito, alguma coisa válida a gente aprende, se manter os olhos bem abertos e o satélite ligado...
    Forte abraço!!!!

    ResponderExcluir
  37. Não se preocupe, a expressão da cobra é atemporal. Minha vó usava, eu uso, minha priminha usa... Aqui no litoral de SP se usa como no interior, como disse a Lú Martins...
    Abraços Mestre!
    @ophilosopho

    ResponderExcluir
  38. Incrível... acontece a qualquer um e acontece a toda hora...as pessoas estão sempre apontando os caras que você poderia ter sido e as caras que você poderia ter tido!

    Mas é como você diz: Só não tente me dizer o que é melhor pra mim, quem pode saber?

    E afinal de contas, problemas sempre existem e sempre existirão!!

    E viva a tecnologia...só assim consigo acompanhar seu trabalho...só assim fico "antenada" em ti. Prenda minha parabólica...

    Abraços e até... ;)

    By: @niviabitu

    ResponderExcluir
  39. Orelhões,pião, casa na árvore, cantigas de roda e por ai vai a lista de extinção... muitas para melhor, outras nem tanto =/

    e se fosse verdade essa expressão muitas cobras já teriam me mordido... inclusive por causa do teu blog... Bah!

    Abraço Forte caro Humberto Gessinger

    ResponderExcluir
  40. Grande Humberto, sou seu fã de mileano. Lembro quando ainda tinha 8 anos e minha mãe sofreu um acidente de carro e teve que ir ao Rio para operar (somos do ES) e numa das voltas que eu dava com meu pai pelas ruas e, ao atravessar uma rua, me lembro de você vir no sentido oposto, também atravessando a rua, com jaqueta jeans e camisa preta com uma caveira por baixo. Lembro de ter cutucado o meu pai e dizer "é o cara dos engenheiros", mas meu pai nunca foi ligado em música, não deu a mínima. Lembro de ter voltado ao hospital onde a mamãe estava, pegar uma caneta e um papel e descer. Eu e minha irmã ficamos até o anoitecer andando pelas ruas tentando te encontrar mais uma vez pra, quem sabe, pedir um autógrafo. Isso era 1993....

    ResponderExcluir
  41. Hoje sou baterista de uma banda cover dos Engenheiros no Espírito Santo chamada Engenheiros Trio. Quando você e Ducka vieram fazer show no Ilha Shows, em Vitória-ES, tivemos o prazer de tocar depois de vocês, conversarmos com seus produtores, pessoal da técnica, até visitamos seu camarim. Foi uma pena não ter podido apertar a sua mão e lhe entregar a camisa do Rio Branco Atlético Clube, o mais querido do estado. Enfim, fiz esse relato apenas pra mostrar como sua música, seus poemas e seus ideais me influenciaram ao longo da minha vida. Li certa vez uma entrevista sua dizendo acerca das influências para escrever e mesmo de livros e autores que gosta. Me recordo bem que você citou bastante Camus e, em especial, O Mito de Sísifo. Fui imediatamente comprar o livro e ao término da leitura quis, de alguma forma, homenagear a sua influência e a influência que Camus passava a ter em minha vida, compus uma música chamada "Como Sísifo" e sua melodia nas estrofes é uma homenagem a "Curta Mestragem". Gostaria que, caso pudesse dispensar quatro minutos, visse meu video e ouvisse a música, foi feita em sua homenagem. Sou seu fã! Um forte abraço dos De Fé do Espírito Santo!
    http://www.youtube.com/watch?v=z3rReWEyp_Y

    ResponderExcluir
  42. Caramba, fiz essa mesma pergunta ontem no twitter, se vc era maçom, meu pai disse q viu o simbolo em um de seus DVD's no making of, agora possa falar pra ele sem medo de errar: "pai Humberto n é maçom..,kk

    ResponderExcluir
  43. Obs: não é régua e o compasso, é escadro e compasso, kk

    ResponderExcluir
  44. Quando eu era criança ainda existia orelhão nas ruas e eu pedia pra minha mãe parar pra eu ligar pra qualquer pessoa!KKKKK além das batidas que eu já dei várias vezes e claro,olhando pra ver se ninguém tinha visto! ;D

    ResponderExcluir
  45. Mto bom, tbm achava q vc era maçom...
    @GridEngHaw

    ResponderExcluir
  46. Quando mais novo, tinha o hábito de passar ao lado do orelhão, dar um tapa nele, e depois, andar passando a mão na testa, como se tivesse dado uma pancada com a cabeça. Tiro e queda, sempre tinha alguém rindo da minha "desgraça". Que otários ! HAHAHAHA....

    ResponderExcluir
  47. não sei quanto tempo tem o blog mas, só descobri hoje. Atrasada, mas em tempo...

    compartilho dos "galos orelhônicos" por andar de cabeça baixa.. e o sumiço dos berimbaus gigantes realmente explica minha ausência de galos na testa..

    boa noite aí HG

    Carol

    ResponderExcluir
  48. Ah...Preciosas terças. Têm coisas que não cabem nas palavras, e mesmo assim vc consegue escrevê-las. Fascinante!
    Abraço.
    Letícia, 30.

    ResponderExcluir
  49. Normalmente o orelhão não é tão baixo pra bater na minha cabeça.
    Mas é certo que quando agente paga um mico olha ao redor pra ver se tem alguém rindo de ti. E sempre tem.

    Quanto a cuidarem da tua vida, nem esquenta. Ta dando certo do seu jeito!

    Muito bom Humberto!!!

    Um abraço!!!

    ResponderExcluir
  50. Graças ao distúrbio do déficit de atenção desde sempre ouvi a tal frase...
    ..."Se fosse uma cobra teria te picado".

    E ainda hoje a resposta automática (e mental) é a mesma:

    "Se fosse uma cobra eu teria visto". \o/

    ResponderExcluir
  51. Captar o essencial que é invisível aos olhos... Que legal você assumir as ignorâncias, especialmente as virtuais, num mundo onde parece que pro ser humano é proibido dizer que NÂO SABE que DESCONHECE.
    Se a tecnologia, as transformações, as trocas "ninjas" forem favoráveis a vida...
    Lembrei-me de umas reportagem onde o assunto era:"Estão descartando o cachorrinho de estimação e trocando-o por outro que está na da moda."


    Desatenção:As vezes eu bato a cabeça no toldo!rs

    Faça o que for melhor pra você e pros fãs!rs
    Seja livre e feliz... Eu sei que queres o nosso bem e que se esforças pra isso... Gracias!

    ResponderExcluir
  52. Olá HG?
    conheço o ditado, sou de joinville, e no oeste tenho família, que tbém usam!
    Quanto as crianças que estão se adaptando a um novo mundo creio que você tem razão na sua colocação, mas não sei porque ainda me incomoda ver-las estagnadas , acho que é porque vivi as duas vidas, joguei bola na rua, e agora uso net, e a primeira opção me parece anos luz muito melhor para o desenvolvimento. Mas como você disse ao final do texto, que adianta conselhar e se esquecer do outro? Como disse o bom e velho Raul, "cada pessoa ou coisa é diferente, sendo assim baseado em que então você puni quem não é você?"
    Parabéns pelo texto!
    tani kronbauer
    25 anos
    joinville sc
    @tani_kronbauer

    ResponderExcluir
  53. o comentário não tem nada haver com o post, mas vai lá é válido também...

    eu sou muito azarado mesmo, vou estar em PoA neste fim de semana e o não tem nada na agenda do Gessinger para a cidade...pena

    ResponderExcluir
  54. hahahahahaha ri alto com as cabeçadas nos orelhões!

    ResponderExcluir
  55. Parabéns, o blog tá muito bom e tu consegue o que a maioria dos blogueiros não conseguimos: interação com os leitores. []s

    ResponderExcluir
  56. Humberto, seu texto é uma caixa de ressonância pra cabeça e pro coração de muita gente.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  57. essa foto dá uma vontade de te dar um abraço [2]

    ResponderExcluir
  58. Essa semana me deparei com dois telefones públicos dentro do local onde faço um curso. Uma amiga falou que isso é coisa antiga. Na hora já respondi que antiga não era, porque os telefones eram de cartão, e não de fichas. E achei ainda que eles ali teriam alguma utilidade.
    Me esqueci que exixtiam celulares!
    É... a comunicação antigamente era mais emocionante.
    Beijim.

    ResponderExcluir
  59. Segunda-feira 15:30... minha cabeça parou a centímetros de um orelhão... a aba do boné quase tocou... será que estou aprendendo? Obrigado geral pelos comentários, enriquecem o texto.

    ResponderExcluir
  60. EmersonRickembaker/RJ, eu fazia isto também. Até pensei em escrever também, mas como acho que era uma coisa tão idiota, fiquei com vergonha...rsrsrs...Abração

    ResponderExcluir
  61. Eita....Pra quem tem pena do diabo estou esse ano sem parabólica, morando onde de fato existem cobras pra todo gosto e quase nenhum orelhão pra ser atropelado!! E aínda aprendi agora (através do blog) como usar o "lapizinho" na página do blospot!! rsrsrs

    Xêro, adorei encontrá-lo....
    @JessicaNuvens

    ResponderExcluir
  62. Sábio Humberto Gessinger, obrigada por acabar com as monotonias das minhas madrugadas. Precisa-se urgentemente de uma nação inteira que "respire" um pouco de Gessinger.
    Repetindo as palavras de RAPHAEL TOLEDO -
    "Humberto é o cara!
    E se ele fosse uma cobra..."

    ResponderExcluir
  63. Orelhões, cobras, símbolos maçons, respeito à individualidade...
    É incrível como nós só exergamos aquilo que queremos ver, e quase sempre, queremos ver coisas que estão longe demais.

    Parabéns pelo blog, e obrigado por colocar essas coisas (que até poderiam estar em nossas mentes) em nossas bocas.

    ResponderExcluir
  64. Olá! Passando para prestigiar estas palavras tão sempre oportunas... sinto uma comunhão intensa entre nossos pensamentos.

    Humildemente, peço uma visita ao meu blog... seria uma honra imensa receber uma crítica sincera vinda de ti!

    o endereço é:
    http://palavrasquedizemtudo.blogspot.com/

    Aguardo... Eloisa

    ResponderExcluir
  65. Eu já fui o alguém que riu da janela de um carro parado no engarrafamento, e também já fui o motivo da risada quando bati em um,e já usei o carro pra bater e um orelhão também, nada grave, eu o carro e o orelhão ficamos bem...

    mas se me perguntarem, estranhamente vou responder que gostei mais de bater com a cabeça no orelhão, gostava de ser distraído..

    Podia tocar Túnel do tempo dia 11, seria um ótimo presente de aniversario pra mim...

    ResponderExcluir
  66. Palavras loucamente harmoniosas.
    Viajo nisso!

    Falando em viagem, sonho em ver um de meus poemas cantados pelo PV (tá legal, delírios de grandeza são bem comuns para esquizofrênicos...), mas... quem sabe esta cobra não me morde um dia????

    Aguardo visita do Sr HG em meu humilde blog...

    http://palavrasquedizemtudo.blogspot.com/



    Huggs!!!

    Eloisa Rocia

    ResponderExcluir
  67. Agradeço a visita do colega ARI MARIANO no meu blog. Agradeço mais ainda o comentário... =D

    Aguardo mais amigos e ainda a visita do meu caríssimo e admirado poeta e músico HG!

    Eu nunca bati minha cabeça num orelhão... =/
    Não sei por que... mas analisarei melhor o fato quando me deparar com um... =D e sim, sim, Ari: ser distraído não é defeito! É qualidade!

    Huggs!!!!

    ResponderExcluir
  68. Se fosse uma cobra teria me picado tb!!
    Dias atrás estava eu usando uma camiseta com um Y de cabeça para baixo dentro de um circulo.. q eu achava significar "paz e amor" mas o mesmo aconteceu cmg.. um amigo me parou e perguntou se eu era anti-Cristo.. e eu na minha inocencia respondi: não! claro q não! Então ele perguntou pq eu estava usando uma camiseta com o simbolo do anti-cristo ou seja: a cruz de cabeça para baixo dentro de um circulo .. q até então eu achava q o msm era uma coisa linda.. da paz, do amor, da amizade, blá blá.. bom se essa fosse uma cobra teira me picado, e picado bem no peito hein!? agora a pergunta q nao quer se calar! Em um dos livros vc assina com este mesmo símbolo q dizem ser o anticristo ou paz sem cristo.. ou joão sem cristo, amor sem Deus.. paz e amor, tudo na vida é lindo sei-lá.. seja lá qual for o significado desse símbolo ou de muitos outros q existem por aí.. qual o motivo da assinatura? a msma cobra q me picara teria picado o gênio Humberto Gessinger?!

    ResponderExcluir
  69. Às vezes não queremos enxergar o que está a nossa frente, e derrepente somos picados pela cobra... Atenção demais pra uma coisa, desatenção para várias outras...
    Bjjoks!

    ResponderExcluir
  70. Se eu não estou errado tu tem 47 anos e pessoas tentam lhe empurrar verdades na visão delas!
    Eu tenho 27, caramba tenho muito queo uvir! rsrsrsr.

    ResponderExcluir
  71. Engraçado como o HG me parece uma reunião de dez mil anos em pensamentos e consegue me fazer imaginar que conseguirei me projetar dez mil anos em pensamentos e atitudes (e destinos, sem que me digam qual seguir) à frente! HG anda sendo um livro (ou um fone) de cabeceira, de cafeteira, de geladeira, de banheira... Não dá pra desconectar.

    ResponderExcluir
  72. Minha sombra também se foi cedo demais, deixando no ar sempre o pensamento "como seria se ... ele estivesse aqui"

    Após muitos anos e muitas vivências penso que talvez nem seriam.


    A biografia do Lennon é demais. Recomendo HG. Depois de ler, minha opinião sobre Yoko se intensificou. Foi uma total catarse e descongelamento emocionais principalmente na relação com o filho. Ela foi um divisor de aguas na vida de John, em todos os sentidos. Engraçado no poder do 4 teto de liverpool. Até namoro em respostas de blog ele provoca. Só nos resta seguir:

    ALL YOU NEED IS LOVE

    ResponderExcluir
  73. Depois de muito esperar, eis que chegou meu CD e para minha surpresa inicial ele não estava autografado!

    "BORA OUVIR FABIO". Só.

    Sem o clássico 1berto hehe

    Mas o que era surpresa se transformou em diversão ao pensar (e tomara seja mesmo) o meu CD se tornando único por não conter o autógrafo!

    Sei lá, me deu uma sensação de espontaneidade de ter passado batido!

    Enfim, BORA OUVIR FABIO! OUVI e gostei demais!

    ResponderExcluir
  74. A respeito dos caras que te perguntaram se você é maçom. Eu também teria perguntado se tivesse te encontrado na rua. Os motivos: algumas letras fazem ter essa impressão, falam coisas que quase dão certeza. Recentemente vi uma foto sua, aqui no blog, com uma camisa amarela e um número, muito significativo para os maçons. De novo quase tive certeza. Imagino que os caras devem ter ouvido as mesmas musicas que eu e visto a mesma foto. Abraço e sucesso.

    ResponderExcluir