P(*)EMAS C(*)M N(*)TAS DE R(*)DAPÉ - 20


o mundo fica pra outro dia
andar por aí era só o que eu queria

(*) Acordei com o firme propósito de escrever sobre a onda de protestos que varre o mundo. Há indignados com a economia na Grécia e com a corrupção em Brasília. Há indignados ocupando Wall Street e florescendo na primavera árabe. Me parecem conectados por um elo mais profundo do que a  www.

Abri o laptop e fui bombardeado por fotos de um cadáver. Antes que o café esfriasse, eu já havia visto mais fotos do Kadafi morto do que já vi minhas vivo. Deve ter acontecido o mesmo com todos que passaram por sites de notícia, canais de TV ou bancas de revistas nas horas seguintes à morte do ditador.

(*) Será que sou o único a não gostar de sangue? Os vampiros saíram dos livros adolescentes e estão editando jornais e sites? Que intimidade é essa? Por que jogam na minha cara rostos ensanguentados, porno-propaganda, piadas sobre sexo com gestantes, música absurdamente ruim absurdamente alta vinda de carros absurdamente bêbados? Acham que isso é a realidade? Ok. Acham que SÓ isso é a realidade? Ah, me dá um tempo!

Meu olhar fugiu da tela do computador e se perdeu na fumaça que subia do incenso de canela. As ideias foram se desmanchando como a linha de fumaça se desmancha depois de subir ordenadamente alguns palmos. Assim como o aroma de canela fica no ar depois de apagar-se a brasa do incenso, o lixo que a gente vê fica à espreita, na mente, muito depois de fecharmos os olhos.

(*) Desisti de escrever sobre o mundo lá fora. Quero falar sobre rituais. É provável que "ritual" não seja a palavra certa, mas não me ocorre uma melhor. Me refiro a pequenos gestos que nos acompanham, com constância, vida afora e se transformam no mais límpido espelho. Pode ser um texto postado à meia-noite,  uma prece antes de dormir, um  chimarrão ao acordar, a cerimônia do chá, a arte cavalheiresca do arqueiro zen, a arte da manutenção de motocicletas, o jogo interior de tênis...  Quanto mais lúdicos, quanto menos funcionais e objetivos, estes gestos, melhor. Coisas que fazemos com uma finalidade lógica e fixa sempre serão limitadas pela razão.

(*) Jogo tênis há mais de 30 anos. Não aprendi a jogar bem, mas aprendi a me conhecer melhor. Talvez nem a música tenha me ensinado tanto. Minha arte/ofício de músico é muito enganadora num sentido: ignora a passagem do tempo (se Arte é um diálogo entre o mundo real e um mundo idealizado, não há limite de tempo para ela. Sempre haverá assunto para este bate-papo. Falo de Arte, claro. Não tem nada a ver com tocar mais rápido, cantar mais alto, vender mais cliques de mouse, etc... isso, sim, o tempo derruba).

Numa timeline da minha vida nas quadras, vejo as transformações culturais (na moda dos uniformes), tecnológicas (nas raquetes) e econômicas (na especulação imobiliária que define a  localização das quadras). Vejo o vazio dos anos sem jogar, no início da faculdade, quando estudo e trabalho tomavam todo meu tempo. Sobretudo, vejo mudanças no meu corpo e na minha mente.

Já achei enfadonho picar a bolinha antes do saque. Agora, sinto que este momento tem sua sua própria mística. Hora de tomar ar, esquecer o ponto que passou, planejar o próximo lance ao som do mantra ritmado da bolinha tocando o chão. Um ritual dentro do ritual. Como afinar um instrumento: música dentro da música. 

agora somos só nós dois
eu e minha circunstância
clássico jurássico 
FlaFlu
GreNal
corpo e alma
num ritual

Ih, tocou o telefone. A vida real me quer de volta. Aquele abraço.



Bah 1: Tô achando que a palavra certa é "ritual" mesmo. Devo apagar o quinto parágrafo? Nah... a vida sempre deixa rastros.

Bah 2: sobre Occupy Wall Street, quem estiver interessado não pode perder o discurso do Zyzek. Aqui: http://www.trezentos.blog.br/?p=6448

Bah 3: A Cerimônia do Chá, A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen, Zen a Arte da Manutenção de Motocicletas e O Jogo Interior de Tênis são livros que, de alguma forma, me falaram de rituais. Tudo começou com Sidarta e passou por um filme do Bergman do qual já não lembro o nome.

Bah 4: Pra fechar, William Blake numa frase que, para mim, define ritual: "se o doido persistisse na sua loucura, tornar-se-ia sensato".

25out2011

65 comentários:

  1. Antes de ler o texto... A façanha de hoje ;) http://twitpic.com/75d0yd
    Obrigada!

    @simone_hg

    ResponderExcluir
  2. Começa genial de post, daí que deu para ouvir um q de indignação na sua "voz".
    Mas sobre rituais, não sei, sabe-se lá se são rituais ou uma rotina que já nos pegou de jeito.

    Bah como notas de rodapé? EHEHEHEH Um P.S. bem gaúcho ehehehe.
    Boa noite HG, e baaah, esse ritual das doze badaladas que tornam a segunda terça é o meu favorito (;

    ResponderExcluir
  3. Quanto mais leio o 1berto mais tenho vontade de escrever no meu blog, parabéns Humberto.

    ResponderExcluir
  4. Queria ler tu falando sobre que posição jogava futebol e se é que jogava. Abraços

    ResponderExcluir
  5. Fantástico cara.
    Toda segunda lá pelas 23 eu fumo um...
    Assim eu consigo ver o elo entre as musicas e o que vc quer tanto dizer.

    Pra (tentar)complementar o texto:

    "Não é sinal de muita saúde estar bem encaixado numa sociedade absolutamente enferma"

    Rob, 22.

    ResponderExcluir
  6. Estranhas maneiras de vender mais...

    Estranhas maneiras de gastar tempo.. e $$$.. com eles.

    Muito bom HG.

    @tfjacoby

    ResponderExcluir
  7. Belo texto meu querido!
    Um lindo abraço,tenha uma ótima noite!
    <3

    ResponderExcluir
  8. Texto Lindo

    HG sou teu fã desde pequeno, pois cresci meu irmão mais velho escutados os seus cds. haha

    Faz parte de minha vida, e só de saber que (provavelmete) vc vai ler isso, ja me deixa feliz.

    Felipe barros / Natal

    e continua com os textos em.

    ResponderExcluir
  9. Ao invés de escrever sobre protestos... acabou protestando! E eu aqui olhando para a tela, com olhos vidrados... seguindo meu ritual... ritual dependente de outro ritual, o daquele que posta!

    Obrigada mais uma vez Gessinger!
    AMO VOCÊ! (com todo o respeito)

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Sábias palavras Humberto. Teu texto inspira-me a ler mais, a escrever mais...
    Bons fluidos.

    ResponderExcluir
  11. PQP

    Sempre tenho vontade de começar comentários do Velho Gessinger com um palavrão.

    Acho que minha capacidade de busca ao auto-vocabulário fica estagnada!!

    Um salve para o primério BAH!!!
    A vida, deixa rastros, até de pensamentos...

    EngHaw pra sempre!

    ResponderExcluir
  12. Parabéns, AgAgê!!! Se superando, hein! Pena que exista poucas pessoas com tal capacidade de expressar tão bem a opinião dos outros (pelo menos a minha), expressar coisas para as quais não se acham palavras. Crônicas que fazem sentido, crônicas sendo o que devem ser: crônicas! Isso é para poucos (como HG e Moacyr Scliar [bah! O Scliar é um crânio, hein!]). Agora visualiza meu blog www.dgdblog.tk. VALEU 1BERTO!

    ResponderExcluir
  13. Texto maravilhoso (como sempre)...
    Já já esse blog vai virar livro ;D
    Abraço..

    ResponderExcluir
  14. tipo baah
    outro texto ótimo HG

    ResponderExcluir
  15. Interessante os OBSs se transformarem em BAHs... Notei que há um tempo você vem fazendo declarações levemente bairristas... certa vez (há uns 18 anos), li uma entrevista onde você dizia que procurava não ligar a imagem do Eng do Hawaii com o RS, que não queria se transformar numa Carmem Miranda, algo do tipo. Faz tempo e eram os Engenheiros...Mas vejo que agora não se importa mais. Para mim, carioca nem um pouco bairrista, me entristece que você tenha se tornado menos brasileiro, mas tudo bem,gosto de você mesmo assim... Tá bom, tô brincando...
    Moro no RS há 9 anos, falo mais bah que todos juntos aqui.
    Adoro seus textos, e concordo (muito) quanto às faltas de bom senso e respeito pelos seres humanos, que nos atiram na cara ultimamente. Sejam os corpos e festejos com as mortes de outras pessoas, sejam por piadas mórbidas e pornográficas que incitam o machismo que a cada dia se torna mais violento, na medida em que é tolerado.
    Então tá...Outro abraço!

    ResponderExcluir
  16. O teu texto de hoje foi muito bom, Humberto. Mas que discurso, hein! O filósofo usou de analogias uteis e belas, poeticamente falando. A terceirização do enganjamento politico foi genial.
    Obrigado pelo texto, obrigado pela indicação.
    Te cuida ai, boa terça-feira!

    ResponderExcluir
  17. Cara!!! sem comentários mais explícitos...
    Por certos lances de frases e palavras me vi nesse mundo... (de barulho mental... débil mental)
    Mas Bah! não é isso que eles querem?

    ResponderExcluir
  18. Ei, a terças tem te ensinado bastante também hein? Quase deu pra tocar tua alma neste texto aí.

    ResponderExcluir
  19. Muito bom, como sempre obedecendo o velho ritual de expressar-se bem, criativo e fantasioso. Nossas rotinas estão sempre cheias de pequenos rituais, o café pos-refeição, a oração antes de dormir... Coisas pequenas que parecem irrelevantes mas que com certeza nos proporcionam um momento de reflexão.

    ResponderExcluir
  20. olá HG, sou um grande fã seu e acompanho Engenheiros desde minha adolescencia. Suas músicas sempre chamaram minha atenção (muitas até se encaixando em varias fases da minha vida) e me fizeram refletir bastante.
    Bom sem mais bla bla bla. Essa é a 1ª vez que venho ao seu blog mas gostei do seu texto, mesmo tendo uma leve mudança na temática ele ñ ficou um texto quebrado. Espero que continue escrevendo e se um dia podermor ter algum contato acharia muito bom
    @zeh_silva . caso algum dia apareça interesse em contato. abraço!

    ResponderExcluir
  21. Sobre não gostar de sangue... Não. Você não é o único!
    Sobre escrever sobre mundo lá fora... Acho mais difícil escrever sobre o mundo aqui dentro! Mas você faz os dois magnificamente. Visão incrível do simples complexo e do complexo simples!
    Sobre o tempo, mestre... talvez um dia sinta a mística de afinar o instrumento, por enquanto ela continua abafada pela ansiedade de tocar EngHaw, quando há tempo!
    Sobre o tempo, mestre... queria que não passasse, queria que houvesse tempo, mas ao mesmo tempo não há tempo se o tempo não passa e se só se pensa no tempo que não passou.
    Sobre o texto, mestre... Obrigada!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  22. Humberto
    Não conheço nada mais triste do que seguir religiosamente um ritual diário de abrir um jornal todas as manhãs, assistir um noticiário e ver a cor vermelha sangue estampando as manchetes.
    Nada mais chato do que música ruim em volumes ruins e distorcidos. "Quem me dera... acreditar que o mundo é perfeito e que todas as pessoas são felizes".
    Abraço da Ad Finem

    ResponderExcluir
  23. Reclamam da exposição das fotos do Kadhafi. Mas, não cobraram tanto as fotos do Bin Laden? Que os muros e os ditadores caiam.

    ResponderExcluir
  24. Rituais, ritos de passagem, ritos passageiros.
    Não me imagino sem (cometer distraidamente) alguns rituais. Rituais por osmose.

    Variar sobre um mesmo tema não seria um ritual?

    Grande abraço,
    Do De Fé @lucianos_s (desde a época em que você estava longe demais das capitais)

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. agora posso dormir ^^

    abraço mestre!

    ResponderExcluir
  27. Os sinais estão no ar, cara... minhas anteninhas de vinil estão detectando isso.
    Acho que essa é a explicação pros protestos. Somos uma geração inteira se espreguiçando, sacou?

    ResponderExcluir
  28. Só gostaria que algum dia você lesse metade dos e-mails, tweets e mensagens que mando!
    Realmente cara, se utilizamos dez ou onze por cento do cérebro, você com certeza usa mais. Não é hipocrisia! "Toda forma de poder é uma forma de morrer por nada", mas, (in)felizmente seus textos e músicas tem poder sobre mim!


















    :)

    ResponderExcluir
  29. magnifico texto..parabens meu amigo,mesmo vc nunca tendo me visto acho q posso te chamar assim ja que conheco vc a bastante tempo e acompanho seu trab. abraco humberto.
    magno martins
    amarante - piaui

    ResponderExcluir
  30. Vivemos num grande mercantilísmo globalizado, um jogo apelativo do que dá IBOP.Quem são eles, quem eles pensam que são? Valeu Humberto, pelo texto pelo pretexto em si. Abraço!

    ResponderExcluir
  31. Humberto,

    Boa noite!

    Semanalmente venho aqui, mas dificilmente me manifesto, entro quietinha e saio agitada pelas ideias que a minha mente passa a sorver e permanece "muito depois de fechar os olhos"...

    Amei o texto, e acabei postando o parágrafo três em meu facebook (devidamente identificado)...

    Calados, o Mundo nunca conhecerá nossa voz, portanto, caríssimo Humberto, permaneça conosco, pois assim conhecemos sua voz, seu sussurro, seu grito e também, quando possível o seu silêncio, uma vez que todos sempre tem algo grande a nos passar e nós, do 'lado de cá', ajudamos a espalhar suas ideias e fazer conhecidas nos lugares que vc não possa está...

    Já pensou em entrar para a política??

    Grande beijo e muita admiração!!

    Liliana Almeida

    ResponderExcluir
  32. Quando que o horário de verão vai pegar o "momento do ritual" e fazer ele acelerar prá frente ou de ré!?!?!? ^^

    ResponderExcluir
  33. Caro HG... entendo o que queres dizer quando não conseguiste concluir o texto por conter excesso de hemoglobina nos caracteres... mas é a mídia que a população pede: o jornal que, como já ouvi alguém por aí dizer, "espreme e verte sangue”.
    Também não curto isso não. Por mais que sintamos um certo asco por um determinado ditador, este cara, este infeliz, tem uma família. Em respeito a esta família, sou contra ao sangue nos jornais... (neste caso específico)...
    Mas continuando... e bah (como dizem os gaúchos), o seu texto está supimposo!
    Talvez esses rituais que nós repetimos diariamente ou sempre que vamos executar determinada coisa, também possamos chamar de vícios... não sei...
    E, assim como achavas que pingar a bolinha antes de sacar era enfadonho, eu como enfermeira, tenho o terrível VÍCIO (nesse caso é vício, não sei como me livrar dele, porque quando vejo, já foi...), de aplicar uma vacina e depois perguntar ao cliente: “Doeu?”

    Imperdoável!

    Huggs!
    Eloisa Rocia

    Ah, hoje escrevi um poema e tive uma linda visão: vi o PV cantando ele... Puxa... acho que sou incurável mesmo... mas, caso queira conferir o meu desvairio, o link é: http://palavrasquedizemtudo.blogspot.com/2011/10/basta-de-loucuras.html

    ResponderExcluir
  34. Sem dúvida alguma, você é um místico! Abraços Mestre!

    @ophilosopho

    ResponderExcluir
  35. Mais uma vez, seu texto é uma caixa de ressonância da cabeça e do coração de outras pessoas. Muito Obrigado.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  36. Não é a toa q já havia percebido nos seus escritos um rastro místico, Uno...Sidarta!
    Cada vez mais adoro conhecer o universo de suas palavras....

    1 Xêro....
    @JessicaNuvens

    ResponderExcluir
  37. Grande Humberto Gessinger...
    sempre se superando!

    Gostei de ler o terceiro parágrafo...deve ter até te ocorrido uma elevação na pressão arterial de tanta revolta/raiva/chateação...não sei qual sentimento.

    Gostei também da frase: "vender mais cliques de mouse"...com a mania de querer antecipar o que se ler, achei que fosse vender mais CDs :)

    Agora que já estamos mal acostumados, nas viradas das segundas para as terças não se pode faltar os poemas com notas de rodapé, e nem as twitcam mensais.

    Grande abraço...

    PS: O Ceará já está com saudade, não demore a retornar!

    @niviabitu

    ResponderExcluir
  38. " Infelizmente como você mesmo disse , " violência vende mais " ...

    ResponderExcluir
  39. GOOD NEWS CADÊ VOCÊS?(digitei sem querer God news,(boa nova ou Boa notícia) faz sentido também)
    O que seria de nós sem o controle dos órgãos do sentido e dos meios de comunicação???? MÁS, NOTÍCIAS!CORRENTES DO MAL! ARGH! Deixa eu ir ali jogar tênis de quadra ou tênis, o calçado mesmo! Pensando bem... não! Pôxa! lembrei que eu não sei jogar tênis! Vou usar a raquete pra matar mosquito. Ops! Tem que ser elétrica!Vixe!Me lembrou a cadeira-elétrica que me fez chorar vendo escorrer um líquido púrpura dos olhos de um-não-perdoado, um-sem-chance.
    E se educásssemos e alimentássemos os mosquitos, ou orássemos por eles? rs Eu acredito que mosquitos tem seu lado bom eles possuem uma função para o bem na natureza, mas parece que alguns são desprovidos de conhecimento ou trazem uma idéia fixa de acordo a sua educação de berço. E qual seria a solução então?

    Trabalho,família, amigos, gente,leitura,pintura,redação,música,arte ou a ocupação que te faz bem e não agride que quer que seja, são atividades lúdicas que nos mostram o lado místico/pacífico/humano de ser.


    Tchau!Um abraço com meios divertidos e sensatos do lazer e da comunicação!
    Vou ali na street fazer uma passeata com o lema:"O ritual de vida tanto persistirá que em realidade se há de tornar."

    ResponderExcluir
  40. Betão e seu incenso de canela...mto bom,kk'

    ResponderExcluir
  41. Cara, desligo tudo e sintonizo o silêncio. Às vezes mal consigo organizá-lo, mas tento acalmá-lo. De vez em quando estendo a antena do rádio e rola só frequência AM. Lado B dessa realidade absurda.

    ResponderExcluir
  42. sempre HGênial.
    Tani Kronbauer
    25 anos
    joinville SC
    @tani_kronbauer

    ResponderExcluir
  43. Humberto Gessinger cria nossa Ideologia
    Amo sua arte

    ResponderExcluir
  44. Cara, não há mto o que falar a não ser obrigado!! E fazendo coro a um pedido: Permaneça conosco!!
    Hug!!
    Júnior

    ResponderExcluir
  45. Meu ritual tem sido acessar teu blog nas terças 0h (nem sempre nesse horário, é verdade.... não é sempre que o mundo fica pra outro dia e nos deixa seguir viagem do jeito que a gente quer....)

    E bah, que prazerzão é ler o texto e sair pesquisando as referências depois... livros, filmes, canções.
    Cultura na www by HG! =D

    Baita abraço!

    ResponderExcluir
  46. Que mundo é esse!? deixa pra lá ninguém merece.

    Qdo (tu) começou a falar sobre tenis fiquei lembrando q nunca vi uma foto tua numa quadra
    e de repente surge a foto rsrsr agora tá faltando um video rsrsrsrsrrs

    ResponderExcluir
  47. Espetacular!
    Infelizmente, a mídia nos põe por garganta abaixo uma série de informações sanguentas que não nos interessa ler. Hoje, sangue vende notícia.
    Ontem conversava com meu pai sobre os estádios antigamente, que não tinham vão de separação entre torcisa e campo. Violência nos estádios tb vende notícia. #TristeRealidade.
    Parabéns pelo texto. Posso replicar em meu blog?
    Grande abraço!

    @TattoMoreira/Fortaleza-CE

    ResponderExcluir
  48. tu conhece a tenista vivian segnini? número 1 do brasil, minha prima!!! e ela te curte pra caramba!!!

    ResponderExcluir
  49. "...não viro vampiro, eu prefiro sangrar / me obrigue a morrer, mas não me peça pra matar..."


    Abraço Grande!!

    Eric Reeve

    ResponderExcluir
  50. Cara mais um texto genial, e de bastante indentificacão, surpreendendo sempre HG..
    Bah, Perfeito!
    Eternamente EngHaw s2

    P.S: Contando os dias para o dia 17 de dezembro, esperando para lhe ver, no show do Pouca Vogal aqui em Teresina-Pi.. =)

    Abraços, Thayná Lima!

    ResponderExcluir
  51. Humberto, seus textos são ótimos!Adoro todos! Sou suspeita por ser fã de fé. Em contrapartida, sou muito sincera! Um grande abraço da Marceli Soares!

    ResponderExcluir
  52. a cada dia que passa vejo que me pareço mto com vc hihi, depois da uma passadinha no meu blog fiz uma humilde postagem sobre vc, claro que nem se compara a tao riqueza de ideias como sao as suas. mas sei que nos vibramos em outras frequencias.

    elafazpoema.blogspot.com

    ResponderExcluir
  53. parabéns Humberto seu conhecimento vasto e suas ideias sempre inspiram o dia-dia desse nobre rapaz aqui!
    aquele abraço!

    como diz uma musica sua!

    "seu sempre quis viver no velho mundo
    na velha forma de viver
    o 3º sexo, a 3ª guerra, o 3º mundo
    são tão difíceis de entender"


    só pra constar... fiz um blog por sua causa!
    quando der passa lá e me diz o que achou...
    se é possível!!!

    HUG

    ResponderExcluir
  54. Esse discurso do Zizek é sensacional!
    Tá rolando o "Acampa Sampa" também, o pessoal tá lá acampado embaixo do Viaduto do Chá desde o dia 15. :)

    http://www.15osp.org

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  55. "Bah" prá ti ou "eita" prá mim!
    Consegui comprar a relíquia do teu livro "Prá ser sincero"...
    Muito difícil de encontrar... quando desisti de procurar, ele me encontrou, numa casa de café.
    As coisas acontecem de um jeito especial, não é mesmo?

    Huggs!
    Eloisa Rocia

    ResponderExcluir
  56. Prefiro a internet como meio de comunicação por me permitir selelecionar aquilo que é do meu interesse, mas as vezes tenho a sensação de que não temos privacidade como por exemplo este caso das fotos. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  57. Queria tanto um boné do pouca vogal para ver se meu tênis melhora...

    Parabéns pelo texto!

    Bah: amei os bahs!

    Vanessa Ruckstadter (posso entrar pro pouca vogal?)

    ResponderExcluir
  58. Queria tanto um boné do pouca vogal para ver se meu tênis melhora...

    Parabéns pelo texto!

    Bah: amei os bahs!

    Vanessa Ruckstadter (posso entrar pro pouca vogal?)

    ResponderExcluir
  59. David Panagiotidou31 de outubro de 2011 14:22

    Que alegria encontrar este blog.
    Abraço, Humberto.

    ResponderExcluir
  60. Sobre o Ritual...
    Tem um texto interessantissimo de Anthony Giddens sobre a modernidade.
    Para ele, há na pós-modernidade um esgotamento dos rituais (hoje considerados típicos de um tempo/sociedade tradicional).
    Ou seja, todo ato de repetição nesse mundo corrido tende a ser visto como um vício vazio, e se vc não abandonar seu "ritual" facilmente ganhará adjetivos como "velho rabugento, rígido demais".
    Enfim... há um quê de tradicional em cada um de nós, como se cada um remasse contra a maré inconscientemente do pós-modernismo. Uns mais do que os outros mantém certos rituais, e outros mais do que uns entendem como vazio a riqueza da repetição de um ritual.

    Vale a pena ler o texto...

    add: Leonardo (no twitter: @Leoalr)

    ResponderExcluir
  61. Oi Humberto, meu nome é Keyla eu tenho 29 anos e sou "das de fé" desde os meus 9 anos por influência dos meus irmãos...Eng.para mim é um rito de várias passagens da minha vida!
    Pois bem,eu pensei muito se eu escrevia esse e-mail(gostaria até que vc não publicasse)eu queria falar da minha filha Letícia, ela em dezembro dia 09 vai fazer 3 anos e é incrível a paixão que ela tem por vc!ela sabe todas as músicas do Pouca Vogal e diz a todo mundo que o Duca e o Humberto vão a aniversário dela!Rs!prá vc ter uma idéia esses dias nos fomos a Salvador de carro(viagem essa feita em 10 horas)com essa menina assistindo e cantando o Pouca Vogal(colocamos o dvd no carro para ela se distrair)putz não me leve a mal mas eu já tava cheia de tanto Humberto e Duca.Rs!na volta tivemos que comprar um fone de ouvido para ela se não seria a mesma coisa...Meu marido que não sabia nenhuma música (ele so ouve música mais em inglês)já até aprendeu!Ela vive dizendo pai me leva na casa do Humberto?!E meu marido responde: pode deixar é bem ali a uns 4000km rs!
    Resumindo, apesar de não saber se vc vai ler ou se importar com isso,gostaria que vc soubesse que vc e o Duca tem uma super fã mirim...Bjos!Keyla.
    kcasteliano@bol.com.br

    ResponderExcluir