P(*)EMAS C(*)M N(*)TAS DE R(*)DAPÉ - 18


não é ciência exata
não acontece em tempo real
é demais! humano demais!
é demais! animal!

(*) Encontrei Demi Moore na capa do site onde posto minhas fotos. Ela estava de costas, seminua, refletida num espelho de banheiro. Autoretrato feito com um smartphone.

A imagem parecia tosca demais pra ser alguma propaganda, mas como os publicitários estão cada vez mais malandrinhos, querendo que tudo pareça casual, fiquei na dúvida. Fui conferir outras fotos do perfil dela para entender.

É um perfil bem normalzinho. Só achei estranho ela usar o nome do marido, @MrsFulanoDeTal. No mais, são cenas pessoais, auto-elogios visuais, aquele clima pseudo-espontâneo tão comum nas redes sociais, uma ou outra reflexão a cada dúzia de fotos.

Foi o suficiente para me fazer tirar do coldre um arsenal de frases neo-hippies, feministas e anti-sexistas e sair disparando: "Vaidade, tudo é vaidade! Paparazza de si mesma! Mulher objeto!"

No dia seguinte, vi o que muitos consideram a prova definitiva da existência de Deus: a foto da Scarlett Johansson que havia vazado na www já fazia algum tempo. Ela estava de costas, seminua, refletida num espelho de banheiro. Autoretrato feito com um smartphone. Ops: já li estas frases antes!  Oooooops: já vi esta imagem antes!

Caiu a ficha! A foto da Demi Moore era uma brincadeira em cima do rumoroso caso Johansson. Como eu não havia visto a imagem original, achei que a paródia ERA o original. Ainda bem que meus disparos verbais foram silenciosos, restritos apenas a pensamentos.

Algo semelhante aconteceu quando mataram Osama Bin Laden: antes de ler a notícia, li várias piadas a respeito. A carroça veio antes dos bois.

(*) A www é mesmo uma rede. Do ponto de vista espacial, não tem centro nem periferia. Do ponto de vista temporal, não há antes nem depois. Sem início nem fim. Tudo pode ser agora. Não há motivo para espanto caso sirvam a sobremesa antes do almoço. 

Era uma vez um tempo em que se sabia onde as histórias começavam (Era uma vez...) e onde elas acabavam (... e viveram felizes para sempre. The End. That's all folks!). A linearidade já não é regra. Vivemos em meio a vários loops. Realidades paralelas. Festas ou guerras infinitas. Não é preciso acompanhar desde o início nem ficar até o fim.

A música eletrônica, na virada do século, já prenunciava esta característica dos nossos tempos. Até então as canções nasciam, amadureciam e morriam na nossa frente, em 3 minutos. Introdução, verso, refrão, solo, fim. Mudou  o paradigma no reino pop. Baseada em loops (ciclos repetidos, sem início nem fim), a música techno é feita para se pegar "o bonde andando".  Afinal, são tempos onde o bonde não para, está sempre andando. 

(*) Se quisermos ver a metade vazia do copo, digamos que não há mais tempo (generosidade) para nada. Se quisermos ver a outra metade, lembremos William Blake: "Veja o mundo num grão de areia / 
veja o céu em um campo florido / 
guarde o infinito na palma da mão / e a eternidade em uma hora de vida"

Mas, pô, eu tô aqui para dar minha opinião e não pra empurrar dúvidas pra vocês, né? E qual é minha opinião? Acho que o copo está meio cheio e meio vazio.

(*) Vivemos o enigma de Tostines. Afinal, vende mais porque tá sempre fresquinho ou tá sempre fresquinho porque vende mais? Loop. Não se iluda se conseguir responder. O trabalho recomeça: Quem nasceu antes, o ovo ou a galinha? Loop.

Por que escrevo isso nesta noite igual a tantas noites que passei escrevendo? Ecos de coisas que li em noites adolescentes?

Lembro de Nietzsche falando do "eterno retorno". Loop. Lembro de Camus comparando o absurdo da vida ao mito de Sísifo, condenado a passar a vida inteira empurrando uma pedra montanha acima só para  deixá-la rolar para baixo e repetir tudo de novo. Loop.

Acho que escrevo para agradecer à Scarlett Johansson por ser o ícone perfeito para tempos em loop. Um avatar para nossa civilização: alguém fotografando as próprias costas. Ao menos é uma bela imagem. Mesmo que não seja a prova definitiva da existência de Deus. Humano. Demais.

E segue o baile. 24 horas por dia. 7 dias por semana. A cobrinha do Várias Variáveis engolindo a própria cauda, no seu infinito recomeçar. O cão perseguindo o próprio rabo (sem o auxílio de smartphone ou espelho de banheiro). Girando, girando, girando, sem par e sem parar. 

um abraço
com dois braços
como no baixo
abaixo
um abraço
do passado
pra sempre
presente

11out2011

61 comentários:

  1. Oroboros o nome da cobrinha... falamos nisso nas aulas de psicanálise semana passada inteira... coincidência?
    e esses loops que são eternos, é a gente sair de um e entra em outro.

    Bom post (:
    Abraços ^^

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo texto - sempre.

    Loops, loops...

    Gostei do abraço! *-* @atributino

    ResponderExcluir
  3. muito legal! pensarei melhor sobre os loops da história!

    Bom feriado! :D

    ResponderExcluir
  4. Cara, pode parecer meio nerd, e é rs. Mas, quem veio primeiro foi o ovo. Dizem q a galinha é resultado do cruzamento de duas aves. Gerando assim um ovo, onde saiu a 1º galinha kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  5. Jesus Cristo, a história do ovo é por mutação, pelo amor de Deus... não foi cruzamento de duas aves, mas o gene de um filhote de réptil que sofreu uma mutação e melhor de adaptou ao ambiente. Seleção Natural... Darwin...

    ResponderExcluir
  6. Um abraço também é um loop? Fechamos as pessoas no nosso próprio ciclo para nos entendê-las e nos entendermos melhor ou, então, é só uma manifestação humana demais?

    Tirando as divagações sobre abraços, que presos em tempos e espaços paralelos (demais), me fazem sentir uma estranha nostalgia do que não vivi... vou encerrando a noite deixando um super beijo pro Humberto... que alegra minhas viradas de segunda para terça!

    Abraços aos de fé!

    ResponderExcluir
  7. O fascinante não é só a visão que o cara tem das coisas, é como ele consegue expressar isso magnificamente. Ele não joga, ele brinca com as palavras. E é nos nossos ouvidos e olhos atentos às suas palavras que eu vejo a justificativa 'pra tanta inteligência e emoção' que, certamente, não é em vão.

    ResponderExcluir
  8. A revolução digital, a era Jobs, o momento em que real e virtual fazem parte da mesma coisa. Isso dá muito assunto e vc vem toda semana sempre com novas perspectivas, novas linhas do horizonte e pontos de fuga.

    Mais uma vez, excelente texto. Em forma e conteúdo.

    ResponderExcluir
  9. Boa esta analogia entre loop e abraço! Não tinha me dado conta (conscientemente) disto... sempre enriquecedores os comentários.

    ResponderExcluir
  10. Quem nasceu primeiro o pastel ou a Rodoviária ? Loop.

    Abraços !

    ResponderExcluir
  11. Há sempre mais dúvidas do que certezas! Certo? ;) Ótimo texto. Sinta-se abraçado por mim, não como no baixo, mas como no meu violão,violino ou guitarra! *-* Boa Noite.

    ResponderExcluir
  12. Pensava e falava em autopoiese hj. Acabei lembrei da "cobrinha"... coincidência, né?!

    E sim... vc serve é pra colocar dúvidas em nossas cabeças - É bom!!!

    ResponderExcluir
  13. Quero chegar na tua idade, daqui a poucos anos, escrevendo tão bem e, principalmente, refletindo com essa serenidade.

    A internet tem tanto texto frenético (os meus, inclusive) e esse blog consegue ser um lugar tranquilo.

    Será que se eu começar a jogar tênis ajuda?

    ResponderExcluir
  14. Difícil mesmo é sair do "piloto automático"; se libertar de pensamentos que nos prendem; encarar a realidade da vida (afinal, o que é real?) e assumir quem a gente realmente é. Um tanto complicado. A retórica do passado/futuro - uma vez que, o presente não existe - se faz presente eternamente na carruagem das nossas vidas. E #loop

    ResponderExcluir
  15. Grande Humberto!! Fico imaginando se existisse a www há 20 ou mais anos atrás, se as canções dessa época seriam posts de blog, ou se a www nunca tivesse existido esses posts de blog seriam canções? Loop.
    E num loop eterno, sempre o mesmo prazer em ler um texto ou ouvir uma canção sua.

    Do De Fé @lucianos_s

    ResponderExcluir
  16. é sempre a coexistência de nós mesmos, nos refletindo nos reflexos que projetamos da nossa própria sombra(vontade). Inerente ao querer, do inicio ou fim, o meio será sempre uma transição de chegar a ponto nenhum. !Loop?

    ResponderExcluir
  17. Ser artificial é parecer humano, ou ser humano é artificial demais? Loop?

    ResponderExcluir
  18. Cara na boa... pode me chamar de SAUDOSISTA, e sou mesmo!!! MAs essa foto deu uma BAITA saudade do GLM

    ResponderExcluir
  19. Loop,Loop,Loop... É tua genialidade, sempre presente, sempre atona, e em belas palavras!!!
    Abraço...

    ResponderExcluir
  20. Genial! Sempre um prazer de leitura na ida à labuta!
    Um grande abraço com dois braços!

    ResponderExcluir
  21. Isso lembra Valéry, que amou a figura de serpente mordendo o próprio rabo a vida inteira. Ele baseou toda a sua obra nessa imagem!

    http://www.ficcoes.com.br/livros/valery.html

    "A Serpente que morde a própria cauda (”Eu mordo aquilo que posso”) é o tema do extraordinário escritor francês que, no dizer de Borges, “personifica os labirintos do espírito”.

    ResponderExcluir
  22. A Ouroboros é um símbolo alquímico, representa o que não tem início nem fim... sempre procuro uma bonita pra fazer uma tattoo, e a mais bacana que achei até hoje foi a do Várias Variáveis!

    Abraços!
    @ophilosopho

    ResponderExcluir
  23. Gnt, q é isso?!
    ...loop...

    ResponderExcluir
  24. Muito interessante o teu texto,ele forma quase uma fábula a partir do simples fato de que a Scarlet é estupidamente muito gostosa.

    Um grande abraço.

    EDER

    ResponderExcluir
  25. O avesso do avesso do avesso do avesso... Loop.

    O contrário do contrário do contrário do contrário... Loop.

    ResponderExcluir
  26. Puts, Tostines. Quanto tempo!
    A velha nostalgia vem a tona...

    abraços!

    ResponderExcluir
  27. E o ciclo da vida? Será também um loop?
    (coisas da web: comentários infelizes...)

    ResponderExcluir
  28. Se a www existisse a 20 anos atrás, clássicos não seriam clássicos. Opinião pessoal: O Poderoso Chefão sempre será o melhor filme, Cervantes ainda me faz rir, Agatha Christie sempre será a dama dos policiais... Parece que as coisas perderam noção de tempo e espaço, privacidade e intimidade entre quatro paredes e estampada na www pra quem quiser xeretar... Paradoxos. Ótimo texto Humberto, parabéns!!! Forte abraço e até a próxima segunda/terça!

    ResponderExcluir
  29. Engraçado, pra tirar os amiguinhos, as pessoas colocam "Anônimo".

    Vamos mostrar a cara Brasil! =)

    ResponderExcluir
  30. Nesse loop em que vivemos a www pode nos servir pra tudo ou nada. Vejo então a necessidade de continuar andando, vc mesmo disse "seguir viagem".

    ResponderExcluir
  31. Nos tempos em q vivemos o começo tem cara de fim, e o fim o começo do meio (meio Raul né!)... Não só a internet como os passos dos homens estão ficando maiores do que as pernas! Distâncias q já ñ existem entre continentes, agora há (e muito) entre as pessoas!
    Já ñ dá pra saber onde a verdade começa e termina, e onde ela habita!

    Xêro.....adoro seu trabalho.....

    ResponderExcluir
  32. " Espere pelo sangue que o bumerangue despertou. "
    Árabes e Israelenses. Corinthianos e Palmeirenses.
    Eterno Loop ?

    ResponderExcluir
  33. "E num loop eterno, sempre o mesmo prazer em ler um texto ou ouvir uma canção sua." ADOREI esse comentário, e essa é a nossa eterna loop!

    ResponderExcluir
  34. Bagunçou geral. É isso. Virtual se confundiu com real. E o contrário também. O virtual só se separa do real através da tragédia. E o contrário também. Falsas intimidades. Longe demais das capitais a única forma de me comunicar com você seria através do correios. O Correios está de greve. A rede não! Valeu, Humberto Gessinger. Aquele abraço!Não se esqueça dos "longe demais das capitais". Lupou legal!

    ResponderExcluir
  35. Mais uma vez obrigada pelas reflexões de terça-feira. Li o texto de madrugada e ele voltou durante o dia todo, seja na aula ou no trabalho, em flashes... em loops.
    Adoro ler os comentários e ter a possibilidade de observar o quadro de outras distâncias.

    Thanks ;)

    ResponderExcluir
  36. Olha, prá se fazer uma paródia dessas não é para qualquer uma, né? Tem que ter o “corpicho” da Demi Moore!
    - Afinal, qual das duas tem o corpo mais perfeito? (Loop da mente masculina)
    - Qual das duas é mais exibida? (Loop da mente feminina)
    O fato é que houve um tempo em que o raio não caía 2 vezes no mesmo lugar. Hoje parece que o raio só acerta um único alvo...

    Huggs!!!
    Eloisa Rocia

    ResponderExcluir
  37. Já faz um tempinho que venho hesitando em escrever algo nesse blog por achar que teria que ser alguma coisa mto especial por se tratar do bloog do meu maior ídolo! Loop!Mas não tenho nada de espaecial pra escrever, loop. A não ser apenas comentar que tenho uma tattoo de uma cobra comendo cobra, é aquela do encarte do "Filmes de Guerra e Canções De Amor! Acho que isso é especial! Loop!
    Abraçooo!
    Júnior.

    ResponderExcluir
  38. E afinal o que é Rock N Roll os óculos do john ou o olhar do Paul? Loop.

    ResponderExcluir
  39. Cada vez mais só aumentam as certezas de vc nunca será um cover de si mesmo, um gênio, muito acima de seu tempo ou abaixo dele, nunca se sabe. Só queria dizer que depois de ler teus textos, ou te ouvir tocar, cantar etc eu preciso lembrar de respirar, tu consegue fazer o que poucos hoje em dia conseguem, ter prazer ao tocar e dar prazer a quem houve, uma cobra engolindo o próprio rabo.

    ResponderExcluir
  40. O próprio conhecimento da realidade pela ciência é um loop. A insana e perversa ideia de que nos aproximemos do objeto real ou da própria realidade concreta nos leva a falseabilidade e busca da verdade dessas ideias. O homem conhece a realidade, se aproxima dela ou sequer sabe com que se lida? Nunca se sabe...

    ResponderExcluir
  41. Essa dificuldade de se entender o que seria o" eterno retorno" de Nietzsche, ratifica sua teoria sobre falência dos nossos conceitos morais.
    Penso que o loop, citado no texto, é um mal necessário para o aperfeiçoamento da nossa espécie e, assim, elemento decisivo para a construção de uma moral realmente relevante e producente.
    O paradoxo mais legal que vejo é ser um "humano demasiado" ou "demasiado, humano"

    Reinaldo Campos

    ResponderExcluir
  42. Pessimismo. Da minha parte. Existir é um verbo. Multiplicidades. Ir. Voltar. Percorrer o mesmo caminho. Trocar de roupa. Usar a mesma máscara. Isso é vida. Julgar. Quem quer. Ninguém se basta sozinho. Julgamos. Escolhemos. Retornar para consertar. Seguir adiante. Esquecer. Modernidade. Bicicleta à vela.
    HG, vc qr sr compreendido?
    :)
    Beatnick. É isso.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  43. Mais uma vez texto maravilhoso!
    Fiquei pensando em como antes as coisas tinham mais sentido de ser e acontecer. Hoje tudo acontece rápido demais e se perde a intensidade das experiências.

    Sempre muito gratificante ler o que você escreve!

    ResponderExcluir
  44. É hoje com a internet nada tem tempo certo tudo é agora.São histórias paralelas sobre tudo onde não se sabe qual é a verdadeira.

    ResponderExcluir
  45. A Sessão da tarde está eternamente em loop, uma avenida que contorna a cidade, vista de cima, é um autorama... acordar, falar, comer, ir ao banheiro, ler, escrever, cantar, tocar, andar, dormir e... começar tudo de novo... a vida é um loop de dias.. um ramster que acredita fielmente em girar seu globo de exercícios até ele finalmente sair rolando..

    ResponderExcluir
  46. O eterno retorno sempre nos traz aos mesmos lugares(até as duas palavras parecem uma só em uma ordem de letras diferentes)e às mesmas atitudes, como se vivêssemos em transe profundo,reproduzindo atitudes que não nos leva a nada e nem a lugar algum,uma ausência de sentidos e sentimentos ... até que... loop...Chega a terça ou segunda,então o mesmo click no teclado parece abrir os nossos olhos (quase sempre embaçados pela poeira da nossa existência)e então nos damos conta de que as perguntas é que nos emocionam,já que as respostas estão prontas na prateleira mais próxima...Então,enquanto a maioria finge viver confortavelmente...entorpecidos pela sua própria vaidade,nós estamos por aki...
    E é exatamente onde eu queria estar...

    ResponderExcluir
  47. Quantos loops damos em nossas vidas? Quantos deveríamos dar? Quantos deixamos de dar? O sucesso só é sucesso quando vem carregado de loops que reordenam os caminhos a serem seguidos/percorridos. Na própria pronúncia "sucesso" há três loops que se repetem no som de "s". HG consegue fazer isso sempre e de forma absolutamente natural. Sorte nossa. Abraço, Wendel.

    ResponderExcluir
  48. Umas boas ilustrações pra esse texto: M. C. Escher
    http://www.mcescher.com/

    ResponderExcluir
  49. Sobre o copo meio cheio e meio vazio, depende do ponto vista. Se observarmos pelo ponto de vista do lado cheio, ele está meio vazio. E vice versa, ok?
    Abraço,
    Raphael

    ResponderExcluir
  50. O texto foi ofuscado pela doubleneck. A propósito, não ta afim de trocar essa sua em uma branca XII/VI em ótimo estado de conversação, digo, conservação?

    ResponderExcluir
  51. Encontrei hoje seu blog, via twitter.
    E virginianamente te/me pergunto: devo ler desde o início?
    Fui ao fim da "primeira página" - a primeira a ser mostrada, a última a ser postada.
    Scroll down.
    Procuro o título do texto, antecipo ilustrações. Termino de ler esse texto - o último - que passa a ser o primeiro que eu comento.
    Ademais: ler comentários é como pegar um livro lido e comentado nas margens - vira outra obra.
    Blog vivido. Restaurante vazio com cadeiras quentes. Echoes from the Edge.
    25 anos após comprar o primeiro LP enghaw, onde aprendi a ler letras de encartes antes de ouvir as músicas (hábito que durou até o Gessinger Trio, antes de Napster e playlists) - estou aqui, lendo HG sem ouvir.
    Agora me dê licença, você que lê no meu passado, pou vou dar um pulo no teu passado e começar a ler os textos pelo início do blog.
    Que já antecipo como sendo presente, como sempre.

    ResponderExcluir
  52. É bem verdade quando dizem que a vida é cheia de nuances. E, é até bom que seja assim... torna a vida mais interessante.. Como fascina que nossa existência supere todas as probabilidades possíveis e impossíveis de evolução... É animal, demais! .-. Ao fim, não é ciência exata, mas emoções.. o belo em viver é o que fica, as lembranças, o que nos move e constrói nossas vidas...

    Encontrei seu blog hoje =]
    Fico feliz por sua iniciativa em compartilhar pensamentos. Pra mim, você é um dos músicos e poetas mais profundos, estimadores e eloquentes do universo...cantor de no mínimo 70% da trilha sonora da minha vida ^^

    Não posso deixar de agradecer seu trabalho/arte... enfim, tua vida.. existência.. que tanto me motivam.. animam e me fazem continuar... acreditando no que há de bom e no que pode ser melhor.. que ter a mente quieta e um coração tranquilo tbm é um jeito de levar a vida.. Obrigada! .-.

    ResponderExcluir
  53. O PESO

    Nelci Nunes - O Falador.

    Há um continente perdido no meu ser,
    Talvez, seja maravilhoso, mas desconheço.

    Atrás do próximo porto tem outra cidade,
    Muitas casas velhas, repletas de gente sombria.

    Mesmo calado, não me encontro...
    Sou o terreno baldio depois do fim.

    Treze cidades depois do fim...
    Trajetória para o continente perdido.

    Danço sob imaginário som,
    Voo com minhas asas de chumbo,
    Sinto alegria, alegria esquisita...

    Valeu H. Gessinger, um fã desde a epóca em que o ingresso para os primeiros shows custava R$5,00...

    ResponderExcluir
  54. E quando as informações geram Loops? Hj na morte de Muammar Gaddafi ficou claro isso, repetição infinita de informação superada e sendo a mesma a todo instante!

    Muito bom texto Gessinger! Abraço!

    ResponderExcluir
  55. Tuas rimas são geniais!!

    ResponderExcluir
  56. Loop: Nascer, crescer, reproduzir (nascer, crescer,...) e morrer...

    Obrigado pelo texto!
    Grande abraço e excelente performances (loop?) para a vida

    ResponderExcluir