P(*)EMAS C(*)M N(*)TAS DE R(*)DAPÉ - 16


 

por que você não soa (sua) quando toca?
por que você não sua (soa) quando ama?
ninguém derrama sangue quando perde
batalhas de fliperama

(*)  Muita gente chiou quando um grande jornal brasileiro passou a colocar, ao lado dos nomes, a idade das pessoas citadas nas matérias. Diziam que o número entre vírgulas era pouco literário, que era imitação dos jornais gringos. De fato, era imitação. Talvez, para a época, a forma fosse mesmo muito seca. E sabe como é, pra chiar ninguém paga imposto nem pensa duas vezes. É o esporte favorito de muita gente.

Eu gostei da iniciativa. Nenhuma informação que possa ser expressa num par de algarismos é tão rica quanto a idade de uma pessoa. Saber o sexo ou a localização geográfica também revela bastante, é claro, mas estes dados ocupam mais espaço num texto.

E o signo? São necessárias 11 letras pra revelar o meu. 11 páginas para falar dos outros ítens do mapa astral. 11 capítulos para interpretar. 11 livros para discutir se há alguma base para todo este raciocínio alegórico.

Time de futebol, filiação partidária, marca da roupa íntima, cor dos olhos, tamanho do membro... a relação custo/benefício (espaço/informação) desaconselha a colocação destes ítens em textos sobre outros assuntos.

Quem sabe que sou "Humberto Gessinger, 47", sabe que nasci em 1963. Que fui adolescente nos anos 70. Que, se não me embotoquei ou plastifiquei, tenho rugas. Que, se não estou careca nem pinto os cabelos, tenho muitos deles grisalhos. Que, quando surgiram os primeiros computadores pessoais, eu já tinha folheado muitos livros.

Há muita informação neste "47". Dá pra saber a que correntes musicais eu fui exposto (e em que fases da vida). Dá pra saber que times vi dominar campeonatos ou sucumbir. Se o assunto for tênis, dá pra saber que vi Borg com olhos de menino. E que chamei Nadal de menino.

Eu sei que várias idades convivem no presente de cada pessoa. Nascemos velhos e somos eternas crianças. Nem todo adolescente é igual. O mesmo vale para bebês e anciões. Mesmo assim, para algo que pode ser dito com 2 toques no teclado, a idade revela muito.

(*) Talvez minha idade explique a dificuldade que tenho de entender o fascínio exercido pelo anonimato no mundo virtual. É provável que este fetiche estivesse aí, latente, desde sempre. Em trotes para o Corpo de Bombeiros, na coragem dos covardes quando estão em bando nos estádios de futebol, nos aviões de papel que só voam quando o professor vira as costas.

Com a chegada da www,  Sr Ninguém encontrou seu paraíso. Entendo quem acha que é só brincadeira, que não é covardia. Pode ser. Há casos e casos, como sempre. Mas, em geral, acho pseudônimos, fakes, imagens recicladas e opinião-sobre-opinião-sobre-opinião-sem-base-real tão sem graça quanto bonecas infláveis em vitrines de sex shop.

É tão bom saber com quem estamos falando! É cada vez mais difícil saber com quem estamos falando! Talvez estejamos, todos, falando muito e ouvindo pouco. Hey, quem são estes caras? Em blogs, bandas,  citando-citações-de-citações-de-citações, links-para-outros-links-para-outros-links, sempre de bom humor, sempre de máu humor... quem são? Is there anybody in there? Há sangue de verdade nas veias  ou é só Ki-Suco?

Ops, falei Ki-Suco! Se vocês ainda não soubessem, o termo teria revelado minha idade.

(*) Frequentemente me perguntam se pretendo lançar alguma obra de ficção. Tenho muito cuidado. A boa ficção está no topo da minha lista. A má ficção, lá embaixo. Pra quem não é do ramo, parece fácil inventar uma história, um grupo de personagens. Pra quem já tem algum tempo como leitor, é doloroso demais acompanhar histórias mal estruturadas, personagens com jeito de... personagens.

E há tantos destes personagens (com jeito de... personagens) em livros, blogs e bandas! O que falta é vida. Palavras vivas. Canções e fotos vivas. Desenhos, pensamentos, gritos, sussuros e silêncios com vida própria. Qual o sentido de toda esta movimentação, se não for injetar vida nas rachaduras do concreto e do  asfalto?

na hora da canção em que eles dizem .................
eu não soube o que dizer
ah, vida real, como é que troco de canal?
tchau!

(*) Há uma historinha que ouço há tanto tempo que começo a duvidar que tenha acontecido. Talvez seja uma lenda urbana, revivida de quando em quando por diferentes personagens. É assim: um jovem artista pede conselhos ao mestre, pergunta o que deve fazer para chegar lá. O mestre responde: "Desistir".

Geralmente este diálogo é considerado amargo: um iniciante inseguro pedindo tapinha nas costas e um veterano rançoso virando a cara. Acho que é possível e justa uma interpretação mais generosa.

A tradução do "desista" pode ser: "Prove-me que você não deve desistir. Existe talento verdadeiro aí? Existe força para abrir espaço? Existe delicadeza para dar tempo ao tempo? Prove que eu estou errado, por favor, adoraria que isto acontecesse! Nada é melhor do que a companhia da pessoa certa. Venha! Se há vida aí, viva!" 

Forcei demais a barra? Dei a a entender que as palavras não valem nada, que "desista" pode significar "não desista"?  Não foi a minha intenção. Só quis dizer que, além da palavra, há quem disse a palavra e a circunstância em que foi dita. Tudo fala.

(*) Tenho visto tanta coisa ruim e sem substância que, em vez de me abater, fico esperançoso: deve haver muita coisa boa, escondida, que brotará a qualquer momento. (The darkest hour is just before dawn... a mola encolhida... o minuto de silêncio antes da explosão.)

Um abraço (hug) desde a serra gaúcha, ao som de bandolins:


 

"U can't give a hug without getting a hug"
H U G = HG + U
27set2011

78 comentários:

  1. HG tú é uma LENDA do Rock! Prefiro "Rock in Blog, do que Rock in Rio... Agora vou ler... queria ser o primeiro a comentar. hahahahaha! Será que consegui?

    ResponderExcluir
  2. Fernando (29)
    é verdade,depois que coloquei minha idade depois do meu nome fica estranho de entender,ninguém sabe de mim a não ser eu mesmo 11 11 11 11
    tudo tem um significado,e só nós sabemos!!! abraços meu bom HG

    ResponderExcluir
  3. Belo texto HG, para ler e reler!

    ResponderExcluir
  4. você brinca de "sério" com as palavras? Tenho dúvida se você as usa enquanto elas te descrevem ou se você as descreve enquanto elas te usam.

    Um show de perspicácia literária.
    Sou seu fã!

    ResponderExcluir
  5. ''You can't give a hug without getting a hug''! Ai Humberto, começo a deixar de lado meu livro de cabeceira nos dias em que você escreve aqui... Leio e crio causos na cabeça que me fazem perder o interesse de ler algo mais, me basta! Deus te abençoe e te dê outros 47 anos de vida pra você escrever e compor e quem sabe fazer uma obra de ficção com personagens tão reais quanto eu e você hein? Adoraria! Boa noite... Sweet dreams! :-)

    ResponderExcluir
  6. Ah, uma coisa importante que esqueci de ressaltar [...]
    I'm Mayara Gabriela, (21)

    Hug! :-)

    ResponderExcluir
  7. muito bom HG! textos que enriquecem nossas terças, que nos enriquecen cada vez mais! espero um dia ter essa perspectiva do mundo que vc tem, ao mesmo tempo, sendo simples de coração! (é o que eu acho! rsrs), abraços, H(U)G!

    ResponderExcluir
  8. Putz... Demais! Confirmando as expectativas. Cara há sangue atraz dessas fotos bonitinhas de perfil, e desse monte de informação digital que se tromba por aqui... "O que falta é vida. Palavras vivas. Canções e fotos vivas."
    Pode parecer clichê, mas dá pra farejar vida e sangue nesses textos do HG... Parabéns! Rock in Blog é D+!!! Abraço cibernetico (retribuido) ao cara mais Rock n' Roll do Brasil!

    ResponderExcluir
  9. Gessinger ousando cada vez mais nos abraços e, abraçando cada vez mais (e mais pessoas)!
    Quem sabe um dia desses não o vemos da janela de um avião... em Porto Alegre e o futuro em flash-back...
    Viajei demais né? Mas descendo das nuvens e voltando ao poema... uma dúvida ficou sobre essa coisa de idade e identidade:
    Nascendo no mesmo dia/mês/ano do meu pai é um atalho para mim no deciframento desse enigma HG? Âncora... vela... qual me leva? qual me prende?

    Despois de tantos devaneios...
    um pouco de mim:
    Luciana (20) =)

    e apesar da idade, cheguei a conhecer o tal Ki-Suco rsrsrs

    ResponderExcluir
  10. Poxa vida, Humberto!! rsrs ...Estou com um som gravado, caseiro, mas bem gravado aqui...Se quiser ouvir, talvez se surpreenda. Um batalhão de almas no exército de um homem só: http://www.4shared.com/file/HAcAFSp9/Ivan_Costa_-_Pelo_avesso_ou_No.htm

    Abraços!!
    Ivan Costa

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Eu sempre me surpreendo com o que você escreve! Cada vez melhor, cada vez mais verdades sendo ditas. Adorei! Abraço!!

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito do texto. Mas tenho uma outra interpretação da anedota, sobre o "desista"... mais taoísta talvez...

    Acho que é desista mesmo. No sentido de largarmos mão de nossos objetivos mesquinhos, afinal todo mundo tem q ter um sonho, o que vc quer ser quando vc crescer? Eu não sabia o que queria ser... Daí achei que astronauta, para navegar no universo, conhecer planetas e chegar perto de estrelas... Mas os filmes de astronautas me decepcionaram. Depois cientista - excitantes explosões! Mas nunca gostei da matéria de ciências, quantos nomes chatos pra decorar! A criança não sabe de fato o que quer ser, só tenta brincar de ser alguma coisa grande. Mas vamos descobrindo que o que nos dizem que é grande às vezes é tão pequeno... E o que é pequeno é raro e precioso. Que o que chamam de nada pode ser tudo. Que se eu não quiser ser nada... posso vir a ser qualquer coisa. E qualquer coisa é bom, porque o amanhã é qualquer coisa. Qualquer coisa que não conhecemos.

    É também como entendo o conceito da "não-ação", dos budistas. Querer ser é forçar a barra. Basta ser.

    Enfim... blablablá ;)

    Buenas!

    ResponderExcluir
  14. Meu velho (com todo respeito)...
    Me responde uma coisa:
    Tu procura as palavras ou as palavras te procuram?
    Tuas palavras: Ler e reler, sempre!!!
    Abraço!!!...

    ResponderExcluir
  15. Humberto,

    A palavra é "Perfeito", nada além disso ou menos que isso...
    Vou reler, reler e reler.

    Até próxima terça, Abraço.

    ResponderExcluir
  16. Mas que alegria te escutar com os olhos, aqui, como o fazia no abiloblog.
    Alegria da qual só os de fé entendem a dimensão.

    Um abraço desde São Paulo,

    Fernanda (já sem novidade), 29.

    ResponderExcluir
  17. Ahh q perfeição em suas palavras...extasiada!!
    Beijos
    Lenny (35) : )

    ResponderExcluir
  18. Admiro a leveza das tuas palavras, sempre!
    Teu som sempre me traz ótimas lembranças, de diversas fases da minha vida(boas e outras nem tanto). Obrigada por isso!

    ResponderExcluir
  19. Ando sentindo coisa semelhante aqui sobre a "falta de vida" de muitas coisas. Sobretudo nessa era de transição tecnológica, onde todo mundo pode sacar um celular, acessar o Google e tirar as subjeções que uma conversa casual naturalmente gera.

    Talvez por isso os filmes, livros, quadrinhos, músicas e etc. que conseguem transmitir vida de verdade, subjetividade na medida certa, talvez estes sejam os que formam um público sincero. É raro, e é necessário.

    Mas "talvez estejamos, todos, falando muito e ouvindo pouco".

    Obrigado pelo texto, Humberto. Falou na medida certa, desculpe se tentei complementar o que não precisava.

    Vinicius, 20.

    ResponderExcluir
  20. Juan, 25 anos, Feira de Santana-Bahia - 110 km "longe da capital". Faço mestrado em Filosofia (UFBA/UEFS).

    Prazer!

    ResponderExcluir
  21. Olá portoalegrense!
    =)
    Belo texto!

    (*)A geração eletrônica, como quase toda invenção tem seus pros e contras... Demonstra menos vida, alma, ser, mas permite ao mesmo tempo viver com quem está longe ou nem se quer conhecemos, em que outra situação você me ouviria? ... Mas também resulta em crianças mais obesas, pessoas com déficit de contato físico, porém permite acesso fácil a informações, compras sem enfrentar filas e filas... Resultado: Tem que se usar uma balança a todo tempo!
    É como a invenção da quimioterapia, mata a célula cancerosa, mais agride violentamente todas as outras livres do mal...

    A propósito, Dani-25.
    Como disse uma colega acima, apesar de uma idade inferior a sua também estou ciente do Ki-suco, aqui em Brasília é mais conhecido como 'o pózinho da morte', rs. (é sério).

    (*)Sei que você é responsável pelo que você fala não pelo que eu entendo, mas no decorrer dos seus textos tenho a impressão de que sempre que usa a expressão 'não tive a intenção de...' você de fato teve a intenção de...

    (*)Acho mara tua facilidade de criar slogans, ou marcas registradas... Esse abraço, agora a extensão dele HUG... Criando, criando e criando, em tudo! Assim fica fácil admirar!

    Um \O/ , boa noite, até terça!

    ResponderExcluir
  22. Por costume de na madrugada de terça ir até "Abilolado" (mesmo sabendo que vc não postaria mais...) eu achei esse caminho para te encontrar. E, nossa, como fiquei contente!!

    A idade pode muito revelar sobre nós. Mas, às vezes, fico confusa, pois, muitos já não querem se assumir como são. "Sangue de verdade..."? Certamente o Ki-suco os engana e nem percebem como estão sendo desnorteados....

    Penso que, tristemente, vivemos a era do papagaio (repetidor de palavras); da falsa intelectualidade, falso talento, falsa música... falsa, falsa, falsa... Todos querem ser diferente na medida em que esse "diferente" os excede aos outros, mas o que vejo é um bando de pessoas iguais. Iguais na ignorância, na falta de talento, na falta de música boa, na falsidade e, caminhando todos numa mesma direção com suas ideias e ideais. Ora, quem vai querer andar na "contramão”? A multidão atrai. Qualidade não importa mais. A quantidade tem se tornado referência do bom, do prazeroso, do que se deve almejar.
    Caro, colega, ainda tenho esperança na humanidade! Ainda existem muitos que prezam por a essência das coisas e das pessoas: Vc, meus colegas que escrevem aqui e muitos outros que me causam inspiração. Inspiração para crer, para amar e para não “desistir”.
    Receba meu humilde abraço e fico grata por o seu.

    P.S.: Não consegui postar, como de costumo, pelo blogger, mas sou Liliana Almeida (OMG! *34... rs)
    Twitter: @Lilianaaflima / Face: Liliana Almeida

    ResponderExcluir
  23. É Humberto, realmente o sr. ninguém ocupou o espaço no mundo virtual, todo mundo quer dar o seu quinhão em qualquer coisa, em qualquer hora, e em qualquer lugar(hey, ó eu aqui também...!rsrs). Mas será que é a www, ou naturalmente faz parte da geração? Não sei, cada vez mais parece confuso esse cenário paralelo(blog, vlogs e outros logs afins), acredito que se não existisse Internet, eles seriam capazes de vestirem-se como vilões ou heróis por aí com os seus fakes de plantão. Talvez não, sei lá. Mas também acredito como você disse, que alguma coisa boa brotará a qualquer momento. Que neste mundo de zeros e uns, ainda exista luz no fim do cabo...

    Desculpe o devaneio, mas é sempre um prazer ler os seus posts, como ouvir as suas canções(sem ordem de prioridade...rsrs) Um grande abraço, do De Fé há 25 anos. Luciano

    ResponderExcluir
  24. Humberto tive uma crise de risos agora com as opções de avaliação do texto, acordei todo mundo em casa, foi um peteco, mas... RevoltouUmDândi kkkkkkkkkkkkkkk, não dei conta de me segurar...
    E fiquei meio perdida no SurfouKarmas... É tipo viajou?!
    Beijos...

    ResponderExcluir
  25. Humberto, suas palavras tem um quê que não sei dizer, esse texto está muito bom. Me inspirou a criar meu próprio blog. Desde a primeira canção que ouvi dos Engenheiros (Pra ser sincero) aos 8 anos enquanto meu pai ensaiava com a antiga banda até a última que ouvi com o Pouca Vogal (vôo do besouro) eu reconheci uma grande figura que eu admiro e sinto falta nas pessoas ao meu redor. Sem dúvida essa virtualização cria um mundo cada vez mais globalizado e ao mesmo tempo mais distante. Como posso me relacionar com alguém na China, sem nunca ter visto seus olhos?

    Até +

    Grande Abraço

    ResponderExcluir
  26. Muito bom !!! Eu realmente acho que os seus textos reflexivos são muito mais interessante que uma obra de ficção. Você poderia futuramnte unir todos esses textos e lançar um livro de crônicas. Nãe deixe que esse belo material se perca com o tempo!!!

    ResponderExcluir
  27. Amigos: "SE QUEREM PAZ TE PREPAREM PARA A GUERRA"

    E eu quero paz para minha vida...
    Quero ser um instrumento também, para que a paz chegue aos 04 cantos.

    "SE NÃO QUEREM NADA DESCANSE EM PAZ"

    Humberto um dia aprendi com minha psicóloga que não vou querer sentir mais nada, não vou querer mais nada, no BANCO CENTRAL DO MEU CORAÇÃO, SÓ SEREI UM PACIENTE AGUARDANDO O CHAMADO DAS ESTRELAS - E ENTRE ELAS A MAIOR O PROPEDÊUTICA - humba, oba.

    ResponderExcluir
  28. Cristiano Borba / Santos SP27 de setembro de 2011 09:48

    Falou e disse HG !!

    Tenho 39 anos / Capricorniano

    Espero que agora não saiam revelando meus segredos por aí .

    Abração

    ResponderExcluir
  29. Isso pensando no TAO... uma mente sem desejos, "direitos autorais" - um coração tranquilo - na medida do impossível - "posteridade". Mas quer saber vou pagar pra ver!!!!

    O que é mais belo?

    "A lágrima doída do ídolo caindo em camêra lenta"

    Ou...

    "Estar com ele enquanto ele toca acordeom e canta na praça?

    Viva o caminho mais difícil!!

    ResponderExcluir
  30. Humberto, excelente texto, mais uma vez!!! Parabéns.

    O fato é que as palavras são ditas. Nos resta é fazê-las serem sentidas!!!

    Abraços.

    Lucas Alkmim.

    ResponderExcluir
  31. Ótimo começar o dia lendo tuas viagens! Fiquei pensando: quem sabe que tenho 30 anos pode imaginar que cresci ouvindo Legião, Engenheiros, Paralamas e Capital! Que era pequeno mas me lembro do Tancredo Neves, personalidade que causou grande impacto em mim... e que vi a queda do muro de Berlim sem entender bem o que estava rolando! Grandes reflexões!

    ResponderExcluir
  32. Eduardo Podolski(29)

    Nossa sociedade não gosta de ver a idade sendo exposta a todos...Fica legal você ver seu nome e do lado sua idade. Isso prova o quanto da vida você aproveitou,curtiu, viveu!! Literalmente é o peso da experiência, que pra mim,é muito válido. Assistindo ao jogo do Botafogo 2 x 2 São Paulo, vi que Rivaldo(38) joga muito!!e que os 38 anos de vida dele, hoje, fazem a diferença em sua profissão!!

    ResponderExcluir
  33. Deve sim haver muita coisa boa escondida! O blog está show! :D

    ResponderExcluir
  34. Dizem que há um morro com um velhinho, nos esperando pra dizer qualé o caminho...

    Será que o vital é o velhinho ou o morro??

    Por trás de 'DESISTIR' o Humberto Gessinger, 47, encontrou um copo meio cheio.. é o que deveriamos fazer..

    Grande Saque Velho Gessinger ;P

    ResponderExcluir
  35. Sou Arianny Mara 28, beirando os 29 (dia 29/09) hehehe... Você parece escrever o que eu penso. Muito bom! Abraços.

    ResponderExcluir
  36. Sou fã desde as bandas de 1990 e poucos. A www trouxe muitas coisas boas e outras tantas ruins. Mas, dentre as coisas boas destaco uma: Os atalhos que se criaram dos fãs para com vc. Tornou-se para nós, além de mais acessível, com mais sangue nas veias e sentimentos no coração. Gente normal, embora GENIAL.

    Parabéns Humberto, 47.

    Flávio Pires, 33.

    ResponderExcluir
  37. P(*)EMAS C(*)M

    N(*)TAS DE R(*)DAPÉ
    (*uma perda de tempo

    ao quadrado)


    Poemas seriam perda de tempo?

    E notas de rodapé?
    Se ainda vale a matemática

    que me ensinaram,
    dois números negativos

    multiplicados
    resultam num número positivo.
    Espero que

    uma perda de tempo

    ao quadrado
    seja um ganho... de tempo.


    HG - Aplicando leis contra as proprias leis.

    ResponderExcluir
  38. Breno Teófilo (18): Obrigado humberto! a historinha contada serviu muito e me ajudou mais ainda a fazer a escolha certa!
    @brenoteofilo

    ResponderExcluir
  39. Sim, não perco a fé também!! Daqui a pouco as pessoas se cansam das coisas ruins, ou as reconhecem como.
    Aí será a vez das coisas boas, escondidas sabedeus onde, virem à tona!!
    Quem viver verá...
    Mari, 30... quase 31.

    ResponderExcluir
  40. Preciosas terças...
    Mayara, só 94 anos pro HG??? Ele já é imortal.
    Humberto, "somos quem podemos ser", né? Vc é imortal...
    Hug!
    Letícia Dussarrat, 30.

    ResponderExcluir
  41. Era criança e rolava Engenheiros aqui em casa,então te escuto desde sempre. E escutarei. Mas ultimamente tenho me alegrado muito em poder ficar viajando nas terças. Em 2000, Ana (13), não pode ir no teu show aqui na cidade. O motivo? Entre parênteses. E todos esses anos esperei e não voltou =\ Cansei de esperar, vou atrás! Até dia 22/10 em Alegrete 0//

    Hug!
    Ana, 24.

    ResponderExcluir
  42. Um som, uma banda, um cantor com essência, nunca ficará para trás. Gessinger, com sua obra, até a eternidade!

    Júnior Vilas Bôas, 25.
    Até mais.

    ResponderExcluir
  43. Eu,Rayanne(18),não vivi os momentos GLM's exatamente por não existir,@_@,mas não tem importância vivo 'eles' todooos os dias,to com vc todos os dias,todas as terças recebo teus abraços! Não tenho teus LP's,=/,não tenho 1milhão de fotos com vc,mas isso não me deixa na condição de menos fã do que ninguém,num sei nem o que to escrevendo,na verdade só queria te dizer que te amo e que sempre estarei aqui,tentando e correndo atrás de mais uma foto,mais um abraço,mais uma canção, =)
    que Deus te dê mais...47+47=94,te dê mais 94 anos,9é,acho que consigo te aturar daqui pra lá,rsrs)!
    Uma linda Noite!
    e um lindo abraço!
    XD

    ResponderExcluir
  44. O Humberto nos ensinou uma forma de dizer a palavra "desista", para que as pessoas possam perceber que elas são capazes e que não vão desistir.

    Já dizia o Duca: "Não desista de quem desistiu. Do amor que move tudo aqui."

    Humberto Gessinger e suas postagens geniais!!

    ResponderExcluir
  45. Parabéns sempre!!! è isso ai Humba, precisamos muito de você, suas idéias nos fazem refletir muito, e trazem respostas um tanto quanto inusitadas...
    Deve haver alguma coisa que ainda te emocione ; )

    Beijos e abraços.

    ResponderExcluir
  46. De hoje em diante sempre colocarei minha idade nos comentários, textos etc... não que antes tivesse problema, pelo contrário, tenho orgulho de meus 25 anos! Muito bom o texto, parabéns!
    tani kronbauer
    @tani_kronbauer
    joinville sc.

    ResponderExcluir
  47. HG...eu, apesar de ser de 85, não consigo entender esse prazer no anonimato. A melhor coisa da na vida é a gente poder sentar, conversar, tomar uma cerveja (ou chimarrão no seu caso)olhando diretamente nos olhos de nosso interlocutor...é a sensação de reciprocidade, cumplicidade do bicho homem se perdendo dia a dia! Sinto falta dos saraus, dos luaus à luz de lua cheia... De um tempo que a modernidade deixou pra trás. Daquela juventude obsoleta de 20 e poucos anos. Obrigada!!! Sorte e sucesso sempre!!! Forte abraço!!!

    ResponderExcluir
  48. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  49. Caramba HG tava beeeem inspirado heim!?!!?
    rsrrsrsrsrsrrsr adorei!!!!
    Principalmente essa parte aqui:

    "Eu sei que várias idades convivem no presente de cada pessoa. Nascemos velhos e somos eternas crianças. Nem todo adolescente é igual. O mesmo vale para bebês e anciões. Mesmo assim, para algo que pode ser dito com 2 toques no teclado, a idade revela muito."

    E como a idade revela!!!
    A simples apresenatação de poucos números pode dizer muita coisa que alguém viveu... ou que deixou de viver...

    Abraços de uma eterna fã...

    ResponderExcluir
  50. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  51. Juliana, respeito seu comentário e sei que o Humberto até concorda contigo, porque ele lê todos os comentários, e acho até que ele acha exagerado a forma como a gente o trata. Mas, respeitar a opinião dos "De Fé" também seria legal pra você.
    Você ta se mostrando fechada ao resto do trabalho do Humberto, ele não acabou com o fim do GLM. Ele não era só o GLM. Foi uma ótima formação, admiro muito o trabalho que eles fizeram juntos. Mas sem o Humberto, não haveria essa formação. Pra mim melhores discos são o Minuano e o SK&DNA. Se o Humberto fosse um Raul Seixas, ele não estaria mais entre a gente escrevendo esses poemas perfeitos!!

    Pra mim, Humberto é GÊNIO!!

    ResponderExcluir
  52. Juliana cada um tem uma opinião.
    Mas sinceramente, perda de tempo da sua parte vir até o Blog e colocar isso.
    Se o idoltramos a questão é nossa, achamos ele um gênio sim e todo nós só viemos aqui ler e comentar porque achamos o trabalho e a mente dele extraordinária.

    Eu por exemplo gosto do Raul Seixas, mas pra mim ele não é nenhum Humberto Gessinger.
    Nem por isso se ele estivesse vivo eu iria até o Blog dele dizer isso aos fãs dele.

    ResponderExcluir
  53. Jhordan (18)

    Há quem idolate Hitler, há quem idolater Jesus, há quem mate por lúcifer, há quem mate por Deus.

    Eu? Admiro Humberto Gessinger, como escritor, compositor, músico, pensador, pessoa...

    Em minha vida, Humberto causou maior impacto, foi maior que (apesar de apreciar e ter a discografia completa) Raul Seixas, Bob Dylan, Paul, John Lennon, juntos.

    It's my life.

    ResponderExcluir
  54. Que bom podermos sempre nós encontrar aos pedaços por aqui! Essa mônada expansiva dos 47 revela a história de um completo emaranhado de possíveis possibilidades de experiencias! Obrigado pela continuidade desses novos horizontes!

    ResponderExcluir
  55. ....EU SIMPLISMENTE AMOO DIZ TUDO QUE EU SINTO EG,

    ResponderExcluir
  56. adorei H U G = HG + U!



    Juliane Soska, 23

    ResponderExcluir
  57. Sou relativamente nova e ainda falo ki-suco :)

    Fabiani, 20

    PS.: H U G = HG + U (GENIAL!)

    ResponderExcluir
  58. Humberto, se você se lembra, já lhe chamei de Gessinger. Fiz uma monografia com algumas canções suas (dos Engenheiros do Hawaii). Tirei 10. Tornei-me professor, li um bocado, perdi a graça em muita coisa depois que comecei a dar aulas... a escola brasileira moderna... estou confuso e sem fuso... fiz Letras porque sempre gostei das letras, mas é tão difícil viver com elas, mais que viver delas... entreguei a você uma cópia da monografia e um livreto que fiz em casa... qual doeu mais? Os dois! De qual eu me arrependo? Nenhum! O que eu faria de novo? Tudo... tudo de novo, se for possível fazer o novo! Fraterno abraço!

    ResponderExcluir
  59. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  60. Minha cara juliana, respeito a sua opinião, faço uso de um chavão pra lá de popular, o que seria do azul se todos gostassem do amarelo? Acontece que, para aqueles que admiram o Humberto, e eu meu incluo nessa galera, o cara se tornou muito mais que ídolo! Ele interage com a gente, lê nossos comentários, sabe que faz parte de cada um de nós, portanto, se tornou um companheiro de noites solitárias através de suas canções. Apesar de não conhecê-lo pessoalmente, ele é real pra mim em cada post, em cada canção... Se tornou um amigo, não um deus. Odeio esse lance de considerar alguém perfeito demais, claro que HG também tem zilhões de defeitos, como todos nós. Mas nunca consegui desgostar ou achar ruim qualquer de suas letras ou canções. Fã=Fanática? Não mesmo!!! Mas uma grandessíssima admiradora, isso com certeza.
    Ah, outra coisa, depois de ler As Valkírias, de Paulo Coelho, passei a enxergar Raul com outros olhos. Existem outras bandas que adoro, mas nenhuma me toca como HG em qualquer formação. Eu fecho com a Pedra Letícia: "Eu não toco Raul! Cês me desculpem, eu acredito quando você diz que ele é legal! Eu não toco Raul! Cês não me culpem, a banda preza pelo estilo Sidney Magal!
    Opinião é opinião, cada um na sua!!! Boa tarde!

    ResponderExcluir
  61. Sou Gabriel (32), o que revela que passei direto de Balão Mágico a Engenheiros do Hawaii,quando pedi de amigo oculto o disco que contivesse a canção que a gurizada cantava no ônibus, "Era um garoto..." Comprado o disco, tendo tido a infantil vontade que se tem aos dez de ser aquele cara com roupas legais, ouvi "O Exército de um Homem Só", e não sei dizer se me pirou mais a canção ou o "Dedicado a MAthias Rust e sua solitária invasão do espaço aéreo soviético". Depois vieram Guns e Nirvanas da vida (acabo de ver o Metallica no Rock in Rio, mesmo Metallica cujo excesso de zelo com a bateria do álbum homônimo teria dado ao Humberto a vontade de fazer o "Filmes..." diretaço) Para ver o que ficou, basta saber que meu blog é o www.cegosegosemagonia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  62. Bah, Humberto, que texto maravilhoso!
    E que bom que a partir de hoje, teremos você especialmente por aqui!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  63. Ah, e esqueci de me apresentar.
    Bárbara Ornellas, 16.

    ResponderExcluir
  64. Construir o ídolo faz parte da nossa formação. Tem exemplo mais coercivo do que um filho que se espelha no pai? Vejam Kafka, que quase aloprou com a sua paternidade problemática.

    E tem coisa mais extraordinária do que a fase em que entramos em contato com algum músicos/artistas/escritores e a gente pensa que ele explica o eixo que faz girar a nossa vida? Parece que as coisas escoam através dessa influência, do artistas/músicos/escritores.

    Só acho que a idolatria não deve substituir a crítica, a crítica bem construída ou a crítica enquanto capacidade de análise do sujeito. Kant, em Was ist Aufklärung?, fala de menoridade, que é “o livro substituindo o esclarecimento”. Hoje todo mundo cita Caio Fernando Abreu, perceberam? Parece que literatura não é mais um tratamento, um livro inteiro. Virou uma pílula: só a frase solta na www pra dizer pro meu coleguinha do meu facebook que estou “meio assim” hoje. Paciência!

    O sucesso que algum escritor/músico/artista faz em nós se dá porque estamos sozinhos no momento em que ele apareceu. É o sentimento de suspeita de que há uma carta fora do baralho - revisamos todo o baralho pra confirmar a suspeita, afinal sem uma carta não há jogo, né?; ou quando sentimos algo que não está explicado ou quando tu percebe que a mídia (Veja e Globo) abusam da liberdade de expressão e tu escuta um Roda Viva, por exemplo. Um artista/músico/pensador, embora com uma visão holística, só entra em nós se em nós estiver uma carta faltando ou fora do lugar. Eu costumo afirmar que as frases que grifamos nos livros são nossas biografias grifadas.

    Só estou querendo dizer que essa questão do ídolo/idolatria não é pura babaquice, não é simplesmente babação de ovo. Babação de ovo é se rasgar por Cláudia Leitte e afins. Aí, sinceramente, é estupidez.

    Na comunidade dos Engenheiros do Orkut eu fui banido porque fiz um tópico dizendo que havia enjoado dos Engenheiros. Havia enjoado por causa da overdose, o que é irônico. É esse tipo de idolatria que eu não gosto: “não, nunca fale mal da minha banda”. Toda forma de poder. Parece briga de torcida, violência sem pensamento. O fan aí pode ser um fanático, um homem-bomba.

    O Gessinger, como poucos, procura estabelecer um contato direto com seus ‘de fé’ e faz de maneira sincera, sem parecer “forçação de barra”. Nietzsche combatia a idolatria e é idolatrado pelos jovens. Irônico...

    Desculpem pelo comentário imenso.

    ResponderExcluir
  65. Que ótimo que agora você tem um blog. Adoro esses seus escritos aleatórios ou não. Sou apenas mais uma que te admira demais.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  66. Polêmica, polêmica, descrição de comentários/comentarista à parte! Acho que como cada pessoa tem suas peculiaridades e subjetividades, é óbvio que para o artista não é diferente e, por que não para seus fãs? Estamos falando de seres humanos e não de Deuses da Mitologia Grega!!! Cada um sabe de suas preferências e desagrados, e digo com convicção que uma das coisas que mais irrita são os critérios de comparação. É impossível alguém ser 100% original, como também é impossível ser 100% cópia, todos sofrem influência do meio, isso é fato! O importante é respeitar o artista pelo o que ele faz e, se tem uma legião de fãs que o segue e o transborda de elogios, não é ao acaso, foi por mérito dele! Particularmente sigo a teoria de que se algo não me faz bem e tenho como evitar, seja isso qualquer coisa, deleto da minha vida! não vou atrás e fico lá alfinetando, nem a mim nem às outras pessoas. Isso é quase um sadomasoquismo! Respeito é sempre bom aos que querem ser respeitados.
    Mas enfim, o texto me trouxe uma sensação nostálgica e me lembrei de uma lembrança que sempre me acompanha: eu de mãos dadas com minha mãe e ela me levando pra escola, e em algum lugar tocando terra de gigantes, acho que deve ter sido na época que estava no auge, porque eu já reconhecia e gostava da música. A vida vai passando, vamos ficando mais distantes de nossa infância e o tempo junto com nossas atitudes e experiências boas e ruins trata de moldar o resto. Acho que a questão do desistir pode ser interpretada a partir das experiências que cada um tem de vida. (Isso pode ser bom, ou não né?). Adorei o Post e mais uma vez parabéns, me identifiquei muito! É muito bom saber que meu ídolo se incomoda com as mesmas coisas que eu! Não adianta eu tentar dosar e me policiar pra não ficar aqui “babando-ovo”, sou uma “de fé” e me orgulho disso, mesmo se estivesse indo de encontro a multidão.
    Abração!

    ResponderExcluir
  67. Essa questão da idade é bastante significante (ou não) na vida das pessoas...tem dias que você(eu) se sente (me sinto) uma criança, sem saber pra onde ir em um lugar novo e cheio de descobertas, já tem dias que você (eu) se sente (me sinto) como um velho ranzinza cheio de stress, empatia e dor na coluna...

    O tempo passa, as mudanças permanecem, e entre passar e mudar, transitamos entre idades mentais diferentes todos os dias, às vezes, varias vezes ao dia...o que nunca podemos perder é nossa essência...Parabéns HG...se puderem deem uma olhadinha nesses links aqui

    http://www.victorrockrock.blogspot.com/

    http://www.youtube.com/watch?v=-5Jn4zNd_FQ

    abraços!

    ResponderExcluir
  68. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  69. Juro que quando li a história(estória?) do "desista" achei que tua interpretação fosse do tipo "o caminho se faz andando"
    Nada é o que parece, neh? Eu ri(sorri). =)

    ResponderExcluir
  70. Fiquei pensando nas duas últimas estrelinhas

    * "Desistir", no sentido zen budista é uma experiência sutil e expansiva. :)

    **************************************************

    Abraço!

    ResponderExcluir
  71. Experiência sutil e expansiva... Sorri de novo =)

    ResponderExcluir
  72. Eloisa, 34... Tomei Ki-suco dos 3 aos provavelmente 10 anos.
    No mundo real sou pouco atraente fisicamente. Sou sobrepeso, tenho 3 filhas e 1 marido. Tenho 4 cachorros. Classe média-média (qual é a medida disso???).
    Graduada em Enfermagem e Obstetrícia, pós graduada em Reabilitação das anomalias Craniofaciais.
    Já fui Marxista. Já acreditei na democracia brasileira.
    Filha de mãe costureira e pai musicista.
    Nunca acreditei que tiramos o Collor do poder.
    Não gosto do sacrilégio contra a Lingua Portuguesa que vejo na Internet.
    Tenho mais de 300 amigos virtuais que, com certeza, não me acolherão juntamente com a minha (grande) família, caso uma enchente destrua a minha casa.
    Vivo nas periferias do mundo virtual. Neste mundo Virtual sou tudo aquilo que não pude ser no real: Poetisa e artesã.
    Os 15 fãs do meu blog, com toda a certeza, não leem o que escrevo. Mesmo assim escrevo, pois deve haver vida em algum lugar... deve haver alguém que se importe... que sinta... deve haver.
    Neste mundo imaginário me sinto viva. Sou eu mesma.
    É isso aí.

    Meu mundo imaginário é este:

    http://palavrasquedizemtudo.blogspot.com/

    HUGGS!

    Eloisa Rocia

    ResponderExcluir
  73. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  74. Ah,a idade. Diz muito mais tambem não diz nada,tenho 31,fã de suas musicas humberto. Quando comeceia ouvir tinha 18 e vc já tinha mais de 10 discos, Minha esposa tem 24 aprendeu a gostar de suas musicas comigo, hoje grande fã também, quando ela ouviu a primeira musica sua ela tinha 16 e vc já tinha 16 discos lançados. Quando eu tiver filhos eles tiverem idade,vao te escutar tambem. Quantosdisco vc tera? qual sera a idade deles? Não importa, oq importa é que eles saberam que nos anos 80 surgiu um compositor cujas música serão eternas na minha casa enquanto eu viver, e talvez depois!

    ResponderExcluir