P(*)EMAS C(*)M N(*)TAS DE R(*)DAPÉ - 14


(*) Há uma nova angústia na praça. Chama-se FOMO, iniciais de Fear Of Missing Out. É a versão digital de algo antigo: a sensação de que o melhor está acontecendo em outro lugar.

Em resumo, é o seguinte: o cara tá em casa, numa boa, e resolve dar uma olhadinha nas redes sociais. Ali, descobre que fulano está numa balada I-R-A-D-A, beltrano tá num restaurante D-E-L-Í-C-I-A, cicrano tá num jogo F-O-D-A, num show M-A-S-S-A, vendo um filme I-N-C-R-Í-V-E-L, com um M-U-L-H-E-R-A-Ç-O, numa praia M-A-N-E-I-R-Í-S-S-I-M-A. De repente, o cara, que estava em casa, numa boa, se sente o último dos mortais. Morre de medo de estar perdendo o melhor da(s) festa(s). Fear of Missing Out, FOMO.

ah, este medo de ficar pra trás
de não ser sempre mais
de nunca mais poder

(*) Dia desses, me perguntaram, via twitter, qual a marca dos meus óculos. Tirei os óculos pra conferir o nome gravado na armação. Mas, sem óculos, eu não conseguia ler! Putz, que aflição! Lembrei do ditado: You can't have your cake and eat it too. Ou você TEM o bolo ou você COME o bolo. A ilusão de que se pode ter tudo é um passaporte para a angústia.

(*) Cowboys & Aliens é um filme que mistura ficção científica com faroeste. Deve ser divertido, como todos os pastiches que Steven Spielberg e sua turma tem criado. Ele conhece como ninguém o coração e a mente do americano médio. Vai direto ao alvo, sem firulas (só com firulas, segundo as más línguas). Se alguém quiser saber quais eram os medos e desejos do cidadão comum estadunidense no fim do século passado, basta ver os filmes do Spielberg.

O "cinemão" sempre conta a mesma história: o herói passa por provações e, um pouco antes do final, atinge a redenção nos braços da amada. O que varia é a ambientação. Às vezes o herói vem montado num cavalo de séculos passados; às vezes, vem a bordo de uma nave do futuro.

Em Cowboys & Aliens, os dois mundos se encontram! A angústia FOMO deve ter atacado os produtores do filme: medo de perder o público de ficção científica se o filme fosse só um faroeste. Medo de perder o público de bang-bang se a história fosse só ficção científica. Eles não querem abrir mão de nada. Querem o melhor dos dois mundos. Sentar em duas cadeiras.

(*) É raro que, na vida real, possamos ter o melhor de dois mundos, ficar com a lenha e se aquecer com o fogo. Quase sempre é preciso escolher. Com o tempo, a gente se acostuma a abrir mão de algumas coisas em favor de outras. Até aprende a conviver com a possibilidade de ter feito a escolha errada. Afinal, a dúvida é o preço da pureza. No fim das contas, é isso que nós somos: as escolhas que fazemos.

O destino, este brincalhão, às vezes nos leva a escolher as coisas mais distantes. Depois, nos mostra que o tesouro estava o tempo inteiro ao nosso lado. A gente vive cruzando o rio atrás de água, né? Dobramos a bainha das calças e caminhamos milhas e milhas atrás da água que já estava ali, desde o início, molhando nossos pés.

(*) É mais fácil conhecer os limites do universo do que nosso próprio limite. Um telescópio ou um microscópio é mais inofensivo do que um espelho. Plagiando a máxima que diz que "só no dicionário Sucesso vem antes de Trabalho", eu diria que "só no disco GLM a Conquista do Espelho vem antes da Conquista do Espaço". Infelizmente.

foi o fim de uma viagem
e o guia estava errado
mas há estrelas atrás das nuvens
no céu da pátria neste instante
há um porto escondido
no coração do viajante

(*) Sabe como resolvi o dilema do nome dos óculos? Fotografei a armação e li na foto.

Não acredito que as respostas aos problemas de um mundo novo estejam na volta ao passado. Escolhi ter fé nas ferramentas que o ser humano cria. Escolhi ter esperança de que aprenderemos a usar essas ferramentas. Para o bem e para todos.

(*) Para o bem e para todos que leram até aqui, um fraterno abraço.


13set2011

11 comentários:

  1. Sintoma de quando tu táh compondo bem: olha para a parede da casa e vê uma estante cheia de livros, e ñ se lembra nem da metade dos títulos...

    ResponderExcluir
  2. Eu quero uma estante dessas na minha casa pra organizar meus discos rs

    ResponderExcluir
  3. É verdade,muitas veses tornamos as coisas invisiveis mesmo estando ao nosso alcançe,mais a vida é assim,não se sabe ao certo onde se vai parar e ficar voltando no tempo e revendo os erros não é a soloução!
    As veses em um domingo solitário bate uma revolta da vida,mais ao mesmo tempo lembro de pessoas que teem poblemas maiores que os meus e mesmo assim não perdem as esperanças, por isso tento sempre ser eu mesmo porque sei que é ilusão encontrar outros rostos no espelho quando se está sozinho,talvez eu tenha uma vida simples e comum,não sei,so não quero ser o que eu não sou,eu não sou maior que o mar !
    eu : @sivaldoallysson

    ResponderExcluir
  4. Existem pessoas que querem tudo, e no final das contas, não conseguem satisfação com nada. Viver sem sentido, deve ser horrível.

    ResponderExcluir
  5. A melhor coisa que eu tenho feito ultimamente foi exatamente isso: analisar tudo a minha volta. E a cada vez surgem pensamentos diferentes, eles nunca se repetem. Sobre as escolhas, como eu sempre digo, ninguém sabe o que quer, nem nunca irá saber, temos desejos de um segundo que podem alterar todo o nosso futuro, saber viver é saber escolher, porém é muito mais do que isso.

    ResponderExcluir
  6. Você diz tudo nessa música:
    os dias parecem séculos
    quando a gente anda em círculos
    seguindo ideais ridículos
    de querer, lutar & poder

    ...

    ResponderExcluir
  7. Então, porque esse medo de ficar pra trás, de não ser sempre mais, de nunca mais poder...

    Todo mundo é moderno/eterno como um relógio antigo..."

    Lembra disso? Seguindo teu blog. Só mais uma forma de seguir tua história. E viva a tecnologia. Fico pensando como seria a época do GLM com twitter, youtube, blog...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Pois é, amigo... de decisões se faz a vida.
    O problema é que o preço das decisões é uma vida!
    Vejo uma tela linda de você com sua filha cantando... vejo que optou pela família...

    Também optei por minha família.
    Isso custa. E custa caro [desculpe o desabafo... mas, afinal, você foi meu único ew grande amigo por muito tempo]

    Valeu a pena o preço que pagamos????


    SIM! Tenho certeza que valeu!



    Huggs!!!!


    Eloisa Rocia

    ResponderExcluir
  9. Escolhas mais uma vez não tenho oque discorda, realmente somos as escolhas que fazemos e mesmo escolhendo não sabemos ao certo aonde isso tudo vai dar. abraço amigão

    ResponderExcluir
  10. Já nem sei quantas vezes li esse post. Sempre a mesma estranha boa sensação, sempre bom voltar aqui!

    ResponderExcluir