P(*)EMAS C(*)M N(*)TAS DE R(*)DAPÉ - 13


senta a pua... quebra o pau
manda brasa... solta a franga
sai de baixo... baixa a lenha
manda ver... roda a baiana
entra de sola na sala VIP
mas me deixa fora dessa guerra santa
santa ignorância... haja paciência!

(*) Tenho tédio à controvérsia. A frase é de Machado de Assis. Perfeita. Ele poderia ter usado a palavra "aversão" ou "ojeriza" ou "nojo" ou qualquer termo mais exaltado para ficar simétrico aos nervos à flor da pele que a palavra "controvérsia" sugere. Mas o venerável mestre confrontou a excitação da controvérsia com o cansaço, enfado, desânimo do tédio. Perfeito. Desarmou a bomba. Como nas artes marciais em que a força do adversário é usada contra o proprio.

(*) Tenho tédio à polêmica. (Agora eu é que falo. Se o ouvinte não conhecer a origem da frase, passarei por inteligente! Nah, seria muita cara de páu! Faço questão de dar a autoria. Reconhecer é tão bonito quanto criar.)

Não tenho paciência para a briga de recreio colegial, o cuspe no chão com pé passado em cima, a retórica vazia jogada pra torcida como beijos de centroavante que muda de time a cada semana. Quero ser fra(n)co e quero receber a fra(n)queza como um presente. Quero discordar ao pé do ouvido, com um sorriso tímido no rosto. Quero a mão na mão trêmula, sem luvas de box. Quero o olho no olho marejado, sem óculos escuros. Quero o frio dos pés sob o cobertor, sem coturnos.

Polêmica é a cocaína das ideias. E cocaína, vocês sabem, é uma máquina de fazer chatos. Quero de volta as horas que perdi tentando conversar com caras travados que não escutavam. Só falavam. Alto demais, rápido demais, besteiras demais. Convictos demais.

Tenho tido meu quinhão de polêmicas. Não as procurei nem tentei evitá-las. São efeitos colaterais de algo, para mim, muito mais importante e interessante: as canções, os textos, as idéias...

Me tenho por um cara simples, com ideias claras (ainda que pouco comuns). Sei que, no meio em que me movimento, a polêmica é considerada um valor em si. Sinônimo de maior exposição, capa de revista, acessos no site. Mas este é só o meio em que me movimento, não sou eu.

(*) Um abraço:

06set2011

4 comentários:

  1. Quem abaixa a cabeça prá tudo ou vive em função da maré, se mantem longe de controvérsias. Ela não é um demérito. Faz parte da vida.

    Entendo que, existam pessoas, que vivem em função disso. Aparecer "custe o que custar".
    Aí,não é polêmica. É chatice mesmo !

    ResponderExcluir
  2. Cristiano Borba / Santos24 de setembro de 2011 19:38

    Cara primeiro " Sala Vip " fui colocar o Vinil pra rolar...
    Fiquei meio bolado e querendo analisar a etimologia das palavras franco e franqueza mas desisti.Talvez perca a graça ou talvez transforme minha analise, deixa como está , assim tá legal.

    Abração

    ResponderExcluir
  3. A polêmica tem sido superestimada.
    Isso é culpa da mídia aristocrática burguesa. Isso é nossa culpa.
    A polêmica (dos outros) nos alvoroça.
    O problema é que a paz está longe disso.
    A polêmica vende jornais... mas não alimenta uma mente sedenta de conhecimento!


    Huggs!!!
    Eloisa Rocia

    ResponderExcluir
  4. Entre altos e baixos.
    Nada se compara viver sendo nós mesmos sem apelar para aplausos ou se encolher para críticas apenas o que eu acredito e só.

    A noite ao encostar a cabeça no travesseiro somos mais felizes...

    ResponderExcluir