Comentando Audição Comentada

Venho, por meio destas mal traçadas linhas, quebrar uma promessa. Havia prometido contar como foi a Audição Comentada, mas o fluxo de ideias foi tão harmonioso que meu texto não conseguiria registrá-lo (para um cara que quebra promessas, sou bem honesto, né?).

Sei que foram captados audio e imagens. Também sei que isso não significa muito. Tenho mais tempo tentando capturar emoções num estúdio do que alguns de vocês têm de vida. Sei que não é fácil.

Então... que fique na lembrança de cada um que esteve lá. Sabe aquela vovó arquetípica, bonachona,  contando histórias e oferecendo biscoitos? Isto é o que chamo de lembrança.

Pra não chegar de mãos vazias, trouxe alguns dados e sensações. Reveladores, ainda que insuficientes. Aí vão.

(*) Noite de reencontros. Voltar aos prédios da Reitoria da UFRGS, onde assisti dois dos melhores shows da minha vida: Astor Piazzolla e Atahualpa Yupanqui. Voltar ao banheiro  do bar da Faculdade de Arquitetura. Pela primeira vez sem estar bêbado, dizem as más línguas. Ah, as más línguas...

(*) Pelo que elas são, por gostar delas e pelos detalhes em parênteses, selecionei as seguintes canções: CAUSA MORTIS (pra abordar o espírito da Porto Alegre dos anos 80). DOM QUIXOTE (pra falar das parcerias, das diferenças de sotaque e de significado de palavras como "otário" em diferentes regiões do país). FREUD FLINSTONE (para falar dos EngHaw, seis letrinhas que tanto me emocionam quando usadas como sobrenome pelos De Fé. Também porque é uma das poucas músicas que sei exatamente quando e como surgiram). NÚMEROS (pra contar como as ideias vão chegando, como convidados numa festa). SURFANDO KARMAS & DNA (pra homenagear as canções que chegam para dar sentido a um álbum inteiro). ESPORTES RADICAIS (pra explicitar os elos internos do meu trabalho. Entre discos, entre capas, entre canções. É a INFINITA HIGHWAY da maturidade). POUCA VOGAL (porque é meu xodó).

(*) Quando abrimos o microfone para perguntas, a coisa ficou ainda melhor. Uma pergunta a respeito dos dias 11 (das estreias, chats e twitcams) levou à reflexão sobre forma e conteúdo e sobre como é bom quando andam juntos, de mão dadas. Uma benção! Nem sempre somos abençoados.

Lembrei de um artigo sobre história contemporânea que havia lido na noite anterior (uma comparação do  clima revolucionário de 1968 com o desmonte da URSS em 1989). O autor citava um cartaz onde um "68" girava até virar "89".

A queda do Muro de Berlim (considerada o fim do século XX ) foi em 9/11(na grafia americana, 11/9). O ataque às Torres Gêmeas (considerado o início do século XXI) foi em 11/9 (na grafia americana, 9/11). Forma e conteúdo brincando com a gente.

(*) Uma pergunta me deixou sem resposta. Melhor dizendo: eu deixei a pergunta sem resposta. Fiz várias tentativas (nenhuma me convenceu) quando perguntaram como eu ganharia a vida se não fosse  músico. Não quis responder com outra pergunta: ganharia a vida? Tudo bem, às vezes, ser sincero é não saber a resposta.

(*) Estávamos na semana do Rock'n'Rio, ao fazer uma pequena cronologia da minha carreira foi inevitável falar do evento. 

A estreia dos Engenheiros do Hawaii,
a minha estreia e a estreia do festival foram no mesmo dia.
1985.

Participei da segunda edição do RIR em meio à tour do disco O PAPA É POP.
1991.

Da terceira edição, participei em meio à tour do 10.000 DESTINOS. 
2001.

A quarta edição me pegou de folga,
entre shows do Pouca Vogal. 2011

com a Montanha Mágica de Mann
dentro e fora de mim
escolhendo canções pra twitcam
ao som do bandolim

(*) Estas foram algumas impressões da Audição Comentada na UFRGS. A rima de Thomas Mann com twitcam pintou agora. Fica para uma próxima Audição. À medida em que eu for lembrando de lembranças lembradas lá, conto mais. Sem ignorar que, às vezes, o principal fica fora do resumo.

O mais estranho aconteceu depois. Quer dizer: antes. Que dizer: durante.

Logo que cheguei, fiz uma foto para tuitar. O celular travou, não rolou. Algumas pessoas me cercaram, pedindo autógrafos. Coloquei o aparelho no bolso. Depois de uma hora e meia de papo, rolaram mais algumas fotos e despedidas. Fui ao prédio da Arquitetura esperar Clara sair da aula para voltarmos juntos pra casa.

De bobeira, passei pelo twitter. Descobri que, além da foto que eu havia selecionado, haviam sido postadas outras duas. Sem que eu soubesse ou quisesse. Suponho que o celular tenha ficado ligado no meu bolso. O roçar aleatório do tecido na tela abriu aplicativo, selecionou e enviou fotos. 2 vezes!

Numa postagem, a legenda era incompreensível, tipo "qbwuveiqrfbd2cgo". Mas, inacreditavelmente, na última, a legenda era "u-hu"Será que havia um nerd surfista escondido no meu bolso, dando gritinhos e tuitando fotos? Um Engenheiro do Hawaii? Se me contassem, não acreditaria. Conto com a confiança de vocês. Juro por Gúgou.

Em troca de uma tradução fiel do papo,
tá valendo um abraço desde as escadarias da Reitoria da UFRGS?
HG + U = HUG
30set2011

29 comentários:

  1. Caraca,sitar a minha pergunta sobre os 11 e ainda colocar a foto que eu bati no final,só me faz amar mais o Humberto,baita dia,baita assunto...se eu prestasse a matede da atenção que dediquei ao HG naquele di na faculdade eu ja estaria formado no meu curso de Geografia!!! abraços HG

    ResponderExcluir
  2. Pô meu velho...
    Rock In Rio sem ti, não é rock in rio.
    Mas afinal o que é Rock N Roll? O Pop In Rio ou olhar do Paul? :-)
    Abraço....

    ResponderExcluir
  3. A eterna duvida, ser ou não ser, um engenheiro do hawaii, abraço e obrigado pelo exemplo de profissional que vc é.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, só HG mesmo, para nos proporcionar essa leitura!

    ResponderExcluir
  5. Um evento para ficar na memória de todos os presentes.
    Valeu pela atenção.
    Até a próxima (:

    ResponderExcluir
  6. Demais! Deve ser o que chamam: túnel do tempo...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. vc falou em RIR eu lembrei de uma conversa c meu irmão q mora no Rio...ele me perguntou pq eu não fui p festival e dei vários motivos....ai ele retrucou e disse: "tu não veio pq não teve EngHaw!!!vai ver q no fundo fundo foi isso!

    ResponderExcluir
  8. O abraço ta valendo muito e demais, ainda dou esse abraço pessoalmente. Um beijo "simples de coração"

    ResponderExcluir
  9. Olá Humberto, tudo bem?
    Vi que colocastes uma enquete sobre as músicas a serem tocadas na twitcam de 11/10. Já escolhi minhas preferidas (claro!) e pra ser ainda mais chata vim aqui pedir pra tocares Muros e Grades especialmente esse mês do meu aniversário (15/10) de duas décadas. Seria mais do que gratificante!

    Abraços de uma grande fã da sua arte.

    ResponderExcluir
  10. É uma pena não ter tido a oportunidade de estar presente nesta Audição Comentada, POA é muito longe do interior paulista, fazer o quê! Rock in Rio? Pop in Rio? Não tô muito boa hoje não HG... Se você estivesse no meu lugar, com certeza também não estaria! É injustiça demais neste mundo cão! Cultura e conhecimento sem sensibilidade é sinônimo de arma de fogo pelo poder da caneta! RIR sem Engenheiros? É pra rir!!!
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  11. Desde a segunda-feira como pão com chimia de uva todos os dias cantando Pouca Vogal. Além disso, tenho uma foto bonita e a lembrança auditiva de um "pô, que super!" do Humberto ao receber o Conta-gotas - livro do meu pai. Nota mental do dia: lembrar sempre das dedicatórias. Gessinger, queridão!

    ResponderExcluir
  12. Já que tocou no assunto, onde e como surgiu Freud Flinstone?

    Abraço. Mais um texto excelente...

    ResponderExcluir
  13. A audição deve ter sido mesmo muito maravilhosa, pena não poder prestigiar, pois moro Longe demais das Capitais.
    Obrigada por compartilhar conosco =)
    Ahh, gostei da parte em que fala das fotos sendo postadas sozinhas... kkkkkkk.

    Boa pergunta André Luiz, Mestre Humberto: Onde e como surgiu Freud Flinstone?

    ResponderExcluir
  14. Nossa,adorei o texto!
    Viajei nessa primeira foto,imaginando como tu seria na faculdade,HG!Tu sentado ali na poltrona e agora depois de anos,voltando com a Clara pra casa do prédio da arquitetura.Como a vida é engraçada,né? ;D

    ResponderExcluir
  15. Bá, que dia perfeito que foi... Realmente emocionante ter estado presente.

    @simone_hg

    ResponderExcluir
  16. Muito legal mesmo,as coisas que você posta,fazem acontecer uma coisa unica,quando lemos esses textos,durante esse pequeno tempo,estamos "Lado a Lado"com a pessoa que gostamos e admiramos,e principalmente um trabalho que nos cativou ,e assim sentimos ,que somos importantes na sua história,os De Fé ,né.

    ResponderExcluir
  17. E para os que estão longe demais das capitais, este Blog é um prato cheio.

    Adoro ler, ouvir, tentar entender, fingir que entendi (risos) tudo que você fala e escreve. São textos, músicas, livros, frases, palavras, mensagens...que sempre acrescentam conteúdo na minha vida!!! Obrigada AgaGê :) Abraços!!

    by: @niviabitu

    ResponderExcluir
  18. Talento te define! (pq eu nunca iria num show daquele cara mirradinho sentado no sofá!! rs)
    Beijos, adorei o texto (só pra variar!!)

    PS: estranhei mesmo o "u-hu" no comentário da foto rsrs

    ResponderExcluir
  19. Se vcs fossem tocar no rock in rio eu não tenho dúvida que percorreria os milhares de km daqui até o Rio para assistir!

    Humberto, odeio coisas de fãs chatos e previsíveis, mas eu preciso dizer!! eu sou LOUCA por tudo que diz respeito a vc, eu amo suas letras, amo a banda, sou gremista por sua causa hahaha, acabo de me formar em engenharia talvez por influencias subconscientes de vcs, pq eu nao gosto tanto assim da profissão! hahaha
    enfim, obrigada por compartilhar toda sua inteligência, seu talento e sua beleza com o mundo! vc é demais!
    sua fã number 1! hehe

    ResponderExcluir
  20. Me sinto um pouco culpada pelo envio das fotos... fui uma das pessoas que te cercaram :)

    quanto à noite de segunda, tenho que dizer que desde que te sigo nas entrevistas e saraus aqui em Poa (vim morar aqui em 2006), foi a noite que te achei mais falante desse tempo todo... foi muito bom mesmo, e, como disseste, melhor deixar na memória... prefiro não ver vídeos desse dia, só buscá-lo na memória! Foi bom demais... e passou tão rápido que nem me lembrava que tinham sido tantas músicas assim! Enfim, valeu a pena ter ido te ver de novo... espero que tenha mais alguma coisa assim em breve!

    ResponderExcluir
  21. Certamente. Lembro das tardes escutando o álbum vermelho do EngHaw, cuidado máximo pra agulha não arranhar o presente de aniversário...todo cuidado é pouco, Afinal Nunca se Sabe. O encarte na mão era Pra Entender as Variações Sobre um Mesmo Tema. Quem Diria? Hoje a tecnologia me permite comentar, minha audição no "comentando audição comentada". Parabéns cara, você é a maior influencia jovem de todos os tempos! Grande Abraço. (Fanzão)

    ResponderExcluir
  22. Esse "se" é uma viagem que só você pode fazer, mas como dar palpite é de graça hahaha eu acho que se você não tivesse se tornado um músico, teria sido um... arquiteto! Oras, não é o que você estava estudando pra ser? hahaha palpites!
    Mas se um dia não quiser fazer mais música, vai se virar bem como escritor, apesar de os fãs da tua música demorarem a se recuperar do trauma, vai encontrar pelo caminho vários fãs caídos por terra, prostrados em choro convulsivo...

    ResponderExcluir
  23. Hahaha quanto ao celular, alguém conseguir se apoderar dele pra pregar-te essa peça, e num momento de profunda exaltação postou "u-hu!", como que dizendo: "caracas eu tô postando do celular do Humberto! Aí a culpa e o remorso destruíram sua Alma e ele devolveu...

    ResponderExcluir
  24. Teve um dia em que eu estava triste e fiz isso com sua música! Não me importei se ficou bom, nem tenho vontade de escrever mais, mas nesse dia eu precisava desabafar...

    Um dia me disseram que as nuvens não eram de algodão
    Um dia me disseram que às vezes os ventos erram a direção
    E tudo que era para ficar claro ficou opaco, cinza sem sentindo, não houve intervalo na escuridão (ainda estou nela).
    Não alcanço a estrela do brilho raro e meu coração dispara...

    Nunca me disseram quem eram os donos da situação
    Acho que ninguém sabe
    Todo mundo tem a chave desta prisão...
    Nada mais é raro, ninguém mais se surpreende!
    Lembra daquele por do sol?
    Todo dia é um dia comum (cegos!)

    “Quem ocupa o trono tem culpa
    Quem oculta o crime também
    Quem duvida da vida tem culpa
    Quem evita a dúvida também tem”

    Somos quem não somos
    Sonhos que enterramos
    Dias que não vivemos
    23/05/04

    Abraços, Júnia

    ResponderExcluir
  25. Mais um loop da Montanha Mágica: http://www.letrasecia.com.br/blog/?p=1333

    ResponderExcluir
  26. Às paro e me pergunto: O que seria da minha vida sem Engenheiros do Hawaii e sem Humberto Gessinger? Pois ele me ensinou através das letras de suas músicas a ser quem eu sou! Ou seja, uma pessoa melhor! E foi por causa do mesmo Humberto gessinger que, aprendi a gostar de escrever e a compor. Nada melhor do que ter um gênio... Uma pessoa em quem se espelhar! Lembro-me que aos quinze anos, minha mãe dizia que era uma fase, coisa de adolescente.... Que legal! Sou adolescente até hoje. Pena que hj em dia, as bandas que surgem no mercado não tenha o mesmo peso literário dos Engenheiros do Hawaii e agora do Pouca Vogal. Obrigada Humberto Gessinger por existir!

    ResponderExcluir